Em seu lugar- Nas Mãos do Sheik

Em seu lugar- Nas Mãos do SheikPT

Sandra Rummer  Em andamento
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
40Capítulos
4.8Kleituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Duas culturas diferentes se encontrarão, um árabe e uma mulher com costumes diferentes. Mas o coração foge da razão e Said se apaixona por Maysa, uma mulher que anda com roupas escandalosas na concepção dele e é totalmente oposto da pessoa que um dia ele imaginou se apaixonar... Depois de saber que sua irmã gêmea está internada em um hospital a beira da morte, Maysa resolve voltar para a Arábia Saudita. O que ela não contava é com a revelação que veio quando ela colocou os pés em seu país de origem. Adara roubou uma viúva para ajudar um namorado que estava jurado de morte por dívidas de jogo. Maysa se torna mais cautelosa, pois sabe que sua irmã é procurada pela polícia. Quando ela é confundida com sua irmã pelo Sheik Said Mahara Sihan, um rico hoteleiro e amigo da viúva, Maysa resolve trocar de identidade e assume toda culpa. Said, com sede de vingança, pretende dar uma lição na ladra que rouba viúvas indefesas. Maysa agora estava nas mãos do sheik.

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
40 chapters
Sinopse
Duas culturas diferentes se encontrarão, um árabe e uma mulher com costumes diferentes. Mas o coração foge da razão e Said se apaixona por Maysa, uma mulher que anda com roupas escandalosas na concepção dele e é totalmente oposto da pessoa que um dia ele imaginou se apaixonar...Depois de saber que sua irmã gêmea está internada em um hospital a beira da morte, Maysa resolve voltar para a Arábia Saudita. O que ela não contava é com a revelação que veio quando ela colocou os pés em seu país de origem. Adara roubou uma viúva para ajudar um namorado que estava jurado de morte por dívidas de jogo. Maysa se torna mais cautelosa, pois sabe que sua irmã é procurada pela polícia. Quando ela é confundida com sua irmã pelo Sheik Said Mahara Sihan, um rico hoteleiro e amigo da viúva, Maysa resolve trocar
Ler mais
Allah! A polícia não!
Riad, Arábia Saudita 1980Maysa Houssen MahirEu estou no meu antigo quarto. Deitada em minha antiga cama, ouvindo os ventos fortes lá de fora. A aproximação de um Shamal, um vento oriental seco, vindo do deserto.Depois de seis anos, morando na Inglaterra, voltei para a casa de meus falecidos pais, onde hoje é a casa de minha irmã gêmea, Adara. Mas infelizmente, minha volta não tem nada de festiva. Estou aqui porque minha irmã está doente. Vítima da corona vírus. Uma grave doença respiratória.A casa é bem simples, sem ar-condicionado. A região, desprovida de boas lojas.O calor agora está insuportável, o ar seco já irrita meus olhos. Suspirei em pensar na minha pobre irmã. Quando a visitei no hospital, quase não a reconheci. Ela está muito magra e abatida.Levanto-me e calço os chinelos, visto
Ler mais
Você me pertence, esse lugar me pertence. Então, posso entrar quando e onde eu quiser.
Abro os olhos devagar, e vejo um teto branco com ornamentos dourados. A retrospectiva dos últimos acontecimentos passa por meus pensamentos e isso me faz me sentar assustada.— Finalmente acordou. Vou chamar Said.Escuto a voz de uma mulher, viro meu rosto e vejo uma senhora baixa de cabelos brancos, seus olhos sobre mim são bem depreciativos. Ela se vira e sai por uma grande porta arredondada do enorme quarto. Percebo que ela o trancou, pelo som da chave na fechadura da porta.—Allah! Que esse homem não me entregue para a polícia! — Clamo, quando me lembro de suas últimas palavras.Fico em pé e me sentindo tonta, sento-me novamente. Sinto então, aquele frio na barriga e isso me faz abraçar minhas pernas. É inútil tentar me acalmar. Começo a orar, pedindo a Allah misericórdia.Preciso argumentar com esse homem; nem que me humilhe. Eu farei de tudo,
Ler mais
Allah! Com certeza, ele está aqui para me intimidar
Fecho os olhos, tentando ficar calma.Allah! Com certeza, ele está aqui para me intimidar— Suas roupas chegaram, foi fácil trazê-las. Elas estavam arrumadinhas em uma mala. Mostrando claramente que é uma mentirosa, você ia fugir de novo. O que te barrou foi à tempestade, não foi? — Sua voz é grossa, irada.Eu o encaro.—Por que vou explicar alguma coisa? Não importa o que eu diga, o senhor não acreditaria em mim.Ele se joga para trás na cadeira, e dá uma gargalhada diabólica.— Não mesmo!Ele se levanta.—Depois, preciso falar com o Senhor.Ele vacila e depois sorri. Quando ele ia se sentar na cadeira novamente, eu suplico:— Por favor, aqui não.—Te dou cinco minutos. Meu tempo é dinheiro.Quando ele sai, me levanto da banheira e pego uma toalha branca perfumada, que est&
Ler mais
Meu amo.
