Garota Infernal

Garota InfernalPT

Gil Fox  Em andamento
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
27Capítulos
692leituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Eu sou a Lari, até pouco tempo atrás uma garota normal, assim, normal, normal, não, já que sou filha de caçadores, não de animais, de criaturas sobrenaturais, vampiros, lobisomens, caiporas, saci, caplobos etc, etc, etc, somos a única defesa da humanidade. Então não sou tão normal assim. Tive que mudar de cidade porque explodimos um covil de vampiros e acabei caindo em uma trama de fim de mundo, sou a heroína desta história, sem falsa pretensão, eu salvei a porcaria do mundo, não soube, você tem sorte. Vou te contar tudinho, vem comigo.

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
27 chapters
Capítulo 1
Eu nunca entendi o do porquê os heróis serem órfãos. Flash perdeu a mãe, homem aranha o tio, o Batman coitado os dois pais, aí temos, Sakura, Goku, Deadpool? Esse último é um anti-heróis, mas que deve ter perdido os pais também, tem o Superman, acho que esse tem os pais adotivos, mas perdeu seu planeta, então tem histórico de perdas no passado. Será que matar um dos pais deixam eles mais rápidos, mais fortes, melhores com armas etc? Não sei. Eu me chamo Lari e sou a heroína desta história, sem falsa pretensão, eu salvei a porcaria do mundo, não soube, você tem sorte.Voltando aos pais eu tenho os dois, minha mãe é uma típica dona de casa que adora cozinhar e fazer trabalhos manuais. Em sua lista de preferidos encontra-se as bombas, não aquelas de chocolate e doce de leite e sim as que fazem Kabum, os venenos, arm
Ler mais
Capítulo 2
— Alô! Papai. — Comecei a chorar. — Eu matei um cara.Sabe, quando você começa em uma escola nova, nunca, jamais em sua vida você imaginaria que no primeiro dia de aula você mataria um cara. Bem, apesar de ser uma caçadora, vinda de uma família de caçadores, aquilo era bizarro.— Querida, se acalme e me conta o que está acontecendo. — A voz tranquila do meu pai desta vez não conseguiu me acalmar nenhum pouco.— EU MATEI UM CARA. — Gritei para o telefone. Ouvir meu pai do outro lado da linha dizer algo para alguém.— Querida, estamos indo para ai, onde você está? — Perguntou meu pai.— No banheiro feminino. — Respondi. Caminhei até as pias e sentei debaixo dela e agarrei meus joelhos. — Papai... — Choraminguei.— Estamos indo para ai docinho. — Meu pai desligou.<
Ler mais
Capítulo 3
O anjinho se sentou comigo no colo, ele fechou os olhos bonitos e fez uma cara de concentração, as lindas asas brancas emitiram um brilho, eu pisquei os olhos e elas tinham sumido. Lancei meu corpo a frente para olhar suas costas e vi uma grande tatuagem em forma de asas em suas costas. Parecia um tribal de linhas negras em sua pele escura, a vontade de lamber cada linha. A queimação no meu corpo voltou, olhei para os olhos dele e foi como se o mundo em nossa volta sumisse.Nossas bocas foi em direção uma da outra, o beijo cheio de necessidade começou, nossas línguas travaram um dança sensual. O cheiro dele se misturou com o aroma do chocolate. Suas mãos subia e descia por minhas costas, nossos corpos estavam grudados e se esfregava. Larguei a boca dele e olhei para os seus olhos, segurei o seu rosto e vi a fumacinha vermelha sair novamente da boca dele. Quando ia aspirar ela sentir uma dor no braço.
Ler mais
Capítulo 4
— Não vai não. — Tio Jack estava possesso, era só notar a veia latejando em sua têmpora. — Nenhum de vocês vai sair atrás de um demônio do sexo.— Tio Jack, não estou pedindo sua permissão e nem de convidado. — A grosseria doeu no meus ouvidos, mas eu não podia viver zumbizando homens por aí. — Tio Alex vai comigo, você é papai fica em casa.— Por que eu vou ficar em casa? — Meu pai perguntou levantando do sofá.— Acho que mamãe não vai gostar de você indo atrás de uma súcubo. — Dei de ombros.— Ela tem razão. — Minha mãe levantou. — Será uma noite de meninas, que tal?— Super topo. — Pulei animada. Dona Linda as vezes era chata, mas eu acho que isso é porque ela é mãe e tem que ser a adulta r
Ler mais
Capítulo 5
Eu tenho que dar o braço a torcer, minha mãe tinha razão, o vestido vermelho cai muito bem. Olhei para as pessoas ao meu redor muito bem vestidas. As mulheres em vestidos, saias com blusinhas, quase não vi meninas de calça. Os homens estavam de couro ou jeans, camiseta. Todos com colares neons ou pinturas fluorescentes. A música alta Tecno tocava sem parar, as pessoas pulava sem parar ao som dela. Um grande telão mostrava várias imagens aleatórias. Barracas ao redor vendia bebidas e comidas.Fazíamos um trio bonito, meu tio Alex loiro, alto e gato. Minha mãe morena, mais baixa que nós dois mesmo com salto, parecia que tinha uma frase estampada gostosa na testa dela. E eu. Bem estava muito delicinha. Lembrei automaticamente do moreno que eu tinha agarrado no banheiro da escola, queria que ele me visse agora, poderosa, sendo olhada e cobiçada por todos que me via passar.— Va
