Onde está o Pai do meu Bebê?

Onde está o Pai do meu Bebê?PT

Mirza Haines  concluído
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
73Capítulos
11.5Kleituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Traída, falida e desiludida em questões de amor, Kátia, que acredita ser estéril, sai para beber com sua melhor amiga para garantir que ela não faça nenhuma besteira, mas depois de algumas rodadas elas ficam bêbadas. No dia seguinte Kátia acorda nua em sua cama, e encontra um bilhete romântico sobre a mesa da cozinha, mas não sabe quem foi o homem que passou a noite com ela. Pouco tempo depois ela descobre que está grávida, e de um desconhecido. - Agora eu tô perdida!!! Quem é o pai do meu bebê!?

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
73 chapters
Prefácio
 Kátia seca as lágrimas que insistem em cair, vai até o armário da cozinha e pega as chaves do carro de Mir e sai. Ela não quer voltar.- Chega! Isso já é tortura! Eu vou embora e não volto nunca mais!!!Assim ela aproveita que os pais e irmãos foram para a granja e coloca as três malas que trouxe no carro e sai sem destino.Não pode ir para a casa de nenhuma tia ou primo, amigos na cidade? Esquece! Não tem mais nenhum desde que casou com aquele miserável a quatro anos e meio atrás.Numa coisa os pais dela estão certos, eles sabiam e avisaram que ela iria sofrer, mas quem diz que seu coração apaixonado ouviu?Ela dirige até o estacionamento do Centreventos Cau Hansen, liga o rádio para abafar o som do seu choro e deixa o desespero e a frustração tomarem conta dela e se esvaírem em l&aa
Ler mais
Uma aposta entre garçons
Uma aposta entre garçons   A noite chega e a cidade aos poucos vai apresentando outros matizes, as lojas de rua e escritórios já fecharam, os estudantes já foram para suas casas e os universitários já passaram tão rápido pelas ruas que mal viram o caminho. - Ufa! Do carro do Mir eu já me livrei. Ainda bem que o Tio Walter tem esse estacionamento aqui no América, se tivesse que ir pra um bairro mais longe ia ser um saco. Olhando para o relógio ela vê que já são quase sete horas. - Hora de me arrumar um pouco e ir pro restaurante e torcer que tenha uma mesa livre. Assim ela volta para o hotel e se arruma. Ela veste uma saia lápis preta e uma blusa de alcinha de seda cinza, os cabelos cacheados naturalmente estão soltos e caem sobre os ombros, um sapato de salto, uma maquiagem leve, um anel largo no dedo anelar esquerdo e uma pulseira de prata, afinal em seu pescoço mora um relicário. Num hotel próximo, Edgard revisa os docum
Ler mais
Me sinto uma estrangeira
     Edgard estranha um pouco a declaração de Kátia e ela se apressa em explicar.     - A quatro anos e meio atrás eu casei e saí da cidade, fui morar primeiro em Itapoá, que é aqui perto e depois fui pra Balneário Camboriú, lá fiz minha faculdade e acabei de formar, coincidentemente, um mês depois da formatura Marco e eu brigamos e nos divorciamos quinze dias atrás. Esse jantar é a melhor coisa que me acontece em três meses.     As dúvidas de Edgard quanto a índole de Kátia nessa hora já tinham desaparecido e por mais que a mentira inicial de Samuel fosse clara, a companhia era interessante afinal, ele tinha encontrado uma pessoa que estava disposta a falar sobre a realidade da cidade sem nenhum outro interesse envolvido, no atual momento dele, isso pode valer milhões.    &nb
Ler mais
Onde mora a felicidade
Edgard estranha um pouco a declaração de Kátia e ela se apressa em explicar. - A quatro anos e meio atrás eu casei e saí da cidade, fui morar primeiro em Itapoá, que é aqui perto e depois fui pra Balneário Camboriú, lá fiz minha faculdade e acabei de formar, coincidentemente, um mês depois da formatura Marco e eu brigamos e nos divorciamos quinze dias atrás. Esse jantar é a melhor coisa que me acontece em três meses. As dúvidas de Edgard quanto a índole de Kátia nessa hora já tinham desaparecido e por mais que a mentira inicial de Samuel fosse clara, a companhia era interessante afinal, ele tinha encontrado uma pessoa que estava disposta a falar sobre a realidade da cidade sem nenhum outro interesse envolvido, no atual momento dele, isso pode valer milhões. A partir daí a conversa entre os dois flui naturalmente e acabada a refeição eles saem juntos do restaurante e vão até o Shopping Mueller que é o mais próximo, lá eles sentam numa mesa da praça de alimenta
Ler mais
Antes de dormir
