O que uma Garota Deve Fazer (Livro 1) - Coisas da Vida

O que uma Garota Deve Fazer (Livro 1) - Coisas da VidaPT

Kashinabi-Chan  Em andamento
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
41Capítulos
1.1Kleituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Alessandra é uma garota de 17 anos que acabou de se mudar para uma nova cidade. Consequentemente, também acabou sendo transferida de colégio, indo parar em um internato. E, disposta a relatar todas as suas aventuras nessa nova vida, começou a escrever em seu diário, dando dicas para todos que se aventurassem a ler suas palavras. No entanto, Alessandra mal esperava que essa nova etapa seria responsável por mudar a sua vida para sempre. Está pronto para dar uma lida nesse diário?

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
41 chapters
Capítulo 1 - Um novo colégio e uma nova vida
No meu relógio são 01:18 da madrugada. Por que eu estou acordada até agora? Tudo bem, confesso que um dos motivos é que não consigo dormir. Pensamentos rodam cruelmente em minha mente. Um desses “pensamentos” na verdade é apenas um sentimento: raiva.Meu quarto estava totalmente escuro. Meus olhos, inquietos, batiam em várias partes daquele lugar estranho. Por que lugar estranho? Porque acabei de me mudar. Recentemente, minha mãe aceitou um emprego aqui em Finsta. Um lugar mais cheio de pessoas riquinhas do que árvores. Não nos encaxávamos nessa sociedade de ricos, e, se não fosse por mim... Quero dizer, se não fosse pelo dinheiro que eu guardava na minha poupança, não teríamos comprado essa casa. Juro que minha mãe, Sabrina, ajoelhou para usar o dinheiro que havia lá e, não sei por que, meu coração amo
Ler mais
Capítulo 2 - Uma blusa roubada
— Eu não acredito... — ele estava tão surpreso que não conseguiu terminar a frase.     — Eu tentei avisar — digo.     — Como você pôde ter jogado esse monte de... — Coloquei a minha mão em sua boca. Ter a absoluta certeza que aquilo aconteceu na minha frente era humilhante demais.     — Não diga, por favor. Eu tenho consciência do que acabou de acontecer — falei, tirando minha mão da sua boca.     — Mas como você pôde ter feito uma coisa dessas? Por que não deu uma verificada rápida para ter certeza de que não jogasse uma mala cheia de roupa íntima feminina?     — Na hora em que a joguei, não tinha notado qual mala eu estava segurando.   &nbs
Ler mais
Capítulo 3 - Diretoria
Eu estava correndo igual a uma louca. Qualquer um podia ver a fúria nos meus olhos que consumia minha alma. Quando aquele garoto estiver em minhas mãos, farei estragos apenas com minhas unhas. Nenhum garoto que teve a coragem para arrancar minha blusa favorita de meu corpo, terá coragem de me enfrentar frente a frente. As pessoas que nos olhavam correr como loucos pelo pátio: ou riam ou ficavam surpresos. Ninguém, sequer falava alguma coisa, apenas mostrava uma expressão qualquer. Não digo porque queria chamar a atenção, mas apenas queria que as pessoas o parassem para que eu pudesse fazer meu trabalho.     Aqui vai uma lista das coisas que as pessoas podiam ver, especialmente para você, diário:       > Um menino e uma menina correndo;     > O menino segurando uma blusa rasgada atr&aac
Ler mais
Capítulo 4 - Em busca da blusa roubada
— Por que você fez isso? — Eu podia ver que ainda restava uma sombra de dúvida no seu rosto quanto ao real motivo do tapa. Eu tenho certeza que ele sabia muito bem, apenas perguntou para confirmar.     — Você mereceu e era pra eu ter te dado ele ontem, quando abriu a minha mala.     — Foi você que disse pra eu dizer. Só te fiz um favor.     — Quer saber, por que você não vai atormentar sua namorada ao invés de mim?     — Ela está em aula no momento. Ela é do segundo ano e eu do terceiro. Há vezes que não posso vê-la por conta disso.     Suspirei fortemente. Eu tinha que arranjar outra maneira de me livrar dele. Mas até que senti uma ponta de pena dele. Imagine só, diário, ter que ficar al
Ler mais
Capítulo 5 - Uma noite arriscada
