O Outro Lado do Espelho

O Outro Lado do EspelhoPT

J. Ferrari  En proceso
goodnovel18goodnovel
0.0
Reseñas insuficientes
37Capítulos
1.7Kleídos
Leer
Añadido
Denunciar
Resumen
Índice

A quantidade de debates sobre o sobrenatural existir ou não é imensa, mas, para essas duas irmãs, uma série de televisão já bastava para que tirassem suas conclusões. Isso era um dos fatores que as diferenciavam tanto. Caroline e Julie McCoy vivem com os pais num mundo que não conhece magia e em que poucos conseguem ter contado com ela. No entanto, não é por isso que deixariam de ser felizes. A mais velha é uma garota cética, com o próprio jeito de lidar com seus problemas no colegial, já que poucos ao seu redor se dispõem. Os problemas familiares lhe deram vários planos para sua vida adulta, mas um acontecimento inesperado pode comprometer tudo isso. A caçula cursa o Ensino Médio também e se mantém um pouco afastada da mais velha, pelo meio em que vivem ter influenciado numa criação moral bem diferente para cada uma. O que as duas não imaginavam era que um dia fossem conhecer personagens de uma série totalmente fora da realidade, e que estariam mais envolvidas nas confusões armadas do que apenas assistir a tudo aquilo. Pra piorar, o que seria mais assustador do que se apaixonar por uma pessoa que, para você, não era nada mais que um personagem fictício? E essa pessoa sendo um caçador de coisas sobrenaturais?

