Entre Fogo & Paixão – Romance Gay

Entre Fogo & Paixão – Romance GayPT

Sebastian  Em andamento
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
20Capítulos
885leituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Conheça a história de Dean, um jovem que muda de cidade para ingressar na melhor universidade dos quatro municípios do pequeno estado do Lassen, no país de Nebrava. O sonho de estudar na Valenza, finalmente sai do papel quando recebe um email contando a novidade. Eufórico por começar a dá vida aos sonhos de seus falecidos pais, Dean só teme deixar seu tio, William, na pequena Ashton City. Decidido, porém, William é de acordo com a ida do sobrinho, e quando este chega a Thyssen, conhece seu companheiro de quarto, Luc, que apesar das patadas iniciais, logo se tornam melhores amigos. No segundo dia, ele esbarra com Lee, a personificação de Narciso, em pessoa. Num sentimento construído somente a base de prazer e submissão, Dean tenta se afastar do perigo que Lee, representa à sua vida. Fogo & Paixão, narra um romance gay com seus diferenciais, recitando a mais incrível das histórias escrita com delicadeza e suavidade para todos os públicos. Obs: nome de lugares totalmente fictícios.

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
20 chapters
Capítulo 01
Era noite de verão. Dean observava da varanda de sua casa, o céu totalmente estrelado, a rua de seu bairro deserta, compunhada apenas pelos carros estacionados ao lado esquerdo, aonde ficava o lugar favorito em Ashton City: a residência de seu tio, William. Estava sem sono, mal dormia por conta dos últimos acontecimentos e rezava sutilmente enquanto sentia a mesma angústia começando a inibir a mente, retraindo miseravelmente à pouca força de seu corpo.— Sem sono, meu filho?— Oi, tio. É, tô sim, mas ficarei bem. — Quer alguma coisa?— Não, tio, pode ir dormir sossegado, vou em seguida.— Quer mesmo que eu vá, Dean? — ele perguntou, colocando a mão sobre os ombros caídos do rapaz em protesto. — Se quiser eu posso preparar um café, sento aqui com você e dividimos essa angústia. Que tal?— Oh, tio. Só o senhor mesmo, mas eu preciso ficar um momento sozinho, para colocar a cabeça
Ler mais
Capítulo 02
Restaurant of the Dylan, ficava no centro histórico de Ashton City, próximo de parques, shoppinps center, academias ao ar livre e escolas de última geração, lugar onde Dean houvera terminado seu ensino médio, com mensalidade pagas por seu tio, William. De todos os cantos da pólis, aquele em especial lhe trazia lembranças formidáveis, pois seu primeiro beijo com Luan, fora ali, logo atrás da Bernard Avenue. Dean estacionou o carro próximo a uma linha de coqueiros, na orla da cidade, onde a brisa persuadia o ar e trazia uma sensação de liberdade na alma. Como era verão em Ashton, todas as praias estavam tomadas por turistas de diversas parte do continente. A base da riqueza e o PIB, provia especialmente do turismo. O centro de Ashton, era tomado por hotéis luxuosos, mansões gigantescas e bonitas, muito diferente do bairro onde Dean morava. Mais calmo. Mais pacato. Porém, mais bonito.Eles deixaram o carro preto estacionado e seguiram caminho pela rua asfaltada, atrave
Ler mais
Capítulo 03
À noite havia sido longa. Após a breve comemoração, Dean arrumou algumas malas com o material e roupas necessárias e caiu no sono. Acordou pela manhã com o despertador lhe convidando para mais um dia, um dia este especial e único, o qual ficaria marcado para sempre na sua vida, corpo e alma. Sentou na beirada da cama e sentiu o cheiro de panquecas e omelete no ar, mal tinha noção de que o costume de acordar e está tudo pronto, logo não faria parte da sua rotina matinal. Vestiu uma camisa e foi-se para o banheiro, se higienizar. Depois, voltou ao quarto e prosseguiu em direção à cozinha, deparando-se com uma mesa farta, o que não era costumeiro. — O senhor ainda vai me deixar mal acostumado. — Dean disse puxando uma cadeira. — Bom dia, pai. — Bom dia, filho. Como foi sua noite? Suponho ter sido
Ler mais
Capítulo 04
Ao concluir sua arrumação, Dean fitou o corpo estendido sobre a cama, balançando a cabeça negativamente. Ele sabia que não devia esperar nada de ninguém, ainda mais de pessoas como Lucas, as quais se achavam à última bolacha de um pacote caro e chique. Ainda assim, adormeceu.Acordou pela manhã, espreguiçou o corpo modestamente, e foi-se para o banheiro, aonde tratou de fazer sua hegiene diária, tomou banho e relaxou-se moderadamente. Vestiu uma sunga e saiu do box pequeno, indo rumo ao armário de onde tirou o uniforme da universidade, que consistia em uma calça social azul marinho, uma camisa e um blazer da mesma cor, além dos sapatos sociais preto. Teria de lembrar que deveria pagar aquelas roupas mais tarde, após à aula. Arrumado, Dean passou perfume e arrumou seus cabelos loiros, resolveu não ir de óculos, desejava-se ver mais natural.Apanhou sua mochila e pôs-a sobre as costas, mas antes de dá um passo, ouviu o remexer s
Ler mais
Capítulo 05
