Fé, Lis!

Fé, Lis!PT

Luna Shanti  En proceso
goodnovel16goodnovel
0.0
Reseñas insuficientes
69Capítulos
602leídos
Leer
Añadido
Denunciar
Resumen
Índice

Flor de Lis, uma nordestina de vinte e seis anos, mãe solteira - assim como a sua própria mãe, muda-se para São Paulo a fim de ter ajuda da sua tia com sua mãe - vítima de glaucoma - e sua filha de seis anos, aproveitando também essa situação para mudar de vida e se afastar de Fábio - pai da sua filha. Batalhadora, começa a trabalhar em uma unidade de uma rede de cafeterias no centro da cidade, onde encontra alguém que mudará sua vida para sempre. Desse encontro logo surge uma paixão avassaladora. O que não sabia era que o alvo da sua paixão ocultava um grande segredo. E aquilo que parecia uma nova chance para o amor, viria a se tornar uma jornada cheia de mistérios e provações que fazem com que Lis questione tudo que pensava saber sobre o amor, sobre os seres humanos e, até, sobre si mesma.

Leer más
Comentarios Deje su reseña en la aplicación
No hay comentarios
69 chapters
Ela.
Roupas espalhadas. Imagens numa TV sem som. Um odor rançoso rouba o ar. Luzes intrometidas invadem o ambiente pelas frestas da persiana. No chão, garrafas vazias de whisky. Sobre a caixa de pizza aberta, uma mosca. Atônito, ergueu-se do sofá. Olhou para si mesmo. Olhou ao redor. Calmaria após tornado. De novo. 
Leer más
1. Por Água Abaixo
Respirei bem fundo quando li o letreiro diante de mim. SB Koffee. Imediatamente dei início ao meu mantra mental: "Eu vou conseguir. Não importa o que aconteça. Eu vou conseguir." Puxei minha trança por sobre o ombro, passei as mãos pela blusa desfazendo qualquer aspecto amarrotado, deixado pela viagem no ônibus lotado do qual tinha acabado de descer e, antes de dar um passo sequer, o ônibus arrancou do ponto espalhando sobre mim a lama do meio fio. A fúria me tomou por completo. Virei na direção do ônibus e fechei o punho para o alto gritando com toda a força dos meus pulmões: Leer más
2. Calango com Farinha
—  Além de boca suja, é mal educada. — disse meu gerente — Não te ensinaram bons modos lá na Bahia? — completou sacudindo a mão para que eu apertasse. Obedientemente eu apertei a mão estendida diante de mim e forcei um sorriso, tentando de algum modo anular a minha primeira impressão. — Me chamo Flor de Lis. Desculpe e é um desprazer! — rosnei entredentes. Eu não conseguia me controlar, era mais forte que eu. O sorriso preguiçoso se abriu para mim e foi a primeira vez que percebi como ele era bonito, apesar de babaca. — Fica sussa! — tomou-me pela mão me puxando para a cafeteria — V
Leer más
3. Selva de Pedra
— Boa tarde, posso ajudar? — perguntei colocando minhas mãos suadas dentro dos bolsos do avental e logo senti uma caderneta e uma caneta. Demorei alguns segundos para perceber que eram para anotar os pedidos. Empunhei a caderneta como um escudo e a caneta como uma espada. Ele estava concentrado na tela do notebook, me dando a oportunidade de contemplar sua beleza. Cabelos escorridos e castanhos se espalhavam um pouco de lado por sua testa quase cobrindo os olhos — que eu não sabia de qual cor eram — a pele era clara e ele parecia enorme a julgar pelo tamanho dos braços, pernas e tronco; os lábios eram rosados e carnudos. Eu senti um súbito desejo de beijá-lo. Leer más
4. O Pacto
