O MISTÉRIO DO PONTO M

O MISTÉRIO DO PONTO MPT

Omar Carline Bueno  En proceso
goodnovel16goodnovel
0.0
Reseñas insuficientes
56Capítulos
317leídos
Leer
Añadido
Denunciar
Resumen
Índice

“O MISTÉRIO DO PONTO M”, misturando realidade com ficção, envolve o leitor desde as primeiras páginas com mistério e suspense. Uma equipe de pesquisa arqueológica parte com destino ao Pantanal Mato-grossense, em busca de outra equipe, desaparecida quatro anos antes, durante a descoberta de ruínas de uma cidade Inca. No mapa oficial da CIFEC – Central de Pesquisas Científicas, o local era apenas assinalado pelo ponto M. Durante a viagem, a equipe de resgate se vê envolvida com o narcotráfico e um assassinato, tornando-se a suspeita número um da Polícia Federal. Apesar do apoio do Coronel Comandante do Batalhão do Exército de Aquidauana, os integrantes não escapam das suspeitas. No entanto, o pior ainda está por vir. As ruínas da cidade Inca, local do desaparecimento da equipe anterior, estão envoltas num mistério. A equipe de resgate, na busca de pistas, encontra, em meio às ruínas, um túnel subterrâneo. Coisas estranhas acontecem neste túnel e, sem perceberem, os elementos do resgate viajam no tempo em função da decomposição da luz e da aceleração rotacional do planeta. A “quebra” da luz dentro do túnel separa a equipe, dividindo ainda mais o tempo de cada um. O líder da expedição e mais um elemento são transferidos para um mundo paralelo. O que aconteceu com a equipe anterior? Os elementos do resgate passam a ter dois problemas: encontrar os integrantes desaparecidos e reunirem-se novamente no mesmo espaço e tempo.

Leer más
Comentarios Deje su reseña en la aplicación
No hay comentarios
56 chapters
Capítulo I
Ao Denildson Paoli, meu grande amigo, que partiu para o outro lado antes do final desta aventura. Esteja onde estiver "FUMEMOREMOS" o nosso sucesso.       Ao meu filho Leandro Bueno e à minha mãe Therezinha Carline Bueno, por terem me incentivado e me cobrado cada capítulo. PARTE I   Três de julho de l990. 07:25h. Uma equipe da CIFEC - Central de Investigações de Fenômenos Científicos, estava partindo para uma Expedição em Mato Grosso do Sul, na região Centro-oeste do Brasil. Em l986, portanto quatro anos antes, dois elementos dessa equipe haviam integrado outra equipe que, após dez anos de pesquisas, encontrara as ruínas de uma cidade supostamente Inca. Nos mapas enviados pela equipe à CIFEC, o local era assinalado como ponto M. Quando Ramon Karline e Willdson Capolli retornaram
Leer más
Capítulo II
O dia anterior à partida foi dos mais tumultuados. A equipe de resgate, como foi chamada, tinha de conter no máximo quatro elementos no campo e um na Central. Afinal, não poderiam levantar suspeitas já que todo o Projeto INCA era extremamente confidencial. Desta forma, um carro de passeio seria o mais sensato, apesar de o menos adequado. Ramon e Willdson tinham um currículo invejável dentro da CIFEC. Pelo menos dezessete expedições por várias partes do mundo. Carlos Von Güeler era instrutor de alpinismo e espeleologia, além de ter participado de dezenas de campanhas de treinamento nas piores simulações. Marcos Karline, irmão mais novo de Ramon, seria o contato da equipe na Central. Dele seria a responsabilidade de transmitir e receber informações e processá-las nos computadores. Conhecia bem as estratégias de campo. Hoje, estava em uma cadeira de rodas. Uma corda se rompera durante um rapel, em uma expedição no Himalaia. Henrick Capolli era o novato da equipe. Era fi
Leer más
Capítulo III
