Centurion- Escrito a golpes de navalha

Centurion- Escrito a golpes de navalhaPT

Gilberto Henrique  En proceso
goodnovel16goodnovel
0.0
Reseñas insuficientes
28Capítulos
679leídos
Leer
Añadido
Denunciar
Resumen
Índice

Com a morte do Senador Irgvor Maltius, Centurion se encontra em um estado de estabilidade, sua importância e a ausência de uma vaga de poder dentro de uma das maiores nações de Una’ trouxe a um grave conflito intervencionista e político dentro do país. Trazendo pessoas de fora e membros de dentro para um dos maiores conflitos da história da república, imperadores defendem seus interesses enquanto lutam para defender suas capitais enquanto os senadores começam a tentar aumentar seu poder utilizando de grandes debates e riquezas na tentativa de ocupar a vaga do senador com um dos seus aliados. A instabilidade política causada trouxe a visão dos reinos e impérios vizinhos que tentam a todo custo infiltrar um de seus membros para ocupar tal vaga. No entanto, um hobgoblin inicia uma expedição sozinho pelo mundo em busca do apoio da maior política do continente para conquistar o título de senador de uma das nações mais gloriosas da história.

Leer más

También te gustarán

Comentarios Deje su reseña en la aplicación
No hay comentarios
28 chapters
Capítulo 1: Centro Desmoralizado (parte 1)
 Já faz uma semana desde a morte de Irgvor, não há outra notícia se não a sua morte e a ausência no senado, as ruas de pedras estavam cheias de pessoas de fora e palanques com clérigos e bardos cantando e bem dizendo sobre aqueles que pagaram ou que lhes eram convenientes. Minha mãe já velha, olhava pela janela com seriedade e pesar que fazia seu rosto se tornar duro,  sendo ela a muitos anos atrás uma membra respeitada do parlamento de Vóreia Ámna antes de se aposentar e vir a capital.Após se afastar da janela se virava a fechando e dizendo com certo desdém --mesmo sendo um pouco cruel de minha parte, meu filho, esta é uma chance pequena que pode ter para se tornar algo tão grande quanto sua bisav&oacut
Leer más
Capítulo 1: Centro Desmoralizado (parte 2)
Me colocaram em uma carroça e me levaram até os aposentos do castelo sul. Passei por alguns dos bairros menos movimentados da cidadela, vendo alguns filhos e parentes de membros do exército e da administração conversando casualmente como se nada estivesse ocorrendo algumas quadras abaixo, na maioria dos lugares a gritaria e as canções eram recitadas, porém no distrito que eu passava era calmo e até um pouco relaxante.  Algumas meninas com resalve a uma medusinha de cor chocolate tocavam alguns de seus instumentos para passar o tempo em vossas janelas, abaixo nas ruas alguns garotos saiam correndo e brincando de pega pega com um lampado, era uma brincadeira um tanto idiota mas ajudava-os a serem ágeis contra certos imprevisto da vida. Passando pela paisagem dou-me a visão dos muros da fortificação.&
Leer más
Capítulo 1: Centro Desmoralizado (parte 3)
 ---PORQUE SE NÃO FOR VOCÊ, NÃO VAI EXISTIR MAIS CENTURION! ACHAS QUE TE CHAMARIA AQUI EM PLENA CRISE PARA LHE FAZER AMEAÇAS! PREFERIRIA LHE MATAR ENQUANTO DORMIA AO INVES DE PERDER MEU TEMPO TE CONVENCENDO A VIAJAR E VOLTAR JÁ COM A PORRA DA VAGA DE SENADOR!!!!---  Era notável tal atitude explosiva, comecei a respirar devagar agora olhando para baixo notando que a situação estava realmente conflituosa ao meu lado. Suspirei e voltei a encará-lo. -... está bem, compreendo a gravidade dessa situação, a nossa nação corre perigo, mas que lhe faz confia que eu seria a solução? -  Peguei o papel e o li de forma rasa, enquanto observava o mapa. Surpr
Leer más
Capítulo 1: Centro Desmoralizado (parte 4)
 --é um prazer lhe conhecer Magne Mauricius, me chamo de Liria Návairidia.-- Ela falava e mordia levemente aquele fruto se lambuzando levemente sua face com o suco do mesmo, vendo-me de forma curiosa e um tanto diferente como se quisesse algo. A jiboia que descia aos poucos chegava em meus pés e subia em minha perna.  --Bom senhor Mauricius, lembro agora algumas coisas que minha família comentou sobre você. tu és bisneto da Erlina, a tempestuosa. Minha mãe contou-me sobre essa história. Mas me diga, já que és familiar de tal pessoa... a lenda é verdadeira?--  Ela perguntava, conseguia segurar um pouco do riso com uma face ténue e suspirava enquanto a criatura se enrolava
Leer más
Capítulo 1: Centro Desmoralizado (parte 5)
