O tempo que leva as Flores

O tempo que leva as FloresPT

Illana Mascarenhas  concluído
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
12Capítulos
884leituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Quando Elsa Cortes conheceu o Marquês das Flores, nunca imaginou que pudesse ser notada por ele, já que sempre se sentiu invisível no meio social. O nobre, por sua vez, achava a senhorita Cortes uma criatura à parte, sempre com os olhos presos a um livro e com a cabeça nas nuvens - uma mistura perfeitamente atraente aos olhos do experiente Marquês. No entanto, vários fatores surgem como barreiras para essa aproximação, sendo a mais forte delas chamada Patrícia, a Marquesa das Flores, que vendo o seu casamento ruir, decide romper o silêncio que sempre lhe foi característico numa tentativa de salvar aquela relação. Os propósitos da vida são nebulosos a nossa percepção humana, e eles ficam ainda mais incertos nas relações dessa história de amor e drama.

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
12 chapters
PRÓLOGO
Querido Martim,Passei a noite em claro e, em meio a todas as dúvidas e angústias que pairam sobre isso que acontece entre nós, me dei conta de como senti falta da doçura das suas palavras – que tanto me acalmam e inspiram. Por isso, em meio a todo esse sentimento, resolvi te escrever.Confesso que venho tentando, com veemência, estancar todas essas angústias, pois hoje percebo que há muita verdade naquilo que você me disse: “se for impossível a mudança, é preciso aceitar as coisas como são. Assim, o processo fica menos doloroso”. De fato, a aceitação faz com que dor seja menos pungente. No entanto, como aceitar as coisas como são quando, sempre que te vejo, a minha racionalidade é domada por uma legião de sentimentos furiosos? Eu juro que já tentei colocar esses sentimentos no lugar deles, mas, tudo me parece tão imposs&i
Ler mais
1
"meu amor inventado, ainda assim tanto demoras"  (Valter Hugo Mãe) O Marquês das Flores entrou na sala principal do casarão da família Cortês acompanhado por um dos criados – o que ele considerava desnecessário, afinal já conhecia a casa dos Cortês como conhecia sua própria casa. Na verdade, se arriscava a dizer que conhecia a casa dos Cortês mais do que a sua própria casa.Ao alcançar o sofá verde musgo, o Marquês sorriu com simpatia para o homem que o conduzia em sinal de agradecimento, e sentou no móvel de uma forma desleixada sem quaisquer modos que remetesse ao título que possuía... Era assim que era desde sempre.No entanto, foi o seu característico jeito desleixado que - apesar da fama que o cercava desde a sua juventude - o fazia ser, em alguma medida, querido pelas pessoas. O seu carisma era tamanho q
Ler mais
2
"Desejo o teu incêndio queimando a minha alma" (Maria Teresa Horta) Já havia um tempo que Martim não era mais um garoto. Tinha crescido no físico, e, à força, tinha amadurecido em sua postura, mas, naquele momento, estava se sentindo como um garoto. Pensava isso, pois sabia que os sentimentos que nutria por Elsa eram sentimentos errados. Ele sabia bem disso... E era o fato de reconhecer o erro que fazia com que ele se sentisse mal diante de toda aquela situação.“A ignorância é, realmente, uma bênção”, foi o que ele pensou quando olhou para Elsa. A jovem era filha de um dos seus melhores amigos. Muito mais do que isso, Elsa era filha de um dos homens mais íntegros que conhecera. No entanto, nada de tudo isso fazia com que a vontade de querer estar ali, perto dela, ouvindo-a falar sobre o que quer que fosse diminuísse...  Ele sorr
Ler mais
3
"O isolamento  em companhia de uma pessoa era mais opressivo que a solidão completa." (Graciliano Ramos) Apesar de carregar o título de Marquês das Flores, Martim não se considerava um homem nobre, e tal constatação fazia com que ele se sentisse péssimo. A verdade é que ele sabia que, se fosse um homem realmente bom e digno da nobreza da qual fazia parte, teria pedido a anulação do casamento com Patrícia no momento em que viu que as coisas entre os dois não teriam andamento da maneira que um casamento deveria acontecer. No entanto, sempre se sentia impedido de fazer isso, pois, sabia que o fim do casamento significaria que a sua esposa perderia o prestígio social e caísse em desgraça.A verdade é que, mesmo ausente de qualquer sentimento de afeto por Patrícia, vê-la cair no ostracismo social era a última coisa qu
Ler mais
4
