Tão Distante, Mas Tão Perto

Tão Distante, Mas Tão Perto PT

Makie  concluído
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
24Capítulos
729leituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Quando perdemos alguém que amamos sentimos como se uma parte de nós tivesse sido retirada, e com Siana não foi diferente. É amiga e irmã de coração de Edward Cross desde os seus oito anos de idade, e para ela, tê-lo perto era tudo o que precisava para ficar tranquila. Até ao dia em que descobrem que Edward tem cancro nos pulmões. Com medo que Siana perdesse a luta contra a depressão, Edward elaborou um conjunto de desafios para ela cumprir em quinze dias. Um frasco que ela apelidou como " Pote das Concretizações". O que ela não sabia é que aquilo mudaria a vida dela.

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
24 chapters
Capítulo 1
       Tinha tudo para dar errado.      Aquela pizza tinha tudo para dar errado e deu mesmo errado. Quem em sã consciência cria uma receita de pizza com laranjas e cerejas? Parece até que queria fazer um bolo rei ao invés de uma pizza.        — Maluco é a pessoa que fez essa pizza em casa e deu cinco estrelas — era engraçado ver os rapazes decepcionados por ter dado errado a nossa tentativa de fazer uma pizza diferente, colorida e saborosa.         Nós queriamos tanto comer pizza e encomendar estava fora de questão, fazer era bem melhor que gastar dinheiro para comprar uma, azarados os que entraram no joguinho do Pierce e o Edward, no caso, eu e o Arthur, que aceitamos participar e ajudamos a caçar receitas pela internet, e aparece a bendita, maravilhosa e aterradora pizza que tinha tudo para dar errado.         — Essa receita tem cinc
Ler mais
Capítulo 2
      Corri para fora de casa com a calça mais confortável que encontrei, sabia que se demorasse um pouco mais os rapazes deixariam-me para trás.         Fomos acordados muito cedo pela minha mãe, que mantinha na mente dela que atrasos não são toleráveis ainda mais quando o caso é saúde. É mesmo isso, mamã, é por causa disso que chego no lugar combinado uma hora antes do combinado e a pessoa chega lá uma hora depois do combinado.        — Si... — o Kaine abriu os braços assim que viu-me a chegar, aproximei-me dele e  abracei-o com toda a força que eu poderia usar. Ele esteve longe daqui por uns tempos, decidiu ir acampar com os amigos e ficou lá por duas semanas, incontactável.  — Duas semanas sem a tua confusão e a minha mente está limpa —  apoiou-se no carro e sorriu, o sorriso desafiador de sempre, puro joguinho dele.        Kaine era o irmão m
Ler mais
Capítulo 3
        — Sabe, eu não sinto o meu corpo fraco, sinto que o que enfraqueceu foi a minha emoção — eu estava do lado do Edward, sentada no tapete cor vinho que estava na sala, com a cabeça apoiada no sofá a ouvir tudo o que ele tinha para dizer.           Ele chorava e agarrava a minha mão com mais força, os joelhos estavam dobrados perto do peito, onde estava apoiado um dos braços dele. A camisola azul bebê do pijama estava molhada com as lágrimas e tudo o que consegui fazer foi aproximar-me mais e o abraçar.         O choro intensificou, a cabeça dele apoiada no meu ombro esquerdo a esconder parte da cara no meu pescoço, a vontade de chorar junto com ele não faltava. Acariciava as costas dele devagar, ele não estava sozinho ali e podia contar comigo para chorar.            — A pior parte é que nem a mentira de que tudo vai ficar bem funciona
Ler mais
Capítulo 4
         Uma língua que eu gostaria de aprender a falar é a língua do trio fantástico. Eles parecem ser aliens a conversar porque eu não pego nada, mesmo depois de tantos anos a tentar ser a fofoqueira perfeita, sem efeito, eram tão eficazes a entenderem-se que nem davam espaço para eu descobrir umas coisas, que maus.             — A tentar entender o que eles estão a falar? — O Edward sussurou no meu ouvido e riu, sabia qual seria a minha resposta.          — É assim tão óbvio?          A noite de cinema foi planeada pela tia Monique, era a quinta sessão de quimioterapia do Edward e ela queria que ele não se sentisse doente, quase ordenou que fossêmos todos passar o dia na casa dela e ela mudou-se para a minha casa, só por esta noite.           — Não, eu sei que tentas entender o que eles fa
Ler mais
Capítulo 5
Acordar cedo  sempre foi um problema para mim, ainda mais quando estive de férias por tanto tempo e de um momento para outro as aulas começam. Parece que tudo está coordenado, quando as férias estão a melhorar, as aulas começam. Desgraça. Mais um dia de aulas e aqui estou eu a preparar-me para ir para a escola, com toda a preguiça a tomar conta do meu querido corpo.  O engraçado é que ficava super ansiosa para ter férias e depois não fazia nada de jeito, e o pior é que mesmo sem ter ido para escola já perguntava quando viriam outras férias. Desço a escada a correr, que não possui tantos degraus assim, se contar tem apenas 25 degraus, nem sei porquê que contei, dirijo-me a cozinha para comer alguma coisa e ir para a escola, era próximo da minha casa, portanto eu podia facilmente ir a pé para lá.Eu andava até lá juntamente com o Pierce, o Arthur e o Edward, mas pelo estado em que ele está e o quanto os tratamentos o consumiram, ele
