A Dama da Morte

A Dama da MortePT

Jéssica Cardoso de Oliveira  Completo
goodnovel16goodnovel
0.0
Reseñas insuficientes
49Capítulos
1.3Kleídos
Leer
Añadido
Denunciar
Resumen
Índice

Um romance gótico de Era Vitoriana, sobre uma médium e atriz do sinistro Cabaret de la Mort chamada Aurora Morwenna. Após enlutar por causa do esposo e filho, ela recebe uma missão de embarcar em viagens ao redor do mundo para realizar investigações paranormais em locais possuidores de relatos sobre fantasmas, aparições e eventos sobrenaturais. Então ela precisará enfrentar a sua pior assombração: a depressão. Após conhecer o amigo Lord Pierre, sua vida mudará para sempre. Encontre lugares antes nunca conhecidos: castelos com fama de mal-assombrados, parques de diversões em que se vê o absurdo, cidades abandonadas pelas pestes, vilas sagradas onde há rituais indígenas, ilhas que parecem ter vida própria, além de rememorações do passado... Prepare-se para rever sua sanidade com as visões e o contato com o mundo dos espíritos da Dama da Morte...

Leer más

También te gustarán

Comentarios Deje su reseña en la aplicación
No hay comentarios
49 chapters
Capítulo 1 – O Cabaret de la Mort
“A fé cristã é uma grande catedral com vitrais divinamente pintados. Contemplando-os de fora, nenhuma glória vemos nem sequer podemos imaginá-la. Contemplando-os de dentro, cada raio de luz revela a harmonia de indescritíveis esplendores”. – NATHANIEL HAWTHORNE. Aquilo soava como um delírio. Era como se fosse parte de uma atmosfera onírica na qual se encontra um paraíso onde muitos acham seu caminho depois de estarem envoltos por uma névoa. Não é de se pensar que muitos procuravam o Cabaret de la Mort por trazer surpresas mórbidas aos seus fregueses naquelas noites em que se busca algo visto como anormal. Um tanto esquisito, curioso e ao mesmo tempo aterrorizante, que faz seus corpos tremerem e os seus dentes rangerem. É de se sentir arrepios. Nada mais inusitado que esperar sentar às mesas e ver uma sala lotada de caixões. Os retratos nas paredes de pedras negras e cinzentas celebravam artes de defuntos, de seres vampirescos e de espíritos talvez vingativo
Leer más
Capítulo 2 – A Festa dos Mascarados
A rainha Vitória enchia os olhos de emoção com a apreciação que tinha pelo teatro. Conheceu Aurora em belos palcos e teve o prazer de convidá-la para uma celebração na corte onde existiria uma festa de máscaras. Aurora lhe foi apresentada como uma atriz de sucesso, estando entre as figuras mais famosas da Inglaterra. Ela estava com uma máscara dourada cheia de enfeites sublimes, ondulados, pareciam até deixam a aparência da máscara como uma armadura metálica; havia umas penas nela negras esverdeadas, lembrando as aves mais raras dos jardins de deuses da mitologia grega e a maquiagem de seus olhos brilhavam como a lua, lembrava purpurina carnavalesca. Suas vestes contemplavam o ar arrefecido da noite nos bosques mais densos, pois eram pretas. Aurora ainda que estivesse de luto, – com o seu isolamento social – deixara um pouco tudo um pouco de lado para viver a magia de um convite raro desses. Era preciso refrescar os dias com um baile, por causa de uma convocação da rainha.Leer más
Capítulo 3 – O piquenique
Aurora tinha um vizinho chamado Lord Pierre. Ele era um talentoso artista; religioso, frequentava a igreja cristã e adorava compor músicas e escrever histórias com toques sombrios.Ele costumava a dizer que era um servo de Cristo. Que todas as vezes que ele se sentia vazio, clamava por ele, e confessava sua fé por onde passava. Ele era forte e corajoso, tinha um gosto pelas artes invejável, não costumava amar a vida de uma forma tão exagerada, mas, embora dissesse ser pecador, se humilhava para seguir o caminho do Salvador. E seus gestos de bondade eram agradáveis aos olhos de Aurora, que compartilhava bons momentos com sua companhia. Ele orava e sempre pedia bênçãos para sua amiga, dizia que ela era um presente de Deus.A madame se perguntava se ela um dia teria um dom assim, de ajudar as pessoas a se tranquilizarem. Não era fácil passar pelas provações que a vida d
Leer más
Capítulo 4 – As desventuradas
As irmãs de Aurora sempre disseram à ela que nunca se importaram com ela. Um fato triste de se ver, mas Aurora pensava que se elas tinham muito pouco amor por ela, que nunca tinha feito nada de mal para elas, pensava que elas se revoltavam sem motivo. Isso era realmente ruim.Elas já comemoraram em algumas festas juntas, lotadas de amigos delas. Para Aurora, era incrível como essas pessoas se reuniam nas noites para algo com sons tão fúteis e danças tão ridículas, sem classe, até mesmo onde postulava a indecência. Bebiam, faziam a festa até altas horas da madrugada e também jogavam.Aurora tinha muitos poucos amigos. Para ela, naquela situação, muitas pessoas que gostava e tinham consideração a haviam deixado de falar com ela. Talvez tenham a abandonado por causa de sua doença. Não é fácil estar com humor para baixo e viver d
Leer más
Capítulo 5 – O perigo
