Coração de Gelo - Série Corações Insensíveis: Livro 1

Coração de Gelo - Série Corações Insensíveis: Livro 1PT

Taize Dantas  Em andamento
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
57Capítulos
2.2Kleituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Ele era o primogênito de um empresário bilionário e cresceu ouvindo os conselhos de sua mãe, de que nunca deveria se envolver com pessoas de outra classe social diferente da sua. Ela era a filha dos empregados da mansão e sempre o amou, desde que se lembrava. João Felipe Mendes de Albuquerque não iria se entregar ao amor que sentia pela filha dos empregados. Viviane Silva nunca iria se rebaixar a alguém tão insensível e frio como aquele homem arrogante. Mas as vezes os sentimentos falavam mais alto e o amor não se pode controlar...

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
57 chapters
Prólogo
VivianeCinco anos antes   - Vamos, Vivi! Escolhe logo essa roupa. - Eu já escolhi. Gostei da camisa azul com a bermuda caqui. - Mas eu não gostei. Escolhe outra. Por favor, não me deixa na mão, vai. Diga uma outra que ficaria legal. - João Pedro insistiu teimoso, me olhando com as duas mãos na cintura. Olhei para o João Pedro e desisti de contraria-lo. Quando ele queria uma coisa, insistia até conseguir e eu não tinha paciência para ficar debatendo sobre uma mesma questão por vários minutos...ou horas, dias..., mas o João Pedro sim, então decidi escolher uma outra combinação de roupa. - Gostei dessa camisa branca com a bermuda azul.

