Estática - Saga Estática - Parte 1

Estática - Saga Estática - Parte 1PT

Mich Graf   Completo
goodnovel16goodnovel
0.0
Reseñas insuficientes
45Capítulos
722leídos
Leer
Añadido
Denunciar
Resumen
Índice

Louisa Newton é uma típica e curiosa habitante de Sunfalls, vivendo sem muitas pretensões até que um "forasteiro" chega à cidade: pálido, underground, fugindo de alguma coisa da qual ele, Zya, se recusa a falar, vindo de uma cidade centenas de vezes maior que Sunfalls. Tudo muda quando Lou, sem saber como, acaba criando eletricidade azul com as próprias mãos, quase matando seu namorado Chris. Sentindo que Sunfalls já não era mais lar para uma garota perigosa como ela, Louisa planeja ir embora para a perigosa cidade de onde Zya viera. Seria uma boa ideia? Ela correria mais perigo em Ghonargon do que corria em Sunfalls? Se apaixonar por Zya estava tão fora de questão como ela pensava?

Leer más

También te gustarán

Comentarios Deje su reseña en la aplicación
No hay comentarios
45 chapters
Prólogo
Ela corria o máximo que podia pelas ruas rústicas da pequena cidade, desesperada para fugir. Choramingava e ofegava com o medo. O esforço da corrida fazia as pernas começarem a queimar e os pés doerem loucamente dentro das botas plataforma brancas cobertas por tecido rendado preto. O vestido escuro prendia em suas coxas conforme ela corria, embolando-se em meio às pernas enquanto as alças dele teimavam em escorregar dos ombros, ameaçando deixá-la com o busto à mostra. As lágrimas borravam o delineador preto que descia pelo rosto como rios negros e faziam os cabelos loiros grudarem na pele. Seu peito subia e descia rapidamente devido à respiração acelerada e o ar entrando com grosseria pelas narinas rasgava a garganta já seca. Extremamente cansada, ela começava a sentir o corpo se esgotando, tingindo sua visão com pontinhos brilhantes. Ela c
Leer más
1. Sunfalls
Aquele era um dia muito ensolarado, com a luz do Sol lançando raios dourados nos campos de girassóis, trigo e milharais que praticamente cercavam a cidade mergulhada em um calor intenso dia e noite, sempre. Mas em Sunfalls não passava de mais um dia normal e entediante, igual a todos os outros desde que a cidade fora fundada. Sunfalls era uma típica e clichê cidade de interior que jamais mudava: havia missa aos domingos, festival da torta uma vez a cada semestre e escola cinco dias por semana durante toda a manhã, com as famosas panelinhas de meninas pseudo-populares, seus namorados bonitões e meninos que viviam dizendo que iriam embora de Sunfalls assim que acabasse a escola para entrar em uma universidade, mas nunca iam embora de fato.E havia Louisa Newton. Louisa nascera em Sunfalls e não fazia parte de grupo algum, tanto na escola como em qualquer outro canto da cidade. O pai de Louisa, Saul, era pastor na pequena igreja da cidade e sua esposa, Jen
Leer más
1.2 Sunfalls
Louisa entrou em sua sala de aula e escolheu o lugar de sempre: nos fundos da classe onde ninguém sentava. Assim ela podia rabiscar a última folha do caderno ou copiar os poemas e textos bonitos sobre amor que encontrava em seu livro de literatura. Às vezes trocava as tampas das canetas coloridas ou arrumava e desarrumava tudo em sua mesa até algum professor chegar. Lou admitia que tinha problemas para se concentrar, mas tentava ao máximo. Se não tinha a atenção chamada pelos professores por não prestar atenção na aula, então era um dia perdido. Observava, distraída, os alunos de sua classe se empenharem em brincadeirinhas idiotas, juntarem as mesas para fofocar ou qualquer outra coisa. Suas mãos começaram a doer levemente, junto de um ardor. Louisa esfregou-as e cruzou os braços na esperança de que a ardência passasse. Ela convivia com a maldita sensação desde pequena, mas nunca quis falar a ninguém. Não gostava de contar as coisas sobre si para os outros, apenas para H