Bauru constava no percurso como a primeira parada oficial. Lá, a equipe faria um rápido almoço antes de seguir viagem. Willdson estava no volante agora. Era feito um revezamento a cada três horas aproximadamente para não sobrecarregar ninguém. Só o Henrick não participava do rodízio, exatamente por ser o mais novo da equipe. Ramon fazia algumas anotações em um pequeno bloco quando percebeu o carro puxar um pouco para o acostamento. — Ih, Will! Acho que temos um probleminha! — É... eu já percebi, respondeu Willdson sem tirar os olhos da estrada.  Só estou tentando um lugar menos ruim no acostamento. Enquanto o carro saía para o acostamento, Henrick, que não era de falar muito, teceu um pequeno comentário, talvez no intuito de relaxar um pouco. — Isso é que eu chamo de uma entrada triunfal! Willdson olhou pelo canto do olho, sorriu e completou: — Até que enfim você entrou no espírito da expedição, hein? Bem,
Leer más
Capítulo IV
Marcos estava impaciente. Já passava de uma da manhã e até o momento nenhum contato. O canal da rede estava aberto. “Não é possível, pensou. A codificação está correta, o canal está aberto e, no entanto, eles não fazem contato”. O interfone tocou. Marcos atendeu já sabendo quem era do outro lado da linha o qual, inconformado, fez a mesma pergunta pela quarta vez. — Não, Fredy! Nenhum contato até agora, respondeu Marcos enquanto acionava alguns botões de controle. Logo o satélite estará fora de operação pra nós... — Não pode ser, retrucou Fredy com certo desespero na voz. Alguma coisa aconteceu! Marcos procurou manter a calma, mas no íntimo também estava apreensivo. As últimas informações enviadas pelo Coronel Krismmel naquela tarde eram bastante preocupantes. Marcos trocou o telefone de mão, reclinou-se na cadeira e tentou tranquilizar o Presidente. — Vá descansar, Fredy, eu vou ficar aqui mais um tempo. Não pense no pior. Conh
Leer más
Capítulo V
A perua rodava pela estrada com destino a Campo Grande. Ramon havia determinado que as paradas seriam apenas em extrema necessidade. Carlos estava no volante enquanto Ramon e Henrick, no banco traseiro, tentavam repousar um pouco. A rodovia, de uma única pista, estava praticamente vazia. Somente um ou outro caminhão transitava nela. Carlos desenvolvia boa velocidade, pois era preciso ganhar tempo. Para o mês de julho a temperatura estava agradável, apesar do ar estar bastante seco. O acostamento era ruim e a poeira, depositada pela falta de chuva, oferecia grande perigo caso fosse preciso uma saída estratégica. E era exatamente nisso que Carlos pensava quando reparou no retrovisor um Comodoro prata que desenvolvia a mesma velocidade. Ficou intrigado e, sem fazer comentários a respeito, afundou o pé no acelerador na tentativa de aumentar a distância. — Hei! Vai com calma, Carlão! falou Willdson em meio a um cochilo. Carlos não disse nada. Nenhuma palav
Leer más
Capítulo VI
Ramon estava apreensivo. Uma coisa estava bastante clara: alguém tinha grande interesse em que a equipe de resgate não chegasse ao seu destino. Mas quem? E por quê? Agora, mais do que nunca, o cuidado tinha que ser redobrado. Ramon refletiu por um momento. Era necessário apressar as coisas, pois a escuridão da noite já havia se aproximado. Dirigiu-se até a mala do carro e apanhou uma lanterna. — Carlão, disse ele, fique de olho na estrada. Eu vou dar uma checada no estrago. Willdson, continuou, dá uma geral no Monza e veja o que pode descobrir. Leve o Henrick com você. Ele precisa aprender como se trabalha. Willdson apanhou sua lanterna e Henrick seguiu o seu exemplo. Cautelosamente atravessou a pista e se aproximou do Monza. Era um modelo quatro portas Classic, ano 89, verde metálico. Chegou mais próximo e abaixou-se até ao rés do chão. Vasculhou com a lanterna e nada constatou de especial. — Henrick, vá pelo outro lado e vasculhe. Veja se acha algum
Leer más
Capítulo VII
