Rendida ao Medo - Livro DOIS

Rendida ao Medo - Livro DOISPT

aly  En proceso
goodnovel16goodnovel
0.0
Reseñas insuficientes
92Capítulos
875leídos
Leer
Añadido
Denunciar
Resumen
Índice

TRILOGIA RENDIÇÃO - LIVRO DOIS Após a morte de Zack, Catssyn e Nate finalmente podem viver o seu amor, sem se preocupar com mais ninguém. Com a turnê da banda acontecendo, Cat precisa lidar com a saudade e uma noticia nada agradável.

Leer más

También te gustarán

Comentarios Deje su reseña en la aplicación
No hay comentarios
92 chapters
Um
LEIA APENAS SE JA TIVER LIDO O PRIMEIRO LIVRO! RENDIDA AO AMOR     dois meses depois — Não, Nate! — exclamo e atravesso a rua. — E por que não? — Porque eu vou almoçar com Justin e Claude. — Ah amor, mas é nosso aniversário de dois meses e em uma semana começa a tour. — Eu sei meu amor. — entro no restaurante e aceno para o casal mais feliz do mundo. — Nós podemos comemorar mais tarde. Só nós dois. — Hm... isso me interessa. Explica. Sorrio. — Oi Justin e Claude. — Olá, Cat! — dizem em uníssono. — Então — falo com Nate — podemos sair pra jantar e eu posso dormir na sua casa. Amanhã é domingo, sem hora para acordar. Justin e Claude trocam um olhar sacana. — Opa, eu adorei essa ideia. Que horas passo no seu apartamento? — Por volta das oito, oito e meia. — Então está marcado. Até mais tarde, amor.Leer más
Dois
Saímos do shopping e pegamos um táxi. Justin diz que vai me deixar em casa e depois vai para a casa de Claude.— Espero que vocês se comportem. — digo, quando o táxi para em frente ao prédio de Zion.— Já você, não se comporte! — Justin diz e pisca.— Bobos.Sopro um beijo para os dois e desço, depois de dar um dinheiro ao motorista.Cumprimento o porteiro e subo. Assim que entro no apartamento, vejo Zion dormindo no sofá, com um pacote de pipoca de micro-ondas em cima dele.Tiro aquilo do seu peito e deixo em cima da mesinha.— Hmm... eu vou ir sim. — ele resmunga, sem abrir os olhos.Eu hein.Vou para o quarto e deixo as sacolas no sofá da janela. Retiro os tênis e me deito na cama. Pego meu livro Cidade de papel e continuo a leitura.[...]Só tinha meia hora
Leer más
Três
Jogo o roupão por cima e retiro o tampão da banheira. Escovo os dentes rapidamente. Volto para o quarto e me sento na frente do espelho. Marco bem meus olhos de preto. Exagero no rímel e passo um pouco de blush. Maquiagem pronta, foco no cabelo. Solto-o do coque e apenas o amasso.Pego o vestido de dentro da sacola e o estico em cima da cama. Vou até o closet e pego em uma bolsa e um scarpin preto. Coloco o básico de maquiagem na bolsa e a deixo de lado.Abro o zíper do vestido e passo as pernas por ele. Subo-o e passo os braços pela alça. Fecho o zíper e passo a mão no vestido.Escuto a campainha tocar e me sobe um arrepio. Eu me sentia nervosa todas as vezes em que esperava por Nate. Estar apaixonada era lindo.Subo no scarpin e me olho no espelho. Falta algo.Olho em volta e avisto um batom vermelho. Pego-o rapidamente e deslizo nos meus lábios.Agora sim.Leer más
Quatro
Era a primeira vez que eu havia dito aquilo. Ele sorri, lindamente, antes de me beijar. — Eu te amo, Cat. EU TE AMO, CATSSYN! — EU TE AMO, NATE! Ele sorri e puxa meus sapatos e bolsa da minha mão. Nate os larga perto da porta, e torna a me beijar. Andamos sem nos desgrudar, até o seu quarto. Puxo o blazer de Nate e ele o deixa atingir o chão. Nate beija o meu pescoço e leva a mão até o zíper do meu vestido. — Não! — me afasto. — Eu vou tirar. — Ué. — Fica quieto. Pego sua mão e o puxo para a ponta da cama, que estava coberta de pétalas. Levo minhas mãos, até os botões da camisa dele. Camisa aberta, empurro Nate de leve, e ele cai na cama, rindo. — Saí com meus amigos hoje. — fico de costas para ele, e começo a abrir o vestido — E eles acharam, que você merecia isso. Retiro as alças e deixo o vestido deslizar pelo meu corpo, até atingir o chão. Então me viro, vendo o rosto de Nate pegar fogo. — Gostou? —
Leer más
Cinco
— Nate, seu idiota.Começo a estapeá-lo e ele me deixa cair na cama.— Ai, Cat! — ele reclama, passando a mão pelo peito, agora vermelho. — Seus tapas doem.— Eu sei. — me levanto e caminho para fora do quarto.A sala já estava limpa. Não havia mais rosas e nem os pequenos copinhos com as velas. Vou para a cozinha e me sento, pegando em um pedaço de presunto. Nate aparece segundos depois, com seu celular em mãos.— Não acredito. — diz.— O que?— Gabei está grávida? — ele se senta.— Zion postou isso? — me levanto e vou até ele, tirando seu celular.Era um tweet do Zion. Nele havia uma foto. Era uma barriga branca e ele a beijava. A legenda estava assim:"Uma nova vida vem aí, para alegrar mais os meus dias :)"— Ahhh... &md
