Pecados no Paraíso

Pecados no ParaísoPT

Roseanaautora  concluído
goodnovel18goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
133Capítulos
1.5Kleituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Se envolver com seu melhor amigo nunca esteve nos planos de Juliet. Tampouco ter que decidir entre ele ou sua louca paixão da adolescência. Jamais ela pensou que uma escolha errada pudesse acabar com a sua felicidade e trazer um arrependimento eterno. Reencontrá-lo depois de tantos anos lhe fez voltar a um passado que ela julgava estar enterrado. Ele se tornou um homem frio, canalha e destruidor de corações, que não se envolve emocionalmente com ninguém. E ela era responsável por tê-lo transformado naquele ser desprezível e absolutamente sedutor. Estar em seus braços novamente e ser perdoada era seu maior desejo. Vingar-se e ao mesmo tempo mantê-la o mais longe possível era o principal objetivo dele. Conseguirão eles não reviver um passado tão intenso e que ao mesmo tempo devastou suas vidas? Ela será capaz de abrir mão de sua segurança e tudo que conquistou para lutar por aquele homem que a afastou da sua vida de todas as maneiras possíveis? Um amor inesperado... Uma amizade destruída. Um recomeço quase impossível... Tudo isso num lugar considerado um paraíso na terra. Não recomendado para menores de 18 anos. História com descrição de cenas de sexo e palavras obscenas. Menção à tipos de drogas legais e ilegais. OBRA REGISTRADA Nº 312244115

