Uma Segunda Chance

Uma Segunda ChancePT

Amanda Kraft  concluído
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
37Capítulos
1.2Kleituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

O que você faria se fosse um cientista, detentor de uma patente que revolucionasse a medicina, trazendo a cura para uma doença irreversível? Em Uma Segunda Chance, Daniel é esse cientista. Um jovem pesquisador do Instituto de Química da USP-São Carlos, atormentado pelos meios de comunicação, que fazem de tudo para ridicularizar sua pesquisa revolucionária. Cansado de lutar, após o falecimento de seu Mestre-Orientador na pesquisa, e a perda de Marina - seu grande amor - para o seu melhor amigo, ele desaparece misteriosamente sem deixar rastro. Entretanto Carol, uma graduanda em Química, que em criança fora atormentada por visões que nunca pôde entender, descobre uma foto antiga do rapaz, escondida em um livro de seus pais. Isto a torna obcecada, disposta a descobrir seu paradeiro. Nessa jornada encontra um grande amor, Brian, que fará de tudo para ajudá-la. Conseguirá Carol desvendar o mistério acerca de Daniel, dando a todos Uma Segunda Chance? Um livro apaixonante, que aborda dois temas polêmicos, onde os personagens mostram seus tormentos e ansiedades de uma forma real e vívida, fazendo-nos pensar, rir e se emocionar.

