Não com Você

Não com VocêPT

Paula Albertão  Em andamento
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
23Capítulos
1.2Kleituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Alice tinha todos os planos de sua vida muito bem detalhados, mas perde o rumo quando o noivo revela que não quer mais se casar e está com outra pessoa. Querendo fugir de toda fofoca e da mãe, que quer de todo jeito que ela o reconquiste, Alice resolve embarcar com sua irmã, Catarina, e sua melhor amiga, Brenda, numa viagem divertida e cheia de surpresas.

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
23 chapters
Planos desfeitos
        - Claro que eu quero me casar, mas não com você.        O som das palavras ficaram fazendo eco para dentro do meu cérebro, penetrando meu ser. Me senti encolhendo gradativamente diante do par de olhos que me encaravam com um intensidade – antes irritada- e agora, claramente aliviada. Por alguns instantes, um surto de arrependimento me tomou, por ter entrado numa discussão sobre as flores do grande dia logo após um dia estressante de trabalho.       - Você não está falando sério. – falei baixinho fechando a agenda repleta de compromissos sobre o dia do casamento.       - Estou. – e ele se jogou no sofá, afrouxando a gravata. Claramente aliviado por estar falando sobre isso.        Eu não conseguia me mover do lado
Ler mais
No sofá
               - Mas que maldito. – disse Brenda colocando os pés no encosto do sofá, cruzados na altura dos tornozelos.               Ela colocou a garrafa de vinho que pegamos no estoque da minha mãe no chão, entre nós duas. Eu estou deitada no chão, espalhada no tapete escuro da sala.                – E esta maldita Vivian. – acrescentou rancorosa minutos depois.             Isso me fez pensar de novo na Vivian sempre impecável. Desde o primeiro dia que a vi, lá na casa dos pais de Eduardo. Filha dos amigos mais íntimos da família, irmã do melhor amigo do Eduardo. Sempre enfurnada lá, sempre bajulando. Eu, jovem e insegura, me senti ameaçada pe
Ler mais
Cuidado de irmã
                No sábado à noite, Brenda teve um encontro. Ela sempre tinha vários encontros, mas geralmente não chegavam a se repetir mais de três vezes com a mesma pessoa. E não porque os homens fugiam dela ou ela se envolvia com um tipo cafajeste, na maior parte dos casos a Brenda é que acabava se desinteressando de seus pares por algum motivo ou outro.                - Posso desmarcar. – ela me disse, escolhendo entre um brinco de argolas e um de pedras – Não é nada especial, na verdade. É o primeiro encontro.                - Não. – respondi sentando na cama, embora eu estivesse mesmo meio deprimida por ficar sozinha – E você está buscando defeitos no rapaz? – s
Ler mais
Três amigas
Acordei com as risadas de Catarina e Brenda vindo da cozinha, um som capaz de me tirar um sorriso. Levantei e as encontrei lutando com uma forma de biscoitos fumegantes.- Bom dia. – falei encostando o quadril no balcão da cozinha.               - Oi! – Cat respondeu, animada como sempre – Estávamos testando essa receita, mas só sobrou essa forma.               - Sua irmã é um desastre. - Brenda disse com um gesto dramático para o chão, repleto de biscoitos.               - Bem sei eu. – sorri me sentando ao lado das duas.               Era reconfortante ter as duas por perto logo cedo, o café d
Ler mais
Segunda-feira difícil
               - Até que enfim. – minha mãe me disse quando cheguei em casa segunda-feira de manhã, logo depois da Brenda sair do apartamento um tanto tensa na missão de deixar alguém cuidando da loja, e após um domingo feliz ao lado dela e da minha irmã. – Você conversou com o Eduardo? – senti a leveza das últimas horas ir se esvaindo de mim lentamente.                - Não, mãe. – respondi arrastando minha mala até meu quarto.                - Alice, você precisa ligar para ele! – ela me seguiu, gesticulando e aumentando o tom de voz. – Esse casamento ia fazer a sua vida, você ia ter total tranquilidade.       &nb
Ler mais
Caixas lacradas
                - Quando essa viagem sai? – perguntei à Cat pelo celular, logo depois que consegui sair do restaurante, tentando não olhar o Eduardo novamente.                - Nossa. – Catarina riu do outro lado – Pouco tempo, se a Brenda estiver de acordo. Onde você está?                 - Saindo de um restaurante. – respondi acelerando os passos – Seria gentil da sua parte passar a noite em casa. – falei firmemente e Cat apenas concordou – Vou pensar numa forma de Brenda se ajeitar logo. – acrescentei antes de desligar e buscar o número da minha amiga na agenda.                - Estou enrolada. – ela disse sem nem m
Ler mais
Euforia e pesar
               O resto da semana passou de uma forma estressante pois, tanto Catarina quanto Brenda – que aceitou sair no fim de semana e parecia ter amolecido com a nossa conversa –, estavam ocupadas demais com seus negócios. Minha mãe passou o tempo todo livre deixando claro o quanto ela achava absurdo eu sair quando o Eduardo estava por ai, começando a desfilar com outra.                A fofoca parecia, enfim, ter se espalhado e eu precisava me esquivar de telefonemas indesejados e campainhas insistentes. Pessoas que pareciam se condoer da minha situação, mas estavam apenas querendo observar a situação de perto.                Parecia mais sensato ficar trancada no quarto, em meio as malas de viagem e as caixas, que aind
Ler mais
Roda-gigante
                - Ela parece uma criança com essa câmera. – Brenda comentou enquanto nós duas andávamos juntas pelo parque. Conseguíamos ver Catarina abaixando e levantando em busca de suas fotos perfeitas.                - Com certeza. – confirmei, olhando o parque cheio ao nosso redor.                Haviam muitas crianças com os pais e alguns adolescentes aproveitando a noite de sábado nos tradicionais brinquedos.                ­ - Vamos esperar aqui. – Brenda apontou um banco. Atrás de nós estava a imensa roda-gigante, cheia de luzes. – Te achei muito para baixo antes de sairmos. – ela comentou suavemente.
Ler mais
Uma antiga casa
                A manhã seguinte estava chovendo, o que não ajudou no humor da Brenda – que não parava de repetir que não gostava de andar no mato – e no meu – que passei boa parte da noite tentando descobrir como me orientar e estava morrendo de sono.                Cat não se alterou nem um pouco com isso, e após o café da manhã na mesma lanchonete próxima ao hotel, estávamos seguindo viagem.                A chuva batia nas janelas, me deixando sonolenta, e em alguns momentos fiquei em dúvida se dormi ou não. Cheguei até a ter alguns sonhos confusos, todos relacionados ao casamento.              &nbs
Ler mais
Chuva, culpa, medo e festa
                - Será que essa chuva não vai parar? – finalmente, depois de dois dias de chuva sem trégua, o humor de Cat começou a variar. Ela olhava pela janela da cozinha o céu completamente coberto de nuvens.                - Não estou achando tão ruim. – Brenda disse, deitada no sofá da sala repleto de almofadas e travesseiros, com o celular nas mãos.                - Vamos esperar mais um pouco. – tentei confortá-la com uma mão nos ombros. Sua expressão era tremendamente desapontada.                Nos juntamos à Brenda no ambiente aconchegante da sala, ouvindo o tamborilar insistente das go
Ler mais