Estilhaços De Mentiras

Estilhaços De MentirasPT

Dayse Ruas  concluído
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
29Capítulos
739leituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

A vida de Sarah Mitchell se torna uma bagunça quando precisa substituir o seu pai na empresa da família após uma tragédia. Por causa disso, o seu caminho se cruza com a atraente e intrigante Alexandra Ayers. Apesar de não admitirem os seus sentimentos, elas mergulham de cabeça em uma relação de paixão e luxúria. As coisas estão relativamente bem até que Sarah descobre um terrível segredo de Alexandra. Até onde você iria por amor? Quais são os seus limites para o perdão? Como definir o que é amor e o que é ódio? Sarah passa a enfrentar um drama pessoal e o seu caráter é colocado em xeque!

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
29 chapters
PRÓLOGO
Olhei diretamente para o rosto do homem: ele estava com os olhos entreabertos e lágrimas desciam lentamente por sua pele pálida. Quanto mais ele tentava, sem forças, me tirar de cima do seu corpo, mais eu apertava as minhas mãos em volta do seu pescoço. Eu o queria morto e em breve ele estaria.Mantive a frieza. Nunca havia sentido tanta raiva por alguém.— Por favor, eu tenho uma filha. Pare! Por favor, ela não pode me perder. — O homem insistia em falar, com a voz entrecortada, falha, sem fôlego. Mas isso não me abalou. Falando com sinceridade, aumentou ainda mais o meu ódio.— Ela não... Não vai conseguir viver sem mim. Eu...Ele não conseguiu completar a última frase. Não parei de esganar até vê-lo sem vida sob as minhas mãos, sob o meu corpo.— Você a ama? —
Ler mais
HALLOWEEN (PARTE 1)
SARAHEm frente a enorme janela de vidro do escritório, eu olhava o pôr do sol entre os prédios de Nova York. O céu estava lindo, pincelado em tons de azul, amarelo e rosa. Não pude deixar de pensar que daria uma bela pintura. Nostalgia era o que eu sentia. O chegar da noite sempre lembrava o meu pai. Suspirei profundamente, sentindo a conhecida dor em meu peito.— Que saudade! — Disse, com pesar.O horário comercial chegava ao fim e o ambiente estava calmo. Observei a sala aconchegante e espaçosa à minha volta. O carpete cinza por todo piso acomodava a mesa e, ao lado esquerdo, um confortável sofá bege. Era fácil visualizar meu pai nesta sala; tinha muito dele aqui. Havia, também, uma mesa menor no canto direito, próximo do frigobar, onde ficavam algumas bebidas e guloseimas. Voltei para a mesa onde estavam abertos os jornais de meses
Ler mais
HALLOWEEN (PARTE 2)
Virei meu quarto shot de tequila após quarenta minutos, não que eu estivesse contando, desde que aquela linda mulher me encarou e desapareceu. Precisava relaxar antes de ir à sua procura. Sentada no banco alto do bar, ainda conversava com Casey que, mesmo insistindo, não disse o que havia acontecido entre ela e Brenda.Chris apareceu pedindo a mesma bebida que a nossa e virando de uma vez antes de nos informar que havia encontrado o restante do grupo. Apontou para um lugar mais adiante e pude visualizar Luke e Haley, fantasiados de vampiros. Dylan era o Freddy Krueger e Janet estava de bruxa. Brenda não estava com eles. Chris disse que só a tinha visto no momento em que chegamos.— Ok, Casey, agora estou preocupada! — Falei, encarando.— Vamos dar uma volta e procurar por ela. — Ela respondeu subitamente me puxando entre o aglomerado de pessoas.Chris sequer teve a chance de nos ac
Ler mais
FRAQUEZA
Casey acabou dormindo em minha casa após sairmos da desastrosa festa de halloween e decidiu passar o fim de semana comigo. No dia seguinte, ela lembrou sobre a linda mulher e eu precisei repetir algumas vezes que não havia acontecido nada entre a gente. Depois disso, fiz o possível para não tocar mais no assunto.Na segunda-feira, antes de irmos para o trabalho, Brenda apareceu em minha casa e elas tiveram outra discussão. Eu não interferi, apesar de conseguir ouvir palavras soltas, mesmo estando dentro do quarto com a porta fechada. Casey só tocou no assunto quando estávamos a caminho do escritório:— Brenda disse que está namorando. — Ela relatou, quebrando o silêncio, e eu senti meu estômago revirar. Suspirei, apertando com força o volante, mas não disse nada. Ela estava visivelmente chateada e não percebeu o quanto aquela frase ha
Ler mais
AMIZADE
Acordei no sofá do escritório com Brenda me chacoalhando e repetindo meu nome diversas vezes. Enquanto ela reclamava sobre eu ter deixado todos preocupados por não ter ido para casa e meu celular estar desligado, eu tentava, a todo custo, me recompor. Recordando a noite anterior, me senti envergonhada diante de minha amiga que demonstrava tanta preocupação. Amaldiçoei Alexandra por me beijar e a mim por desejar que ela o fizesse.Sentei atordoada, tentando organizar os pensamentos. Brenda, ao meu lado, me olhava curiosa e espantada. Ela esperava por respostas que eu não daria.O telefone tocava sem parar e sem dizer absolutamente nada fui até ele.— Alô! — Atendi de forma rude.— Bom dia! Por gentileza, a Senhorita Sarah Mitchell está? — Uma voz feminina e nasalada perguntou do outro lado da linha.— De onde fala? — Perguntei pronta par
