Munir

MunirPT

Evandro R Saracino  En proceso
goodnovel16goodnovel
0.0
Reseñas insuficientes
11Capítulos
362leídos
Leer
Añadido
Denunciar
Resumen
Índice

Em um futuro distante, o planeta Yurok é disputado por potências intergalácticas, mas, sem dar importância a questões políticas, o Xerife Munir faz o seu melhor para manter a capital Baracoa em paz. Mesmo ignorando as questões políticas, o xerife é lançado em uma trama de intrigas que pode mudar o futuro do planeta.

Leer más

También te gustarán

Comentarios Deje su reseña en la aplicación
No hay comentarios
11 chapters
Prólogo
A moto flutuante, modelo Akhal Teke, ergueu uma nuvem de poeira, quando a xerife Carol girou o veículo em noventa graus, parando, bruscamente, nas proximidades do Bairro do Óleo, um antigo entreposto comercial fora da capital, Baracoa, que, esquecido com a mudança das rotas mercantis, se tornara o abrigo de foragidos, rebeldes e imigrantes ilegais, vindos de outros planetas.A mulher olhou para a rua deserta à sua frente, imaginando como, minutos atrás, antes de sua nuvem de poeira ser vista pelos habitantes, aquele local devia estar repleto de vida. Tentando convencer a si mesma de que estava do lado certo da justiça, disse:- Bom... Quem não deve, não teme.Ela sabia que essa era uma verdade relativa, afinal, Baracoa não era uma cidade justa e as leis pareciam ser flexíveis, dobrando sempre para o lado mais capaz de gerar lucros, ou mais próximo dos interesses da Repúb
Leer más
1. Afonso
Cansado, o operário removeu o capacete de escafandrista, assim que foi puxado de volta à superfície por um colega de trabalho, exibindo um rosto redondo e benevolente, com a pele lisa de quem se barbeia todos os dias pela manhã. Seu nariz não passava de um pequeno detalhe no centro do rosto e a boca uma linha discreta, sem lábios, entretanto os olhos eram grandes e azuis. Devido ao esforço, seu cabelo loiro estava colado na testa e as bochechas vermelhas.Romeu, o colega perguntou:- E aí? Qual a situação?Afonso coçou os cabelos louros, pensando no trabalho que teria ao preencher o relatório daquela missão submarina.- O equipamento tá desgastado, nada fora do normal, vai aguentar, sem problemas, até a próxima manutenção. O maior problema é que o nível do mar está baixando mais rápido que o esperado. Se
Leer más
2. Hilde
A jovem loura, de cabelos longos, cujos cachos serpeavam por suas costas até a linha da cintura, estava nua e observava atentamente seu reflexo no espelho. As coxas grossas e musculosas, os pelos pubianos que, da mesma cor de seu cabelo, cintilavam, o abdômen rígido com musculatura definida, os seios pequenos e duros, com mamilos discretos, quase da mesma cor de sua pele alva, salpicada por centenas de sinais. Os ombros largos e fortes, assim como os braços. Os olhos pequenos e verdes, o nariz pequeno, mas de traços fortes, assim como sua boca, que se mantinha em um constante sorriso sarcástico. Hilde olhava para seu belo rosto, depois para o corpo, modelado por seu treinamento constante, mas não sentia orgulho, havia até um certo quê de indiferença pelo que via. Desde que retornara para Yurok, retornando para casa de sua mãe, tinha de gastar horas se maquiando, escondendo suas feições, preparan
Leer más
3. Christopher
A porta da casa estava escancarada, mas o assistente de xerife hesitava, parado, do outro lado da rua. Não queria encarar uma cena de crime, pois, apesar de ser parte da sua função, era sensível e cada tragédia teimava em ficar registrada em sua memória, para lhe assombrar durante a noite, por isso, se preparava olhando para “o famoso céu de Yurok”, como sempre dizia.Aos trinta e cinco anos, Christopher ainda tinha um rosto jovem e o fato de carregar sempre um sorriso leve no rosto, ajudava a causar essa impressão. Não usava barba, mas carregava um fino bigode sobre os lábios grossos. Seu nariz era largo e as narinas bem abertas. Os olhos, redondos e escuros sempre deixavam o interlocutor à vontade, pois, passavam a segurança de que tudo o que era dito tinha sua importância. Contrariando a moda da Capital, o assistente não usava chapéu, exibindo com orgulho seu
Leer más
4. Maureen
O relógio da torre soou, pela sexta vez, indicando que Maureen estava atrasada. A dançarina seria capaz de jurar por cada um dos deuses da Tríade que saíra de casa no mesmo horário de sempre e ela não estaria mentindo. O que jamais contaria a ninguém é que entrara em uma chapelaria na Rua do Rio e, após quase quarenta minutos, deixara a loja com o mesmo chapéu e sem nenhum embrulho nas mãos.Maureen cortara caminho pelas vielas do Bairro da Feira, tentando encurtar o caminho, mas ainda tinha algumas centenas de metros a percorrer antes de chegar a seu objetivo. Para concluir sua jornada até o Saloon Juanito Três Dedos com menos atraso, a dançarina ergueu sua volumosa saia até a altura dos joelhos, ergueu do chão uma das pernas, fazendo um ‘quatro’ e tirou um dos sapatos. Colocou o pé descalço, cujas delicadas unhas estavam pintadas de verde
