Os Órfãos Da Profecia

Os Órfãos Da ProfeciaPT

Sally Dias  En proceso
goodnovel16goodnovel
0.0
Reseñas insuficientes
35Capítulos
501leídos
Leer
Añadido
Denunciar
Resumen
Índice

"Você está sendo convocado após uma extensa lista de espera, para iniciar suas aulas de magia e encantos. Aguardamo-no no Solstício de verão na Casa Abrigo. Obs: Uma negativa de sua parte não é uma opção... até breve." E com essa carta, sem remetente, Hanna, Bento e Roger, agora já adultos, pois enviaram a tal carta quando crianças inocentes, embarcam em um torvelinho de aventura que mudará suas vidas...

Leer más

También te gustarán

Comentarios Deje su reseña en la aplicación
No hay comentarios
35 chapters
Capítulo Um
Bento- Chegou uma carta para você, Bento. - Disse Ronan, o rapaz que trabalhava no caixa do Supermercado, estava em sua hora de folga.- A carta chegou aqui? - Perguntou Bento, que usava a balança para pesar um frango para uma cliente.- Sim, estranho, né? Uma carta simples. Deixei na gaveta do meu caixa, vou fumar um cigarro lá fora, caso você queira pegá-la, está lá.Bento agradeceu e se esqueceu segundos depois, mais uma cliente aguardava sua vez de realizar o pedido.Só quando foi sua vez de fazer uma pausa, no meio da tarde, foi que Ronan o chamou do caixa e lhe entregou a carta.Bento se sentou
Leer más
CAPÍTULO DOIS
- Não entendi, resolveu devolver a carta ao meu caixa? - Ronan estava novamente ao lado do freezer de vidro do açougue e estendia a carta para Bento. A mesma que ele amassara e jogara no cesto de lixo.- Chegou outra? - Perguntou, incrédulo. Sorte que aquele horário, o mercado e o açougue estavam quase vazios.- Me parece a mesma.Bento pegou a carta. O mesmo lacre, ainda intacto, não estava amassado.- Pode me render aqui, um pouco?- Está tudo bem?- Sim, só preciso conferir uma coisa. - Disse já tirando a touca e o avental.- Clóvis. - Gritou Ronan, para o garoto
Leer más
CAPÍTULO TRÊS
Bento passou o restante da tarde a pensar na carta. Deixou-a no bolso do avental; abriu-a novamente e constatou o que já sabia, era a mesma carta, como se não a tivesse jogado fora. Ninguém a colocou no caixa de Ronan, ele olhou nas câmeras, ela apareceu misteriosamente no caixa.Por mais que tentasse achar uma explicação, não conseguia.Lembrava que quando estavam, Hanna, Roger e ele, com idade entre onze, doze e treze anos, nenhum deles tinham um registro de nascimento quando foram para o orfanato, os cuidadores lhes deram mais ou menos essa idade, aproximadamente, e encontrando um livro velho - Hanna era obcecada por leitura, encontraram uma lenda, uma história que ensinava como se transformarem um bruxos e feiticeiros. Liam esse livro desde que foram alfabetizados. Foi ideia dele mandar uma carta para o
Leer más
CAPÍTULO QUATRO
Bento explicou aos pais que iria visitar Roger, pegou o carro do pai, depois de a mãe recomendar dezenas de vezes que fosse devagar e com cuidado, visto que sua habilitação era nova e sua mãe estava extremamente preocupada de o filho sofrer um acidente, e pegou estrada.Chegou lá e viu o carro de Hanna estacionado de frente ao bar do Gordo.- Não me diga que também recebeu uma carta! - Ele perguntou, após cumprimentar a tão amada amiga com um forte abraço e um beijo no rosto.- Cansei de te ligar, Bento. Te liguei até no Mercado. Estava planejando ir com Roger à sua casa, quando ele me disse que você estava à caminho. O que acham que significa? E Roger, essa é a última cerveja, ok?Leer más
CAPÍTULO CINCO
- Será que foi ele quem deixou as cartas para nós três? - Roger falava para ninguém em especial, pensava alto. Hanna nem lhe chamou a atenção quando ele acendeu um cigarro, ela também estava imersa em pensamentos e só se afastou dele, involuntariamente por causa da fumaça.- Pode ser. E o que é Solstício de Verão? - Indagou Bento.- Dei uma olhada na biblioteca do colégio que fui hoje para ver se farei faculdade lá, e pesquisei um livro. Me parece que é o dia mais longo do ano, tipo, é quando os pólos da terra se inclinam ao máximo e recebe mais luz do sol, é o dia mais longo do ano, e a noite mais curta, alguma coisa assim. - Finalizou Hanna.- E quando será isso?