Ler mais
CONTROLE
Vingar-se de alguém nos traz aquele sentimento de poder, de superioridade, ou só pensamos estar dando uma lição para aquele que nos causou algum mal. Eu não tinha motivo para me vingar da Casey. Nem mesmo Brenda ficou chateada com ela, mas não nego que fiquei um tanto irritada por ter recebido uma informação falsa. Informação essa que me fez passar por ridícula. Até aceito que eu deveria ter sido um pouco mais atenta e não ter me deixado ir pelas ideias da Casey, afinal, eu também conhecia bem a Brenda e obviamente ela não iria namorar outra pessoa que não fosse a Riley. Assumi minha parcela de culpa pelo enorme desentendimento e assumi que queria, sim, dar o troco na Casey, que estava, nesse exato momento em minha frente, largada no sofá, com fones de ouvido sobre seus cabelos castanhos e perdida em outro mundo.Espiei de longe pela janela da minha sala e pu
Ler mais
ATRAÇÃO
Alexandra entregou a chave do carro para o manobrista em frente ao Scalini Fedeli. Assim que nos acomodamos, ela decidia, com paciência, qual vinho seria melhor para acompanhar nossos pedidos e eu observava o aconchegante restaurante. Ela havia escolhido a parte mais reservada do lugar. Apenas mais duas pessoas estavam em outra mesa, ao que parecia, um casal, e pelo o que pude ver, já tinham a conta em mãos. Calculei mentalmente que, em mais alguns minutos, seriam apenas eu e ela.As mesas, impecavelmente arrumadas com toalhas brancas, taças, velas e uma rosa no centro, deixava tudo ainda mais charmoso. Definitivamente, era o tipo de ambiente que combinava com ela, e claramente, não tinha nada a ver comigo! Sempre gostei de lugares mais agitados e, de preferência, com uma pista de dança, como a boate Lavo, o lugar onde nos conhecemos.— É calmo aqui. — Comentei assim que o maî
Ler mais
CONFISSÕES
Despertei com o barulho de um trovão. Apertei os olhos por causa da claridade que invadia meu quarto por uma fresta da cortina mal fechada. Parecia que o céu estava desabando na cidade de Nova York. Olhei para o relógio sobre o criado mudo: 09:43am.— Droga. Estou atrasada! — Comentei. Respirei fundo e virei para o outro lado.Sorri de leve ao ver uma Alexandra esparramada na cama, nua, com os cabelos bagunçados e a boca entreaberta. Ela ressonava tranquilamente, coberta apenas até a cintura. Mordi meu lábio inferior e a toquei levemente com o indicador, admirando a tatuagem negra que descia por suas costas, iniciando com algum desenho tribal e finalizando com círculos. Retirei cuidadosamente seus cabelos para observar outro desenho na nuca. Era o símbolo do infinito.Eu tinha visualizado tudo isso na noite passada, mas não tive tempo para apreciar. Durante
Ler mais
CIÚME?
Depois de um fim de semana perfeito com Alexandra, voltei ao trabalho mais disposta. Sendo sincera, voltei para a vida mais disposta! Comecei a resolver todas as pendências e, no meio da semana, faltava apenas uma coisa: o encerramento da empresa. Não queria fechar a JKM, mas, infelizmente, não tive opção.Eu tinha dois objetivos importantes: o primeiro era descobrir a verdade sobre a morte do meu pai. O segundo era colocar em prática um dos seus maiores desejos que era o projeto com o qual ele estava trabalhando há anos. E para esse, comecei a dar início imediatamente.Saí do meu escritório e passei calada por minha assistente. Como eu esperava, ela me seguiu pelo corredor. Paramos de frente ao elevador e, assim que a porta abriu, entramos. Ela me olhou da cabeça aos pés, sem nenhum disfarce. Eu ainda não saberia dizer se esse era o jeito de ser dela ou se realmente ela tentava,
Ler mais
AUTODOMÍNIO
ALEXANDRAHenry Russell, um de homem de 45 anos de idade, era calmo e calculista. Os olhos negros penetrantes passavam confiança em todas as suas palavras proferidas. A barba sempre feita permitia a visão do seu rosto quadrado. A cor jambo de sua pele harmonizava com os lábios carnudos e nariz afilado. O corpo definido em 1,83 metros de altura e o semblante fechado intimidava a maioria das pessoas, mas não a mim. Filho de um dos caseiros ficou órfão aos dois anos de idade e fora adotado por minha família. Era o melhor amigo do meu pai e ele o considerava como um irmão. Amante das artes marciais, ele fazia questão de treinar comigo quase todos os dias. Sendo filha única e após a morte dos meus pais, ele era o mais próximo do que eu tinha de uma família.Henry havia deixado claro que seria uma burrice fazer a fusão. Ignorei, mais uma vez, os seus conselhos n
Ler mais