Interligados | Livro da Nina

Interligados | Livro da NinaPT

Tamara Miller  Em andamento
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
44Capítulos
788leituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Para o amor não existe limite, tempo ou espaço. Ele não é linear e geralmente acontece quando menos se espera e o que fazemos depois é por nossa conta. No passado, Nina e Thomas eram apaixonados, mas esse sentimento teve que ser sufocado com a ausência e a distância de Nina que precisou refazer sua vida no Rio de Janeiro. Hoje, Nina seguiu em frente. Se formou na faculdade. É uma mulher forte, dedicada, independente e se empenha muito em progredir em sua carreira na Parilla, a revista de moda mais badalada do Rio de Janeiro. Porém, o destino parece ser degenerado e maluco o suficiente para cobrar suas contas, pois a Parilla entrou com os dois pés na lama e se afundou numa crise financeira e foi vendida para nada mais, nada menos que para a família Cavalcanti. Thomas comprou a Revista e seus planos vão jogar a vida de Nina de pernas para o ar. Será que ele vai ser maduro e profissional o bastante para lidar com essa situação? Será que um amor de adolescência vai ser capaz de sobreviver ao tempo e ao abandono? Dizem que amor é como ganhar na loteria, uma chance em um milhão. Nina foi premiada duas vezes e ter de lidar com isso vai ser bastante dramático, confuso e assustador.

