Destinada à Realeza

Destinada à RealezaPT

Alana Siqueira  Em andamento
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
13Capítulos
859leituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Essa não é uma história de contos de fadas, onde apenas com uma dança ou uma noite o príncipe se apaixona pela menina e depois vivem felizes para sempre. Bem, na verdade, até seja assim, no fundo mas antes do "felizes para sempre" virá dor, raiva, tristeza e sofrimento. Você vai ver…

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
13 chapters
SINOPSE
Essa não é uma história de contos de fadas, onde apenas com uma dança ou uma noite o príncipe se apaixona pela menina e depois vivem felizes para sempre. Bem, na verdade, até seja assim, no fundo mas antes do "felizes para sempre" virá dor, raiva, tristeza e sofrimento. Você vai ver…Melayne é uma mulher de 20 anos que não passa despercebida por sua beleza, carinhosa e amorosa, apesar de sua pouca idade carrega consigo mais maturidade e juízo do que muitas pessoas mais velhas, porém, sua vida nunca pode ser normal. Nascida no meio da realeza Melayne é uma Condessa, sua vida toda foi planejada e friamente calculada antes mesmo de vir ao mundo. Ela seria educada, treinada e moldada para o dia em que o Príncipe Christian único herdeiro do trono real da Inglaterra e de todo o Reino Unido voltaria para casa para então receber sua coroa e ent&a
Ler mais
01. MUDANDO PARA O NOVO LAR.
Condessa Melayne.Como deve ser ter o controle sobre sua própria vida? Saber o que quer vestir, comer e por onde andar e apenas sair e fazer tal coisa? Muitos dizem que sou a mulher com mais sorte no mundo, nasci em meio a família real.Tenho o sangue da realeza correndo em minhas veias, filha única do barão que é o primo mais próximo do rei Richard e a condessa Breguenberg e futura noiva do príncipe Christian o único herdeiro vivo da família real da Inglaterra e de todo o Reino Unido.Mas eu digo a essas pessoas que estão erradas, não tenho e nunca tive controle sobre minha vida. Nunca pude escolher minhas próprias roupas, ou que penteado usaria, o que comeria ou aonde iria. Tudo sempre foi colocado para mim e eu sempre tive que obedecer com um sorriso gentil no rosto.Muito menos pude escolher com quem me casaria, co
Ler mais
02. DE VOLTA A CASA
Príncipe Christian. — Vossa alteza acredito que deveríamos estar na sua casa ajudando a arrumar as coisas para voltarmos ao nosso país —disse alto por cima da música estrondosa.— — Arth sabe que aqui não deve me chamar assim —falei olhando para ele e tomando um pouco do meu wisk.— Eu não quero que ninguém descubra quem eu sou, gosto de ser anônimo. — Eu sei —falou olhando para mim.— Mas o senhor também sabe que não será assim por muito tempo, amanhã tens que voltar para o seu país para conhecer sua futura noiva que a espera. Respirei pesadamente e o mesmo percebeu meu incomodo de falar sobre aquele assunto, Arth me conhecia muito bem. Esteve comigo desde que fui mando para fora da Inglaterra para estudar, tem sido meu melhor amigo em todos os momentos.E ele s
Ler mais
03. NOS CONHECENDO UM POUCO MAIS.
Condessa Melayne. Acordei naquela manhã e fiquei deitada olhando para o teto tentando entender onde estava, apenas alguns segundos depois pude me lembrar que estava no palácio onde seria minha nova casa e que hoje o príncipe e meu futuro marido voltaria para o nosso país. Me sentei na cama e esfreguei os olhos tentando manter a postura que sempre fora me ensinada, quando de repente alguém bateu na porta.Levantei da cama e vesti meu hobby. — Entre —falei passando as mãos pelos meus longos cabelos loiros, então logo Kate apareceu.— — Majestade —disse fazendo reverência ao me ver.— Bom dia, como passou a noite? — Muito bem Kate, obrigada —disse sorrindo para ela enquanto a mesma ia para as cortinas da janela e as abria dando luz ao lugar. — Diga-me o pr&i
Ler mais
04. APENAS AMIGOS, SERÁ?
Príncipe Christian.Melayne e eu conversamos por vários minutos, ela era engraçada, divertida de um jeito menina que me encantava a cada palavra que dizia. Parecia estar de algum jeito sendo quem queria ser enquanto falava comigo.Ela não era como eu esperava, uma mulher fútil que só se importava com a coroa que ganharia com esse casamento. Para Melayne o país era o mais importava e se para isso teria que se casar com um estranho, então assim seria.— Então a minha professora tomou um susto e saiu correndo gritando quando viu o largato na minha mão —falou rindo enquanto eu também ria da sua travessura quando criança.— — Você deve ter sido uma criança bem travessa —falei sorrindo enquanto ainda caminhavamos.—Foi então que mais uma vez o bonito sorriso em seu rosto foi sumin