Começo pela areia. O calor é insuportável, mas me encho de valentia. Nessa hora eu só penso na minha irmã, e na promessa que eu tinha feito a ela que de alguma forma eu tentaria ajudar.Conforme vou varrendo a areia, começo a sentir nas mãos o peso da vassoura e entendo que o serviço não é tão fácil como eu imaginava. Vou fazendo montinhos e montinhos de areia e colocando no lixo, e então continuava a varrer. O suor começa a escorrer pelos vãos de meus seios, pelas minhas costas, pernas e testa.Depois de uma hora, varri todo o pátio, e todo caminho que vai até a piscina. Minhas mãos ardem e ao observá-las, pude ver as bolhas que se formaram com o serviço.Desanimada me dirijo às folhas, mas percebo que não conseguirei varrê-las, caso não proteja as minhas mãos. Eu não consigo mais pegar na
Ler mais
Gostou? Não? Duvido. As mulheres geralmente gostam...
Ele me estuda por um momento com aquela máscara de arrogância e deboche.— Se arrumou assim para conseguir a ligação?Senti meu rosto queimar e instintivamente cobri meu colo.— Não me vendo tão baixo, se é isso que pensou. E você já tinha me liberado a ligação.Ele gargalha, jogando a cabeça para trás e isso me deixa mais irritada. Depois ele fica sério e um brilho diferente passa nos seus olhos negros.— Sabe como te vejo? Uma mulher fútil, que deve ter passado a vida lendo essas revistas do exterior e ficava admirando essas artistas Hollywoodianas e então surgiu aquela vontade de se vestir igual a elas. Isso deve ter crescido em seu coração. Mas como uma faxineira pobre compraria roupas como as que estão em sua mala? Então, pegou o dinheiro de uma pobre viúva para satisfazer suas vontades.
Ler mais
Você ofereceu essa gororoba para Said?
Said Hallan SihanNunca senti esse aperto no peito, essa sensação estranha.Enquanto ela caminha com um andar gracioso, eu estou me consumindo por dentro porque eu não consigo tirar meus olhos dela. Eu estou sendo vítima de meu desejo. Enquanto a sigo, só penso em tê-la nos meus braços, a vontade é despi-la. O vestido que ela usa me provoca, a deixa tão espetacular e isso me dá raiva por sentir o sangue correr rápido nas veias e por estar tão excitado. Meus olhos descem para olhar suas pernas perfeitas e bem torneadas. Esguia, mas com curvas nos lugares certos. Cintura fina, seios pequenos, empinados e que devem caber certinho na palma da minha mão. Os cabelos compridos, castanhos reluzentes se espalham como seda ondulada por seus ombros e seguem até a altura dos cotovelos.Cortá-los? Allah! Eu não podia obrigá-la a deixá-los do jeito que est&
Ler mais
Eu? Ardilosa?
Lavo toda a louça com cuidado. Depois começo a fuçar na cozinha, acabo encontrando a frigideira que eu precisava para ter feito a omelete. Em um armário, temperos de todos os tipos. Na dispensa uma porção de laticínios, grãos, farináceos, pimentas, massas...Allah! Agora é esperar o livro de receitas e segui-lo. Zafira entra na cozinha. —Já tomou café?Assenti.Allah! Preciso tentar me aproximar dela e tê-la como minha aliada.—Zafirinha, não gostaria de voltar para o meu quarto, eu poderia ficar aqui, quietinha.Ela fecha a cara.—Nada disso, são ordens. Said disse que não quer te ver solta na casa. Um dia o profeta riscou no chão: “O homem é o único culpado da sua própria perdição”Eu conheço esse verso. Só que não se aplica a mim, quem se
Ler mais
Mandei que se calasse!
Fizemos nossas tarefas em silêncio, Zafira me ensinou a fazer o Kafta e eu comparei com o livro de receitas. Percebi que ela tinha uma maneira de temperar diferente, então apenas anotei as mudanças.Quando ficou tudo pronto, arrumamos tudo na bandeja. — Zafira, Said disse que amanhã terá um jantar, ele pediu para fazer carneiro assado. — Ele mudou de ideia. Veio agora falar comigo e pediu para a cozinheira fazer uma mesa com vários patês, frutas, pães pita, sucos, molho picante, salgados e doces.Suspiro aliviada.—Você sabe por que ele mudou de ideia?— Não sei. Eu dou de ombros, e carrego a bandeja para levar para a sala de jantar. Meu coração nessa hora dispara com a cara de poucos amigos que Said me olha enquanto eu caminho com passos vacilantes tomando cuidado para que nada derrame. Ele parece impaciente, pois tamborila os dedos na mesa.
Ler mais
— Então, acha que sou um tirano?
No dia seguinte, cinco e meia eu já estou pronta, antes mesmo de Zafira aparecer para me chamar.Eu a sigo até a cozinha e sou apresentada a Salma, a cozinheira. Ela é uma mulher de idade bem avançada. Dá dó de saber que ela ainda precisa trabalhar. Sim, esse é o destino das mulheres que não se casam, que não tem parentes, elas vivem para seus patrões, fiéis até o final de sua vida. Era o caso de Zafira e pelo visto, o futuro de Darla, que cuida da faxina e outras empregadas também que eu vejo pela casa e que ainda eu não entendo a rotina delas já que vivo trancada no quarto.Salma me observa por um tempo.— Eu vou preparar o café de Said. — Ela diz para meu alívio. —Mas hoje, temos muitas coisas para fazer. Haverá um jantar à noite. Sente-se que te passarei o que fazer.Logo Salma já me ocupa, me d&aa
Ler mais