— Por favor, me explique de novo. — Eu ainda estava o seguindo. Nós ainda estávamos no campus, indo em direção ao prédio onde ficava o dormitório dele. Meus tênis ainda permaneciam em minhas mãos e meus pés afundavam na macia grama.     — Não tenho mais tempo — diz ele.     — Tem muito tempo sim! — O fiz parar novamente com um tapa forte em seu braço. — Se me esperou até sair daquele quarto, pode me dar uma explicação!     — Não vou explicar de novo e pronto! — Ele continuou a caminhar. — Você ficou prestando atenção em outra coisa porque quis!     — Eu estava prestando atenção em você!     Tudo bem que era nos seus olhos,
Ler mais
Capítulo 6 - Corrida para a "liberdade"
— Você leu meu diário, sua...! — gritei.     — Eu tinha que saber a verdade. E agora você não tem mais como esconder. Sei de tudo. Você ficou para mim transparente como a água agora.     Sentei em minha cama, fechei os olhos por alguns segundos, soltei um suspiro e perguntei:     — Que parte do meu diário você leu pra chegar nessa conclusão?     — “... Eu queria tanto pôr as mãos naquele... garoto de olhos lindos!” — disse ela, tentando imitar minha voz de forma inútil.     — Tudo bem, eu admito. Agora só uma coisa: eu não gosto do jeito que você pensa. Apenas tenho uma... — Eu estava tentando achar a palavra certa. — Quedinha.    
Ler mais
Capítulo 7 - A "maravilhosa" reunião
Tudo o que se podia ouvir na sala, quebrando o silêncio, era meu choro abafado. Eu queria descobrir se o Abridor de Malas estava com pena de mim, mas não tive coragem o suficiente para olhá-lo com minha mãe por perto. Nunca tive medo da minha mãe, mesmo assim, as vezes me bate uma dor no peito, porque eu sei que no fundo daquele coração, ela me odeia por eu ser sua filha. Não pedi pra nascer, sei disso, porém, as vezes peço para morrer.     — Responda ou eu vou jogar meu sapato em você! — gritou ela. Não tenho dúvidas de que sua paciência se esgotou.     — Por favor, fique calma, senhora — implorou a diretora. Era tarde demais para que minha mãe se acalmasse.     — Calma? Calma? Como posso me acalmar?   &
Ler mais
Capítulo 8 - O pior/melhor castigo de todos - Parte 1
— Está bem, já entendi. Chega de encher meus ouvidos com isso — digo.     Ela semicerrou os olhos e disse:     — Espero que tenha entendido mesmo.     Agradeci que encerramos esse assunto. Depois disso, começamos a conversar algumas coisas bobas, como garotas normais fariam. Fico feliz que ela também, de vez em quando, consiga ser uma garota normal. Quando não está passando por um momento bipolar, gosto dela. As conversas e as coisas engraçadas e bestas que ela diz são boas de ouvir. Ela seria uma perfeita amiga se não tentasse me matar de vez em quando. As vezes tenho até medo de dormir perto dela. Vá saber o que ela pode fazer enquanto eu estiver dormindo.     Meia-noite nós fomos dormir. Bom, eu não queria ter ido dormir. O papo entre mi
Ler mais
Capítulo 9 - O pior/melhor castigo de todos - Parte 2
Diário, eu ainda não sei se minha expressão no momento é de raiva ou de nojo. Minha mente ainda não conseguiu processar o que acabou de acontecer. Aquele maldito Abridor de Malas, além de jogar água no meu rosto, conseguiu acertar minha boca. Vou acabar com ele por isso.     — Foi mal ai, garota. Não vi que estava de boca aberta — dizia ele entre risos. Como ele pode rir quando estou tendo um ataque de nojo? Não imaginava que essa nossa guerrinha pudesse terminar assim.     Ainda me pergunto o por quê de eu ainda estar com aquela água suja dentro da boca. Já era pra eu ter cuspido, não é? Sabe, as vezes me odeio por esquecer do que está acontecendo ao meu redor.     Cuspi aquela água de volta na privada.     — Vou te mat
Ler mais
Capítulo 10 - Primeiro dia completo e um projeto diferente
A resposta que ele havia me dado, só me deixou com mais raiva e ainda mais curiosa. Eu preciso de respostas. Ele mentiu pra mim e agora quero saber o por quê.     — Me diz logo. Por que minhas blusas ainda estam aqui? — Eu queria tanto poder gritar, mas o colega de quarto dele dormindo, me impedia de fazer isso.     — Eu ainda não tive tempo de dar pra Carol. — Dessa vez ele conseguiu soar como se estivesse falando a verdade, mas eu sabia que não estava. Olhos não conseguem mentir.     — Mentira. Se fosse isso, você não teria gaguejado na primeira vez que eu perguntei. E também não me olharia desse jeito. ★Dica 46 = Sempre tente descobrir quando a pessoa está mentindo. Analise desde a primeira fala que supostamente começou a mentira.★
Ler mais