Ler mais
05. DESCOBRINDO O PASSADO.
Condessa Melayne. Seis dias depois.Já haviam se passado seis dias desde que Christian voltou para a Inglaterra e eu me mudei para o palácio real em Londres a capital, nesse pouco tempo nós acabamos ficando bastante próximos como amigos, claro.Nada, além disso fazia parte dos nossos planos, Christian era bastante divertido e alegre perto dele eu sempre ria e me divertia. Eu podia ser quem eu queria ser de verdade e a melhor parte é que ele também se sentia do mesmo jeito ao meu lado.Nossa amizade com certeza estava ficando cada vez mais forte, bom pelo menos é o que eu gosto de pensar.Hoje nós marcamos de nos ver, mas infelizmente estou vinte minutos atrasada por estar experimentando meu vestido pro baile amanhã a noite pela quinta vez só essa semana. Por que para minha mãe nunca estava bom, sempre faltava algo.
Ler mais
06. UM BAILE, UMA DANÇA E UM BEIJO.
Condessa Melayne. Dia do baile real. O dia havia finalmente chegado, eu mal consegui dormir noite passada só pensando no que aconteceria nessa festa. Seria apresentada como noiva e futura princesa a imprensa, ao povo e ter a benção dos reis. Estava nervosa e ansiosa, desde ontem não havia mais visto o Christian. Depois de o nosso beijo e ver como ele se arrependeu do que fizera me fez perceber que o melhor é me afastar dele, o que será meio difícil ja que seremos marido e mulher. Mas pelo menos eu tentaria, lutaria com todas as forças para não me apaixonar por ele e sei que conseguiria. Tinha que conseguir. Minha mãe era a mais animada no dia de hoje, acordou bem cedo e me acordou também afinal eu havia ido dormir quase com o sol surgindo e acordei por volta das sete da manhã, ou seja, não
Ler mais
07. MAIS UMA CHANCE.
Príncipe Christian. Por que beija-la era tão bom? Havia jurado para mim mesmo que não voltaria, mas aqui estou eu, sentindo meu sangue ferver e meu coração bater forte e rápido no peito com os lábios de Melayne juntos aos meus. Desde ontem eu e ela não nos vimos mais, pensei ser melhor me manter um pouco afastado. Mas a verdade é que eu não conseguia tirar aquele beijo da minha cabeça, o gosto que tinha, o que me fez sentir. Estava louco de vontade de sentir os lábios delas novamente, não sabia o que era. Talvez desejo, afinal Melayne era uma mulher muito linda e despertava olhares de todos a sua volta. Sua boca era tão doce, quase não consegui raciocinar ao sentir seus braços entrelaçando em meu pescoço e ver como ela também me correspondia, era bom beija-la muito bom.
Ler mais
08. UMA ATITUDE SURPREENDENTE.
Condessa Melayne.Subi para o quarto de minha mãe com um sorriso enorme no rosto, parei na frente da porta e bati.— Entre —ordenou ela e assim fiz.—Assim que entrei minha mãe se virou para mim e se levantou de sua cadeira com um sorriso.— Que bom que está aqui Melayne —falou indo até uma cômoda e pegando vários papéis de amostras.— Precisamos ver os preparativos finais para o seu casamento.Soltei um suspiro, porém, fiquei calada. Sei que não adiantaria de nada protestar.Ficamos horas naquele quarto vendo as últimas coisas para o casamento, eu já estava entediada e não via a hora de acabar. Não pude escolher nada para esse dia, tudo o que eu queria minha mãe dizia que não estava bom e no final escolhiamos o que ela achava melhor.Eu estava quase pedindo para i
Ler mais
09. O PRESENTE DE CASAMENTO.
Condessa Melayne.Dia do desfile.Acordei naquela manhã com alguém batendo insistentemente na porta, abri os meus olhos, mas logo eu os fechei. A claridade do sol invadia as cortinas e incomodava a minha visão, gradualmente fui-me acostumando e ouvi novamente alguém bater.Soltei um suspiro e sentei-me na cama.— Entre —pedi passando as mãos pelo meu rosto e esfregando os olhos me espreguiçando na cama.—Foi então que Sedreck entrou no meu quarto eufórico, falando várias coisas que eu não conseguia intender por estar atordoada ainda.— Sedreck se acalme —falei me levantando da cama e vestindo o meu hobby.— Agora diga-me o que esta acontecendo.— O dorminhoca —disse cruzando os braços e vindo atrás de mim enquanto eu caminhava para o banheiro.— O desfile real
Ler mais