A assassina

A assassinaPT

Satila Sousa  Atualizado agora
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
13Capítulos
745leituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Camille precisa finalizar o último serviço para se ver livre das garras do pai, era algo simples, eliminar a família da máfia rival e entregar o poder do território ao pai. O que ela não esperava era se apaixonar. Andrea já havia se acostumado com a ideia que morreria sozinho, que nunca teria uma mulher e filhos, que jamais criaria sua família, sua vida seria dedicada apenas aos irmãos mais novos. Mas isso muda quando ele ve a mulher para a frente de sua irmã mais nova, os olhos azuis gelidos e afiados, o rosto sangrando, " Quem é você? "

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
13 chapters
PROLOGO
A música ecoava pelas paredes grosas, as luzes brilhavam em tons de vermelho, azul e verde, na pista de dança as pessoas se apertavam e moviam-se no ritmo das batidas.- Hoje a casa está cheia. – Laila grita para ser ouvida.- E a noite mal começou. – digo desanimada enquanto pego as bebidas e as entrego para os clientes no balcão.- Se anima, noites assim rendem muitas gorjetas. – minha amiga responde animada.- Só se for para você. – encaro seu enorme decote V e reviro os olhos.- Não faz mal deixar que olhem. – ela dá de ombros. – Você deveria tentar, sua roupa é muito comportada para quem trabalhar no bar.- Não quero nenhum idiota achando que tem direito de fazer alguma coisa só por causa da minha roupa.- É para isso que temos eles. – sigo seu olhar até os homens de terno nos cantos da boate, olhos atentos e sérios observando tudo a procura de alguma confusão.- E o que virou aquele lance com o Luís? – pergunto focando em um dos seguranças em particular.- Você sabe como ele é,
Ler mais
CAPITULO 1
Respiro fundo e tento abafar o som alto dos clientes impacientes na fila, coloco a xicara na cafeteira industrial e vejo o liquido escuro preenche-la, a fumaça aromatizada tomando o ar.- Seu café. – coloco a frente da moça que mantinha os olhos presos a tela do computador.- Obrigada. – ela responde sem animo.- Hoje está bem cheio. – me viro e vejo meu chefe terminando de preparar um pedido e entregando a um cliente que sai assim que paga.- Segunda de manhã é sempre assim. – sorrio. – Pelo menos o tempo passa rápido.- Pensei que você amava esse trabalho. – ele brinca.- Claro que sim, esse é o melhor trabalho do mundo, posso beber todo café que conseguir, levo os doces que sobra para casa e ainda posso dormir no apartamento aqui em cima.- Trabalho melhor do que esse não há, Cami. – Conner abre um sorriso sedutor. – E você ainda tem a oportunidade de passar o dia todo comigo.- Não poderia ter mais sorte. – reviro os olhos e rio baixo.- Seus clientes preferidos chegaram. – sigo s
Ler mais
CAPITULO 2
- Por que ainda não foram para casa? – encaro o homem alto dos pés a cabeça, os olhos escuro pareciam cansados e fundos pelas noites mal dormidas, a mandíbula rígida pela preocupação, os ombros largos tensos por carregar o peso de proteger os irmãos.- Resolvemos passar para ver a Cami, e tomar um café. – Melissa sorri para seu protetor como uma criança que finge não ter feito nada de errado.- Não vi você na Paradise ontem a noite. – os olhos escuros esmagam Bartolomeu que se encolhe levemente, se eu não estivesse acostumada com a típica discussão dos Mancini, jamais teria percebido isso.- Alguém tinha que cuidar dela. – ele indica a irmã.- Se não vão pedir mais nada, eu vou nessa. – me viro na tentativa de fugir dessa encenação.- Camille. – meu nome sai grave e lento de seus lábios, um arrepio percorre minha espinha.- Andrea. – concerto a postura e o encaro nos olhos.- Quero um expresso duplo para a viagem por favor. – a tempestade que a poucos tornava seus olhos tenebrosos hav
