Danças Noturnas

Danças NoturnasPT

Banny de Castro  En proceso
goodnovel18goodnovel
0.0
Reseñas insuficientes
36Capítulos
1.5Kleídos
Leer
Añadido
Denunciar
Resumen
Índice

LWKWAKWA, uma menina nascida e criada no interior rural, é forçada por sua prima a ir viver no litoral de Benguela-Angola. Mas a diferença entre ambos os meios é tão grande que ela começa a chorar logo nos primeiros dias de sua estadia. O livro levanta questões culturais e se insurge contra os padrões da educação, e também religiosos, vigentes. Até quando a menina tímida do interior se torna desinibida e se acostuma com o ambiente do litoral por intermédio de uma amiga sexualmente emancipada que se chama Helena Blavatsky

Leer más
Comentarios Deje su reseña en la aplicación
No hay comentarios
36 chapters
Porquê e como foi para Benguela
Ela não acreditava que fosse tudo fruto de um acaso sonhado por algum assanhado filósofo grego ou por quem quer que fosse. Para ela havia evidências fortes de uma mão invisível que operava através de todos os acontecimentos na sua vida.Nasceu lá, no interior da província de Benguela, fruto de uma gestação difícil e de um parto complicado. O pai tinha-lhe contado como a gestação no tempo de guerra era uma tarefa árdua. E como o parto dela fora difícil. Além da guerra, havia aquelas complicações que hoje em dia são ainda muito frequentes nas nossas sociedades, e que têm levado algumas (ou quase todas) gestantes aos hospitais. Naquela fase, nos municípios do interior de Benguela, nem todos usufruíam do luxo de beneficiar de serviços hospitalares. Havia, sim, muitas famosas parteiras locais e rudimentares que acompanhavam a gestante, e que, em casos de partos complicados, também eram chamadas; só mesmo em casos complicados, porque num caso normal qualquer adulto na família podia
Leer más
Um bairro para todos
É um assunto digno de estudo o quando uma criança começa a perceber os rangidos da cama enquanto o pai e a mãe se entregam sobre ela em frenéticas e compulsivas danças a fim de satisfazerem desejos sexuais. Muitos não imaginam o significado disso para a mente desabrochante de uma criança. Alguns mais velhos tentam ignorar o facto. Para essa gente, a criança não sabe nada, é inocente. Mas todas as crianças surpreendem alguma vez na sua vida essa realidade da humanidade adulta. Sobretudo aquelas que nascem e crescem nos subúrbios de Angola. Para nos alertar a propósito, a sagrada bíblia cristã afirma: não nos devíamos esquecer dos gemidos das nossas mães, lembremo-nos de que foram eles que nos geraram.Entretanto, cá, nos subúrbios do nosso país, as residências são pequenos aglomerados de casinhotas interligadas compostas de pequenos e reduzidos compartimentos compactos num pequeno espaço, onde vigora a regra de dois a cada dois metros de espaço, suposta por Thomas Be
Leer más
Mar: medo e paixão
Sair do interior de Benguela, lá das zonas tropicais frias e montanhosas, para vir viver nos subúrbios do litoral, não é tarefa fácil, principalmente para uma criança.Por causa do seu superpovoamento, o calor que se faz no Kalohombo é opressivo, inclemente e deixa muitos moradores sem fôlego. Ela chorara mesmo, aquando dos seus primeiros dias ali. Ficava ofegante e suava abundantemente. Mais ainda havia os mosquitos que não apareciam apenas à noite como era seu costume lá no interior da província. Cá os mosquitos começavam a picar de dia e de noite havia uma horripilante festança deles. Cantavam tão alto que a Lwkwakwa tomava os seus zunidos por vozes humanas ou de almas doutro mundo.Visando consolar a prima, a Tchilombo tinha comprado na famosa praça KaPonte muita roupa para ela, sempre que procurava por roupas para o seu futuro bebé; ignorando que além de tudo a Lwkwakwa também chorava por saudades da sua terra e da sua parentela. E, tal como é normal acontecer entre
Leer más
Sagrado ou profano?
Mas cá as coisas pareciam dissemelhantes. Parecia à Lwkwakwa que em Benguela os valores eram outros. Cá a linha divisória entre profano e sagrado era ambígua e quase indistinguível. E nessa senda, eram poucos os que frequentavam igrejas.Lá o domingo era um dia notório. Quase tudo parava nesse dia e os moradores tornavam as ruas extravagantes com as cores das suas vestes solenes. Muita gente dirigia-se a alguma igreja cristã para purificar-se dos pecados que eventualmente teria cometido ao longo da semana, pois a ninguém era dada a possibilidade de saber se estava ou não em falta com o irmão, amigo, vizinho e juntarem-se aos domingos, por isso e por si só, era mais sagrado do que presenciar às missas. E no natal, mais do que na páscoa ou em quaisquer outras comemorações nacionais e internacionais, as festas eram não só as melhores do ano, como também as mais solenes.Cá em Benguela, porém, a realidade era diametralmente oposta. Nem as mulheres, as vítimas-mor das igr
Leer más
Enquanto não chega, nós nos divertimos