Leer más
2. O Forasteiro
Zya finalmente chegara naquele maldito fim de mundo. Talvez ali teria sossego e, quem sabe, até recomeçasse a vida, mudasse de nome e iniciasse uma criação de plantas carnívoras, coisa que ele amava. Ele andava pela rua comprida e muito quente com o sol fritando-lhe a cabeça. Tinha em mãos um papel pequeno e já bastante amassado que continha um endereço de um lugar onde ele poderia alugar um quarto por um preço barato. Zya tinha uma quantia relativamente pouca de dinheiro que usaria para se manter até achar algo em que pudesse trabalhar – embora não achasse que conseguiria grande coisa naquela cidade em especial. Nas cidades vizinhas, Zya vira algumas fábricas e coisas do tipo. Um lugar daqueles sempre precisava de pessoas para trabalhar e aceitavam qualquer um, contanto que trabalhasse direito. Zya começava a ficar nervoso com o calor insuportável e o fato de não chegar nunca ao endereço anotado no papel. Ele levava a mala pendurada no ombro direito e tentava se c
Leer más
3. Celeiro
Louisa andava ao lado de Chris, entrelaçando sua pequena mão na dele enquanto Zya andava um pouco atrás. A todo o momento, Zya via Lou olhando-o de soslaio, intrigada. Ele sentia o sol rascante fervendo a cidade e sabia que mais tarde iria se arrepender de ter andado tanto debaixo do sol.Era estranho não ver quase ninguém nas ruas e ele se deu conta de que ainda era cedo, pouco mais de onze horas da manhã e todos estavam na escola ou trabalho, sem contar que a cidade já não deveria ter muitos habitantes. Os três andavam calados e Zya podia sentir a tensão neles. Jenna tinha razão; fechados demais para forasteiros, até mesmo eles dois que deveriam ter uma idade próxima à de Zya e que ele pensou serem mais receptivos. — O que costumam fazer aqui? — Perguntou Zya, tentando puxar conversa. — Bom, não tem nada para fazer em Sunfalls, na verdade. Mas fazemos o que podemos para não morrer de tédio. — Respondeu Louisa, sorrindo.A voz dela le
Leer más
4. Lasanha Sabor Ciúmes
Henrik ouvia Chris falar desde que chegaram da escola. Já passava das quatro da tarde e ele não parava, ainda falando do cara novo na cidade. Henrik estava melhor da insolação que o acometera após horas jogando lacrosse debaixo de um sol cruel. Seu rosto já estava menos vermelho, pois ficou o dia todo passando cremes à base de aloe vera. Chris estava sentado à sua frente na bancada da cozinha com uma incrível cara de louco. Henrik desviou os olhos dele e observou seu reflexo na tela apagada de seu celular; cansado, vermelho e dolorido, com bolsas abaixo dos olhos vermelhos. Os cabelos claros como os de Louisa estavam secos e feios por causa do maldito sol e sua boca cheia estava queimada. — Olha, cara, que paranoia toda é essa? É só um garoto novo na cidade, nada demais. Ele não vai tirar a Lou de você. — Disse Henrik, cansado. — Você não está entendendo. Ele disse que matou um cara!— E você acreditou? Ele foi sarcástico com você, Chris. Se
Leer más
5. Fuga