Ler mais
Capítulo 6
Perder alguém importante é algo dificil para todo mundo, uma pessoa com quem compartilhamos tantos momentos e que ganhou o nosso coração, o nosso amor e o nosso tempo. Quando era mais nova, acreditava que podia impedir que os meus amigos morressem ou que eu fosse morrer antes deles, era mais fácil deixá-los a sofrer do que eu sofrer. Nunca pensei que teria que passar por uma coisa tão desconcertante. A respiração pesada fez o espelho ficar embaçado, cansaço não era uma palavra para me definir, parecia mais um caco. Eu só pensava nele, em todos os momentos, olhava para todos os cantos da minha casa e ele era tudo que eu via, passava tudo pela minha mente como um flashback doloroso. As memórias seriam umas assassinas maravilhosas, dividir a minha mente e o meu coração em pedacinhos era o joguinho perfeito para elas.  Aqueles quatro dias foram os piores da minha vida, os colegas  diziam que lamentavam imenso a  minha perd
Ler mais
Capítulo 7
Duas semanas. Duas malditas semanas sem o meu melhor amigo, em que fiquei chorar até tarde por olhar para alguma fotografia. Flashbacks passavam pela minha cabeça a todo o momento. Crianças a correr de mãos dadas, a cair e rir depois, a ficarem borradas de comida por diversão, a fórmula perfeita para as lágrimas que agora dançavam por todo o meu rosto. — E agora? O que eu faço? — O espelho refletia a versão  mais desagradável que eu alguma vez já vi de mim. — Ergues essa cabeça e continuas com a tua vida — a voz  calma foi ouvida pelos quatro cantos do quarto. — Como é que isso se faz? — Cabisbaixa, a minha mãe aproximou-se de mim e segurou os meus braços.— Vai ser difícil, mas vais conseguir — usou um lenço para limpar algumas lágrimas que estavam penduradas nos meus olhos e sorriu. — Tudo que precisas é sair desse quarto, sair desta casa, andar por aí sem rumo, é fim-de-semana. — N
Ler mais
Capítulo 8
A curiosidade definitivamente matou o gato, por um enfarte isso sim, eu queria tanto abrir aquela caixa assim que acordei, mas estava atrasada então tive que correr e deixar a caixa ali, quietinha a espere que eu volte para casa e a rasgue toda,  fui para a escola e a única coisa em que eu estava a pensar era aquela caixa.O que há dentro dela? Será que é uma bomba de tinta? Comida? Que estava fora de questão, seria uma loucura colocar comida em uma caixa e deixar lá por duas semanas. Desenhos? Poemas? Rabiscos?— Siana — eu estava tão distraída que só percebi que o Arthur estava a chamar por mim quando fui balançada. Olhei para ele e ele mandou o seu melhor olhar ciníco. — Estás muito distraída, nós estávamos a falar sobre fazermos álbuns com  fotos do Edward,  entregarmos para o Kaine e separar alguns para nós,
Ler mais
Capítulo 9
O frasco na secretária permanecia ali como se estivesse a espera que eu fosse até ele,  a espera que eu cumprisse a promessa e retirasse um dos papéis. Calafrios passavam por mim sempre que pensava no que poderia estar dentro dele. Papéis podem até ser inofensivos, mas palavras não.  Tinha outra opção? Tinha, queria mudar a minha escolha? Claro que não.Ele se importava tanto comigo que perdeu minutos preciosos da vida dele para escrever aqueles desafios para mim, não os cumprir seria como quebrar um marco histórico depois de o ter vandalizado e matar a memória que eu mantinha guardada comigo.Não sei o que virá, sequer sei o que está escrito, mas mais valia ter ele por míseros momentos, presente naqueles desafios, ter um pedaço de algo em que ele pôs todo o seu esforço. Era muito mais importante que deixar ele desaparecer.<
Ler mais
Capítulo 10
Acordo cedo mesmo sendo domingo,  precisava relaxar o meu corpo e acordar cedo para tentar fazer pilates era a melhor coisa, mas como sempre e infelizmente, foi apenas tentar mesmo  porque depois de 10 minutos fiquei cansada e voltei para a cama sem ao menos ter tomado banho. Queria relaxar com meditação e o corpo não colaborava, ele não queria largar a cama que estava tão confortável.Eu via as minhas redes sociais, estagnadas como numca estiveram antes, não havia nada recente nelas nem mesmo alguma publicação sem sentido.Levanto-me contra a minha vontade e vou tomar banho porque seria a melhor coisa a fazer naquele momento e porque precisava saber qual seria o desafio de hoje, mesmo que o primeiro desafio tenha sido estranho.Na minha cabeça rondavam dúvidas sobre o objetivo dos desafios, ele até pode ter revelado, mas foi tão vago que não consegui ente
Ler mais