Leer más
Seis
Ele se levanta.— Por que raios me chamou de Zack?— Eu o que?— É CATSSYN! — ele grita.O olho assustada e me levanto.— Será que dá para parar de gritar comigo?— Será que dá para não me chamar pelo nome do seu ex-namorado?— EU ESTAVA SONHANDO COM ELE! — grito. — E eu não sabia que falava dormindo.— Sonhando com ele?Nate ri.— Que lindo.— Por que está agindo como um babaca? — ele me encara. — Você sabe que ele foi importante na minha vida. Sabe que...— ELE TE SEQUESTROU. ME FEZ SOFRER AQUELE ACIDENTE E VOCÊ VAI ME DIZER QUE SENTE A FALTA DELE?Eu não respondo.Estava chocada com a forma com que Nate gritava. Suas bochechas estavam vermelhas. Ele estava furioso.Mas eu também estava.— Nunca
Leer más
Sete
Desligo o alarme e vou para o banheiro. Passei a tarde e à noite passada, com Gabei e Zion. Vimos vários filmes, conversamos sobre o bebê. Ela inclusive, já havia aceito se mudar para nosso apartamento.A pior parte da noite, foi não ter ligado para Nate e ter escutado a voz dele antes de dormir. Mas não dei e nem darei o braço a torcer. Não tive culpa nenhuma.Depois de tomar um banho rápido, escovo os dentes e vou para o closet, enrolada na toalha.Visto a lingerie, antes de vestir uma calça jeans e uma blusa maior que meu tamanho, com estampas coloridas. Após calçar os tênis, volto para o quarto.Penteio o cabelo e faço uma trança lateral. Depois de uma maquiagem básica, pego na minha bolsa e celular, saindo do quarto.— Bom dia. — Gabei diz, mordendo uma maçã. — Vamos?Pego em uma maçã
Leer más
Oito
— Não acredito que brigaram por isso! — Justin exclama, após contar o motivo da minha briga idiota com Nate. — É. Nem eu. Mas vamos deixar isso pra lá. Saímos do curso e atravessamos a rua. Eu carregando o enorme buque de rosas brancas e Justin puxando Claude, que reclamava de sono. — Você dorme depois. — Justin diz. — Agora vamos almoçar. — Mas eu quero muito dormir. Justin revira os olhos. Entro na pequena loja em que Gabei trabalha e a vejo atrás do balcão, falando com alguém que não parecia nada amigável. — Eu não sei do que está falando. — ela diz. — Claro que sabe! Você foi vista com Zion, não sai do apartamento dele. E agora ele posta a foto de uma barriga, dando a entender que vai ser pai. Gabei abre a boca e a fecha. — O que está havendo aqui? — pergunto. A garota loira se vira e me encara, revirando os olhos. — Cat, não vale a pena. — Gabei diz. — O que foi? Vai defender
Leer más
Nove
A mulher volta para dentro da salinha. — Vestidos? — pergunto. — Posso ver? — Claro. Vou buscá-los. Ela entra na salinha e eu olho as blusinhas da arara. — São ótimas peças. — Claude diz, observando as roupas. — Na França, ela faria um sucesso. — Ela faria um sucesso em qualquer lugar. — Voltei. — Gabei diz. — Sobre o que falavam? — De você. Ela faz careta e coloca os vestidos em cima do balcão. Eram todos do mesmo modelo. Alcinhas finas, tecido liso, que batia na altura do joelho. — Que coisa linda. — digo. — Desenho meu. — ela morde o lábio. — Senhora Aflen adorou e o fez. — Sério? Quero levar. Dois. — Jura? — Claro! — ergo o vestido vermelho. — É tão lindo. E foi você quem desenhou. — Você é demais. — Você que é! — pisco pra ela. — Quero esse e hmm... que cor eu levo? Olho para Justin e Claude. — Hmm... — Justin pega o amarelo — Combina com você.
Leer más
Dez
O olho. — Não. É a primeira vez. Eu sei lá. — Ah, Cat. — ele me abraça. — Talvez deva ir ao médico. — Não. Não é nada demais. Ele pousa a mão na minha bochecha e a acarinha com o polegar. Ele me encara por um tempo. — Desculpe por ontem. — diz. — Exagerei. — Eu sei, mas eu tenho minha parcela de culpa. Você não sabia que eu sonhava frequentemente com Zack. — Direto? — Só não sonho quando estou com você. — faço careta. — É estranho. — Vai ver eu te protejo dos sonhos ruins. — Vai ver é verdade. — ele ri. — Estou desculpado? — Estou aqui. E você limpou meu vomito, então não tem como não estar. Ele morde o lábio. — Ainda bem. Não aguentava mais ficar sem falar com você. — Só um dia. — Um dia e meio. Muito pra mim. Ainda mais agora que estou prestes a viajar. — Então vamos ficar grudadinhos, nesses dias. — o abraço. — Bem grudadinhos. — Adoro es
Leer más