Genesis estava ajoelhado em frente ao altar cristão no quarto de sua mãe havia horas, já sem saber o que estava rezando. Seus joelhos estavam dormentes e os olhos pesavam. Era noite, quase hora do jantar e Aiden, ao seu lado, ainda tinha os olhos fechados. Genesis olhou seu reflexo no espelho atrás da grande cruz de madeira; olheiras terríveis, olhos vermelhos de sono – pois não dormia fazia dias por conta da “maratona da fé” imposta por sua mãe, Samira – cabelos pretos bagunçados e feições carrancudas de cansaço. Ele baixou a cabeça e olhou de rabo de olho para o primo, percebendo que ele não estava rezando, mas dormindo. Genesis riu baixinho, pois Aiden sempre dava um jeito de ser o idiota da casa. Ou talvez o mais esperto. Ele ouviu Samira subindo as escadas, cantarolando. Genesis cutucou Aiden, que não acordava. — Aiden! — Sussurrou Genesis. Samira girou a maçaneta devagar quando Genesis deu uma cotovelada bruta em Aiden, que acord
Leer más
6. Azul e Lampejante
Chris levava Louisa para sua casa após as aulas, passando da uma hora da tarde. De mãos entrelaçadas, eles andavam pela rua onde Chris morava. Aquele fora o último dia de aula e então estavam oficialmente de férias. Lou saltitava ao lado dele, usando o vestido que ele dera de presente para ela havia alguns meses. O vestido era preto de alças finas, com rendas na saia. Era simples e não tinha muitos adornos, mas Lou o adorou tanto que Chris sentiu que aquele fora o melhor presente que poderia ter dado a ela. Louisa gostava de usá-lo com seu par de all star vermelhos, pois o contraste de cores do vestido e dos tênis era lindo aos olhos dela. Seus cabelos estavam presos em uma trança frouxa posta por sobre o ombro direito. — Meu pai não irá gostar nada de saber que estou indo para a sua casa, sozinha com você. — Comentou Lou, sorrindo um pouco.— Não vou roubar sua virtude nem nada do tipo, só estou te levando lá para ter um tempo com você. De preferência sem o Henrik
Leer más
7. Quase Sem Controle
Zya caminhava sem pressa pela cidade, procurando conhecê-la. Já era noite e ele voltava para o celeiro, cansado. A noite estava fresca e não havia ninguém por perto, então Zya arriscou tirar a blusa de mangas compridas, vestindo apenas a regata preta que usava por baixo dela. Zya soltou os dreadlocks, deixando-os estendidos ao longo das costas e jogados de lado, de modo que um lado de sua cabeça ficasse livre deles, com uma parte raspada à mostra onde uma sombra de cabelos pretos aparecia. Zya se cobrou mentalmente sobre comprar uma lâmina de barbear no dia seguinte para dar fim ao cabelo que começava a crescer. Caminhando tranquilamente pela cidade, que deveria ter mais ou menos umas dez ruas, Zya descobrira que só as principais eram asfaltadas; todas as outras eram de terra, inclusive a rua de seu novo endereço. Ele repassava mentalmente os planos para sua nova vida naquela cidade enquanto andava: no dia seguinte, iria ao lugar onde o pai do Chris trabalhav
Leer más
8. Culpa
Louisa mantinha a cabeça deitada na cama, ao lado de Chris. Estava sentada naquela cadeira desconfortável o dia inteiro, tendo se levantado apenas para ligar para sua mãe e contar o que aconteceu. Jenna dissera que esperaria Saul chegar em casa e então iriam vê-los, após avisar Marco. Chris não corria perigo, mas ainda não acordara. Louisa não podia contar a verdade nem por um decreto, e teve de inventar que Chris havia entrado em contato com um fio grosso cortado na estrada. Sem maiores detalhes, ela se fechou para a equipe médica, que cuidou de Chris o melhor que puderam com tão poucas informações. Ele estava sedado e tinha curativos por todo seu peito. Chris ressonava tranquilo, deliciosamente alheio à tudo. Louisa desejou poder estar sedada também. Sua cabeça explodia com tantas especulações, perguntas e tudo o mais relacionado ao que acontecera mais cedo. Como era possível que ela, Louisa Newton, a menina mais normal da cidade mais monótona da Terra, tiv
Leer más