ÇUÁCÊPÉ- O JOGO

ÇUÁCÊPÉ- O JOGOPT

Olívia Neves  En proceso
goodnovel16goodnovel
0.0
Reseñas insuficientes
27Capítulos
377leídos
Leer
Añadido
Denunciar
Resumen
Índice

Três jogadores são tele transportados para um jogo de videogame, agora para saírem terão que passar por cada fase. Baseado no folclore brasileiro, os jogadores passarão pelas lendas e criaturas míticas que fazem parte do imaginário popular.

Leer más
Comentarios Deje su reseña en la aplicación
No hay comentarios
27 chapters
FASE 1
 As selvas te deram nas noites ritmos bárbarosOs negros trouxeram de longe reservas de prantoOs brancos falaram de amores em suas cançõesE dessa mistura de vozes nasceu o teu cantoBrasil minha voz enternecidaJá dourou os teus brasõesNa expressão mais comovidaDas mais ardentes cançõesTambém, a beleza deste céuOnde o azul é mais azulLeer más
PRÓLOGO
 “A empresa de jogos eletrônicos SoniArts vem com novidades para a final do Campeonato Mundial de videogames. Depois de dois meses das primeiras competições até as eliminatórias, saberemos quem será o grande vencedor deste ano aqui, no Brasil.A nova tecnologia revolucionária da SoniArts, os jogadores não precisarão de joysticks ou qualquer tipo de controle. Com uma realidade virtual aumentada o jogador é teletransportado para o  jogo, tendo uma experiência mais ampliada.Como a final será no Brasil, a empresa formulou um jogo baseado no país, e será lançado logo após o fim do Campeonato. Coincidentemente, est
Leer más
A Brincadeira do Copo
Memórias, não são só memóriasSão fantasmas que me sopram aos ouvidosCoisas que eu nem quero saber  Henrique acordou recuperando todo o fôlego que ele não se lembrava de ter perdido. Uma sensação de acordar de um pesadelo ou respirar pela primeira vez depois de uma apneia demorada. Ele estava deitado em uma cama de madeira e colchão duro olhando para um teto inteiramente branco.Decidiu se levantar e viu que não tinha quase nada dentro do quarto: Uma mesa de cabeceira e um guarda-roupa antigos assim como a
Leer más
O Fantasma do Caixa Eletrônico
Eu quero entrar na rede Promover um debate  Henrique rolava no chão de tanto rir, as lágrimas rolavam pelo rosto e abraçava a sua barriga que doía por conta do esforço e mesmo assim, não parava. De frente a taciturnidade de Kabir que sentava-se ereto sobre a cadeira, os dedos apoiados sobre o joelho, pressionavam na medida que a risada aumentava. Ele continuava sério, porém, parecia bastante irritado.Chang estava parado sentado em uma cadeira sem nenhuma alteração. Apenas olhava o embate dos dois. Um muito sério e aparentemente mal-humorado e o outro despreocupado rindo até as lágrimas escorrerem
Leer más
Vira Roupas
A lavadeira do rioMuito lençol pra lavarFica faltando uma saiaQuando o sabão se acabarMas corra pra beira da praiaVeja a espuma brilhar  O grupo que se encontrava em frente ao portão, era feito somente de mulheres das mais variadas idades. Vestiam camisas largas e saias longas e rodadas, todas elas traziam amarradas ao corpo um avental e um lenço na
Leer más
Bruxa de Ferro
E as crianças fazemEi, me dá a mãoPorque me deixa só?  Antes de voltar para casa, Henrique parou em uma vendinha e comprou o que faltava na despensa. Alguns legumes, verduras, ele queria comprar uma galinha. Uma galinha só pra ele... e esfregar na cara de Kabir. “Hehehe, uma galinha só pra mim”Com uma sacola cheia de comida numa mão e uma galinha na outra, Henrique chegava à sede dos Çuácêpés, tocou o interfone para alguém abrir, ao chegar na varanda só encontrou Kabir tomando chá  com aquela cara séria esc
Leer más
Viúva Machado
Nem toda feiticeira é corcundaNem toda brasileira é bundaMeu peito não é de siliconeSou mais macho que muito homem  Henrique não suportava mais aquela calmaria constrangedora. Perto de Kabir ele pisava em ovos. O indiano não falava e quando abria a boca era monossilábico e geralmente palavras duras de repreensão. Ele pegava comida só para si. Ninguém vinha pedir ajuda com alguma alma penada, resolveu então ir procurar missões sozinho.Indo pela estrada de ch&a
Leer más
A Dama de Vermelho
Garçom!Olhe pelo espelhoA dama de vermelhoQue vai se levantar  _Eu sou um rato! Eu sou um rato!Chang gritava mais alto que os ganidos dos fantasmas que eles capturaram. Henrique não era muito delicado com as coisas, foi cuidar da ferida de Chang, causado pela Viúva Machado. Os quatro buraquinhos abertos do lado do abdômen.O problema foi que ele colocou álcool demais. Aquilo adentrou nas quatro perfura&cced
Leer más
A Flor do Cemitério
Só enquanto eu respirarVou me lembrar de vocêSó enquanto eu respirar  Os dois não viam Chang desde o hospital. Uma enfermeira disse que viu um oriental e uma menina saindo correndo do prédio. Chang fora buscar café para Henrique e não voltou mais e eles já estavam na sede com peças de roupas novas que compraram com o dinheiro da recompensa, a maioria bermudas de pano, leves para aguentar o calor, deu para comprar sapatos também. Kabir comprou três pares para cada um. Um tênis fechado sem cadarços, uma sandália aberta de couro que via-se muito pelo nordeste do país e um par de ch
Leer más
Opala Preto
No meu Opala preto com cinzeiro espelhado e veloz a rodar  USE O DINHEIRO PARA COMPRAR ARMAS Eles deixaram as roupas mais curtas para Chang. Deduziram que caberiam nele. As roupas serviram bem mas, eram curtas e ajudavam a destacar a sua aparência infantil. O short de pano grosso com a barra dobrada, mostrava toda a região das coxas bem torneados dele.Ele preferiu usar a sandália de couro que, coincidentemente, combinava com o colete que ele ganhara. A camiseta de alça vermelha expunha, os braços e antebraços, assim como suas coxas, bem torneados.Henrique já criara
Leer más