Caminhos Cruzados

Caminhos CruzadosPT

hmarttiny  Em andamento
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
25Capítulos
1.1Kleituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Ele só precisa de uma nova chance de vida. Ela só precisa de alguém que a ame. Quando Alex é destinado a se tornar professor em um abrigo, encontra Jenifer, uma pequena menina desprezada e abandonada. Por mais que ele quer a adotar, há um passado em ambos que impede que isso aconteça. Uma surpreendente e emocionante história. O amor na mais pura forma.

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
25 chapters
Prólogo
– Mas... Doutor, você tem ideia do que está me pedindo? Logo para mim?            Um homem alto, magro, com óculos e vestido com jaleco branco, sentado de frente para ele respondeu bem seguro:            – Essa é a única opção que consegui para você. Depois de tudo o que aconteceu, não acho que você tenha muitas escolhas, meu amigo.            – Mas... depois de tudo... É muito difícil.            – Eu sei, Alex. Entretanto, você sabe qual é a outra opção.            Alex coçou a cabeça. Estava vestindo uma calça preta, cam
Ler mais
Chegada
Alex desceu do ônibus na frente da antiga casa que se tornara um orfanato. Viu uma placa, já apagada, escrito apenas “Abrigo”.            Era uma manhã de primavera e o sol despontava sobre o lugar exibindo a beleza daquela construção.            A casa pertencera a um senhor milionário que morara na rua quando criança e não queria ver nenhuma criança passando pelo que passou. Equipou a casa com quartos e salas de aula. Assim, poderia dar educação de qualidade e abrigo para todos. A casa, com 3 andares, contava com 18 quartos, 6 salas, 3 cozinhas e 8 banheiros. O primeiro andar ainda contava com a administração e a sala dos professores.  A fachada lembrava uma catedral europeia do século XVII. Criara o abrigo cinquenta anos atrás, e o admin
Ler mais
Aula de informática
Alex dormira mal. Tivera pesadelos. Os mesmos de sempre. Lembranças que o perseguiam e que jamais sairiam de sua mente. Eram tão intensos que acordara e sua camisa estava molhada de tanto transpirar.            Tomou um banho frio. Detestava água fria, mas era o que fazia desde então. Cada gota fria em seu corpo era como se apanhasse, como se culpasse seu corpo e alma por tudo que acontecera. Escutara do doutor que não foi sua culpa e que deveria deixar o passado de lado e procurar um novo sentido para sua vida, porém era em cada banho gelado que se punia. E nada poderia fazer com que se sentisse menos culpado.            Saiu, com frio, e viu o corpo com uma coloração roxa no espelho. Se secou e colocou uma roupa quente.            De um dia
Ler mais
Briga
Amanheceu.  Alex não dormira em nenhum momento. Levantou de sua cama vestindo ainda a roupa que usara no trabalho no dia anterior. Sentia-se sufocado. Tirou a roupa e entrou para seu banho gelado.            Ao sair, colocou uma roupa confortável. Estava se sentindo mal ainda. Falta de ar. Sua cabeça doía.            Ele se arrastou até o canto da cama, de onde pegou uma caixa de remédios.            Tremia. Suas vistas estavam embaralhadas.            Dentro da caixa, pegou um pequeno recipiente e pingou diretamente na boca dez gotas de um remédio. Lembrou do doutor falando: “não use mais do que duas gotas por dia”. Duas gotas. Não faziam efeito para Alex
Ler mais
Vestido listrado
Alex passou o dia em torno de Jenifer. Queria realmente ter a certeza de que a deixaria bem. O seu nível de preocupação com a menina era tão alto que deixou de lado até mesmo sua crise de ansiedade e seus problemas, focando somente em deixa-la bem.Assim como nos outros dias, a turma de Jenifer foi a última a ser levada para a sala. Curiosamente, Pedro chamou a menina para ser sua dupla. E ela aceitou. Alex não pode deixar de ficar feliz e encantado com as crianças, que, tão inocentes, deixaram de lado uma briga para poderem estudar e se divertir juntos naquele momento.Por outro lado, Alex conhecia a maldade humana em sua essência e não se enganava com as pessoas. Percebera que Estela e João estavam planejando algo para a menina. E não poderia deixar de se preocupar, já que a menina era pequena e inocente.Talvez nem tanto. Talvez ela tivesse algum segredo tamb&eacu
Ler mais
Roupas novas
