Cidade Cinza - Saga Estática - parte 2

Cidade Cinza - Saga Estática - parte 2PT

Mich Graf   concluído
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
23Capítulos
556leituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Após deixar Sunfalls, Louisa passa a viver em Ghonargon com seu irmão Henrik. Zya permanece desaparecido e Lou começa a se cansar de esperar por ele. Elya e o DPTG voltam para a cidade cinza a fim de caçar Lou e Zya, assim como todos os invocadores que ele puder apreender - e matar. É dado início à caçada aos detentores de dons, àqueles que Elya julga serem uma contravenção da natureza.

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
23 chapters
1. Tempurás e Agonia
Ela sentava-se na beira da mureta do prédio, olhando o fluxo de pessoas e veículos lá em baixo. O vento era forte ali em cima, varrendo seus cabelos para trás grosseiramente, enregelando suas pernas cobertas por um pequeno short preto e meia-calças da mesma cor. Louisa enrolava os dedos na barra do blusão de moletom de Henrik, absorta na visão do alto, das centenas de luzes piscando por todo o lugar a perder de vista. Nos primeiros dias ela se cansara de tentar ver as estrelas dali; o excesso de luz, poluição e nuvens carregadas não deixava passar nada. Os olhos azuis já não eram tão inocentes, não viam bondade e gentileza em quase nada e eram espertos demais para deixar passar um detalhe sequer, por mais ínfimo que fosse. Louisa poupava seus sorrisos, dando-os apenas aos irmãos e ao primo. Já não morava mais com Aiden e Genesis: Henrik e ela permaneceram apenas uma semana com os dois e então foram embora, pois acharam um apartamento três ruas distante deles. O lugar era bom, embora
Ler mais
2. Azul Inexistente
Dezenas de enormes peças de carne a serem carregadas os esperavam no caminhão, umas em cima das outras. Genesis amarrou firme o avental grosso e branco antes de calçar as luvas para iniciar o trabalho. As botas pesadas vez ou outra o desestabilizava, deslizando no chão úmido do galpão. Henrik, ao seu lado, estalava os dedos, pronto para trabalhar.— Quem precisa de academia quando se trabalha num açougue onde o chefe é um maldito que manda dois fazerem o trabalho de dez? — Resmungou Gen.— Ah, Gen. Levantar um peso extra é bom. — Riu Henrik, já descarregando a primeira peça e colocando-a por cima do ombro.— Parecem bois inteiros aí.Henrik já ofegava quando voltou, após pendurar a carne em um gancho. Genesis ainda estava parado, com a mão em uma das peças. — Cara, pega logo isso. Quando terminarmos, já podemos ir embora. Genesis encarou o irmão à sua frente; não era tão alto quando Gen, mas quase. Enquanto Genesis tinha cheios cabelos pretos, Henrik ti
Ler mais
3. Sorte de Olhos Azuis
A luz prateada do dia nublado entrava pelo buraco no telhado, de onde ainda pendiam telhas e lascas de madeira pontiagudas, bem no centro da sala. A parte de baixo da casa era feita de um único cômodo grande, escura e com paredes descascadas que um dia foram de um azul escuro penetrante, chão de madeira ressecada e riscada e janelas obstruídas com cortiça bege e velha. Mesas de escritório se apoiavam nas paredes, bambas e enfraquecidas pelo tempo. Uma cadeira de ferro com assento e encosto de tela estava empurrada a um canto, sozinha. Abaixo do buraco no teto, um tapete se desfazia pelo tempo, sujeira e água que se acumulava nele, desfiando e apodrecendo. O canto que um dia foi a cozinha não estava em melhores condições, tendo uma geladeira completamente enferrujada com a porta pendendo, onde uma família de ratos morava, um fogão no mesmo estado e os armários estavam no chão, quebrados. A escada de alvenaria estava inteira, com seu corrimão de ferro seguindo degrau por degrau para c
Ler mais
5. Chamas Tribais
Lou apertou o xale com as mãos, fechando-o mais para não ser atingida diretamente pelo vento e garoa gélidos. Ela andava pela calçada prestando atenção nos sapatos vermelhos estilo Lolita que usava, evitando olhar para as outras pessoas e já se arrependendo de ter escolhido uma saia colegial vermelha com rendas para ir trabalhar, pois o vento enregelava suas coxas sem piedade. Talvez uma meia-calça grossa tivesse dado um jeito de bloquear o frio. Ao passar por um beco com um estranho grupo formando uma roda, Louisa apertou a bolsa por baixo do xale, involuntariamente. Os caras ali eram maltrapilhos e sujos, e sorriram demoniacamente quando a viram passar. Ela já não sentia aquela urgência de chegar logo em casa quando saía do trabalho tarde da noite, com medo de encontrar alguém que a fizesse mal em algum dos milhares de cantos escuros da cidade. Sabia que não seria ela a se dar mal numa ocasião dessas. O barulho da cidade – carros, ônibus, pessoas – a atordoava levemente,
Ler mais
6. Subterrâneo
O vento arrastava o lixo que se juntava nas sarjetas pelo caminho, levando-o para o meio da rua. Já era tarde da noite quando Aiden saiu de casa com um papel verde neon em mãos contendo apenas um endereço que, pelo que sabia, era uma rede de túneis abandonados. Faltava pouco para chegar ao local e a ansiedade falava bem alto, presente em cada batida de seu coração.Naquele mesmo dia atendeu uma menina na livraria, provavelmente a oriental mais bonita que ele já vira: cabelos longos, lisos e escuros como a noite, olhos estreitos e brilhantes emoldurados por sobrancelhas interrogativas e cílios grossos de maquiagem, lançando sombras nas maçãs do rosto quando ela abaixava a cabeça. Aiden observava atentamente quando ela entreabria os lábios ao ler as sinopses dos livros pelos quais se interessava, voltando a serrá-los quando se voltava a Aiden para que ele colocasse os livros escolhidos numa cesta igual às de mercado. Ela franzia a pele marfim do nariz de ângulos retos e delicado