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
37 chapters
Capítulo 1
                                                               Daniel  Ele encontrava-se no laboratório de pesquisas da Química-USP São Carlos. Esperava pacientemente pela chegada do professor, que imputara em sua vida, o sentido que havia perdido. Seu coração batia forte no peito e suas mãos se encontravam ligeiramente trêmulas. Talvez aquele fosse o momento pelo qual eles tanto esperavam. Foram anos de pesquisas coordenadas pelo professor Alberto Cavendish, porém, com sua participação, apenas oito. E foi nesses oito anos, para sua sorte e deleite, que a substância apresentou eficácia nos pacientes portadores de câncer.- Bom dia, Daniel – disse o professor Cavendish, adentra
Ler mais
Capítulo 2
                                                               Carol     A menina estava sentada em frente a uma mesa de centro, numa sala insípida, penteando os longos cabelos loiros de uma boneca e balbuciando palavras de carinho para ela, quando o jovem doutor entrou e a viu. - Como vai, Carol? – perguntou, enquanto ela brincava e o ignorava. Ele sentou-se no sofá à sua frente, deixando sua prancheta e caneta descansarem a seu lado, enquanto a observava. - Você já deu um nome à sua boneca? A pequenina continuava a brincar, sem se importar com sua presença. - Acho que deveria chamá-la de Carol.- disse médico, observando-a. - Por quê? – enfim, perg
Ler mais
Capítulo 3
                                                        Daniel     Após a morte do velho amigo, Daniel encontrava-se perdido naquele laboratório. A presença dele entre aquelas paredes era esmagadora; e saber que nunca mais o veria entrando por aquela porta, o deixava deprimido. As coisas haviam mudado depois que ele se fora. Havia rumores de que alguém o substituiria, e que esse alguém talvez não desse a devida importância ao trabalho que eles haviam desenvolvido juntos. Sentia-se preocupado diante da possibilidade de ver todo o seu trabalho escorrendo pelas mãos, como as substâncias despejadas em um béquer. - Ei Dan! Chegou cedo! – disse seu amigo, Renan, vendo-o fechar rapidamente o caderno que sempre mantinha a seu lado, e guardá-lo na mochila, ao mesmo tempo em que encerrava o cantar
Ler mais
Capítulo 4
                                                               Carol   Sentindo-se entediada nas férias, que pareciam nunca ter fim, Carol procura algo para ajudá-la a passar as horas. Enquanto entrava na biblioteca particular de sua mãe, cantarolando baixinho, seu celular tocou. - Ei Carol? O que você está fazendo? – perguntou, eufórica, a garota do outro lado da linha. - Morrendo de tédio. E você? Já voltou para casa? - Ainda não. Por isso te liguei. Estou indo para lá nesse final de semana. Quer ir comigo? Sei que aquela cidade não tem muita coisa para fazer - aliás, aquilo parece uma fazenda gigante e graças a Deus que existe São Carlos – porém, preciso voltar para casa. Minha mãe está surtando, dizendo que não gosto mais deles e todo aquele blá blá blá que voc
Ler mais
Capítulo 5
                                                               Daniel Depois algumas cervejas geladas, Daniel deixou Renan em sua casa. A conversa fora difícil. Renan estava contrariado, bem mais do que ele, na verdade. De repente tudo tinha virado de cabeça para baixo e ele ainda não tinha nenhuma ideia do que fazer. Mesmo tendo o amigo ao seu lado, sobreviver a uma briga como aquela, enfrentando as diretrizes da Universidade, ou mesmo os meios de comunição, que insistiam em atacar seu trabalho, não seria uma tarefa fácil. Não gostaria de ver o nome do professor Cavendish jogado na lama, não depois de tudo pelo que passara. Por outro lado, deixar que todos fossem para o inferno lhe soava cada vez mais atraente. Sentimos d&uac
Ler mais
Capítulo 6
                                                                     Carol  Sentada em sua cama, ouvindo uma rádio pela internet, após mais um jantar onde teve que explanar suas atividades para os pais; Carol lembrou-se da foto que achara mais cedo.  Tirou os fones de ouvido e abriu o livro onde a havia escondido.Olhou-a demoradamente, analisando o rosto descontraído do rapaz. Ao passar o dedo carinhosamente por sua face, o inesperado aconteceu. Imagens aceleradas surgiram em sua mente, como um trailer de um filme, cujo protagonista era o rapaz. Ela o viu naqueles mesmos degraus do CAASO, sorrindo para a moça escondida atrás da câmera. Viu-o dentro de uma sala estéril com touca e óculos de prot
Ler mais
Capítulo 7
                                                                Daniel Daniel estava ansioso, parado em frente à porta do apartamento de Renan, pensando em como o amigo reagiria diante da novidade, quando esta foi aberta antes mesmo de ele tocar a campainha.- Ei, cara!  - saudou Renan, enxugando as mãos no guardanapo – Entra, Dan. A Lilian tá fazendo arroz de forno com queijo e carne assada.- Humm. Pelo cheiro deve estar uma delícia.- Isso que ouvi foi um ronco? - sorriu ao ver o embaraço de Daniel. Renan gostava de implicar com o amigo.- Foi tão alto assim? Sabia que devia ter comigo um lanche antes de vir.- Tô brincando cara! Chega aí. - afastou-se da
Ler mais
Capítulo 8
                                                                 Carol Mamãe! Estou saindo – gritou Carol, da porta da frente da casa.- Aonde você vai menina? – perguntou a mãe da cozinha – Não vai jantar?- Vou ao Café Concórdia com a Pri. Nós queremos nos divertir antes de irmos para a casa dela, no sábado.- Não chega tarde.- Não chego. Tchau.Depois algum bate boca com a mãe, Carol, com a ajuda do pai, a convencera em deixá-la passar um fim de semana na casa de Priscila.  Praticamente estava com a mala pronta e ansiosa para a liberdade. Entretanto, mesmo tendo em foco sua partida, não havia se esquecido do rapaz que passara a arreba
Ler mais
Capítulo 9
                                                                    Daniel Aquela manhã de segunda-feira, tão igual a tantas outras, trouxe um gosto amargo na boca de Daniel. Embora estivesse cumprindo a última vontade de seu antigo professor, mentor e amigo, sentia um peso na alma. Ter o direito de exploração e de se tornar detentor de metade de algo que poderia mudar a vida da humanidade, não o fazia se sentir melhor. Sabia que o caminho seria árduo e que teria que enfrentar inúmeras batalhas até ver a Fosfo transformada em um remédio. E ainda tinha o problema com a Universidade, que não fazia nada que a pusesse em maus lençóis com o governo. Olhou pesaroso para o advogado que acabara de
Ler mais
Capítulo 10
                                                                 Carol Naquela noite, deitada em sua cama, Carol sentia-se frustrada. Não esperava ter sucesso em sua empreitada logo de cara, contudo, nutria uma fina esperança de que alguém pudesse dizer que o conhecia, ou que pelo menos se lembrava de Daniel. Será que ele havia desistido do curso? Não é nada incomum os alunos se matricularem num curso, enquanto esperam a lista de aprovação de outras Universidades. Talvez esse fosse o caso do rapaz. Matriculou-se e depois foi embora. Isso explicaria porque ninguém se lembrava dele.Mas então, outro pensamento a atormentou: Se fosse assim, o que uma foto dele estaria fazendo num livro da sua biblioteca
Ler mais