Um bebê para o filho do CEO falecido

Um bebê para o filho do CEO falecidoPT

J. C. Rodrigues Alves  Em andamento
goodnovel18goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
47Capítulos
3.3Kleituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Já pensou em acordar e não lembrar seu nome ou como foi parar num hospital? Ivy, como foi denominada, está nesta situação. Com apenas três informações sobre si. Possivelmente tinha um relacionamento, com o filho do homem mais rico do Texas e que agora estava morto. Haviam sido sequestrados, o quê resultou a morte do herdeiro do Petróleo e estava grávida dele. Ivy teria um bebê de Zack. Porém, não lhe dava garantia alguma de que não se apaixonaria pelo avô do bebê.

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
47 chapters
1
Barulhos externos são os primeiros sons que chegam aos meus ouvidos, quando começo a acordar. Meus olhos por alguma razão, não se abrem completamente, o que me deixa assustada, pois só consigo ver borrões por de baixo dos cílios.            Onde estou?, a pergunta surge na minha mente, enquanto mexo minha cabeça dolorida de um lado para o outro. Sem fazer ideia de onde estava.            Minhas mãos tateiam o que pareceu ser um colchão e lençóis. Havia uma agulha no meu braço direto e alguns fios no meu tórax.           Apesar de forçar minhas pálpebras a se abrirem. Não conseguia.      &nb
Ler mais
2
Já acordou com a sensação de ter alguém te olhando?       Ainda meio que sonolenta, tive essa “sensação”, demorando para perceber um vulto parado perto da janela.       Meus olhos não estavam tão inchados como no dia anterior, mas minha visão continuava limitada.- Quem é você? – pergunto na dúvida de ser algo da minha mente.       O vulto solta o ar dos pulmões.- Lucius Cesarini – A voz máscula grossa, chegou aos meus ouvidos firme.        Aquele nome estava longe de me parecer familiar.- É médico?       Ele ri pelo nariz.- N&ati
Ler mais
3
Dois dias se passaram.          Consegui perceber isto por causa da luminosidade no quarto e pela troca de plantões.           Toda vez que entrava um enfermeiro diferente e lia meu prontuário, perguntava se já havia decido fazer a cirurgia plástica e a resposta era o silêncio.           Não fazia ideia de quem eu era e sentia que ficaria sem saber se fizesse aquela cirurgia.           Impressão ou não, sentia que meu rosto estava desinchando, isto por quê não sentia mais meus olhos tão inchados e o restante ao redor dolorido. Isto para mim, foi um grande avanço e que poderia signi
Ler mais
4
–  Enquanto não descobrimos seu nome, este pode ser o seu – Ele sugere – Ivy – Precisava de um nome afinal de contas e aquele soou perfeito – O quê acha?–  Ivy parece bom – Lucius fica em silêncio novamente – Quando será que devo fazer a cirurgia?–  Acredito que o mais rápido possível – Movo meus lábios de um lado para o outro, tentando não demonstrar que estava nervosa – Vai ficar tudo bem – Meus olhos vagam pelo vulto à frente, tentando ficar em algum ponto – Quando acabar, já vai ter acabado – Assinto, esperando que fosse simples dessa maneira – Vou avisar o Dr. Schultz que já escolheu um rosto.–  Lucius... – digo de repente, quando ele já está perto
Ler mais
5
Meio por fim, acabei sedada. Devido a dor que estava sentindo por causa da cirurgia plástica e porquê estavam me achando muito agitada.        Flashes aparecem de repente em minha mente, como lampejos.        Primeiro uma discussão acalorada. Eu andava de um lado para o outro, nervosa, dizendo alguma coisa, enquanto gesticulava; A poucos passos de mim, estava um homem, a expressão incrédula e os olhos vazios, absorvendo tudo que era dito por mim.         A cena muda de repente. Dessa vez, ele lê algo em um papel, sorrindo por fim, erguendo os olhos na minha direção.         Eu também sorrio, levando ás duas m&atild
Ler mais
6
Não consigo desviar os olhos do rosto do médico, olhando cada traço com atenção, enquanto minha mente assimilava suas palavras.- Eu saberia se estivesse grávida - digo. Ou não, como saberia, se havia acordado recentemente sem memória?- Mas está - Ele me entrega um amontoado de folhas, indicando com o dedo a palavra reagente - Para ser exato de três meses.       Olho para Lucius no mesmo instante, entendo sua reação quando o médico o chamou para conversar.- É do Zack?! - pergunto num tom acima.- Só iremos ter certeza com um exame de DNA - diz Lucius, engolindo em seco - E para isso preciso da sua...- Autorização - Completo, sentindo minha boca seca, sustentando seu olhar - Tudo bem.      Ele assenti, baixando a cabeça.- Em br
Ler mais
7
Lucius senta na poltrona perto da janela, fixando o olhar no vazio.- Diz alguma coisa, Lucius - digo impaciente, após alguns segundos.       Seus olhos sustentam os meus.- O bebê é de Zack - diz baixo.       Franzo o cenho, inclinando a cabeça para o lado.       Então estava mesmo grávida e ainda por cima grávida de Zack, um herdeiro bilionário do petróleo.       Abro e fecho a boca, procurando as palavras para rebater aquela afirmação. Desistindo quando não consigo pensar em nada coerente.       Lucius pega seu celular de repente.- O que foi? - Consigo perguntar. Ele não
Ler mais
8
Algum tempo depois, deixamos a cidade para trás, literalmente. Acabando por sermos envolvidos por floresta nos dois lados da estrada.       Uma floresta densa e num verde vivido.       Suspiro, conseguindo sentir a paz que estava transmitindo.       Por alguma razão, me senti bem e quase que em paz, se não fosse o fato de ter alguém querendo me matar e minha mente não colaborar para acabar com aquele inferno logo.      Virando á direita, entramos em uma estrada de areia, continuando rodeados por todo aquele verde. Mais alguns metros e vejo quando um grande portão de ferro, se abre lentamente e dois seguranças param diante dele. Olhando com atenção quem
Ler mais
9
- Tenha uma boa noite, Ivy - Lucius murmura, quando passo por ele no corredor do segundo andar, após o delicioso e constragedor jantar.      Lhe dou um leve sorriso por cima do ombro, ao deixá-lo na primeira porta do corredor do lado direito.      Em meu quarto, parada perto da cama, encaro o silêncio, decidindo ligar a TV.      Tirando meu short, me coloco em baixo da coberta, fixando meus olhos na tela do aparelho, até ser vencida pelo sono.      Como ás outras vezes, não sonho, tenho um sono profundo, porém sem nenhum sono para enfeitar.      No dia seguinte, o sol serve como despertador, já que esqueci de fechar ás cortinas pesadas.<
Ler mais
10
Depois de ser pega por Lucius em seu quarto, algo que iria demorar para esquecer, decido me trancar no quarto de hospedes.        Nas horas seguintes, até o jantar, tentei parar de ruborizar toda vez que lembrava de ter sido pega por ele xeretando em seu quarto.        Uma tarefa impossível, mesmo zapeando todos os canais da televisão em busca de algo que prendesse minha atenção.         Perto da hora do jantar, saio da minha “toca”, voltando para o primeiro andar, que continuava sem nenhuma movimentação.         A mesa do jantar já estava posta e não havia nenhum sinal de Lucius por perto. Deste modo, ainda permaneci
Ler mais