— Calma! Deixa ver se eu entendi... Lá na missa da Bahia eles tomavam Cachaça no lugar de vinho, e tapioca no lugar de hóstia?!... — Pernambuco!!! — Corrigimos eu e Suzy pela milésima vez. — Lá as comidas são meio limitadas, né? Por isso vocês comem calango... — Ulisses cara, com todo o respeito, cala boca! — disse Suzy. As bochechas dele coraram e eu não sabia se sentia pena ou se dava um tapa. — É uma pergunta sincera. — disse ele, ajustando os óculos no rosto. — Na ve
Leer más
5. Saudade
— Mainha? É tu que tá aí? — Sou eu filha. — Mainha, tenha vergonha. Isso é hora de tu chegar em casa? — E isso é hora de tu tá acordada, Maria Flor? — perguntei eu segurando o riso. — Mainha... Que frio da merda! — disse ela ignorando minha pergunta. — Maria Flor Silva de Lima! Que boca suja é essa? — Oxe, tu fala merda o tempo todo. — Eu posso, v
Leer más
6. Uma Nova Paixão
— Essa espuma branca é o que, hein? — perguntei fazendo careta. — É leite, garota! — respondeu Suzy enfeitando o pires com um biscoitinho em formato de coração. — Posso tomar só a espuma? — perguntei com gracejo. — Nada disso! Eu fiz com o maior carinho. Na verdade eu pensei bastante em qual café fazer e cheguei a conclusão que um mocha seria simples e gostoso pra começar. — ela apontou para a xícara — Agora anda, prova... Segurei a xícara pela alça e sujei meu buço de leite fingindo que estava
Leer más
7. Cara de Sapo
Eu estava na frente de Ulisses, sem conseguir encará-lo. De cabeça baixa, eu olhava para meus sapatos altos. Inspirei fundo e falei tudo o que passava pela minha mente. — Chefe, pode me demitir. Mas saiba que eu nunca, nunquinha na minha vida, fui tão irresponsável. Tirando na adolescência... Nessa fase sim, eu fui muito doida. Mas, depois de adulta, em todos os meus trabalhos anteriores fui elogiada por chegar cedo e sair tarde. O que aconteceu aqui ontem foi… Excepcional. — fechei os olhos com força esperando minha demissão. — Então na adolescência você se metia em altas aventura? — falou Ulisses, com deboche. Levante
Leer más
8. Caviar
Pierre nos deixou em casa depois que liguei para os pais da Jéssica. Percebi pelo tom de voz da mãe que ela não parecia nem um pouco satisfeita pela surra que a filha levou. “Minha filha tá com olho roxo, nisso que dá deixar gente civilizada junto com todo tipo de gente” ela disse, e eu senti vontade de entrar no telefone e quebrar a cara daquela mulher, mas como Flor bateu na outra criança me segurei e, com muita educação, sugeri que seria importante as meninas conversarem e se desculparem uma com a outra. Ela afirmou que concordava, porém o seu tom de voz não passava o mesmo.   Flor estava mais calma depois de ganhar de Pierre algumas folhas em branco e várias canetinhas coloridas, isso a distraiu durante todo o caminho de volta para casa — Graças a Deus as crianças esquecem rápido.   Diferente dos adultos, eu por exemplo, não cons
Leer más
9. Não Tem De Que
— É claro que eu entendo... Você tem uma filha. — disse Ulisses alisando a nuca — Mas eu preciso que você pelo menos deixe um recado da próxima vez.   — Eu tava tão avexada que nem pensei nisso. — respondi completamente envergonhada.   — Imagino que sim, mas tente dar um jeito de avisar da próxima vez. Eu mesmo cubro você se for preciso. Mas se você não avisar e o proprietário aparecer por aqui, não vou ter como te proteger. Entende?   — Claro e desculpa de novo.   — Magina… Você me paga uma ice e estamos quites. — disse voltando ao seu humor habitual.   — Opa! Eu ouvi cerveja? — perguntou Suzy entrando na sala dos funcionários.   <
Leer más