Sangue e Mar - Immortales 2

Sangue e Mar - Immortales 2PT

Roxane Norris  Completo
goodnovel16goodnovel
0.0
Reseñas insuficientes
14Capítulos
234leídos
Leer
Añadido
Denunciar
Resumen
Índice

Naveguei pelos sete mares por muito tempo, mas a responsabilida o sangue é uma marca que carregamos através dos sés, por on formos. Não importa o tempo que moremos hibernando... Ele aflora, impetuoso e latente, a veia pulsa ntro do corpo, impondo-lhe a vida. Encontrei o amor da minha vida quando tudo parecia vazio, e, eu juro a vocês, farei tudo para protegê-lo. "Navegue igo, meu amor... Até à beira do profundo Se entregue a mim, sem temor E te darei o mundo"

Leer más

También te gustarán

Comentarios Deje su reseña en la aplicación
No hay comentarios
14 chapters
Capítulo 1
Costa do Marfim – 1789 O navio que atracou no porto não era esperado por nenhum dos negociantes do local, muito menos pelo Governador, o Duque de Limoges. Uma cidade francesa famosa por suas porcelanas e artistas. Piérre de Telliard deixara a França quando a esposa falecera, vendo na terra longínqua de sua pátria, a oportunidade de criar suas duas filhas numa atmosfera menos conturbada que a do seu país naquele momento. A doença que acometera sua mulher um ano antes, já causara uma devastação na alma das meninas, e agora o risco da monarquia ser deitada por terra, traria um sofrimento ainda maior à mente de duas jovens saídas dessa perda recente.
Leer más
Capítulo 2
– Papai? – A menina de cachos loiros fixou seu olhar no governador sentado à mesa de carvalho. – Entre, Emilie – disse bondosamente, virando-se para a filha. Emilie, ao contrário da irmã, ostentava duas contas azuis quase transparentes como olhos, que juntamente aos cachos loiros, davam-lhe um ar angelical. – O que há traz tão cedo, aqui?– Vim me desculpar por ontem, eu deveria ter alertado Ellen...Ele apreciou o semblante da filha por instantes e com um sorriso, acrescentou:

Leer más

Capítulo 3
Rosas...O quarto dela cheirava a rosas, as mesmas que estavam sobre a cômoda quando ele entrou. Depositando-a na cama, ainda desmaiada. A lama que fatalmente denunciaria que ela estivera fora, e como esconder aquilo? A mente dele trabalhava numa solução, nos violetas que buscavam por respostas no cômodo. Silencioso, como as sombras que se apossavam do quarto, ele abriu a cômoda, tomando uma peça limpa de dormir entre os dedos, na certeza de que se a criada a acordasse nas primeiras horas do dia, nada encontraria além da moça entre os lençóis macios. Lençóis sobre os quais ele se sentou quando começou a despi-la. Quando a sua pele fria tocou a quente dela, fazendo-o estremecer. Os dedos correndo lentamente sobre o corpo de menina exposto, como o desejo tornava seus
Leer más
Capítulo 4
Os dedos corriam firme sobre as teclas brancas e pretas, mesmo que o olhar do Conde a fitasse atentamente, mas Emilie era diferente de Ellen... Não tremeria sob os violetas, não havia motivo para isso. Apenas se concentrava na melodia.– O conde me parece distante... – interveio, baixo, o Duque. – Algo o preocupa?– O cacau... e sua filha. – Desviou o olhar de Emilie para o homem ao seu lado, pego de surpresa pelas palavras de Alejandro. – Emilie? – Não teve como não estranhar. Era a primeira ve
Leer más
Capítulo 5
Pingos grossos de chuva, o chão sob seus pés afundava a cada passo, encharcando–lhe a barra da roupa. Chocolates se estreitavam na escuridão e seu corpo tremia a cada novo disparo do céu sobre sua cabeça, porém, já chegara até ali e não voltaria, mesmo que seus ossos estivessem banhados pela chuva. As pequenas mãos afastavam os galhos de árvores que surgiam pelo caminho enquanto penetrava ainda mais na floresta ao redor da casa. Seus pés negros pela lama. O barulho incômodo das gotas nas folhas e o ranger do vento frio entre as copas das árvores... Talvez devesse voltar, estreitou o corpo entre os braços. Os dentes tremeram quando avançou mais um pouco e a tempestade desabou de vez sobre el
Leer más
Capítulo 6
O vento soprava forte por entre as velas pretas do Allera quando Alejandro pisou na proa do navio. O cheiro de maresia, que há muito havia abandonado seus sentidos, invadindo sua alma. As mãos crisparam sobre a amurada enquanto fechava os olhos e sorvia aquele aroma acre. Era bom estar de volta... Mesmo que parte de seu coração estivesse em terra.– Capitão, estamos prontos para partir... – anunciou Rámon ao seu lado. – Basta apenas ordenar.Os cabelos pretos ricocheteavam em seu rosto conforme tomava a direção do castelo da popa. Os violetas que foram à terra sem encontrar os cho
Leer más
Capítulo 7
Não havia nada num raio de muitas milhas, nada que lhe trouxesse paz ao coração. Deitada sobre os lençóis bem cuidados, ela fitava o céu estrelado, que vira surgir aos poucos, por trás da cortina de lágrimas que não deixava seus olhos. Então, as notas flutuaram até seu ouvido, fazendo tremer cada célula de seu corpo, mas de um modo muito dissonante do que era antes... Os lábios tremeram, embebidos num gosto acridoce. O gosto da desilusão.O barulho da porta se abrindo, mesmo que levemente, não a tirou de seu torpor. Não tencionava ter contato com o mundo a sua volta, não naquele momento, mas seu visitante parecia não querer passar
Leer más
Capítulo 8
– A febre já cedeu? – disse ao entrar na cabine com uma nova terrina de água fresca.– Apenas um pouco... – Os violetas se voltaram para o rosto suado. – Ela delira o tempo todo – explicou ao mergulhar o tecido de algodão na terrina e torcê-lo, restirando o excesso, levando-o à testa de Ellen em troca do outro.– Faremos uma nova sangria, se não baixar... – sugeriu Rámon.– Não pense que gosto disso... – Encarou o irmão em violetas brilhantes.–
Leer más
Capítulo 9
– Ela já foi? – Sorriu-lhe malicioso, o imediato, ao entrar a segunda vez na cabine aquela manhã. – Sim, você a assustou – rebateu Alejandro enquanto ajeitava o lenço sobre o pescoço. – Duvido muito – contrapôs firme Rámon. – É mais fácil você ter feito isso... – Impossível, ela está apaixonada, meu caro. – Vestiu o casaco com um sorriso ainda sob seus lábios. – E você... – deixou no ar, sabendo que os olhos violetas do irmão parariam sobre ele. – Leer más
Capítulo 10
 A noite tendia para seu fim quando a porta da cabine se abriu e o vulto se esgueirou para dentro, em passos firmes. – O que quer aqui? – indagou após minutos em que só o silêncio entre eles reinou absoluto.– O que fez ao corpo dela? – a voz melodiosa e envolta em rosas, perguntou.– Você não quer saber sobre isso... – rebateu sério. – Acredite em mim.– Por que deveria? – ela despe
Leer más