Quando em Vegas

Quando em VegasPT

Carol Moura  Em andamento
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
12Capítulos
1.3Kleituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Quando as coisas ficaram difíceis para Linda Hatman, a única coisa que sua mente perturbada pensou em fazer foi fugir para Vegas e realizar os dez itens de uma lista rebelde. Dona de uma rede de hotéis avaliada em alguns milhões de dólares, Linda foi preparada desde cedo para tocar os negócios da família e jamais meter os pés pelas mãos. Porém, quando ela pede para um sedutor barman em um hotel cassino lhe ajudar com os itens de sua lista de merda, como ela costuma chamar, a sorte é lançada. No lixo, na opinião da mulher. Na manhã seguinte da sua noite de aventura, com uma ressaca infernal, ela não somente descobre que alguns itens da lista foram realizados, como também os dois últimos foram completos e muito bem consumados. Linda casou e transou com um estranho. Agora ela só precisa cancelar o casamento, certo? Errado. É dia dos namorados e esse é o único dia em que nenhum cartório tem autorização para tal procedimento. Uma lei implantada pelo governador romântico do Estado de Nevada. Linda então precisa passar mais um dia com o seu parceiro de crime para conseguir cancelar a burrada que fizeram e cada um seguir o seu caminho. Certo? Talvez sim! Talvez não! Nota da autora Querido leitor, Pode ser que você já tenha lido esta história. Ela inicialmente se chamava Sem Volta e fazia parte de um selo editorial. Este selo foi encerrado e como os direitos do livro são meus, optei por mudar o nome e enviá-lo para uma nova revisão. Caso queira ler novamente a obra, você é muito bem-vindo. Para aqueles que ainda não conhecem a história de Linda e Knox. Será um prazer tê-lo a bordo desta viagem.

