Aqua

AquaPT

Richard_Sa  concluído
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
12Capítulos
547leituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Beto, um adolescente comum se vê num maravilhoso mar de segredos e sentimentos quando conhece a nova aluna Lúcia. Beto se vê pela primeira vez, intrigado com alguma coisa e sua curiosidade o induz a conhecer cada vez mais da jovem Lúcia que parece vir de outra terra. Até onde eles podem compartilhar duas realidades sem abrir mão de uma? Até onde iriam os sentimentos deles?

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
12 chapters
Capítulo I: Atraso
  Frio. Apenas o frio me fazia companhia naquela manhã de segunda. Apenas o frio era o que eu sentia. A melhor parte de se viver em Santa Catarina era isso, ser cercado pelo frio. Curiosamente o orfanato tinha uma onda quente o que as vezes me deixava com uma sensação claustrofóbica, não que o orfanato fosse extremamente quente, mas eu gostava do frio, sempre gostei.- Beto, vamos, a gente tá atrasado. Esse era Carlos, famoso por interromper momentos de reflexão e por sempre se preocupar com horários.  - Vá na frente, vou depois. – falei em um tom monótono.  -Mas...deixa, você que se arque com suas consequências, só não diga que não avisei. - falou ele claramente irritado.  Carlos era assim, com uma personalidade difícil e que sempre ficava sem paciência em menos de cinco minutos em uma conversa. Ele era um ano mais novo que eu e mesmo assim parecia ter o dobro de maturidade. Ele era alto, alto do tipo que pode vira
Ler mais
Capítulo II: Água
Hora do intervalo. Hora de apresentar nossa maravilhosa escola para Lúcia.Paredes caindo, ratos nas cadeiras, brincadeira, nossa escola era até que muito boa pra uma instituição pública. Banheiros limpos, comida boa, pessoas legais (a maioria) e o ensino era de qualidade.Após apresentar as partes comuns da escola, fomos para a melhor parte, a biblioteca. Ao chegar no local, Lúcia se impressionou.-Nossa! Aqui tem muitos livros.-A escola compra novos livros a cada dois meses-falei-E aceitam pedidos de alunos. É meio que por minha causa que tem essas HQs aqui.-Falei exibindo um exemplar de Lanternas Verdes: Renascimento-Isso é ótimo!-Você gosta de ler?-Adoro.-Legal, pega esse livro aqui:Entreguei a ela o Livro Necrópolis, logo quando viu ela disse:-Eu já li Necrópolis.-disse sorridente.-Sério? E oque achou?-Sinceramente. Eu adorei, ainda mais no começo, naquela parte que as Sereias tentam atrair Verne p
Ler mais
Capítulo III: Magia
20:00  Puta que pariu, ainda faltavam três horas e meia, naquele ponto a ansiedade já me consumia a tal nivel que quase não comi a Lasanha que havia sido preparada pelas cozinheiras do orfanato. Mas quando comecei a comer, não parei mais.21:45  Tá, ali eu já estava um pouco mais calmo, por mais que, não conseguia parar de pensar nela. Lúcia. Aquela menina linda e de voz doce, ela sabia oque era a coisa no lago, se bem que...Não. Não, não, não, isso não faz nem sentido.  Quer saber, não importa. Oque quer que seja àquilo, eu vou descobrir hoje.22:50  Finalmente, todo mundo no Orfanato dormiu -ao menos era oque eu pensava- peguei meu pingente da sorte (longa história) e um canivete que eu mantinha secretamente debaixo da cama, sei lá, talvez eu precisasse me proteger de alguma coisa que pudesse talvez querer me ma
Ler mais
Capítulo IV: Respiração
  Havia sido um "beijo" muito estranho. Não sei nem se posso chamar de beijo. Já dentro d'água ela me puxou forte pela cintura e surpreendeu minha boca com a dela.Gostei.  Seu lábios estavam grudados aos meus, mas ela não se movia, até então eu não fazia ideia do porquê. Durante o suposto beijo, pude sentir algo sair dela e entrar em mim, percorrendo minha garganta e parando em meus pulmões, atracando-se a eles.             Abruptamente ela nós separou. Sem entender oque havia acontecido, perguntei:  -O...oque -minha respiração falhou- ...foi isso?  -...eu ... -ela também ofegava- ... precisava... Fazer isso.    -Porque?  -Minha casa... fica do outro lado... desse lago. Agora você pode vir comigo.  -Então eu... Respiro de baixo d'água?  -Bem. Agora respira.  -Nossa. Esse dia só fica mais estranho. 
Ler mais
Capítulo V: Exoterra
  Cheguei na escola com o maior entusiasmo, o dia anterior havia sido incrível. Incrível não. Espetacular. E hoje pode ser ainda melhor. Depois do que aconteceu Lúcia -sei que esse não era o nome dela de verdade, mas é bem mais fácil chamá-la assim-, me mandou uma mensagem dizendo que se eu quisesse ela me levaria pra conhecer outras partes do mundo dela. E não. Eu não fazia ideia de como ela havia mandado aquela mensagem. Mas não importa, só de pensar que eu vou voltar àquele lugar...  Passei todas as aulas pensando em como seria voltar àquele mundo (até então eu não sabia o nome), se sereias (e Aquas) existiam, o que mais poderia existir? Quais eram as reais capacidades de Lúcia? Tudo na ideia de um novo mundo me maravilhava, assim como aquela menina. Apenas três dias com ela já foram incríveis. Ela era fantástica, de todas as maneiras possíveis. Não dava pra descrever o que eu sentia em relação à ela. Nos conhecíamos a pouco tempo, mas ela já me fez experimentar tan