Leer más
CAPÍTULO SEIS
Os dias se passaram e os amigos se ligavam duas ou três vezes ao dia, às vezes mais. Estavam realmente preocupados.- Fui a dezenas de bibliotecas e livrarias e em nenhuma delas encontrei o livro. - Dizia Hanna à Bento, em uma de suas ligações a noite. - Não me lembro muito bem dele, você se lembra?- Engraçado que não, me lembro de algumas histórias, não todas elas, mas a capa, só me lembrei quando vi o desenho na carta de Roger, mas do autor, nada, não me recordo muito bem. - As folhas eram parecidas com as da carta, você percebeu? Rústicas, envelhecidas.- Como pergaminhos. Me lembro de estar com ele aberto, escondidos no quarto para não mandarem apagarmo
Leer más
CAPÍTULO SETE
- Não precisamos levar muita coisa, não vamos nos demorar por lá, e lá tem tudo o que precisamos. Podemos comprar algo para comer nos postos da estrada, água. Ah, vou levar uma garrafa térmica com chá.- Ah, por Deus, Han. Leve café, quem leva garrafa com chá em uma viagem por mais curta que ela seja? Nunca vi uma pessoa levar chá em um passeio ou viagem.- Leve o que você quiser, Roge, eu vou levar chá e pronto acabou.- Você viu, Bento, ela me disse para levar o que eu quiser.- Menos bebidas alcoólicas ou drogas, seu infeliz.- Mais um adjetivo. - Ele novamente fingiu anotar.Riram e
Leer más
CAPÍTULO OITO
 Pararam em um posto, há duas horas da cidade em que iam.- Preciso mijar. - Roger pulou do carro antes mesmo da garota o estacionar direito. - Hanna é uma péssima motorista, não se preocupa com o bem estar de seus passageiros. Estou com fome, também.- Vou ao banheiro e os encontro na lanchonete. - Ela disse, se afastando com a mochila do amigo, ia realmente revistá-la.- Por que traz uma faca? - Perguntou ao se sentar com eles em uma mesinha na lanchonete, que naquela hora, pouco mais de vinte horas, não estava muito movimentada.- É um canivete, Han, não uma faca. Sempre carrego esse canivete para emergências.- Que emergências ter&iacu
Leer más
CAPÍTULO NOVE
 Apenas seus passos eram ouvidos, e a mochila de Roger que batia em suas costas. A escadaria era larga e no meio da sala de acolhimento, chamavam-na assim por ser o primeiro contato, propriamente dito às crianças que ali chegavam.  Era uma sala ampla e agradável, com sofás aconchegantes, um piano branco de cauda e muitas caixas de brinquedos encostadas na parede, além de mesas enormes com os mais variados jogos manuais. Não se via nada disso, mesmo na penumbra, via-se que a sala estava deserta, as janelas de vidro, do teto ao chão, com suas cortinas claras, estavam cerradas, sem cortinas, a sujeira e poeira de anos, impedia que se visse lá fora. Dora teria um surto ao ver tanta sujeira e descaso, era orgulhosa daquele cômodo, em particular.- Podemos quebrar os vidros das janelas, se não encontramos uma saída. - D
Leer más
CAPÍTULO DEZ
- Nunca senti tantos arrepios em minha vida. - Disse Hanna.Desceram devagar os degraus. Um Lugar que brincaram muito de esconde esconde, que jamais temeram estar, que escolhiam livros que não tinham ainda sido separados para a biblioteca, gostavam de serem os primeiros a lerem; mais Hanna, que era obcecada pela leitura, passava horas pesquisando para o colégio. Agora desciam os quinze degraus de madeira, temerosos, os rangidos que nunca antes perceberam, parecia ser o prelúdio de algo nefasto.Nem perceberam que seguravam as mãos enquanto desciam, mesmo em fila indiana, muito menos se deram conta de suas mãos trêmulas a segurar a do outro que também tremia.Nenhum redemoinho. A fraca luz da lamparina era o suficiente para saber que ali estava tão deserto quanto
Leer más