Ler mais
6.1 Subterrâneo
Ela deu dois passos – o bastante para estar quase colada nele – e tocou os lábios dele com a ponta do polegar, engolindo em seco.— Sua boca se parece com a do Tom Hardy. Sim, vamos dançar. “Quem é Tom Hardy?” Aiden se perguntava, mas não o fez para Rani. Ele segurou a mão dela e a seguiu para fora do esconderijo, esgueirando-se por entre as dezenas de pessoas ali. Em um canto afastado deles alguém tocava em um aparelho de discotecagem que aparentava ser caro. Aiden não conseguia ver quem estava atrás, apenas o brilho de tinta neon nas roupas da pessoa. Quando estavam quase no meio de todos, Rani se virou para ele e iniciou uma dança graciosa, tímida no início. Conforme se aproximavam mais, Aiden colocou suas mãos na cintura dela e arriscou dançar como os outros caras dali dançavam, vendo que não era tão difícil assim, logo sincronizando seus movimentos aos dela. Rani ainda tinha em mãos o copo azul, tomando dele de vez em quando. A bebida já estava que
Ler mais
6.2 Subterrâneo
— Você quer me levar para a cama, é isso?— Não exatamente. Tinha em mente ir a um cinema ou algo assim. — Aiden sentiu seu rosto ficar rubro e agradeceu por Rani estar deitada em seu ombro, sem vê-lo.— À essa hora só tem cinemas de filmes adultos abertos.Aiden suspirou, cansado. — Eu te levo para sua casa. Onde você mora? — Minha casa é o mundo.Rani de repente ficou mais pesada, escorregando a cabeça do ombro dele. Aiden a segurou, passando um braço por trás dela e a deitou no degrau, desmaiada. — Ah, que ótimo... Havia acabado de conhecê-la e já tinha de lidar com esse tipo de situação. Não sabia nada sobre Rani, sequer sabia para onde levá-la naquele estado. Um desespero crescente brotou em seu peito e Aiden pensou em entrar e procurar o tal Taru, mas não podia deixá-la sozinha. Ele pegou o celular e discou o número de Genesis, mas ele não atendeu; deveria estar dormindo. Passou os dedos nos cabelos dela,
Ler mais
7. Desenrolar Positivo
De dentro do escritório do Distrito Policial, Elya observava seus homens tentando conter a manifestação violenta que havia estourado na avenida em frente ao prédio. Os manifestantes jogavam pedras, pedaços de madeira e tudo o que encontravam pela frente que poderia ser arremessado nos policiais em formação na frente do Distrito, protegendo-o de invasões. Ainda chovia um pouco, apenas algumas gotas finas que embaçavam o prédio de vidro e escorriam por ele melancolicamente. Elya estava em um dos últimos andares do edifício alto, observando a cena se desenrolar como que protagonizada por formigas. Viu claramente quando um coquetel molotov fora arremessado na parede de policiais e estourou nos escudos transparentes, fazendo-os recuarem devido ao álcool que ardia em chamas aos seus pés. A multidão gritava coisas que ele não ouvia com clareza e, sinceramente, não queria saber o que gritavam. Ele alisava a longa trança castanha posta por sobre um ombro, distraído. Sentia a dor lat
Ler mais
8. Fora de Casa
— É agora, vou sair de verdade. Prometo.Adelwise estava parada em frente à porta havia quase uma hora, com a mão na maçaneta. Sua respiração secava a garganta e rasgava os pulmões de nervoso. Adel abaixou a cabeça e escondeu-se atrás dos cabelos curtos cor de laranja, cansada. Desesperava-se só de pensar em sair e ter de enfrentar dezenas de pessoas pelo caminho até a farmácia – à dois quarteirões dali. Queria apenas ficar em casa e pintar seus quadros com imagens de seus sonhos ou fazer mais almofadas, mas Anmi não estava disponível naquele dia e Adel precisava de algumas coisas urgentemente. Sentia-se extremamente mal por ter de depender tanto de Anmi, que tinha mil e uma coisas para fazer todos os dias e ainda achava tempo para ajudá-la com os problemas provenientes de seu dom. Adel sentia uma gota de suor escorrer por sua coluna e ser absorvida pelo cós da calça jeans, causando arrepios nela. Dali da porta ela já sentia seu dom entrando em ação, captando os sentimen
Ler mais
9. Fantasma em Chamas
A fumaça que se desprendia do cigarro formava coisas estranhas no ar gelado. O inverno chegaria com força naquele ano, dando indícios disso já naquele momento; o frio deixava as ruas quase desertas, o vento cortava o que encontrava pela frente, uivando por entre os prédios e levando o lixo de Ghonargon consigo. Zya levou o cigarro à boca novamente, distraído enquanto olhava pela janela do andar de cima da casa quase em ruínas, observando a rua completamente vazia. Raramente via alguém passar por ali, um veículo ou outro a atravessava, mas nunca se demorava. O ar gélido congelava a pele por baixo da jaqueta escura com as mangas arregaçadas, deixando-a com um tom arroxeado de frio. Ele conseguia ver o reflexo da tatuagem em seu peito pela jaqueta aberta, como se fosse alguma cópia espectral sua refletida no vidro embaçado da janela. Estava escuro demais naquela noite e, embora Zya preferisse permanecer no breu, acendeu uma vela para iluminar o andar superior da pequena casa.
Ler mais