Leer más

También te gustarán

Comentarios Deje su reseña en la aplicación
No hay comentarios
37 chapters
A princípio, uma discussão
2005 — Rockford, Illinois Julie — Que coisa, Caroline! Pare de gritar! — eu pedia, levando minhas mãos ao alto enquanto ela via sua ridícula série. Eram mais de onze da noite. Na minha opinião, já tinha passado a hora de ouvir seus fangirlings. — Julie, deixa de ser chata, vai! — ela disse se ajoelhando no sofá para me encarar. — Vai dizer que esse loiro aqui não é lindo? Ela me puxou para perto da tela da TV. Eu revirei os olhos e suspirei. — Ele é bonito — respondi, apontando para o rapaz de cabelos escuros, um pouco para contradizê-la, um pouco por sinceridade. — Mas mesmo assim, a série é estúpida! — Não é
Leer más
Um (nem tão simples) desafio
Eu fiz o favor de esperar Caroline na entrada de casa, para caminharmos juntas até a escola, e fui retribuída com um olhar de desprezo seu para as minhas roupas. Minha preferência era pelas cores escuras e, de regra, mangas longas, mesmo que o dia começasse um pouco quente naquela época do ano. Eu inflei o chiclete que mascava até estourá-lo no rosto dela e Caroline rodou seu vestido florido para me dar as costas e desfilar sobre seus saltos.  Minha mochila estava mais pesada que o normal e eu odiava o motivo. Além do livro extra de mil páginas que fomos obrigados a comprar para o assunto novo da aula, eu participava do grupo das líderes de torcida e estava levando o uniforme da equipe. Também tinha o estojo de maquiagem. Aquele peso todo era a consequência de ter hackeado o sistema da escola para aumentar minha nota em Química. O diretor e meus pais me obrigaram a escolher uma atividade extracurricu
Leer más
Fantasia vs Realidade
Durante milésimos, eu senti a “pasta” no meu rosto, mas depois tive a sensação de que estava caindo e de que não pararia tão cedo. Meu estômago estava embrulhado e estiquei os braços à procura de algo em que me segurar. A sensação era parecida de estar numa montanha-russa. Eu odiava montanhas-russas. Quando decidi abrir a boca e gritar por ajuda, a queda cessou e bati em algo.Fiquei um tempo de olhos fechados, acreditando ser um truque daquela maluca. “Logo, logo essa dor de cabeça terrível vai sumir e aparecerei no meio da escuridão da sala de aula e zombaria de todos ali. Também vou esfregar na cara da Caroline que o mundo da seriezinha dela não existe!”, pensei. Porém, a minha cabeça só latejava cada vez
Leer más
O caçador e a presa
Eu daria qualquer coisa para trocar de lugar com a Caroline. Aquela pirralha provavelmente estava há horas em frente à sua penteadeira, tirando a maquiagem que usava no dia e passando cremes para dormir. Era uma grande idiotice, mas era melhor do que a minha situação. Meus pulsos estavam esticados para o alto e amarrados um ao outro há tanto tempo, que eu tentava mover meus dedos e não tinha certeza se estavam ali. O sangue já tinha descido demais. Olhando para cima, havia apenas breu. O único feixe de luz que entrava sequer me alcançava. Eu já estava tonta de fúria com o incessante ploc, ploc da água pingando em algum lugar daquela mina. Pelos meus pés, passava um par de trilhos, abandonados há muito tempo. A coisa que me sequestrara tinha me deixado sozinha ali há horas.
Leer más
Experiência diferente
— Será que dá para pular a parte de tentar me matar? — perguntei, indicando a lâmina afiada. Minha inquietação deve ter ficado evidente no meu rosto, porque Henry se apressou a explicar o motivo da faca. Os dois suspeitavam que eu não fosse humana. Havia alguns tipos de criaturas sobrenaturais com motivos para entrar na vida deles de modo suspeito, como eu fiz, e eles queriam verificar que eu não era um deles. Para isso, precisavam me benzer com água benta e me cortar com a faca de prata idiota. Demônios queimavam quando entravam em contato com a água santa. Outras criaturas, como lobisomens e a tal Shtriga que Caroline tinha mencionado antes, eram vulneráveis ao metal sagrado, a prata. Henry me entregou um copo com água e sal, para garantir também que eu não estava possuída por nenhum fantasma. Enquanto eu apertava o algodão no meu braço por cima do corte da
Leer más
Ligação a cobrar
A casa de Rufus nos obrigou a subir uma enorme colina para alcançá-la. Tinha chovido em Hudson e a entrada da fazenda que o homem administrava era uma grande poça de lama. Chris não quis submeter seu Jeep idiota à sujeira. Eu, por outro lado, estava muito disposta a submeter sua cara a socos. Rufus era dono de cabelos e barba grisalhos que alcançavam apenas a altura do meu ombro. Os olhos dele se espremiam para me analisar, como se eu fosse muito audaciosa por olhá-lo de volta, tendo que abaixar a cabeça e lembrá-lo que era muito miúdo. — Você a adotaram ou algo parecido? — ele perguntou com o rosto franzido em descrença. — Eu tentei ficar no orfanato, mas... — Cruzei os braços, emburrando a cara. Rufus arregalou os olhos em assombro para os rapazes e Henry fez um si
Leer más
Caso resolvido
O Hospício St. Bonnevenue não era nem um pouco como o do meu mundo. Ele também era bem sinistro, mas o que eu conhecia não estava parcialmente chamuscado, nem meio desabado. A recepção estava demolida, pichações manchavam as paredes, pedaços de concreto empoeiravam o chão com a cor branca.Por sorte, era de dia. Caso contrário, eu me borraria de medo naquele lugar. Uma corrente de ar frio mantinha os pelos dos meus braços todos de pé. Não me confortava que o Jeep estivesse parado do lado de fora, reafirmando-me que eu não estava sozinha ali dentro. Eu caminhava pelos corredores desertos, à procura dos dois, esperando pegá-los no flagra. Fazendo o quê? Eu não tinha certeza. Eu me sentia sozinha.Após a recepção,
Leer más
Aprendendo a ser caçadora
Como era quase o fim da tarde, eles decidiram que Chris poderia finalizar o caso dos espíritos sozinho e Henry ficaria na fazenda, ajudando Rufus e eu a entendermos melhor viagens para outras dimensões. Eu peguei o livro que escondera na gaveta e me esforcei para lê-lo, ouvindo minha playlist nos fones de ouvido, encolhida no sofá. Rufus ficava atrás de sua mesa, Henry usava uma mesa de estudos perto da janela. Quando Chris voltou, se juntou ao irmão, virando goles de cerveja enquanto lia. Passamos aproximadamente cinco dias assim. Contei a eles sobre minha conversa com Caroline, sobre Tristen e ela ser uma Shtriga. Contei também que roubara dinheiro de Henry, quando ele começou a achar que o culpado por isso era Chris. O caçula reforçou que, caso eu precisasse de algo, bastava pedir a eles, então ele me acompanhou para fazer compras de todo o básico que ficara no meu mundo: roupas, produtos de higiene, u
Leer más
A pior realidade
Henry e eu estávamos saindo do estúdio de tatuagem. Na minha clavícula, havia um desenho de cor negra num formato engraçado de sol, coberto por papel filme. Eu estava prestes a perguntar porque uma coisa daquelas me protegeria contra possessões demoníacas, mas ele estava numa ligação tensa com Chris no celular e me deu a seguinte notícia ao desligar:— Ela morreu. A filha dos LeBlanc que fez aniversário hoje morreu.— Mas Chris não destruiu o colar?! — perguntei.— É, mas ele reapareceu com a menina. Não era para isso ter acontecido…Henry ficou sombriamente pensativo enquanto entrava no carro roubado e me esperava entrar. Seus dedos esmagavam o volan
Leer más
Acesso
Em seguida, a água veio inundar minha garganta, adoçando todos os meus sentidos e me sufocando. Era como ser acertada no peito de novo e de novo por uma mão de aço. Quis agarrá-la e pará-la, mas a água vinha de dentro de mim e me distraía. Em meio às ondas doces que escorriam da minha boca, senti lábios tocarem os meus e consegui encontrar-me com o oxigênio.— Respire, Julie… — Henry disse. Por um segundo, a onda que senti foi de segurança, expulsando todas as minhas inquietações.Minha visão estava enegrecida, até que comecei a ver o céu e os olhos verdes de Henry preocupados acima de mim.— Oi… — eu grasnei. Minha garganta parecia ter sido lixada por horas.Leer más