           Edgard chegou no hotel e olhou para a mesa com o notebook e o caderno que ele usava para anotações ainda aberto, ele nem reparou nisso quando saiu para o restaurante mais cedo, acreditando que voltaria logo acabou por ser imprudente. Mas nada aconteceu e ele ainda jantou em boa e bela companhia.             Ele que inicialmente pensava em trabalhar mais um pouco depois do jantar, apenas abriu o aplicativo de mensagens e entrando no grupo “família Toniolo” se limitou a informar.             Ed: Encerrada a visita a Joinville, sigo amanhã para Camboriú. A área de nosso interesse é inicialmente boa, mas acredito que seja incompatível com o projeto do Escala, conversando com moradores, descobri que existem vários pontos de alagamento e enchente recorrentes por toda cidade, o que demanda uma maior cautela n
Ler mais
Uma parada para o café
Já eram oito e meia quando Edgard chegou ao saguão do hotel e encerrou sua estadia, sem pressa levou as duas malas e sua mochila/escritório para o carro, ele acordou mais tarde do que queria o que atrapalhou e muito os seus planos. Na noite anterior ele tinha enviado algumas mensagens para o Pai e o Tio através do grupo da família, tudo transcorria bem e ele dormiu assim que deitou na cama, porém, a uma e meia da manhã foi acordado pelo toque do telefone, assustado acreditando que fosse algo urgente ele atendeu e foi metralhado por Dona Isabel Lia Toniolo: - Alô? - Filho, como assim você só volta em dez dias? Achei que estaria de volta no máximo no domingo, sabe a Déa me contou que vocês quase não tem conversado, filho isso tá errado, você não pode ignorar tua noiva assim. Na verdade eu acho que já passou da hora de vocês casarem, vocês já estão velhos pra ficar brincando de casinha. - Mãe, já passa da uma da manhã, eu tenho que viajar logo cedo, vou
Ler mais
Sonho de Ícaro
Vendo que Kátia estava tomando café com outro homem, o estranho sentou numa mesa ao lado e ficou ouvindo a conversa dos dois. Edgard e Kátia perceberam, mas continuaram a conversar normalmente. - Mas, me diz tá viajando pra onde mesmo? - Camboriú. - Balneário? - Não, Camboriú mesmo, fica ao lado. - Vai pra casa então. - Mais ou menos, vou ficar na pousada de um amigo. Ele já preparou um quarto pra mim. - Bom. - Eu ia direto pra Camboriú, mas não posso recusar a gentileza dele e da esposa, até porque eles estão meio brigados e eu acredito que posso acalmar os ânimos dos dois, por isso vou fazer uma parada em Balneário antes de seguir para Camboriú. Durante alguns minutos eles ficam em silencio enquanto comem, o homem estranho continua prestando atenção aos dois até que se levanta e vem em direção a Kátia que está terminando seu café. - Moça, nosso ônibus já está de saída, é melhor embarcarmos. Edg
Ler mais
Não tenho onde ficar
A declaração de Edgard deixou Kátia preocupada, ele não conhecia a cidade, não tinha reserva em hotel. Nem mesmo uma indicação?- Certo pra onde te levo então?- Meu plano original era ter chegado aqui duas horas antes e rodar um pouco pela orla de Balneário Camboriú e encontrar um hotel ou pousada que me agrade para ficar uns dias. Mas sai tarde do hotel em Joinville o que bagunçou meu cronograma.- Entendi, mas no seu plano original incluía um guia local?Edgard sorriu, Kátia pela primeira vez via um sorriso tão grande e franco daquele homem.- Claro que não, mas é uma ótima alteração além de me poupar muito tempo.- Certo, vamos pra um restaurante ótimo aqui perto, ele não fica na orla mas tem a melhor almoço com frutos do mar da cidade.- Ok. Você dirige.K&aa
Ler mais
A Horta
- Certo, parece que meu destino aqui está nas tuas mãos, pelo menos por enquanto.- Não se preocupe, não sou nenhuma psicopata.- Não disse isso, mas que estou perdido nessa cidade e você parece conhecer mais Balneário Camboriú e Camboriú do que Joinville.- Ah... mais ou menos isso, em Joinville, meus amigos e conhecidos são a sua maioria ligados a minha família e por isso tudo o que eu faço cai no ouvido dos meus pais e irmãos. Aqui eu sou apenas eu, e minha família são os Exilados, por isso posso ser eu mesma o tempo todo.Mesmo curioso para saber a respeito dos amigos de Kátia, Edgard muda de assunto:- Fiquei surpreso com esse lugar, chega a ser mais bonito que o próprio restaurante.- É a horta da Tia Marta. Mas a muitos anos foi convertida nesse cantinho secreto.Edgard olha mais uma vez ao redor, nos can
Ler mais
Exilados no Paraíso
             Kátia olha para baixo e começa a sorrir, visivelmente buscando suas lembranças.            - O Exilados no Paraíso, é um grupo de aplicativo de mensagens, formado por eu e meus amigos, todos nós adotamos Balneário e Camboriú como nossas cidades, aqui é o nosso paraíso, mas somos auto exilados, já que nenhum de nós nasceu ou tem parentes aqui.            Nos conhecemos direta ou indiretamente por causa da faculdade e temos personalidades bem diferentes um do outro, mas nos amamos e mimamos como irmãos, ás vezes saem algumas rusgas, como em qualquer família, mas de modo geral sempre estamos juntos, seja na hora do problema ou da festa.            O
Ler mais