Segredos de Família

Segredos de FamíliaPT

Paula Albertão  Em andamento
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
35Capítulos
770leituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Emanuele acabou de ter coragem para terminar um relacionamento longo e marcado por traições. Abrigada na casa de sua irmã, ela tenta se distrair de toda a tristeza, mas a notícia de que o pai faleceu a acaba jogando de encontro a um segredo familiar que jamais imaginara. Emma, uma jovem criada para ser submissa e obedecer a tudo que os pais decidirem, vê sua vida mudar completamente quando vai até a casa do futuro marido e conhece seu irmão. Duas mulheres, vivendo em tempos diferentes, mas com as vidas completamente entrelaçadas.

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
35 chapters
Prólogo
                A porta do quarto se abriu lentamente, deixando uma luminosidade refletir no chão, e eu senti meu coração acelerando fortemente, quase como se estivesse batendo na minha garganta.                Vi o vulto do corpo dele atravessando a porta com um arrepio percorrendo meu corpo. Observei a silhueta do ombro, o modo como seu corpo se movia lentamente para não causar nenhum ruído e percebi que ele estava tão tenso quanto eu.                Me movi na cama, deixando que percebesse que eu estava acordada, e por um momento ele parou no meio do quarto escuro. Talvez estivesse cogitando dar meia volta e sair, o que me fez apertar os dedos nos lençóis e segurar a respiração, mas depois voltou a andar, e f
Ler mais
1
Emmanuele                Joguei minhas coisas dentro da mala com toda a força, empurrando o bolo disforme de roupas sem nenhum cuidado até que fosse possível fechar o zíper.                Tinha acontecido outra vez. E tudo que eu pensava era o quanto eu tinha sido burra por acreditar que não aconteceria, por ter acreditado em todas as palavras de perdão e arrependimento, os presentes e a viagem para arejarmos a cabeça e começarmos de novo.                Eu estava fazendo o que já deveria ter feito dois anos antes, deixar Rafael.                Escutei a porta do andar de baixo batendo, sinal de que ele tinha ch
Ler mais
2
Emmanuele                - Não sei como você ainda não é completamente famosa. – comentei, maravilhada, quando Ester se juntou a mim.                Ela riu enquanto puxava a cadeira para se sentar bem ao meu lado, mas parecia brilhar de tanta animação. Havia mais vida na minha irmã quando ela cantava.                - O que achou do lugar? – perguntou com um meio sorriso.                - É diferente do que estou acostumada. – olhei mais uma vez ao redor.                - Eu sei. Bem vinda ao meu mundo. &nbs
Ler mais
3
Emmanuele                - Você não sabe o quanto ficamos gratas por isso, Martim. – eu tinha a vaga sensação de já ter dito aquelas palavras, mas não consegui me controlar.                - Está tudo bem, Emanuele. – a voz dele saiu suave, cheia de compreensão.                Ester estava abraçada a mim, muito calada, no banco de trás do meu carro. Martim o guiava para a casa de nossos pais, que agora era só de nossa mãe, mas eu não queria pensar desse jeito por enquanto, então lembrei de vários fatos envolvendo nossa família.                Lembrei do
Ler mais
4
Emmanuele                - Emanuele? – Ester bateu na porta do banheiro, preocupada.                - Só um minuto. – pedi, esperando que as lágrimas parassem de descer.                Quando abri a porta, Martim estava atrás de minha irmã, e ambos estavam com olhares apreensivos.                - Me desculpem. – pedi com sinceridade – Eu não queria assustar vocês.                - Emanuele. – mamãe surgiu atrás dos dois.             &nbs
Ler mais
5
Emmanuele                 Dois dias depois eu estava dentro do meu carro, voltando para a casa da minha mãe sem nem mesmo avisar, com um pouco de medo do que poderia descobrir. Mas quando estacionei na frente, percebi que eu era esperada.                - Sabia que eu vinha? – perguntei depois de a abraçar.                - Tinha esperança de que não ficasse com raiva para sempre.                - Não foi isso. – neguei com firmeza – Eu só senti como se você estivesse tentando tirar meu pai de mim.                - Eu n&ati
Ler mais
6
Emmanuele                Eu não esperava que Guilherme fosse jovem, estava imaginando um idoso relativamente parecido com o advogado que havia encontrado mais cedo, mas ele devia ter mais ou menos a minha idade, era alto, com cabelos castanhos volumosos e olhos tão escuros que pareciam pretos.                - Emanuele? – sua voz soou antes que eu pudesse cumprimentar.                - Sim. – confirmei me aproximando.                - Guilherme. – ele estendeu a mão para mim, e a apertei, observando o quanto era grande perto da minha.                Sorri
Ler mais
7
Emmanuele               Guilherme e eu nos evitamos pelos dois dias seguintes, concentrados em vasculhar toda a casa. Eu estava em busca de respostas, e acredito que ele tivesse o mesmo objetivo, mas não combinamos qualquer coisa.                Até mesmo começamos a fazer as refeições em horários distintos. Em um acordo não verbal, eu sempre acabava comendo primeiro e quando estava me retirando, ele aprecia, me cumprimentava e essa era nossa única interação.                Eu ficava agitada em sua presença, ansiosa, e pela forma que ele sempre evitava me olhar diretamente, Guilherme devia sentir algo parecido. O que estava acontecendo com nós dois?   
Ler mais
8
Emmanuele                A volta para casa foi feita em um silêncio constrangedor. Nenhum de nós conseguia sequer olhar para o outro.                Irmãos. Irmãos por parte de pai.                Eu nunca havia me sentido tão suja em toda a minha vida. Como eu tinha olhado para o meu próprio irmão daquele jeito? Como eu podia ter me sentido daquela forma? Meu Deus, eu havia beijado o meu próprio irmão.                Desci do carro assim que Guilherme parou, e subi as escadas correndo até o quarto onde estava hospedada. Eu não podia passar nem mais um segundo sob o mesmo teto que ele. &
Ler mais
9
Guilherme                Não consegui dormir direito a noite toda e, quando finalmente desisti de ter algum descanso em paz, me levantei e fui até o quarto que Emanuele havia usado aqueles dias. Ainda havia seu cheiro pelas roupas de cama e, embora eu soubesse que era inadequado me sentir assim em relação a minha própria irmã, me acomodei ali até o sol nascer.                Era irônico porque eu havia desejado ter irmãos durante uma boa parte da minha vida, e agora tudo que eu mais desejava era que não fosse verdade.                Quando desci para o café da manhã, Ana já havia deixado tudo pronto e estava ocupada com outras coisas da casa. Me sentei sozinho, sentin
Ler mais