Ninguém tocou em nada. Ramon havia colocado também suas luvas como precaução. O cadáver era de um homem aparentando cinquenta anos. Suas roupas demonstravam que era uma pessoa de fino trato. Ninguém tocou no morto, mas era possível visualizar suas mãos amarradas às suas costas. Pelas primárias deduções, ele havia sido executado com um tiro na cabeça. Ramon fechou o porta-malas do Monza ao mesmo tempo em que observava a placa. Não tinha lacre. — É fria, San! — O que foi que você disse? — Eu disse que a placa é fria. Não tem lacre, tá vendo? Ramon gravou instintivamente a numeração: DX 0454. — Vamos dar o fora daqui ou vamos ter de explicar muitas coisas, observou Ramon. Willdson, pela primeira vez, ficara surpreso com o amigo. — Mas, ... Ramon! Nós temos que fazer alguma coisa, avisar a polícia, ... sei lá!... — San, disse Ramon calmamente, raciocine um pouco. Olhe pro nosso carro e pro Monza. A primeira
Leer más
Capítulo VIII
Ramon estava no volante. Já era noite alta e a temperatura havia caído bastante. Era assim naquelas paragens. Durante o dia a temperatura podia chegar a 42°C e na madrugada poderia cair a 2°C. Os pensamentos estavam voltados para os últimos acontecimentos. Ramon começou a refazer a história. Quem os havia atacado conhecia muito bem o trajeto. Sabia que a parada anterior, para abastecimento da viatura, era a última antes de um espaço de aproximadamente 300 quilômetros. Era o chamado posto de segurança, pois até Campo Grande não haveria nenhum posto sequer. Com um carro mais possante, puderam controlar o tempo e a distância e atacar no momento oportuno. O Monza seria apenas uma isca. Provavelmente esperavam que a equipe parasse para socorrer o pseudo-acidentado para então abordá-los. Ou quem sabe, matá-los?... — Ramon, me esclarece uma coisa! Se alguém queria nos matar, por que não atiraram na gente no momento em que emparelharam conosco? — Não sei, Car
Leer más
Capítulo IX
Eram duas horas da madrugada do dia seguinte quando a equipe de resgate chegou a Campo Grande. Instalou-se em um pequeno hotel, num apartamento com quatro camas, e procurou descansar naquele final de noite. Após o café da manhã, com toda a equipe descansada, foi dada sequência ao novo cronograma estabelecido. Começariam pela visita ao amigo Guerard. Ele estava no escritório de seu Centro de Pesquisas Ufológicas. Lá era editada a revista UFO Contact de circulação nacional. A recepção como sempre foi fantástica. Guerard ofereceu-lhes um café e, numa sala reservada, procurou se inteirar do objetivo da equipe. — Quer dizer que vocês estão de volta para novas descobertas? Ramon tinha de medir as palavras, pois mesmo para o amigo, algumas coisas deveriam ser omitidas. — Sabe o que é, Guerard, estamos sem contato com a equipe anterior já há algum tempo. Não sabemos exatamente o que aconteceu. Isso está nos preocupando. Ramon colocou a xícara
Leer más
Capítulo X
Fredy andava de um lado para outro em sua ampla sala no décimo segundo andar. Esfregava as mãos uma na outra demonstrando claramente sua aflição. Eram sete horas da manhã e as olheiras fundas no seu rosto denotavam as poucas e mal dormidas horas daquela noite. Marcos, próximo à porta, só acompanhava com os olhos. Havia passado a noite em claro na esperança de um sinal. Tinha de aproveitar que o satélite estava disponível full time nesse primeiro dia. Depois, seu acesso seria de apenas 15 minutos duas vezes ao dia. O telefone tocou. O segurança atendeu e transferiu na frequência especial para a sala da presidência. Fredy deu um pulo e antes mesmo do segundo toque já havia atendido. — Doutor Frederico, é o Coronel Krismmel pro senhor na linha especial. O Presidente odiava o próprio nome. Preferia ser chamado de Fredy, mas não contestou. Acionou um botão em um pequeno painel e travou todas as linhas de acesso. Da
Leer más