Ler mais
Capítulo 6
Olhei para os quatro capelobos em suas formas de criaturas da noite. Difícil lutar com um, pois além de fortes eram muito rápidos. A tromba deles, parecida como a de um tamanduá bandeira, servia como um terceiro braço. Em falar de braços, os bichos chatos tinha verdadeiras montanhas de músculos. Seus pés tinha o formato de patas de vaca. Nossa versão brasileira de minotauro só que sem chifres. Eles eram ótimos caçadores, devido ao faro.— Base Mayday. — Falei no meu comunicador. — Quatro capelobos, um civil e o anjo comigo.— Lari, saia daí já. — Meu pai gritou em meu ouvido.Nem ferrando. Não ia deixar os metamorfos levar a melhor. — Beijo me ligue papis. — Desliguei o comunicador e avaliei minhas opções, mesmo que os outros dois tivesse treinamento, seria quase impossível derrotar os capelobos,
Ler mais
Capítulo 7
 A viagem para minha casa foi muito tensa. Meu tio Jack querendo agarrar o pescoço de Eliana e ela o mesmo, mas por motivos diferente, ela para saciar a fome de súcubo e ele aparentemente de raiva. Eu querendo agarrar Luck pelo mesmo motivo que minha mais nova amiga demonia.Felizmente tudo era muito perto na pequena cidade. Então foi uma viagem de minutos. Agora estavam todos na sala da minha casa eu e Eliana em um canto e o restante e os demais e outro.— Pronto. — Meu pai apareceu com as injeções em um bandeja de aço inoxidável. Tirei a minha jaqueta e dei o meu braço esquerdo para ele. O direito estava dolorido dá de manhã. Sentir a picada e depois um ardência do liquido entrando em meu músculo.— O que é isso? — Eliana perguntou.— Um composto de hormônio para que você não fiquem neste frenesi. &mda
Ler mais
Capítulo 8
Finalmente consegui chegar a sala de aula sem grandes incidentes. Tirando o fato que de manhã não tinha roupa para sair de casa, já que tudo ficou pequeno e me recusei ir de vestido. No final sai de cada com uma jardineira jeans, uma blusa vermelha com o símbolo do flash que mostrava minha barriga e meu tênis All Star de caveirinha. Meu tio Jack brigou feio com Eliana, para tirar ele de casa pedi carona para a escola. Eu precisava ter um papo sério com o meu tio mais tarde.Dei uma passada na secretaria para pegar meus horários, eu estava no terceiro sala C, e caminhei para o local indicado. Claro que me perdi, isso é a minha cara. O bom disso que descobrir onde ficava a biblioteca. A escola estadual de Abraham tinha o mesmo estilo das escolas americanas, ou seja, longos corredores cheios de armários do dois lados. As paredes pintadas de azul e branca, que são as cores da escola, dois andares, quadra poliesp
Ler mais
Capítulo 9
— Eu não posso deixar você sozinha por cinco segundo que você já arruma confusão. — Luck apareceu atrás de mim vindo não sei donde. Virei minhas costa e olhei para ele. Suas asas estavam de fora. — Segurasse em mim. — Não tive reação, ele me abraço e saímos voando.Há poucas coisas na vida que eu goste bastante. Tipo bolo de chocolate com cobertura extra, atira com uma 12 mm, explodir coisas, ver a cabeça de um sangue suga rolando, mas voar nos braços do meu anjinho foi para o topo. Em menos de segundos estávamos no meio das nuvens, graças aos anjos que o dia estava nublado. Era só o que me faltava aparecer na TV.— Acho bom você se segurar. — Luck disse ao meu ouvido. Me abracei em seu pescoço. Rodeei minhas pernas em sua cintura e curtir a viagem. — Suas amigas estão atrás de n
Ler mais
Capítulo 10
Luck pegou minha mão e me conduziu pela porta do telhado. Do outro lado tinha uma escada. Ele morava no décimo terceiro andar, o último andar do prédio. O apartamento dele. Sim ele morava sozinho já que a mãe morreu, o pai era o rei do inferno e a irmã uma louca só tinha ele. Deu vontade de abraçar ainda mais o meu anjinho, depois que eu soube de sua história.Dei uma risadinha quando entrei e avistei tudo na mais perfeita ordem. A sala tinha dois sofás com aquelas almofadas gigantes e maciais. Uma grande televisão de tela plana em uma parede e um móvel com videogame e aparelho de som potente. Um tapete cinza felpudo no chão. Aliás, tudo era cinza, branco e preto, ou seja, sem graça. Dava para ver a cozinha, já que era conjugada. Deu para ver alguns eletrodomésticos, perfeitamente alinhados e uma grande geladeira em inox.— Do que voc&ecir
Ler mais