Me fizeram pedra. Quando eu queria. ser feita de amor (Hilda Hist) Muito antes de selar a sua união com o Marquês das Flores, Patrícia já tinha percebido que o mundo - em especial, o mundo conjugal - não funcionava da forma sua tia lhe ensinara. Quando tinha recém completado seis anos de idade, ela foi encaminhada aos Condes de  Casanova, pois tinha perdido o pai em um acidente de cavalo, tornando-se uma órfã de fato.Bernadete, a Condessa, era a irmã mais velha do seu pai, o antigo Barão das Fortalezas, que abrira mão do título e do status para poder se casar com a mãe de Patrícia, que nada tinha a oferecer ao Barão, além do mais puro e verdadeiro amor. Amor esse que não se acabou quando a mãe da jovem faleceu, acometida por uma misteriosa pneumonia, e que o pai insistia em demonstrar todos
Ler mais
5
"Uma mulher como você e um homem como eu não se esbarram muitas vezes na face da terra." (Joseph Conrad)   Para selar aquela noite, Patrícia seguiu o conselho das criadas e escolheu um dos mais belos trajes de dormir que recebera como parte do enxoval do seu casamento e que nunca tinha usado. Era uma roupa bonita, mas não bonita o suficiente para impedir que ela se sentisse desconfortável, afinal não costumava vestir aquilo para na hora dormir. Na verdade, ela não costumava vestir nada para dormir, pois, apesar de toda a sua criação regrada e de sua considerável habilidade em seguir regras, Patrícia mantinha preso em seu corpo um espírito que aspirava por liberdade. No entanto, ela tinha bom senso para saber que não poderia caminhar sem qualquer veste por todo o corredor até alcançar o quarto de Martim. Primeiro, porque poderia ser avistada por algum criado - o que seria constrangedor; segundo, porque, mesmo sendo o marido adepto a práticas de f
Ler mais
6
"Alguem desaparece lentamente. Não sei qual de nós dois." (Alberto de Lacerda) Elsa já tinha se cansado de contar as horas que passava longe de Martim. No entanto, pior do que a distância que os mantinham separados, era o silêncio que vinha dele. Segundo sua contas, já completavam mais de dois meses que Martim não aparecia no casarão Cortês, e também, já se completavam mais de dois meses que o Marquês ignorava as cartas apaixonadas que ela enviara. “No começo era tão diferente...”, ela pensou lembrando que, pelos corredores da casa, ela ouvira um ou outro boato entre os criados de que o Marquês e a Marquesa das Flores estavam acertando os pontos soltos no casamento. Ela não sabia se tais boatos eram verdadeiros, mas, mesmo com o silêncio de Martim, ela esperava que não fossem. “Não é justo&rdqu
Ler mais
7
"ABISMAR-SE: lufada de aniquilamento que atinge o sujeito apaixonado por desespero ou excesso de satisfação." (Roland Barthers)Patrícia não se lembrava da última vez em que tinha cavalgado por tanto tempo sem parar para descansar. O choque da revelação fez com que ela fosse da capela abandonada, ninho de amor de seu marido com Elsa, até o Palacete, o seu lar, em uma velocidade única – precisava alcançar a sua casa logo! E sua marcha não cessou nem mesmo quando uma tempestade a atingiu no meio do caminho. Não quis parar e nem podia. Com tudo desmoronando a sua volta, o que Patrícia precisava era de abrigo e aconchego. Assim, conseguiu chegar no Palacete, mas ao preço de estar com o rosto inchado do choro, e com o corpo molhado da chuva.Felipo, que conhecia todos os cavalos ao longe, correu ao encontro da Marquesa ao ver o primeiro rastro turvo de Gloriosa n
Ler mais
8
"Há palavras que requerem uma pausa e silêncio." (Herberto Helder)Martim despertou com o corpo dolorido e com a mente atordoada. Não tinha a certeza se tudo aquilo que vivera no dia anterior tinha sido real ou um grande sonho ruim, mas ao perceber que ainda trajava as mesmas vestes, e que elas ainda estavam úmidas, ele teve a certeza de que não tinha sido um sonho. Assim, o Marquês sentou e percebeu que não somente o corpo, mas também a cabeça doía, ela pesava como uma ressaca. Depois, o homem respirou fundo e, mesmo com todas as dores, começou a se recompor. Somente quando levantou foi que percebeu que a porta do quarto de Patrícia estava aberta, no entanto, ela não estava lá.De onde estava, percebeu que já era um novo dia, pois o sol já invadia a janela. Ele queria entrar no quarto, mas achou que não seria uma boa ideia, por isso, apesar de
Ler mais
9
"Não despertes o que não podes calar." (José Tolentino Mendonça)Elsa acordou junto com os primeiros raios do sol, o que não aconteceu por vontade própria, mas por conta de um sonho que teve, e que ainda reverberava sobre a sua alma. Tinha sonhado com Martim, com o bebê que carregava e com a Morte. Elsa soltou um longo suspiro, e percebeu que carregava no peito inúmeras superstições. Por isso, apertou com força o crucifixo que sempre decorava o seu pescoço. Se deu conta de que há tempos não sonhava da maneira que tinha sonhado naquela noite, e pensava que, talvez, aquele fosse um reflexo da certeza da gravidez – já não sangrava pelo terceiro mês seguido e a sua criada pessoal já tinha feito a avaliação, e disse que esse era o único resultado possível.Ainda arfando, a jovem ergueu o corpo na cama e tentou
Ler mais