Multicor - Livro 2 - Te Prometo o Céu

Multicor - Livro 2 - Te Prometo o CéuPT

Nathasha Chrysthie  Em andamento
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
25Capítulos
613leituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Vivendo seu maior sonho de uma forma bem diferente do que tinha imaginado, Melissa se vê sozinha em Paris e diante de uma série de obstáculos impostos pelo destino. Em seu caminho agora surgirão amigos, dilemas internos, um amor inesperado e até um novo inimigo, mesmo que os antigos problemas não estejam tão longe quanto ela pensa... O segundo volume da duologia Te Prometo o Céu vai te enredar em um misto de esperança e adrenalina. Deixe-se envolver no desfecho dessa história repleta de coragem e se encantar com a capacidade do amor em florescer do sofrimento.

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
25 chapters
Prólogo
“Eu vi o anjo no mármore e esculpi até que o libertei.”(Michelangelo)   OLIVERNunca estive tão perto do céu como agora, como um imenso tapete azul acinzentado diante de mim, me convidando...Faz um frio em Paris nesse fim de madrugada, quase tão intenso quanto o frio daquela noite. Os flashes de memória me doem os ossos mais do que o vento invernal. Balanço os pés e o ar se agita ao meu redor, fazendo um arrepio subir por meus braços. A mureta estreita embaixo de mim parece tremer com o meu movimento e seguro-me com mais cuidado, ainda hesitante em cumprir meu objetivo.Fito o Sena correndo sob mim, a correnteza forte arrastando qualquer coisa que apareça em seu caminho. Qualquer coisa que caísse daqui de cima nessas águas turbulentas certamente seria engolida e sugada para o fundo, trag
Ler mais
Capítulo 1
RICKNunca pensei que fosse possível sentir a dor física de ter o coração arrancado do peito sem que ele realmente o fosse, mas eu estava enganado. Sinto como se uma garra de metal frio tivesse penetrado em meu peito, se fechado em volta do músculo pulsante e sangrento e puxado para fora, deixando as artérias mortas penderem do buraco negro e vazio que restou.A única coisa que permite meu sangue de continuar correndo por meu corpo, agora levando a mesma proporção de álcool e oxigênio para minhas células ressequidas, é a necessidade de tê-la de volta.Morrer seria menos doloroso, mas uma coisa ainda me faz respirar: a esperança, aquela que costuma ser a última a morrer, ainda está presente. Um fiozinho dela é o que me mantém vivo. Noite e dia, só o que faço é pensar em todas as formas po
Ler mais
Capítulo 2
MELISSASaio correndo do quarto e desço os dois andares aos pulos, de dois em dois degraus. Ao chegar no térreo estou arfando, me curvo e apoio as mãos nos joelhos buscando desesperadamente inflar meu pulmão de ar. Sinto uma mão em meu ombro, mas apenas levanto um dedo, pedindo que a pessoa espere um segundo enquanto eu tento recuperar o fôlego.Quando enfim consigo me erguer vejo que é um dos rapazes que me ajudou com as malas ontem, Mateo. Meu coração bate descompassado e seguro em seu braço, pedindo por sua ajuda. Eu preciso fazer alguma coisa ou então aquele homem irá se matar. Eu tenho que impedi-lo.- Você está bem? – Ele me pergunta e me guia até o sofá me segurando pelo cotovelo.- Eu sim, mas vai acontecer uma tragédia! Não, não, não, eu não posso me sentar, eu preciso de
Ler mais
Capítulo 3
MELISSAA entrada para a Beaux-Arts era imponente. Arcos em mármore e abóbadas espelhadas. Dentro era tudo ainda mais exuberante, em qualquer lugar que meus olhos pousassem havia um detalhe único que merecia total atenção. No centro, uma claridade vinda do céu banhava a recepção. O telhado neste ponto era de vitral colorido, dando a sensação de estar dentro de um arco-íris.Andrew fala com a recepcionista enquanto eu consigo apenas admirar tudo ao redor, encantada, em estado de êxtase. “Só pode ser um sonho”. Ele pega minha mão e tenho a sensação de estar flutuando. É quase como se eu tivesse morrido e um anjo estivesse me levando em um tour pelo céu.Os quadros, as esculturas, os afrescos, as colunas em pedras sobrepostas, os móveis em madeira talhada, tudo nesse lugar é fascinante. Para
Ler mais
Capítulo 4