Ler mais
CAPITULO 3
- Vai mesmo morar com ela? – a preocupação carregava cada palavra. -Assim eu consigo ficar mais perto deles, saber se posso mesmo fazer isso.- Você já fez isso inúmeras vezes mi rosa, o que tem de diferente agora?- Eu não sei. – me sento sobre a sombra de uma arvore. – Você disse algo a ele?- Nunca diria nada que colocasse a sua vida em perigo, mas ele está desconfiado, disse que você está demorando demais para terminar isso, vai mandar alguém atrás de você. - Marco parecia desesperado. – Não vale a pena se arriscar por essas pessoas Cami.- Me mande as coisas que você descobriu, ai eu decido se acabo logo com isso ou não. – meu irmão fica em silencio.- Ok. Mas se seus planos mudarem, eu preciso saber. Não vou conseguir te proteger se as coisas fugirem do meu controle, mi rosa.- Eu sei hermano, eu sei. – respiro fundo.- Preciso ir, não posso ficar muito tempo.- Vou ficar esperando os arquivos.- Tudo bem. Se cuida Cami. – a voz sai preocupada e temerosa.- Você também Mac. – a
Ler mais
CAPITULO 4
Pisco os olhos para me acostumar com as luzes da boate, a música alta tocando pelas paredes, com o passar das horas o lugar enchia mais, o cheiro de álcool e perfume se misturando na multidão.“Como você está?” – mando a mensagem para Melissa.“Com dor, mas já tomei o remédio.” – a tela brilha quando a resposta chega.“Deixei comida na geladeira, tem sopa no fogão.”“Obrigada.” – a mensagem vem acompanhada por carinhas felizes.- Como está sendo morar com a princesinha Mancini? – Laila pergunta com sarcasmo. Já fazia algumas semanas que estávamos morando juntas.- Mel é um pouco mimada, devo admitir. – dou uma risada baixa. – Mas ela é uma boa pessoa.- Você não quis morar comigo quando ofereci. – minha amiga torce o nariz e diz emburrada.- Eu tive meus motivos para aceitar morar com ela. – termino de limpar os copos e os coloco na bandeja.- Ela tem dinheiro e pode te oferecer uma casa confortável. – Laila diz com sarcasmo.- Acredite, a última coisa que eu me preocupo agora é com d
Ler mais
CAPITULO 5
Meus pensamentos se perdem no olhar distante de Camille a segundos atrás, a forma involuntária que seu corpo se encolheu com meu toque. Uma dor estranha aperta meu peito, eu não queria que ela tivesse medo de mim.- Tem certeza que está bem? – pergunto assim que a moça coloca o copo sobre minha mesa, as pedras de gelo boiando na bebida. Os olhos azuis não pareciam mais perdidos, mas também não tinham o brilho de sempre, agora eram como as pedras de gelo no whisky, frios, afiados, perigosos.- Apenas cansada. – ela solta um suspiro, a voz sobressaindo a música alta. – Sabe como é a rotina puxada. – seus lábios se contorcem em um meio sorriso desanimado. – Odeio essa roupa. – a garçonete comenta assim que um homem passa por trás tocando seu corpo. – Não precisa fazer nada. – as palavras saem com um aviso implícito assim que Cami percebe minhas intenções. – Você é dono de uma boate, sabe como são os clientes. Eu preciso ir, se precisar de mais alguma coisa é só acenar. – vejo seu corpo p
Ler mais
CAPITULO 6