Ler mais
Capítulo VI: Cintilante
 Após alguns minutos de correria, percebi que não estava ficando cansado, o que era estranho pra mim já que eu levava um estilo de vida sedentário. Corremos por um bosque magnífico, cheio de vida e cor, tudo era tão maravilhoso que eu mal podia processar tudo de uma vez. As flores daquele bosque tinham uma forma estranha, cores vívidas e brilhantes, nunca havia presenciando um verde tão verde, um rosa tão rosa, ou um vermelho tão vermelho. A grama daquele bosque, também era diferente da grama comum, era macia, de um verde claro um pouco mais escuro que o do caule das flores, pisar naquela grama, era como pisar em neve, porém quente.Paramos em frente a um gigantesco portão de madeira, tinha uns 20 metros de altura e 15 de largura pelo menos, ao mesmo tempo que aparentava ter centenas de anos, aparentava também ser forte como um novo.  -É aqui- disse Lúcia- Vem.  -Calma, calma- a interrompi- Onde é “aqui”?  -Ah, aqui é Atamald, um dos únicos
Ler mais
Capitulo VII: Guia
  Bati na porta da instituição e fui recebido por Abner, o porteiro, que me repreendeu por estar chegando muito tarde, às 20:45, o tempo havia passado estranhamente rápido. Me dirigi direto à ala dos meninos indo para o meu quarto, Rafael, um menino que ficava a uns dois quartos do meu estava saindo do quarto que eu dividia com Carlos pouco antes de eu chegar, ele agia meio estranho, estava mancando e parecia envergonhado, achei ser apenas impressão minha. Entrei no quarto e encontrei Carlos deitado com cara de besta, quer dizer, mais do que o normal. -Carlos- chamei e ele se sentou na cama me encarando. -O que foi? - perguntou, sua voz parecia vaga e sei lá, ele estava estranho.  -Eu vi o Rafael saindo do quarto, o que rolou aqui?  -Ah... como você não estava aqui eu o chamei pra jogar -respondeu Carlos ap&oac
Ler mais
Capítulo VIII: Velocidade
Calor. Antes de abrir os olhos, senti meu rosto sendo aquecido pela luz do sol que entrava discretamente pela janela, a sensação que era bem vinda, me fez querer pular da cama feliz e aproveitar o dia lá fora. Mas infelizmente não dava, precisava ir pra escola.Espera aí.Minha escola era pela manhã, como eu estava sentindo aquele sol se...Me levantei e peguei meu celular, liguei a tela e vi o horário: 11:06. Passei as mãos no rosto frustrado, nem se eu quisesse poderia chegar a tempo na escola. Havia perdido um dia de aula, aquilo me incomodava, não era exatamente um super fã da escola, mas sabia da importância de boas notas num futuro estágio, por isso, prezava tanto pela presença quanto pelas atividades e trabalho, um dia a menos significava um passo pra trás nos meus planos. Me sentei na cama.Carlos inesperadamente adentrou o quarto segurando um peda&cce
Ler mais
Capítulo IX: Segunda
-Mais uma pra conta do pai- eu grito vitorioso enquanto meu Kung Lao finaliza o Scorpion de Lúcia, cortando sua cabeça ao meio e fazendo seus miolos saírem da cabeça de maneira grotesca.-Você sabe que eu deixei você ganhar, né? - Lúcia diz em tom de clara derrota.-Me deixou ganhar das últimas quatorze vezes também? - eu ria de sua falha tentativa de explicar sua derrota.-Foi.-Ah, para. Só admite que eu sou melhor que você e pronto.-Você se acha demais. - disse ela me acertando com uma almofada- Só porque me venceu algumas vezes.-Quinze- a lembrei.-Tá, quinze. Eu perdi, você venceu, está feliz agora? - Lúcia diz largando o controle em cima do sofá.-Oh meu Deus- digo com voz manhosa- Vem cá vem. Quer mudar de jogo? A gente pode jogar junto.-Co-operativo? - ela pergunta se animando.-Isso mesmo,
Ler mais
Capítulo X: Guerra
    Silêncio. Paz. Inspiração. Expiração.   Lúcia se deliciou com o ar puro e limpo do bosque isolado, sorriu ao olhar para o lago e lembrar de seu primeiro encontro transformada com Beto. O silêncio instalado no local não era aterrador ou solitário, era acolhedor, calmo, ela tinha certeza que se prestasse atenção, poderia ouvir as árvores crescendo ao seu redor, aquele era seu lugar de paz, seu porto seguro. A Aqua desejou poder apreciar sua solidão por mais tempo, mas como a princesa de Aquitaria, ela tinha suas obrigações.   Lúcia novamente seguiu o maçante.ritual, se despiu e adentrou a água gelada do lago submergindo nela, ela sorriu quando começou a sentir a transformação. Suas pernas formigavam e se colavam uma na outra com uma força impressionante, Lúcia sentia o formigamento da magia agindo sob sua pele, suas pernas coladas foram tomadas por um brilho intenso que era acompanhado por um calor mui
Ler mais