Ler mais

Capítulo I
VivianeDias atuais Entrei na mansão aonde os meus pais trabalhavam há mais de trinta e cinco anos. Estava tudo silencioso, o que era bastante normal para um sábado, tendo em vista que já era noite e que os funcionários já deviam ter se recolhido a ala destinada a estes dentro da casa.Como em todos os domingos o senhor Rodolfo, que era o dono da mansão e portanto, patrão dos meus pais, dava folga para a maioria deles, alguns já deviam até mesmo ter ido para suas respectivas casas.O João Pedro havia me enviado uma mensagem mais cedo, chamando-me para ir até o seu quarto. Era algo normal, mas eu evitava encontros com a mãe do meu melhor amigo e então, consequentemente, eu evi
Ler mais
Capítulo II
Viviane Eu não estava bebendo, pois sempre que saia com o João Pedro, nos revessávamos na direção. Hoje ele poderia beber a vontade que eu iria dirigir.Como eu não tinha carro, apesar da insistência do senhor Rodolfo em querer me presentear com um veículo, eu jamais poderia aceitar um presente tão caro e ele sabia disso tão bem, pois conhecia os meus pais desde que era um jovem ainda. Meus pais concordavam comigo e eu vivia das caronas que o JP me dava e hoje estávamos com o carro dele.O meu amigo estava lá no bar já algum tempo, conversando com um cara que eu não reconheci, imaginei então que já havia feito uma nova amizade, algo que ele sempre fazia. Decidi ir ao banh
Ler mais
Capítulo III
João Felipe Acordei com uma dor de cabeça terrível. Nada fora do normal, pois eu tinha exagerado na bebida ontem e sabia que haveriam consequências. Sempre tinha, quando o assunto era bebida em excesso.Cheguei à cozinha a procura de alguém que pudesse me dá um analgésico, mas apesar de estar tudo em ordem, não havia ninguém por lá. Lembrei então que era domingo, dia de folga de quase todos os funcionários da casa.Subi a procura do meu irmão, bati em sua porta e chamei repetidas vezes, mas ele não respondeu. Tentei a fechadura e vi que estava apenas encostada.Ao entrar em seu quarto e ver que ainda estava dormindo pesado, pensei que ele devia ter exagerado na bebida tanto quanto eu.Suspirei e fui até o seu banheiro, a procura de algum remédio que pudesse aliviar essa dor infernal na minha c
Ler mais
Capítulo IV
João Felipe Deixei o carro na garagem e entrei em casa muito irritado.Estava chegando em frente à minha casa, quando me deparo com a Viviane abraçando e beijando um idiota dentro de um carro parado. Ela desceu rapidamente após isso, com um sorriso enorme, o que quase me fez ir até eles e dizer alguma besteira.Era por estas coisas que eu preferia me distanciar. Não aguentaria ver essas cenas e não fazer nada. Eu era uma pessoa controlada, mas o forte sentimento que tinha por aquela garota me deixava fora de orbita.Joguei as chaves em cima de um aparador ao lado da porta da sala de visitas com certa f&
Ler mais
Capítulo V
João Felipe Depois da saída da Vivi, meu irmão tentou me passar um sermão sobre educação e como devemos tratar as pessoas bem, todo um discurso que ele sempre insistia em fazer, em todas as vezes que não gostava da forma como eu tratava sua amiguinha.Acabamos discutindo e eu saí sem me importar realmente com o que ele falava. Afinal, eu estava começando a me perguntar se eles não tinham nenhum tipo de relacionamento amoroso mesmo.A festa na casa da Alicia já estava acontecendo quando cheguei lá e eu iria aproveitar para tentar encontrar alguma mulher para sairmos juntos. Em outras palavras, alguma mulher para me fazer esquecer a Vivi que encontrei ao retornar ao Brasil. Uma Viviane já totalmente mulher, cheia de curvas e c
Ler mais
Capítulo VI
Viviane Meus pais haviam recebido dois dias de folga, pois os Mendes de Albuquerque tinham viajado para o Guarujá e dispensado todos os funcionários da mansão, com exceção dos seguranças, é claro.Aproveitando essa oportunidade, eles decidiram ir passar sua folga em Jundiaí, visitando minha tia Soraia, irmã da minha mãe.Aproveitei o dia todo para estudar e quando a noite chegou, fui a cozinha apenas pegar alguma coisa para comer e voltei a me dedicar aos estudos.Já passava das vinte e três horas quando eu decidi descansar e depois se tomar mais um banho, fui deitar. A noite estava bem quente e abafada e fiquei rolando na cama, tanto devido ao calor, como pelos pensamentos que não me deixavam em paz.Quando eu estava estudando, conseguia não pensar no João Felipe e aquele sentimento incômodo que sent
Ler mais
Capítulo VII
Viviane Nós estávamos nos beijando! Como para confirmar que aquilo era mesmo real, e não apenas mais um sonho como tantos outros que eu já havia tido com o João Felipe, me agarrei ainda mais ao seu corpo, sem conseguir acreditar totalmente no que estava acontecendo naquele momento.Eu sentia suas mãos em todos os lugares ao mesmo tempo e a sensação era maravilhosa.Mesmo negando os meus sentimentos, eu sempre esperei por este momento, só nunca quis aceitar que, mesmo diante de tantas mágoas causadas pelo João Felipe, eu ainda pudesse sentir algo de bom por ele.E foi exatamente por lembrar de suas palavras, de tantas coisas que saíram de sua boca e que me magoaram, que eu tentei me afastar.- Me larga, João Felipe! - Falei, me desvencilhando dele.- Eu quero você e não aguento mais fingir que n&atild
Ler mais
Capítulo VIII
João Felipe   Acordei sentindo um corpo quente aconchegado ao meu, olhei em torno e vi que estava em meu quarto, na mansão dos meus pais em São Paulo. Rapidamente lembrei de tudo que havia acontecido ontem, depois que cheguei do encontro com meus amigos em um barzinho da capital. Olhei para Vivi, que ainda dormia tranquilamente, com braços e pernas por cima de mim. Foi uma noite maravilhosa e um sexo espetacular, mas, apesar de eu ter calculado meus passos e saber que fiz o que estava com vontade há muito tempo, eu sabia que aquilo não era o certo. Eu não poderia assumir uma relação com a Viviane. Minha mãe jamais me perdoaria. Também não queria me manter afastado da Vivi, principalmente agora que experimentei do seu corpo e vi o quanto somos bons juntos. Decidi que poderíamos manter nosso envolvimento em segredo e que eu a teria comigo, sem precisar estragar os meus planos para o futuro.<
Ler mais
Capítulo IX
João Felipe Estava terminando de me vestir e ainda não sabia como faria para pegar a Viviane sem que a colocasse em uma situação desconfortável. Não poderia simplesmente pedir para que ela me esperasse na esquina! Jamais faria uma sugestão como essa para ela. Tampouco poderia arriscar todos os meus planos para o futuro, me colocando em uma situação em que algum conhecido pudesse nos flagrar juntos.Que saia justa!Ainda estava em frente ao espelho, analisando toda a situação e tentando chegar a uma "solução" para meu impasse, quando mamãe entrou em meu quarto.- A porta estava aberta, mesmo assim eu ainda bati e você não me ouviu. - Ela explicou ao ver minha expressão questionadora. - Está muito pensativo esses dias. Algo na empresa?Minha mãe era uma belíssima mulher, na
Ler mais