- Eu disse para não fazer nada. – percebo a presença de Camille e da outra moça atrás de mim, me viro. – Comprar a boate se enquadra nessa condição. – ela ergue a cabeça, os olhos demonstrando a tempestade que continha dentro de si.- Vocês estão bem? – analiso as duas mulheres, minha atenção redobrada na moça a minha frente. – Não podia deixar que ele agisse assim com você... – minha mente registra a última palavra com urgência. – Vocês. – corrijo.- Tire o resto da noite de folga. – sua voz sai carinhosa e cheia de atenção para a moça que permanecia escondida atrás de si. – Eu cubro seu turno. – agradecida a moça acena com a cabeça e sai apressada. – Não gosto da ideia de trabalhar para você. – os olhos azuis voltam para mim, a cabeça levantada mostrava que aquela mulher não se assustava com qualquer coisa.- Achei melhor não comentar. – aos poucos a confusão ao nosso redor diminuía.- Não confunda as coisas só porque sou amiga da sua irmã.- Sou um homem de negócios, sei separar a
Ler mais
CAPITULO 7
Cambaleio tentando manter o equilíbrio, meu peito doendo em reposta ao chute.- Está ficando enferrujada? – sua cabeça pende levemente para o lado, os olhos verdes afiados piscando em uma tentativa inútil de parecerem inocentes. – Esses meses como a cachorrinha dos Mancini te deixou mal acostumada.- Você sempre falou demais. – recupero meu equilíbrio, o ar queimando a medida que entra nos pulmões. – O que você quer?- Estava muito entediada em casa, vim brincar. – as mãos ágeis retiram as adagas das costas e as rodam nos dedos finos, as laminas afiadas brilhando, o ar assovia com os cortes e as investidas contra mim, meus movimentos são rápidos mais um pouco lentos, minhas narinas ardem quando uma das laminas passam rente ao meu nariz.- Veneno. – observo. Tento manter o máximo de distância possível das facas.- Você é o serviço da vez, priminha. – um sorriso afiado cresce nos lábios vermelhos. O fato de ser seu alvo faz com que Dominique se dedique mais para me matar, ela usa todo s
Ler mais
CAPITULO 8
Caminho em direção ao meu carro, as pessoas saindo da boate, aos poucos o estacionamento ficando vazio, entro para fugir do frio. Meus olhos acompanham a mulher que se encolhe no casaco grosso, sua imagem se perde no carro escuro.- Por que eu falei com ela daquele jeito? – encosto a cabeça no volante frio. – Idiota. – me repreendo.Ligo o carro e dirijo até a Paradise.- Senhor. – o segurança me encara surpreso pelo horário. – Já estamos fechando. – ele informa.- Tudo bem. Tenho as chaves das portas dos fundos. – ergo o molho de chaves.- Sim senhor. – ouço o clic da porta sendo trancada assim que entro, encaro o salão vazio e silencioso. Era estranho ver a boate vazia depois de tantas noites lotada.O som dos meus passos na escada de metal ecoa pelo lugar, entro na minha sala, tiro o paletó e o jogo no pequeno sofá de couro, pisco os olhos par se adaptarem a luz quando a ligo, sento a mesa e ligo o computador. Analiso os papeis, as informações sobre os investimentos, os gastos, os
Ler mais
CAPITULO 9
Ouço os pneus cantarem no cascalho a frente da minha casa, salto do carro deixando o motor ligado, abro a porta de trás e com cuidado tiro Camille de la.- Mi vida, não me deixe. – imploro em um sussurro. O sangue ainda jorrava de seu corpo agora pálido e frio. – Onde está o médico? – pergunto assim que passo pela porta da frente.- Esta chegando, mas. - Ottavio congela com a visão a sua frente.Precisa leva-la para cima, agora. – meu irmão abre espaço para que eu suba. – Coloque-a aqui. – ele abre uma porta e eu entro, o quarto era claro, os lençóis brancos cobrindo a grande cama. – Precisamos achar o ferimento. Pegue uma toalha molhada, tem muito sangue. – assim que eu a coloco na cama, Ottavio começa a retirar a roupa de Camille. No automático eu sigo as ordens do meu irmão mais novo, corro para o banheiro, pego uma toalha pequena e coloco em baixo da torneira ligada, deixo o tecido macio se ensopar com a agua.- Aqui. – entrego a toalha molhada para Otto que com as mãos ágeis come
Ler mais