Leer más
5. Munir
Escurecia e as lâmpadas da delegacia continuavam apagadas. No mural de avisos, alternavam-se os cartazes de procurados, exibindo as últimas atualizações do sistema global. Não havia ninguém na cela de detenção provisória, pois, a atual gestão estava mais interessada na parte dos cartazes em que a palavra “morto” aparecia. Mas, apesar da tranquilidade reinante, não havia silêncio.Quem entrasse na delegacia veria, logo na primeira mesa, as solas da famosa bota com salto carrapeta. De cano alto e em couro de cobra, com padrões em preto e tons claros de cinza, o artigo era único em Baracoa, quase tão famoso quanto o homem que o calçava. A segunda coisa que o visitante perceberia, era o ronco do proprietário da bota. O som alto e inconstante, característico de quem sofre de apneia.O dorminhoco vestia calça jeans azul escura, com pe
Leer más
6. Sakakibara
O homem tinha o cabelo curto, liso e preto, penteado para o lado e mantido no lugar por algum produto capilar extremamente superfaturado. Seu rosto tinha um formato ovalado e livre de marcas de expressão. Os olhos rasgados, incomuns em Yurok, deixavam-no com uma expressão desconfiada. A boca não passava de um traço reto e inexpressivo. Vestia um terno feito sob medida, confeccionado por um alfaiate que cruzara meia galáxia apenas para trabalhar em suas vestimentas. O caimento ajustava-se perfeitamente ao corpo de Sakakibara, que, apesar da sua vida cheia de compromissos sem sentido, como presidente fantoche de Yurok, ainda encontrava tempo para manter uma “silhueta presidenciável”, como costumava dizer. Estava sentado no salão de descanso do Palácio Presidencial Jardim Estelar, lendo um livro, cuja história, fictícia, contava as façanhas de um ladrão de bancos que aterrorizava os poderoso
Leer más
7. Ahillea
O centro de Baracoa e os bairros adjacentes eram um verdadeiro caos, tanto no o que diz respeito ao urbanismo, com suas quadras disformes, becos e vielas, quanto na questão humana, com fluxos intensos de veículos, que entupiam as poucas vias da região, largas o suficiente para comportá-los, e o grande número de transeuntes que, colocando as próprias vidas em risco, disputava lugar com os seus concorrentes motorizados.Por outro lado, os bairros do subúrbio semirrural eram tão diferentes da região central que pareciam estar em outro planeta. As ruas eram largas e só não eram tranquilas por culpa da correria e do barulho das crianças que brincavam na terra. Viam-se galinhas, cavalos, cachorros, gatos e, eventualmente, até vacas, passeando livres, surgindo por entre as casas e invadindo quintais alheios. Mas, apesar da atmosfera campestre, a situação financeira das pessoas qu
Leer más
8. Pierre
A mão esquerda do pianista subia e descia em um movimento preciso, como um metrônomo, extraindo do instrumento um constante “tuuu-dá tuuu-dá tuuu-dá tuuu-dá”, enquanto a mão direita passeava pelas teclas mais agudas, que recebiam beijos rápidos das pontas dos dedos do artista.As mesas do Juanito Três Dedos estavam todas ocupadas, mas mesmo assim, mais pessoas empurravam a porta bangue bangue, encontrando um lugar para se acomodar, fosse apoiando um braço no balcão ou recostando em uma pilastra. A luz clara do final da tarde fora substituída pela luz amarelada dos candelabros, tornando o ambiente soturno, apesar da música animada.Pierre ocupava o mesmo banco, sem interagir com ninguém, fazia uma hora, com se aguardasse a chegada de alguém, tamborilando com os dedos contra o balcão, em movimentos compulsivos. Observava atentamente cada indiví
Leer más
9. Christopher e Munir
A moto Coby Welsh seguiu, em alta velocidade, para fora de Baracoa, deixando para trás o subúrbio e encontrando o horizonte sem fim, das terras devastadas pela seca. Christopher acelerava, em direção ao nada, permitindo que o vento modelasse seu cabelo crespo, enquanto tentava organizar os pensamentos.O assistente de xerife respeitava Munir, mas não poderia dizer que gostava do homem. Não sem mentir. Tentando usar o conhecimento que tinha sobre a forma de pensar do xerife, Christopher tentava justificar, de maneira racional, como permitir que ocorressem atrocidades, como a tortura daquela mulher, poderia ser algo que estivesse do lado da lei e da ordem. A areia castigava o lenço e as especulações se tornavam divagações.Pensava: “Como seguir a lei, por si só, pode ser uma coisa boa, quando os legisladores não trabalham, necessariamente, em prol de um bem comum
Leer más