Tomada pelo mafioso

Tomada pelo mafiosoPT

Joelma Dejesus  concluído
goodnovel18goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
72Capítulos
25.1Kleituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Diana é uma estudante de dezessete anos, que ver sua vida mudar totalmente após a perda da sua mãe, sob a tutelar do seu padrasto viciado em jogos, é sequestrada por causa das suas dívidas, pelo impiedoso Maxweel Bennavent, mafioso italiano. O que ele não espera é que ao invés de uma adolescente como ele esperava, Diana é uma verdadeira tentação, para ele que estar prestes a se casar. Para não se tornar uma prostituta, a garota busca meios de enganar ao mafioso com trabalho doméstico na sua boate, o que ele não esperava é que a garota fosse mais que uma simples mulher, sendo a filha tomada do seu maior inimigo na máfia.

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
72 chapters
Capitulo I- Diana Fontenele
— Vamos esperar um pouco mais... — Escutei meu tio dizer, estavámos ambos olhando a minha mãe na cama passando mal, até que ela começou a colocar espumas pela boca, sai do seu abraço, com ela olhando fixamente para nós dois, sai correndo desesperada em busca de ajuda aos gritos. — Socorro, Socorro minha mãe esta passando mal! — Gritei para que todos os vizinhos escutassem, mas em vão batendo em todas as portas desesperada, alguns sairam, outros não, eram apenas um grupo de curiosos que se formara na porta de casa, no final ninguém realmente tinha interesse em ajudar.   — Diana! — Vi tio Talles parado na porta de casa com as mãos no bolso me chamando perto deles, com um semblante sério — Diana não tem mais jeito! — Paralisei naquele momento, o que ele queria dizer com não tem mais jeito? Olhei para meu tio que atravessou a rua vindo em minha direção, e mais uma vez pacientemente pegou em minha mão, olhou em meus olhos. — O que quer dizer com... — Me interrompeu n
Ler mais
Capitulo II- Maxweel Benevant
Na boate de alto padrão da cidade, a noite me parecia longa, com homens de características distintas sentados a sala com a luz amena, bebiam do melhor whisky, cheiravam da melhor produto sobre a bandeja,  ia de um lado para o outro,  sentado no meio deles os acompanhando,  as mulheres dando o seu melhor dançando sensualmente para atraí-los, as gorjetas dos ingleses são as melhores, elas amam quando eles vem, mas no momento o interesse deles é a nossa droga, a nossa bebida, as mulheres vem depois dos negócios.  Aspirei ao máximo que eu poderia da bandeja, Blanka me encheu os ouvidos no nosso último encontro com a sua família sobre o nosso casamento, dependesse de mim, já estaríamos casados a muito tempo. Eu a amo desde sempre, mas foi com várias mulheres que trabalhavam para o meu avô, que eu me transformei um homem experiente para distrai minha total atenção dela, até que ela aceitou s
Ler mais
Capitulo III- Diana Fontenelle
Ao entrar em meu quarto, fiquei horas, aquela situação não poderia se estender mais, ele insitiu até se acalmar.  — Muito bem Diana! Começamos bem, amanhã pela manhã acorde e prepare o café da manhã comece os deveres que uma mulher deve fazer numa casa! — Disse após dá dois toques na porta, o que eu poderia fazer? Para onde fugir? Fiquei em meu quarto revirando as minhas coisas, coloquei todas em sacolas de viagens, não me importava o que minha mãe deixou para mim, eu vou assumir minha herança essa semana.  A minha vida é mais importante! Quando escutei o bater da porta da sala avisava que ele saiu, fui ao banheiro tomei um banho, recolhi o que havia pelo quarto somente o mais importante, ao passar pela sala peguei a foto da minha mãe, fugi não era o meu caso, aos dezoito anos estava apenas indo embora, pensei em ir pra casa da minha melhor que sempre foi minha amiga mais fiel.Ler mais
Capitulo IV -Apolo Benavente
A noite estava apenas começando,  Max meu irmão mais velho,  passou o dia inteiro fora, isso indicaria que ele voltaria cedo para casa, a campainha tocou várias vezes até que a empregada abriu, esperei do topo da escada vendo a deusa adorada pelo meu irmão caminhar na minha direção. — Ora ora ora, visita da minha cunhadinha a essa hora?  — Me olhou com desprezo no olhar, eu fui apaixonado por Blanka desde os meus 16 anos , na verdade não era paixão, apenas diversão, devido a sua aparência de realeza,  talvez fosse o motivo que me intrigava tanto, seu ar superior, me parece muito a princesa de Game of thrones.  Quase fomos namorados, até que seu pai Erick Lukasser dono de toda moral, bom senso e principalmente bons costumes me impediu de ter sua filha como namorada, na verdade eu só queria ganha-la do meu irmão, ele também é louco por ela. Mas a família Lukasser preciosa, dona da moral e dos bons costumes, pregadores dos bons hábitos de um bom civil,
Ler mais
Capitulo V-Maxweel Benavent