MELISSABem, parece que finalmente tudo irá voltar ao normal. Pelo menos tão normal quanto pode ser... Sinto como se finalmente pudesse voltar a respirar, como se antes estivesse em uma espécie de coma, respirando com a ajuda de aparelhos. Em nenhum momento anterior da minha vida passei por tamanhas reviravoltas emocionais como nas últimas semanas. Mesmo com toda a obsessão e perseguição do Rick, levávamos uma vida morna, previsível, nada perto dessa loucura. Na verdade, toda a minha vida parece uma grande calmaria, como um mar de águas brandas, inabaláveis. E aí, de repente, estou me afogando em tsunamis.Tantas coisas acontecendo ao mesmo tempo. Quando eu acho que finalmente estou segura e vou ter uma gestação tranquila, aparece esse louco suicida me fazendo desconfiar do meu tutor e plantando várias dúvidas na minha cabeça.
Ler mais
Capítulo 5
MELISSAPor um momento o meu mundo foge totalmente do eixo. O chão some sob meus pés. Ele precisa parar de me olhar desse jeito, me lançando essas ondas em fúria, fazendo eu me afogar. Tento lembrar como se respira e me apoio na pia atrás de mim. Ao perceber o meu mal-estar, ele se afasta e me observa a uma distância segura. Ele estuda o meu rosto cautelosamente, mas ansioso. Eu suspiro, tentando encontrar as palavras certas.- Oliver, sério, eu realmente não fiz nada demais. Eu só joguei em cima de você todo o meu drama pessoal, então meio que foi mais um desabafo mesmo, algo que eu precisava colocar para fora. Eu não vejo como isso pode ter sido de grande ajuda para você. Eu fui bem egoísta, na verdade. – Eu tento fazer com que ele tire essa coisa de “anjo da guarda” da cabeça. Eu não consigo entender por que ele e a
Ler mais
Capítulo 6
MELISSADesperto com um canto baixo e melodioso, um som divinamente puro, e sinto-me adentrando os portões do céu. Sento na cama e espreguiço-me calmamente, deixando cada músculo do meu corpo acordar no seu tempo.Olho para a janela aberta e me deparo com a origem daquele som. Passarinhos se alimentam de algumas migalhas de pão no peitoril e são banhados pelos tímidos raios de sol. Por um momento algo parece fora do lugar e, como se apenas agora percebesse o que há de estranho naquele cenário, esfrego os olhos não acreditando em minha própria visão.Oliver está sentado exatamente no mesmo lugar onde me encontrou pela primeira vez, ontem de manhã, no banco junto à janela. Ele estende as mãos repletas de migalhas e vejo que sorri. Vê-lo assim descontraído também me faz sorrir, mas logo sou surpreendida por su
Ler mais
Capítulo 7
RICK Duas noites nesse lugar e eu já quero me matar por ter cantado aquela enfermeira filha da puta. Ela parecia tão inofensiva, com problemas demais na cabeça para se lembrar de mim. Como eu me odeio por ter deixado esse pequeno fio desencapado. Explodiu a porra toda!Eu finalmente tinha alguma esperança de encontrá-la. Eu chegaria lá em Paris e compraria um belo buquê de rosas, sairia à procura de Melissa por toda aquela maldita cidade se fosse preciso, cada beco, cada viela, mas eu a acharia. E aí eu a surpreenderia. Eu sei que ela está sentindo a minha falta tanto quanto eu sinto a dela. Ela jogaria seus braços em volta do meu pescoço e eu sentiria o perfume dos seus cabelos. Meu Deus, como eu preciso desse perfume e do seu corpo sob o meu toque. Ler mais
Capítulo 8
DOIS MESES DEPOIS MELISSA Cada vez que caminho por esses corredores enormes e amplos tenho uma surpresa deliciosa. Acho que nem estudando aqui por dez anos eu seria capaz de ver todos os detalhes desse lugar. Paro em frente a uma parede acinzentada com texturas e pinturas rupestres do chão até o teto, fazendo uma curva acima da minha cabeça. Coloco as mãos na parede e sinto as suas ranhuras e imperfeições, como se realmente fossem pedra gasta pelo tempo. Os desenhos são como aqueles que vemos nos nossos livros de história nos primeiros anos de colégio, geralmente acompanhando uma explicação sobre o surgimento dos primeiros seres humanos na Terra. É fascinante como tal obra foi reproduzida com tamanha perfeição. A sensaç&a
Ler mais
Capítulo 9
MELISSA Sem coragem de me soltar dos braços de Oliver, continuo com meu rosto escondido no seu peito. Todos à minha volta demandam uma explicação, mas nesse momento não consigo processar nada além da informação de que agora o Rick está livre para vir atrás de mim. Minha paz durou mais do que eu esperava, é bem verdade, mas no meu íntimo eu ansiava que ele não fosse solto nunca mais. Oliver se curva levemente e fala no meu ouvido.- Shhhhh, fica calma. Vai ficar tudo bem. Eu não vou deixar nada acontecer com você, eu prometo. – Ele passa as mãos nas minhas costas tentando me tranquilizar.- Não é simples assim. Ele vai passar por cima de qualquer um para chegar até mim. Ele faria
Ler mais