Mas cá as coisas pareciam dissemelhantes. Parecia à Lwkwakwa que em Benguela os valores eram outros. Cá a linha divisória entre profano e sagrado era ambígua e quase indistinguível. E nessa senda, eram poucos os que frequentavam igrejas.Lá o domingo era um dia notório. Quase tudo parava nesse dia e os moradores tornavam as ruas extravagantes com as cores das suas vestes solenes. Muita gente dirigia-se a alguma igreja cristã para purificar-se dos pecados que eventualmente teria cometido ao longo da semana, pois a ninguém era dada a possibilidade de saber se estava ou não em falta com o irmão, amigo, vizinho e juntarem-se aos domingos, por isso e por si só, era mais sagrado do que presenciar às missas. E no natal, mais do que na páscoa ou em quaisquer outras comemorações nacionais e internacionais, as festas eram não só as melhores do ano, como também as mais solenes.Cá em Benguela, porém, a realidade era diametralmente oposta. Nem as mulheres, as vítimas-mor das igrejas
Leer más
Helena: uma chave para conhecimentos ocultos
Com o tempo ela tinha feito amigas. Tal como tem sido comum acontecer, dentre tantas candidatas só uma se tornou mais íntima.- Olha, Helena, a minha prima costuma lutar com o mano Betinho quando dormem. – Desabafou ela para os ouvidos da amiga.- Lutar mesmo?- Sim, eles fazem barulho com a cama…- E a tua prima anda chorar?- Não… ela… ela costuma acordar alegre.- Eles são casados? – Inquiriu a Helena, curiosa.- Sim…- Ah! – Sorriu a Helena – Olha, Lwkwakwa, os mais velhos andam se foder de noite. Aquele barulho que você costuma ouvir é o que fazem quando se fodem. – Quando viu que a Lwkwakwa estava incrédula, continuou. – Oh, você não sabe! Tens razão. Eu já vi os meus pais a se foderem. Eles fazem muito barulho.As duas crianças conversavam viradas para o mar. Nas imedia&
Leer más
O doce sabor do proibido
E as crianças em Benguela não tinham o mesmo prazer de saírem à noite para brincarem e trocarem confidências que as do interior. Lá as crianças, quando caía a noite, saíam ao luar para mostrarem o ar da sua graça e apreciarem o lindo espetáculo do firmamento; lá, por não haver poluição luminosa e atmosférica, as crianças tinham o grande privilégio de observarem a olho nú o suave brilho da lua e das estrelas nas suas galáxias. Lá as crianças aprendiam astrologia e a se comunicarem com o resto do universo muito antes de irem para a escola. Muitas das alianças que se desenvolviam posteriormente para a fase adulta eram iniciadas nas brincadeiras noturnas infantis. Sem palavrões, claro, mas, por causa das restrições que as crianças lá enfrentavam durante o dia, aqueles encontros noturnos serviam para experimentarem o delicioso sabor do proibido. Só experimentar, não podendo ir além.Cá no litoral, as diversões para as crianças, tanto diurnas como noturnas, eram a televisão e os
Leer más
Carallo teso no cree em díos
Carallo teso no cree en díosDesde aquele dia em que, na praia, a Helena lhe havia contado a razão de os casais fazerem barulho quando fossem para a cama, ela continuava curiosa no assunto. Agora, ao contrário de antes, ela já tinha ambições de saber, por exemplo, que configurações apresentavam os órgãos genitais dos adultos. Lamentava-se por antes se ter impedido de olhar para as zonas sexuais dos mais velhos, e já olhava para as protuberâncias dos biquínis das moças e senhoras vendedoras com muita atenção.Nas suas pueris imaginações, ela agora ficava a magicar órgãos de tamanhas proporções. Nesse mundo, uma vagina era algo muito grande, capaz de acolher um pénis enorme e evacuar um grande bebé. Essas crianças, as que crescem ouvindo historietas de bebés que descem do céu, não imaginam que os humanos nascem diminutos. Assim, na sua imaginação, o pênis de um adulto podia ser um grande órgão, o maior do corpo humano, e a vagina em que este devia penetrar um orifício com
Leer más
Conflitos da puberdade
Tudo cresce e tudo evolui. Que os defensores do evolucionismo desculpem essa posição ou presunção, mas é inútil inventar teorias tão exaustivas sobre isso, sobre algo tão evidente. Mesmo as montanhas e as rochas, nossas irmãs na cadeia da evolução, tiveram que evoluir para serem o que são hoje. E se quiserem se manter para o futuro terão de enfrentar muitas situações constrangedoras e saberem geri-las. É bem evidente que o que não se adapta perece; e se os animais e as plantas não tivessem evoluído tanto física quanto metafisicamente não saberiam enfrentar tantos anos de mudanças e transformações. Também é claro que apesar de tantos estudos sobre o caso, ainda é difícil perceber a olho nu como nós evoluímos física e mentalmente. Os mais velhos do interior fazem as crian
Leer más
Segredos da primeira menstruação
Algum tempo depois a Lwkwakwa completou doze anos de idade. Estava mais crescida e prometia crescer mais. E já os seios dela se estavam revelando para a humanidade máscula. Foi nesse período em que lhe ocorreu a menarca, uma situação pela qual todas as fêmeas humanas que atingem a maioridade passam mas que permanece tabu para muitas crianças do nosso país, essas que se vêm portanto surpreendidas e em pânico quando chega a sua vez.A menarca na mulher é como a primeira ejaculação e a postectomia masculina. A faixa etária em que ocorre nas meninas é a mesma para os rapazes, e a mesma que os nossos antepassados, com sua sabedoria, haviam estabelecido para a circuncisão masculina, e ela tem a mesma função: inicia a pessoa para uma outra realidade na vida pessoal e comunitária; e, nas nossas tradições, ai do homem que não for circuncidado, otopa. E as mulheres estão de parabéns por esse processo prescindir de intervenções externas adicionais.É claro que para algumas mulheres
Leer más