— Continue com o plano, o siga. — Suspirei sabendo que isso me renderia dores de cabeça. — Veja esta garota,  apenas ao imaginar me dá nojo, a mantenha ao máximo longe de mim. — Assentiu de pé na porta. — Veja o que pode fazer de melhor e se ela não trouxer o retorno do prejuízo que ele me deu em duas noites, coloque-o para trabalhar durante o dia em alguma coisa para que saiba quem eles são, e nunca esquecer-se que há lugares que nunca deve entrar, agora vá. — John saiu.    Fiquei até tarde na boate, ao chegar em casa liguei para Blanka. — Amor? — Escutei seu sorriso que amo. — Max o que faz a essa hora ligando pra mim? — Sorri, sua voz é o melhor remédio para escutar após um final de noite. — Em busca do meu relaxamento antes de dormir meu anjo. — Sorriu. — E você o que faz querida? — Suspirou, eu desci do carro. — Estou deitada, esperando vo
Ler mais
Capitulo VI- Diana Fontenelle
Tentamos de tudo para conseguir o dinheiro, mas foi em vão. Faltava dois dias para fazer dezoito anos, meu tio estava desesperado, seu nome restrito não conseguiamos nada, e a nossa casa não valia nem a metade do que pensavámos, ele sempre disse que devia muito, muito dinheiro, mas quanto mesmo não revelou. — temos que fugir. — Lhe olhei, neguei eu não vou sair daqui, se ele quiser que vá sozinho. — Não vou lhe deixar sozinha aqui Diana, eles podem pegar você. — O encarei, eu não iria. — Você com esses olhos de Afrodite, acredite eles poderão te pegar e fazer coisas que não acredita, e isso eu não prometi a sua mãe. — Eu ri. — KKKKKKKKK olhos de quê? — Questionei, nunca escutei tal comparação antes. — Ah por favor Diana pare com suas loucuras, que bom que suas malas já estão prontas, apenas pegarei o necessário, sairemos da cidade em breve. — Lhe olhei vendo que estava louco além de machucado. —
Ler mais
Capitulo VII- Diana Fontenelle
Dias passaram no mesmo processo eu fiz dezoito anos sem nem mesmo perceber, não teve bolo, tão pouco parabéns, até que enquanto eu arrancava pedaços de parede na unha, escutei uma voz feminina. — Oi você esta aí? — Corri pra porta, era voz de mulher. — Estou quem é tu? — Ouvi risos e vozes, era mais que uma. — Lawiskia e você? — Suspirei, procurando por ar, o quarto fedia, ali eu estava fazendo minhas necessidades naquele banheiro que não limpava, comendo e dormindo não sei por quantos dias. — Diana Fontenelle. — Escutei risos. — Igual a princesa? — Desta vez quem bufou com os lábios fui eu. — Não, eu tenho dezoito anos, fui sequestrada, e sou morena de olhos castanhos esverdeados e a princesa é loira, não sou bonita como ela, porque vocês estão aqui? — Perguntei curiosa para saber tudo sobre quem eram aquelas mulheres.    — Eu sou Lawiskia, eu Andr
Ler mais
Capitulo VIII- Apolo Benavente
— Pelo menos sabe a pauta deste encontro? — o motorista me olhou pelo retrovisor. — Seu irmão foi perguntar se tem permissão para negociar com a Polônia. — Franzi o cenho, era preciso ele pedir permissão pra isso? Seguimos o percurso inteiro em silêncio, um dia os Benavent já foram homens importantes nesta cidade, mas hoje somos apenas dez por cento da máfia, graças a burrice do meu pai em fraquejar, e deixar o poder ser tomado assim.   Cheguei a boate, que estava movimentada. — Com licença! — A voz doce veio passando na minha frente, uma garçonete diferente caminhava num salto preto de um lado para o outro, não sei se era proposital, mas tudo neste lugar é, seus quadris largos se destacavam no vestido preto com o avental amarelo, suas pernas finas e coxas grossas, não sou de olhar para as garçonetes, mas esta era diferente. Lhe vi servir uma mesa meio t
Ler mais
Capitulo IX- Apolo Bennavente
  — Cale a boca, se alguém souber quem você é não preciso te levar lá cima preciso?— Balançou a cabeça, eu os segui até o ver como um cachorro, John foi em busca do meu irmão. Andei por todo o circuito até encontrar Anita me devorando com os olhos, apenas apontei com a cabeça pra cima. Subi primeiro ela depois, já veio com a mão na minha calça, tem uma boca perfeita sabe fazer um oral melhor que todas as outras. — Quem é a garçonete nova? — Sorriu ficando de joelhos a minha frente.   — Uma novata que seu John trouxe pra cá, até pagar a divida do padrasto. — Segurei sua cabeça pra parar o boquete, estava ferido devido ao minha última experiencia com a minha cunhada, ela feriu com seus dentes. — Porque? Gostou? — Assenti, sorriu me olhando. — é só pagar que eu coloco em sua mão, só teve duas transa com o namorado, não sabia nem fazer uma punhe
Ler mais
Capitulo X- Diana Fontenelle
— Você pelo menos sabe agradar um homem? — Olhei para Anita que me olhava em busca de respostas. — Não, eu .... — Assentiu, e todas elas riram me olhando, sentamos em círculos. — Certamente deve ter tido sua primeira ou segunda transa terrível na vida. — Assenti, deveria ter sido com Paulo há meses atrás, mas não foi ele apenas beijou minha boca, chupou um dos meus seios antes da policia chegar e nós dois sermos levados a delegacia, e ele dizer que a culpa era minha, depois sair espalhando que tivemos a nossa primeira vez para o colégio inteiro.  Minha mãe reclamou, brigou por fim, me fez pedir desculpas ao dono do carro, pagou os estragos feitos e fomos pra casa. — Você é igual a seu pai Diana, gosta do perigoso, qual a necessidade de roubar um carro? Qual... — Lhe interrompi ela sempre se refere assim sobre meu pai mas nunca fala quem é ele. — Já que eu sou igual a ele porque não me entrega, não me
Ler mais