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
12 chapters
Prólogo
A lista Seu olhar mortificado só me deixava mais revoltada.Ele não tinha o direito de estar se sentindo mal. Era ele quem estava fazendo aquilo comigo. Em seus olhos, eu podia ver que ele não se sentia bem com a situação, mas pouco me importava. A culpa era dele, afinal de contas.Como se atrevia a me olhar com tanta... compaixão?Olhei para os papéis espalhados pela mesa e me senti ainda mais indignada, revoltada para ser mais precisa. Não havia espaço para qualquer outro sentimento dentro de mim naquele momento. E eu seguraria a indignação e revolta o quanto pudesse, pois, no momento em que eu deixasse a mágoa tomar conta de mim, tudo desabaria. Tudo.O que eu fiz para merecer aquilo? Por que ele não se importou mais cedo?Quando questionei, ele desdenhou de minhas preocupações. Disse que não era n
Ler mais
Capítulo 1
Um novo drinque Puta que pariu!Quem ligou o interruptor da “dor eterna” na minha cabeça?Minha cabeça!Saltei da cama, levando as mãos à cabeça. Meus cabelos estavam completamente embaraçados, e a ressaca era do inferno, mas, fora aquilo, eu aparentemente estava bem.Ou quase bem.Olhei para a cama de onde eu havia saltado e percebi que não estava sozinha. Deitado de bruços, com os cabelos negros completamente bagunçados, o homem estranho permaneceu imóvel mesmo quando comecei a dizer palavrões.— Mas que merda! — Minha voz era quase esganiçada. — O que diabos eu fiz?Analisei em volta, analisando a bagunça que fizemos na noite anterior. Em cada peça de roupa jogada pelo chão um flash sobre a noite anterior vinha em minha mente.E
Ler mais
Capítulo 2
Esquecendo por um momento Nós passamos em seu apartamento, em um bairro mais afastado em Vegas, e eu optei por aguardá-lo no carro enquanto ele tomava um banho rápido e trocava de roupa. Enquanto o motorista do carro alugado tentava encontrar uma rádio decente para ouvirmos, eu, sentada no banco traseiro, peguei meu telefone e o liguei rapidamente. Fiz um enorme esforço para não abrir meu e-mail, escutar as mensagens de voz ou mesmo ler as mensagens no aplicativo de conversa que faziam meu telefone quase entrar em colapso, de tanto que vibrava.Selecionei o número de minha assistente e liguei para ela.— Senhorita Hatman, graças a Deus, estão todos morrendo de preocupação com você. — Estou bem, volto ainda hoje e me resolverei com todos. Apenas avise isso.— Mas...— Stacy, só fa&
Ler mais
Capítulo 3
O Governador de Nevada merece morrer — Desculpe, por um momento pensei ter ouvido que o cartório está fechado. — Consegui finalmente dizer depois de tanto rir.— Foi exatamente isso que eu disse, senhora. — Imediatamente comecei a gargalhar novamente.— Linda, se acalme. — Knox tentou dizer, mas eu não conseguia parar. O cartório estava fechado. Era essa a resposta que o segurança me deu quando tentei abrir a porta do local.O CARTÓRIO ESTAVA FECHADO!Após trocarmos nossos anéis, Knox e eu terminamos o café da manhã, nos despedimos de Yvone e seguimos para acabar com a nossa situação de uma vez por todas. Enquanto o motorista nos levava para o nosso destino, ficamos em silêncio. Tentei procurar algum assunto para ouvir a voz dele por mais tempo, mas nada veio à mente.Quando final
Ler mais
Capítulo 4
O melhor cassino Como não havíamos almoçado ainda e Knox alegou que eu não tinha ideia do que era diversão e jogatina, ele resolveu me levar em um cassino diferente.— E o que tem de diferente neste cassino? — perguntei enquanto íamos em direção às ruas paralelas de Vegas.— É italiano, tem um restaurante lá e... — Ele me fitou com animação, mas procurou fazer um suspense.— E o que, Knox? — incentivei, ficando animada.— Não é um hotel cassino — revelou.Murchei e franzi o cenho sem entender.— E o que tem isso?— É da máfia — sussurrou, se aproximando, e eu me aproximei também e olhei para os lados, sem saber o porquê.— Sério?— Não! — Kn
Ler mais
Capítulo 5
Marcada na pele — Próxima parada... Tatuagem! — Ryan informou quando saímos do cassino. Eu ainda passava um lenço demaquilante, que consegui emprestado de uma das funcionárias que estava no cassino da cozinha em seu horário de descanso.— Eu não sei, Knox! Eu nunca fiz uma. — Estava com medo de sentir dor, porém também excitada. A vontade de fazer uma tatuagem era grande.— Mais um motivo para fazer. Alguma ideia do que quer? — Andamos lado a lado de volta para a Strip.— Não, talvez algo para lembrar esse momento? — disse como se pedisse aprovação para a minha ideia.— Legal, vou posar para o tatuador. Você prefere nu? — brincou, e eu o empurrei com o ombro e comecei a andar mais rápido. — Não, não! — Ele disse e pegou
Ler mais
Capítulo 6
Irônico — Eu não vou entrar sozinha aí! — disse pela terceira vez.— Bem, eu não estou pessoalmente animado para ver o elenco menos bonito de Magic Mike.— Magic Mike?— Deus, o que você faz da vida? — perguntou assim que me mostrei confusa sobre o tal Magic Mike. Passada a nossa quase conversa, decidi que seria melhor não dizer quem eu era uma vez que ele não percebeu a dimensão daquele sobrenome.— Não vou entrar num clube de mulheres sozinha, Knox! — Voltei ao assunto rapidamente.— Eu não posso entrar em um clube de mulheres com você, Linda. Não sei você lembra sobre ontem à noite, mas eu sou um menino.— Então vamos cancelar.— Não! Você vai, e eu vou organizar os itens que faltam da lista.— Knox... &m
Ler mais
Capítulo 7
O poder do Titanic — Vamos jogar um jogo. — Ryan sugeriu enquanto sentávamos em um banco próximo ao local em que a cantora que amava Alanis Morissette estava.— Que jogo? — perguntei em meio a um gemido. Estávamos andando o dia inteiro praticamente, meus pés, mesmo acostumados com salto doze centímetros, estavam latejando de dor, isso sem falar na dor de cabeça que começava a querer aparecer. Pequenas fisgadas que eu odiava. Geralmente era o anúncio de uma dor descomunal logo em seguida Eu precisava de um remédio.— Diga para mim três coisas que você odeia. — Ele ordenou.Odeio sentir dor! Especialmente quando eu não quero senti-la. Com a tatuagem, por exemplo, foi uma dor que eu procurei, tinha a obrigação de sentir e aguentar. Contudo, há dores que eu nunca quis sentir.
Ler mais
Capítulo 8
A magia acabou Assim que entramos na minha suíte de hotel, Knox foi diretamente para a sua mochila. De lá tirou uma muda de roupa da mochila e apontou em direção ao banheiro, pedindo permissão para tomar um banho. Eu assenti rapidamente, pronta para tentar melhorar o clima entre nós depois do que aconteceu na limousine. Quando a porta fechou, eu fui até minha bolsinha e peguei um analgésico para a dor que começava a crescer em minha cabeça.Assim que o motorista parou o carro e desligou a música, nos separamos e tudo havia acabado. Descemos da limousine rapidamente, e Knox agradeceu e se despediu do seu amigo. Quando voltou para perto de mim, parecia cauteloso. Eu me fiz de desentendida e puxei um assunto qualquer para tentar quebrar o gelo.Ele parecia magoado, mas novamente respeitou a minha vontade. Nós voltamos para o hotel cassino em que eu est
Ler mais
Capítulo 9
Sempre em minha mente — Deus, que vergonha! Eu não conhecia quase nenhuma música do repertório da mulher — reclamei de mim enquanto andávamos em direção à última tarefa restante da minha lista maluca. Dançar em frente ao Bellagio. Antes disso, disse a Knox que o levaria para jantar em um dos restaurantes mais famosos de Las Vegas, mas ele apenas declinou, dizendo que queria muito terminar a última tarefa.— Mas você pareceu gostar muito do show, mesmo não conhecendo a música.— Como não gostar, Knox? A mulher tem quantos anos? Setenta? Deus! Ela tem mais vitalidade do que eu. E quando ela cantou a música do filme do Mel Gibson... — Estalei os dedos tentando puxar da memória o nome do filme.— Mad Max! — Knox ajudou. — A música se chama We Do
Ler mais