— Qual foi, cara? Cê não tem senso de humor, não? — questionou Luc, aborrecido.— Tenho. Mas demonstro apenas com pessoas do meu vínculo íntimo, e nesse caso, você está bem distante de estar incluso nele. — pigarreou Dean, exausto e estúpido. — Tive um péssimo dia hoje, favor, não me aborreça.Luc ergueu uma mão em rendição, afinal o garoto parecia mesmo querer ficar sossegado. Descontente consigo mesmo, ele ligou a televisão velha à qual nem Dean viu-a ali, e colocou no jornal local. Apanhou o livro de cima do criado mudo e tratou de ler, sempre prestando atenção nas notícias. Irritado e já suando porque não tinha como colocar o ventilador para girar, Dean afrouxou a gravata e a retirou, colocando-a sobre a cama.Ergueu-se do móvel e retirou o blazer, a camisa e deixou às costas em direção a Victor, que prestou bastante atenção na moldura copular do rapaz. Era atraente, mas não a ponto de trocar vagina por ou
Ler mais
Capítulo 06
Duas semanas. Dean Salvatore conseguiu viver duas semanas sem demonstrar afeto ou repudiação por Luc. Era sábado, mais um fim de semana daqueles o qual passaria o dia inteiro trancado no quarto lendo um livro de leis e mais leis, aonde encontraria brechas e, até mesmo, duvidaria da capacidade humana de fazê-las cumprir. Luc, àquela altura da manhã, estava deitado na cama próximo à janela e assistia um programa aleatório na televisão. Os dois não eram tão próximos, mal trocavam meia dúzia de palavras durante um dia, isso quando não discutiam e alguns verbos inapropriados saíam como flechas num único alvo. Luc baixou o volume da televisão e abandonou o livro que estava lendo.  — Posso te fazer algumas perguntas, Dean?  — Desde que não sejam mis
Ler mais
Capítulo 07
— Então, Dean, por que resolveu vim para a cidade de Thyssen? — Brandon perguntou a Dean, minutos mais tarde.Ele poderia enumerar alguns fatores, mas não sabia por quais problemas começar, por isso foi bem razoável na resposta.— Simples! Meu sonho sempre foi cursar Direito, e na Universidade de Valenza. — respondeu.Brandon arqueou a sobrancelha, enquanto Luc acompanhava o assunto à distância, assim como Cole e Lee, que bebiam.— E seus pais? Eles devem terem ficado irritados com você, já que não contou a eles que tinha se inscrito para concorrer à uma vaga. Estou certo? — Brandon, parecia mesmo querer se aproximar de Dean. Dean pensou em responder que não, mas logo saberiam da morte de seus pais.— Meus tutores foram assassinados quando eu tinha quinze anos. — silêncio, tudo que Dean mais queria naquele instante. — Fui criado pelo meu tio, e sim, ele ficou bastante furioso
Ler mais
Capítulo 08
Dois meses. Se o que Dean viu há sessenta e um dias fosse improvável agora, ele realmente estava ficando louco. Luc estava sentado ao seu lado, no refeitório, conversando sobre assuntos aleatórios.— Meu sonho é viajar pra lua.— Mas você cursa economia e administração.— Que custa sonhar? — Nada, mas...— Então não interrompa meu sonho. Dean deu de ombros e voltou a tomar seu café.— Você é meio louco, né?— Sou. Isso importa?— Não. Nem um pouco. Contanto que não me mate à noite, tudo certo. — Dean disse, sorrindo. — Viu o Lee esses dias? Luc travou o maxilar. Depositou o copo sobre à mesa e respondeu:— Sim. Ele tem uma semana sem aula, porque fez algumas extras no mês passado. Com isso, resolveu se permitir às férias. Porém, passará aqui pro almoço com Brandon e companhia.<
Ler mais
Capítulo 09
Frio. Era o que Dean sentia naquele momento. Tensão. Ela estava misturada com o nervosismo e o suor de seu corpo. Vontade. Continuava aliada ao prazer de descobrir pequenas partículas de orgasmo, e tinha que ser com Lee, agora, urgente, e quando conseguisse esse feito, teria de ser calmo, sem pressa.Ele viu o homem com músculos tensos se aproximar. Sentiu o membro ganhar força, vitalidade, arder contra a sunga. Respirou. Não deixaria escapar nada, nem mesmo uma faísca de seu encanto. Merda! Falhou. Falhou como nunca e Lee soube aproveitar o instante como nunca.Destrancou o portão sem pressa, calmo. Olhou para Dean dos cabelos aos pés, fazendo um gesto ao rapaz, um simbolismo pequeno, quase sem chances de remediação. Que bom! Dean o seguiu de perto, analisando a fissura das costas largas, as panturrilhas extasiante, o molde perfeito de um bumbum durinho, e o perfume. Ah, nossa, como era cheiroso.Ao abrir à porta da mansão, encanto
Ler mais
Capítulo 10
A sexta-feira foi complicada. Aula cedo, trabalhos em grupos, exposições milimetricamente exaustivas e, por fim, o almoço. Não avistar Lee durante àquela semana pelo Campus, tornou-se um castigo. Foi obrigado a sentar sozinho no refeitório com um Luc anormal. Poucas palavras trocadas, olhares vazios, tensão palpável.— Você está bem, Luc? — Tô. Era à quinta vez que questionava o amigo, porém ouviu a mesma resposta. Ele garfou um pedaço do frango, misturou ao molho e levou até a boca. Mastigou e voltou a analisar Luc, que mal tocara na refeição. Estranho. Logo Luc, um faminto e devorador voraz, e o qual amava repetir o cardápio, principalmente galinha. — Estava pensando em ir esta tarde para Ashton. Tô sem trabalhos para ser entregue próxima semana. — ele pausou a voz, tentando conectar o amigo nos seus assuntos. — Cê quer ir comigo? — Não.— Não? Por que não?
Ler mais