Tendo a infelicidade de não ter sucesso, ele havia desaparecido com o aumento do movimento... fiquei um pouco frustrado, mas entendia os motivos que o levaram a fazer aquilo, me sentei em um dos bancos de pedra, refletindo um pouco enquanto comia uma fritura feita de frango. Comia de forma devagar enquanto observava o toda minha volta, estava bem cheio e agitado com pessoas de fora e muitos nativos que tentavam ganhar fama, alguns escreviam com grafite nos pilares o nome de muitos candidatos que tentavam entrar na vaga de Maltius. Conseguia ver até um certo tom de humor daquelas frases e desenhos, porém com o tempo vi um ser se aproximando o olhando com elevada seriedade e certa hostilidade. Mesmo assim  ele se sentava ao meu lado, com um sobretudo que tampada de sua cabeça até seus pés deixando apenas parte de seu rosto, percebi que era humano m
Leer más
Capítulo 1: Centro Desmoralizado (parte 6)
 Saía de casa notando que o sol ainda não havia nascido, fiquei um pouco surpreso por acordar tão cedo mas continuei andando, foi a seguir minha antiga rota, até que percebi algo estranho. no escuro da madrugada um grande pássaro sobrevoando o lugar, olhei por um leve tempo tentando saber qual era... era um Tengu, ele iniciava uma descida em seu voo em minha direção, comecei a correr para o beco. Com sorte cheguei rápido me reencontrar com os meio Orcs que estavam ainda cuidando do lugar  --ei olha é o hobgoblin! Ei patrão precisa de ajuda!?!--  o do tacape perguntava, ainda correndo na direção deles ainda permanecem confusos me olhando. Parava na frente deles já procurando o ser pelos céus os fazendo uma proposta.
Leer más
Capítulo 1: Centro Desmoralizado (parte 7)
  --estão bem?!?--    Um deles se levantava segurando a cabeça depois do tombo    --isso foi do caralho, quem era esse ladrão de merda?--    O besteiro olhava a besta quebrada e olhava para mim. Logo suspirava    --tá, eu pago pela besta... não sei bem quem pode ter o mandado, mas era certo que ele não esperava um grupo. Devo essa para vocês, bom tomem aqui. Não é muito mas isso é um agradecimento pela ajuda--    entregava a eles um pequeno rubi lapidado, olhavam fascinados para a jóia    --isso é muito, têm certeza?--    <
Leer más
Capítulo 2: Início da Expedição (parte 1)
 Havia sido um dia cheio, tinha resolvido tudo que havia de fazer dentro da cidade... compra de itens, contatos com colegas e amigos, contas que teria que receber e pagar, mas no fim estava tudo pronto. A manhã tinha sido bem corrida e as primeiras horas da tarde haviam sido exaustivas, voltei para minha casa, já com tudo em mãos... mesmo que ainda com sangue seco em meu corpo, isso não fazia eu me aparecer em meio a multidão já que acostumadas com os sangrentos espetáculos da capital viam aquilo com normalidade. Entrei em casa vendo minha matriarca sentada olhando alguns documentos, ela  visava-me por um momento e dizia. --então é verdade... terás que ir embora?-- Sua voz se mostrava triste e cabisbaixa. Eu respirei fundo enquanto tocava minha fe
Leer más
Capítulo 2: Início da Expedição (parte 2)
 eu o perguntava mas mesmo assim ele não me respondia. ficava um pouco irritado com tal comportamento, olhei para os lados e vi 2 gnolls conversando com um soldado médio. acenei para eles e apenas um membro do povo hiena veio até meu chamado. olhando para mim ele apenas disse  --oque foi? --  Eu apontava para o escravo o questionando da origem do ser. ele olhava e depois via as correntes, vendo a numeração.  --lembro bem, nós capturamos eles depois de uma tempestade de areia no leste do deserto das almas. Ele estava sozinho mas resistiu um pouco, ele é meio caladão mas é um ótimo escravo de carga. Se quiser comprá-lo lhe vendo por algumas peças de prata, não
Leer más
Capítulo 2: Início da Expedição (parte 3)
 o Minauro me respondia olhando para baixo já um pouco envergonhado com o problema que tinha montado  --entendi então. venham comigo, mas eu não me responsabilizo por nenhum dos dois!--  eu falava com um tom mais sério e rígido enquanto olhava aos rattans  --deixem eles irem juntos, são um reforço na defesa. Se quiserem eu pago depois os gastos deles.--  Eles começavam a se afastar enquanto nós íamos até a última carroça já correndo e subindo nela. o meio elfo olhava já sentado no canto da caravana nos olhando silenciosamente, os dois novos integrantes se aliviavam enquanto estava
Leer más