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
133 chapters
Manhattan Bar
- oito anos antes –Eu o vi pela primeira vez numa noite como outra qualquer no Manhattan Bar. A banda tocava um pop rock enquanto eu dançava ao som contagiante da música, deixando que o efeito da bebida me deixasse mais zen. A cada gole, eu me animava mais e fechava meus olhos, deixando o ritmo entrar na minha mente e alma. Como eu gostava daquele lugar...Quando abri os olhos novamente, ele estava no mesmo lugar, conversando com alguém, sem desviar o olhar. Embora estivesse escuro e somente os flashes de luz nos iluminassem, era impossível não mergulhar naqueles olhos azuis claros estonteantes.Eu estava na parte da pista de dança, que descia um degrau. E ele acima, próximo do bar. Ele era alto... Muito alto. Vale ressaltar que eu sou baixa... Muito baixa.Quando percebi, alguém envolvia meu corpo por trás. Claro que a pista estava cheia, como sempre, e vez ou outra era impossív
Ler mais
Carlos Eduardo
- Seis meses antes (dos oito anos) -Eu estava na fila aguardando para acessar o interior do Manhattan Bar. Era o aniversário de dezoito anos de Alissa e estávamos empolgadas. Ela seria a primeira a completar a maioridade. E para mim tudo era ainda melhor: a primeira vez que eu saía numa casa noturna. Geralmente minhas saídas eram na casa das minhas amigas ou festas particulares, em casa de conhecidos.Minha mãe era legal, mas infelizmente havia casado com um homem chato que me importunava o tempo inteiro e se achava meu pai, embora não fosse. Ele não era só conservador, mas fazia questão de tentar mudar a opinião de minha mãe com relação a tudo. Como era aniversário de Alissa e a mãe dela insistiu para eu acompanhar elas, teria minha primeira vez no Manhattan Bar.Assim que passei pelo segurança e acessei a porta de entrada, havia um pequeno espa&cced
Ler mais
Depois da aparição de Nicolas
Assim que chegamos à casa de Alissa, nossas camas já estavam preparadas no chão da sala. Trocamos de roupa e nos jogamos nos colchões macios. Deitei no meio das duas. Olhei para Val e disse:- Eu não acredito que você deu uns beijos na boca. Nicolas é legal, agradável...- Bonito. – completou Alissa.- Muito bonito. Acho que você deve casar com ele. – brinquei.Ela revirou os olhos, entediada:- Não vou mais nem ficar com ele de novo.- Não combinaram nada, Val? – perguntei surpresa. – Como assim? Ele até esperou nosso táxi. Sabemos que não são todos que fazem isso. Só os garotos mais importantes e apaixonados. – formei um coração com meus dedos para ela.- Nem comece, Juliet.- Como não? Hora de tirar Adriano desta vidinha. – brinquei.- Claro... Depois qu
Ler mais
Sobre Valquíria e Nicolas
No dia seguinte eu e Val nos falamos normalmente, como se nada tivesse acontecido. Éramos assim mesmo... Dizíamos o que queríamos e às vezes magoávamos umas às outras. Mas no fim, sempre nos perdoávamos... Porque éramos amigas. Eu deixava elas me falarem verdades que jamais admiti que outras pessoas o fizessem, especialmente minha mãe e meu padrasto.Mas quando acabou a aula, novamente Nicolas estava lá, esperando por Valquíria. Desta vez fizemos menos alarde. Se quiséssemos que ela continuasse com ele, precisávamos nos comportar.Ele estava no mesmo lugar e parado do mesmo jeito. A única coisa que mudava era sua camiseta, que agora era azul, combinando com seus olhos.Val atravessou e ele a recebeu com um beijo na boca, não tão longo, nem tão breve. Acho que ele realmente estava gostando dela, ou não estaria ali esperando por ela dois di
Ler mais
Você está bêbado?
Eu detestava andar sozinha, fosse na rua, fosse no Manhattan Bar, fosse na festa da escola. Mas tive que fazer isso na esperança de encontrar o amor da minha vida em algum lugar por ali. A festa era no ginásio de esportes do Instituto. O lugar era grande. Mas não impossível para encontrar alguém, embora estivesse lotado. Andei por cerca de meia hora, dando voltas e voltas e não o encontrei. Cansada, fui até Alissa e Val, que encerravam seu turno na venda de bebidas.- O encontrou? – perguntou Val.- Não... Acho que deve ter ido embora.- Mas ele estava aqui... Eu juro.- Eu também vi. – disse Alissa.- Eu acredito em vocês, meninas. Mas realmente não o encontrei.- Nós vamos atrás de Saul... Ver o que ele está fazendo. Vamos junto? – convidou Alissa.- Não... Estou podre de cansada. Meia hora dando voltas procurand
Ler mais
Tom
Passei o restante da semana tentando me aproximar de Nadiny, mesmo sem gostar muito dela, afinal, agora sabia que ela não mentia sobre conhecer Carlos Eduardo, “o meu Cadu”. Tudo para que ela não “esquecesse” de levá-lo ao Manhattan no próximo sábado. Eram raros os sábados que não saíamos à noite, assim como quando isso acontecia não acabarmos no Manhattan. Minhas amigas já haviam ido algumas vezes ao Lounge 191, mas eu não. Elas saíam mais do que eu, pois tinha vezes que eu ganhava castigo e com elas isso nunca acontecia. O meu castigo era não sair com elas no sábado. O que eu fazia nestes momentos? Ficava trancada no meu quarto chorando ou espraguejando minha mãe e meu padrasto.Mas neste sábado felizmente correu tudo bem e eu não fiquei de castigo. Então eu pude estar com as meninas na tradicional fila do Manhattan.Ler mais
A mentirosa
Eu poderia afirmar que nunca fiquei com um homem como Tom. Ele simplesmente me tirava da zona de conforto. Quando percebi, estava no canto mais escuro do Manhattan, imprensada contra a parede com aquelas montanhas de músculos perfeitos me envolvendo. Claro que eu me imaginei debaixo do corpo dele numa cama macia. E sim, poderia imaginar ele entrando em mim. Fiquei pensando no tamanho do membro dele. Aquele homem não era de Deus, definitivamente. Era tentação para qualquer mulher. Agora... O que ele está fazendo aqui, comigo? Não que eu tivesse uma autoestima baixa, mas ele era um deus grego... Não se podia negar. Eu me senti uma adolescente sem graça que bebeu além da conta.As mãos quentes levantaram meu vestido, e ele simplesmente passou-as por dentro da minha calcinha, sentindo a pele das minhas nádegas. Eu nunca havia feito um tipo de coisa assim num local público... Nunquinha. Embora eu e
Ler mais
E o castigo?
Deitamos em nossas tradicionais camas no chão. Garanti meu lugar ao lado de Dani. Já estava amanhecendo e não tínhamos a mínima intenção de dormir. Os primeiros questionamentos vieram para mim:- Quantos anos ele tem? – perguntou Dani.- 27.- Ele é quase dez anos mais velho do que você. – observou Alissa.- Já me apaixonei por um exatamente dez anos mais velho. – as lembrei.- Eu já fiquei com um homem de 30 uma vez. – disse Dani. – Isso não tem nada a ver, meninas.- Exceto pelo fato de minha mãe me matar se souber, estou tranquila. Gostei dele. – confessei.- Hum, gostei desta afirmação. Há tempos você não admitia gostar de alguém a não ser...- Não falei o nome dele! – gritou Dani. – Não vamos estragar nossa noite.- Ele
Ler mais
Um acordo
E Valquíria estava definitivamente disposta a fugir de Nicolas de qualquer jeito. Não esperou até o quinto período de aula na segunda-feira, indo embora após acabar o quarto.Assim que saímos, quando a aula finalmente acabou, lá estava Nicolas, esperando por ela. Ele estava sempre arrumado, como se tivesse recém saído do banho. Quem conseguia uma façanha daquelas? Despedi-me de Alissa e Daniela e segui meu caminho.- Ei, Juliet... Espere.Olhei Nicolas apressando o passo atrás de mim. Parei para ver o que ele queria.- Oi...- O que houve com Val?- Ela... Precisou sair mais cedo. – falei sem ter coragem de dizer a verdade.- Mas está tudo bem com ela?- Sim, tudo certo. Ela tinha um compromisso em família, só isso.- Você está indo para casa?- Sim. – confirmei olhando no relógio. Logo
Ler mais
Minha prima o conhece
Eu estava uma pilha de nervos quando ceguei. Eu e Lorraine andamos um pouco. Eu não queria subir ao segundo andar rapidamente, para que ela não soubesse que eu havia ido a um encontro “casualmente planejado”.Usei um vestido curto, rosa, rodado e uma sandália baixa. Deixei meus cabelos soltos e caprichei no batom.- Sinceramente, não vejo graça em andar no Shopping. – reclamou Lorraine. – Vamos comer ou beber alguma coisa?- Vamos. – concordei feliz pela ideia dela.Enquanto entrávamos no elevador, ela comentou:- O que deu em você me convidar para sair? Quase nunca se desgruda das suas amigas.- Queria exatamente desgrudar um pouco delas. – falei.- E vocês tem ido ao Manhattan?- Sim.- Eu tenho ido mais ao Lounge 191 nos últimos tempos. Tem homens mais velhos lá... O que eu gosto. – ela piscou.- Eu sei
Ler mais