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
44 chapters
Capítulo 01
EpígrafePessoas vêm e vão o tempo todo,mas a verdade é que elas ficam.Uma parte delas se torna você, e uma parte de você acaba indo com elas. No fim, somos todos um só.***As batidas atrás da porta me fizeram tirar os óculos e baixá-los sobre a mesa. Ergui o olhar quando a porta foi aberta e fitei Fernanda, cujo sorriso arreganhado se fechou o sorriso assim que me viu no computador.— Por que você ainda não guardou suas coisas? — questionou, revirando os olhos como se fosse uma pergunta retórica. — Claro... — ela coçou a cabeça, fixando o olhar no notebook. — O pessoal está indo para o Brews agora... — anunciou, com a mão ainda sobre a maçaneta. — Você vem?Suspirei ruidosamente
Ler mais
Capítulo 02
Sábado. Seis e quinze da manhã. Minha respiração estava ofegante, mas eu não diminuía o ritmo.Respirei fundo outra vez, fechando os olhos e continuando o passo. A minha pele estava com uma considerável camada de suor e os lábios estavam secos devido ao desgaste. Estava correndo fazia uns quarenta minutos, mas sentia que as minhas pernas e pulmões aguentavam mais.Há pouco tempo, minha terapeuta me diagnosticara com ansiedade. Não dormia direito, comia demais, tinha crises nervosas e ficava agitada. Correr parecia colocar a minha cabeça no lugar e controlava essa bagunça toda que existia dentro de mim, sem deixar de mencionar que ficava tão cansada a ponto de dormir à noite toda sem ser bombardeada por pensamentos sabotadores que a minha própria cabeça criava.Eu tentava ao máximo fugir dos remédios, porque apenas pessoas doentes p
Ler mais
Capítulo 03
A segunda chegou arrastada e carregada de apreensão e incertezas. A venda da Parilla poderia mudar tudo. Estava me agarrando a ideia de que quem quer que fosse o comprador, seguiria com os negócios da empresa e não mudaria muito as coisas por aqui.Tentando ser otimista, respirei fundo, segurando com força a bolsa em meu ombro quando Samuca me deixou na porta de entrada da Revista e eu me apressei em ultrapassá-la, espantando qualquer pensamento que pudesse me acovardar. Nada parecia estar fora do lugar, mas a apreensão era nítida no rosto de todos os funcionários.No decorrer do dia, terminei o meu material e encaminhei-o para Verônica.Lorena atravessou a porta da minha sala como um furação e soltou a revista do mês sobre minha mesa. Ergui o olhar devagar da mão dela para o rosto e encarei-a com estranheza, sem entender o motivo do alvoroço.— Olha! &md
Ler mais
Capítulo 04
Você já parou para pensar sobre as coincidências da vida? Que o universo consegue ser irônico e muito inesperado, disso, todo mundo já sabe. Mas certas coisas, coisas estatisticamente quase improváveis de ocorrerem, simplesmente e inexplicavelmente acontecem. Parece que o destino faz questão de marcar algumas fichas do jogo, e certos eventos vão acontecer mesmo que pareçam impossíveis. Esse deve ser o nó que ata um individuo ao outro. Porque, em meio a 210 milhões de pessoas, eu fui encontrar a única que não esperava ver. Pensar nisso, me fez questionar o quão azarado um ser humano poderia ser? As probabilidades eram baixas, e eu me arriscaria, até, a dizer que, praticamente nulas. Uma pessoa no mundo inteirinho. Quais eram as chances? Eu só conseguia chegar a apenas uma conclusão: a vida queria mesmo rir da minha cara.As minhas pernas bambearam e eu com
Ler mais
Capítulo 05
— Mas de onde você o conhece? — Rebati, balançando a mão.— Eu não o conheço! — Rebateu de bate-pronto — ele conversou comigo lá no coquetel e depois perguntou se poderia me dar uma carona até em casa e eu aceitei, mas ele é tão gato, Nina... — Acrescentou, parecendo imersa nas lembranças. — Você tinha que ver.Franzi o cenho em resposta e apoiei o meu cotovelo na coxa, cobrindo a boca com a mão, sem desviar o olhar dela, e me perguntando mentalmente o que se passava na cabeça dela. Na teoria, eu sabia muito bem o que estava se passando agora, mas a minha pergunta não se tratava disso em si, mas do juízo propriamente dito que essa garota não tinha.Como ela conseguia ser assim tão desapegada das pessoas?— O que foi? — Questionou assim que constatou o meu olhar por muito tempo sobre ela.
Ler mais
Capítulo 06
— Eu não sei mais o que fazer. — Fernanda declarou, batendo aborrecidamente a ponta do dedo na mesa do pub.Era sexta-feira, final do dia, nós estávamos sentadas no Brews desabafando sobre os nossos problemas. A semana tinha sido difícil para todas e a Fernanda foi a primeira a começar a reclamar.— O Augusto não me deixa em paz. — Comentou, apoiando os cotovelos na mesa ao apertar os olhos com as pontas dos dedos. — Todo santo dia ele está na Revista, já não aguento mais olhar para a cara dele. A minha vontade é de avançar em cima dele e esbofeteá-lo, só para ver se ele compreende, de uma vez por todas, que não estou minimamente interessada.— Mas Fê, por que você não quer sair com ele? — A Lor parecia se esforçar muito em tentar entender. — Ele é bonito, advogado, be
Ler mais
Capítulo 07
— Eu não sei se consigo mais lidar com isso. — Declarei com a voz trêmula, passando a mão pelo rosto, ainda me recuperando do choque.Sentia o coração bater na garganta e Samuca me fitou antes de entrar com o carro em movimento, seus olhos verdes agora estavam enevoados junto às sobrancelhas que se curvavam em nítida confusão.— Toda mudança é difícil, amor. — Ponderou, segurando a minha mão fria antes de engrenar o carro e começar a se movimentar pela rua. — Mas, você vai conseguir. Você sempre consegue.Com os pensamentos ao longe, apenas assenti que sim com um movimentar de cabeça e olhei-o antes de me pronunciar.Ele estava bonito, os cabelos loiros espetados estavam rente ao coro e ele vestia um terno preto sob medida com a gravata de seda azul marinho contratando sobre a blusa de baixo, branca. A barba tinha sido
Ler mais
Capítulo 08
As grades dos portões da escola eram enormes e feitas de aço fundido, cobertos por uma tinta branca, que começara a tomar uma coloração amarelada devido às ações do tempo. Sentei-me no antepenúltimo degrau da larga escadaria cimentada, que levava para a grande porta dupla, em forma de arco, do corredor principal, e puxei a mochila das costas, passando-a para o meu colo ao dar mais uma conferida, olhando por cima do ombro, a fim de verificar se Thomas já tinha saído da aula.Sacodi a tira da alça ao constatar que estava praticamente deserto. Puxei o celular do bolso pequeno da frente da mochila jeans, personalizada com flores coloridas e estampadas, drapeadas, e um “N” maiúsculo com letra enrolada bordado em paetês cor de rosa, e mexi na tela, abrindo na caixa de mensagem, preparando-me para digitar um texto direcionado à minha mãe.<
Ler mais
Capítulo 09
Sentada atrás da escrivaninha no escritório, passei o dedo indicador pela longa tecla de espaçamento do notebook, acompanhando o movimento e encarei as últimas palavras escritas ali, com a mente distante e afogada em meus problemas mais importantes.Esperava o momento certo de agir, mas isso não parecia acontecer nunca e, à medida que os dias foram passando, sentia que o tempo que precisava para pensar e, finalmente tomar uma atitude, estava se esgotando. Percebi que Samuca se tornava distante e isso me doía. Porque, por mais que ele soubesse que alguma coisa de muito errado estava acontecendo, ainda assim, ele estava esperando que eu tomasse a atitude de conversar a respeito, mas eu simplesmente não conseguia fazer isso.Ele sempre soube esperar e isso sempre me encantou. Mas, estava com medo de magoá-lo e uma palavra errada poderia pôr tudo a perder. Samuca era importante demais para mim, e a ideia
Ler mais
Capítulo 10
Me Gusta da Anitta preenchia num volume agradável o ambiente. Nós estávamos sentadas na mesa do pub, na nossa reunião de sexta à noite. Fernanda estava de frente para mim e ao lado da Mari, sentadas do outro lado da mesa. Lor à minha esquerda.— Eu ainda não consigo acreditar que o Thomas está saindo com a Carolina. — Desabafei, dando um gole na minha cerveja. Os pares de olhos ergueram-se em minha direção no mesmo instante. — Quero dizer... — A minha voz se arrastou um pouco mais. O teto do Brews já tinha girado duas vezes para mim essa noite, depois da quinta rodada de chope. Apoiei o cotovelo sobre a mesa e os meus dedos emaranharam-se nos cabelos, ao apoiar a cabeça na mão e avaliei o rosto das minhas amigas uma última vez. Certamente era o álcool falando por mim, mas o sentimento estava latejando como uma ferida funda e aberta
Ler mais