Dois dias se passaram sem que nada acontecesse diferente naquele abrigo. A menina Jenifer continuava passando os dias na sala de informática, sem que nenhum professor fizesse questão que ela estivesse nas aulas. Estela observava a menina e a relação que estava criando com Alex. João tentava encontrar uma forma de entrar na sala de informática, sem sucesso.A menina conversava um pouco mais com o professor, sem revelar nenhum detalhe. Só dizia que estava se sentindo mais feliz. Ainda mais depois que fizera amizade com Pedro, o menino que anteriormente entrara em conflito com ela.No final de semana, várias crianças, incluindo Pedro, iam para casa de parentes. No abrigo, ficaram apenas Jenifer e mais três crianças. Alex resolvera fazer um intensivo naquele lugar. Dissera para Estela que aproveitaria o final de semana para consertar os computadores antigos.Assim, passou tempo monitorando a
Ler mais
O doutor
Aquela semana correu sem nenhuma novidade para Alex. Todas as aulas foram sem problemas. Jenifer parecia estar feliz com a companhia de Pedro e trocava algumas palavras com Alex.Ele, por sua vez, não queria que a menina se sentisse pressionada e não perguntou mais sobre o vestido. Por mais que tenha procurado todos os dias no abrigo, em todos os lugares. Sabia que aquele vestido poderia trazer as respostas, mas não poderia imaginar quem pegara no lixo.O doutor conversava quase que diariamente com Alex, procurando sempre ajudar o professor a se manter firme e a exercer sua profissão com excelência, sem esquecer de observar a menina Jenifer, que ainda não entrara na lista que recebia do abrigo.Como um dos responsáveis pela ONG, sentia-se responsável por cada criança que entrasse no abrigo. Conhecia bem a filosofia daquele lugar. Tinha um parentesco distante com o fundador do abrigo e queria manter a
Ler mais
Fora dos muros
Amanheceu novamente e o apartamento de Alex fora tomado por raios solares logo cedo. Passarinhos cantavam em sua janela e já se começava uma movimentação na cidade. Mesmo sendo uma cidade pequena, no interior, ela possuía um centro comercial grande perto do prédio que Alex morava. Ali, havia grande movimentação todos os dias.A estrada que levava ao abrigo se afastava da cidade e seguia em direção à estrada. Era a estrada que Alex percorria todos os dias naquele lugar. Criara uma rotina logo nos primeiros dias ali presente.Naquela manhã, sentia mais disposição. Talvez porque os dias estavam calmos no abrigo. Jenifer estava feliz e já aproveitava das amizades que ali fizera. Estela e João continuavam com seu comportamento estranho, entretanto, não faziam nada em relação a menina. As cozinheiras estavam com seu padrão comum, ignoran
Ler mais
Passeio
Sair do abrigo perto da hora do almoço fora algo interessante para Alex e a menina Jenifer. Os dois andaram de mãos dadas até o carro do professor. Ali, ele colocou a mochila no banco de trás. A menina insistiu em sentar na frente.– Desculpe, Jenifer. Tenho que seguir a lei. Não posso arriscar perder a minha carteira novamente.Ela demonstrou irritação e sentou no banco de trás.– Para onde vamos?Alex olhou para ela, sorrindo:– Criança, temos uma tarde inteira para fazermos o que quisermos. Mas, antes, precisamos almoçar. Está na hora de você comer.Ela sacudiu a cabeça. Não comera nada naquele dia. Tivera uma manhã triste ao saber que os amigos iriam para casa de pessoas e ela ficaria ali, sozinha. Não é que não tivesse alguém, mas esperava que esse alguém não a encontrasse al
Ler mais
Descanso
Alex e Jenifer desceram do carro com as bolsas. Entraram no elevador e chegaram no apartamento em que ele morava. Abriu a porta e entraram com tudo.            A menina olhou para o apartamento. Depois, deu um sorriso para Alex, como quem gostava daquele lugar. Andou pelos cômodos e viu o quarto vazio. Estranhou que Alex, sozinho, tivesse um lugar com dois quartos. Estranhou mais ainda três caixas que estavam fechadas dentro do quarto vazio. Mas, nada disse para seu amigo.            Alex entrou no quarto com as bolsas e sorriu para a menina:– Este é seu quarto. Vamos arrumá-lo?A menina ficou muito feliz. Nem mesmo no tempo anterior tivera um quarto só para ela. Sempre dividira com alguém.Levaram várias horas arrumando tudo que compraram. A cama, já com colchão, fora ar
Ler mais