Na casa de Aurora começa-se a sentir um cheiro estranho, como se algo houvesse incendiado. De supetão, num estalo de dedos, Aurora que estava apenas cochilando, começa a tossir e se levanta com um pulo da cama, sentindo uma ameaça querendo cobrir seu corpo e penetrar suas narinas. E para o seu espanto, uma fumaça voraz estava prestes a entrar pela janela e a engolir como se fosse um monstro gigante. Bem, não era tão assustador assim, mas aquelas cinzas poderiam ser tóxicas para os pulmões da delicada mulher que fez abriu todas as janelas e portas da casa para ela ir embora.“O perigo deve estar rondando a minha casa. Devo pedir ajuda?” – pensou a dama - “Não quero incomodar ninguém, talvez o serviço de socorro da cidade não precise vir”. A primeira pessoa em quem pensou foi em seu amigo da vizinhança, mas pelo horário da noit
Leer más
Capítulo 6 – Vida ou morte
Aurora de repente ficou mais ansiosa. Não queria fazer tal coisa, mas preferiu ligar para as irmãs. Poderia ser uma questão de vida ou morte. Mesmo que a fumaça tenha passado, Aurora criava um pesadelo, para onde caía no próprio inferno mental. Estava trêmula, seu rosto estava pálido de medo por causa do perigo, mas sentia que não tinha escolha.Pegou o telefone e discou o número da casa de suas irmãs:- Alô? – atendeu a irmã caçula, com voz cansada, bocejando.- Aqui é a Aurora. Desculpe ligar tão tarde, mas não estou conseguindo dormir. É que senti um cheiro estranho e vi que tinha uma fumaça entrando na minha casa. Será que poderiam me ajudar?- Ah, não! O que é que você está pensando? Como pode nos ligar uma hora dessas! Você não sabe resolver seus problemas sozinha?&nbs
Leer más
Capítulo 7 – Os fantasmas
“Nós precisamos sonhar até o fim de nossas vidas... [...]. Podemos ver Deus em todas as coisas? Quando você precisa acordar e não escutar nenhum relógio, poderá ouvir vozes em sua cabeça: essa é a perfeição ou a imperfeição da Criação nessa Terra ou isso é o fundo penhasco onde nós estamos caindo como anjos invisíveis para voarmos com nossa imaginação em direção aos céus”. Eu costumava a sonhar com um grupo de ilusionistas na selva, às vezes. Não sei se seria clarividência, mas pressentia que algo mágico estaria para acontecer. Eu costumo olhar sempre em meu espelho - com molduras que lembram as iluminuras com seus arabescos tão bem desenhados, parecem galhos de árvore dançantes ao encanto do som suave da chuva - meus olhos
Leer más
Capítulo 8 – Um bom momento
Lord Pierre naquela tarde de uma primavera surreal, intensa e acolhedora, fazia um convite à sua querida amiga Aurora para tomar um chá em sua casa e apreciar boa música.Ele queria que ela se sentisse bem, pois sabia o que ela sofria. Pierre se colocava no lugar dos outros, se importava com os sentimentos alheios e apenas desejava o bem por onde quer que passasse.Com aquele convite, Aurora se sentiu lisonjeada e levou algumas partituras para tocar piano. Eles costumavam tocar músicas clássicas e outras bem animadas.O vento sussurrava vozes indecifráveis. A corrente do ar se desfigurava com o frescor das flores, como se fosse um pedaço cintilante da lua que transpassasse corpos celestes. O orvalho cristalino invadia suas narinas. Não era uma tarde triste, pelo contrário, havia mais ânimo ali, era algo animado.Eles pintavam alguns quadros juntos, faziam poesias e deixavam o lado da alm
Leer más
Capítulo 9 – A fonte dos desejos
Avistei um coelho branco pulando perto de minha casa, tocando a superfície do solo com maestria, de forma graciosa; e eu o seguia com meu volante entusiasmo; e as aves escuras, preenchendo a minha vista, contornando o verde pálido, buscavam as sementes caídas do solo para se alimentarem no alto das torres das árvores; enquanto o bosque descansava, em meio ao céu rosado, sendo protegido pelo brilho do sol, suplicando por ternura e por paz sem juízo; e então minha luta, cravada no ínterim mais sutil da minha vida, não se deixando levar pelas árduas derrotas, temendo o fim do mundo, substituindo a miséria das serpentes, me guiava até um local precioso, mais parecido com um humilde santuário, que me serviria de abrigo. Lá no bosque, encontrei uma fonte abandonada, seus ornamentos se espelhavam na folia celeste. Os musgos tomavam conta dela e se tornavam sua preferida paixão.N
Leer más
Capítulo 10 – O parque de diversões
“Nos tornamos dignos de escalar até reinos que nunca sabem o que chorar”. – Boccaccio. “Eu atravessei o mundo e não era para lhe ver novamente” – pensou Aurora. “Onde está Anna-Katharina Fiedler, a remetente da carta? Será que desapareceu?”- Vamos, vamos, não quero que perca o espetáculo que temos no parque. – disse uma senhora cujo nome era desconhecido até então. Sua aparência era jovem, audaz, talvez saudável, mas não tinha nada de assustador na figura humana.- Bem, qual é seu nome?- Nossa, não estamos tão atrasadas assim. Desculpe querida, permita-me que eu me apresente: sou aquela que lhe enviou a carta. Fico feliz com a sua presença, até acredito que vai ficar muito s
Leer más