Doce Veneno - A Vingança de Noelle

Doce Veneno - A Vingança de NoellePT

hmarttiny  Em andamento
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
45Capítulos
1.1Kleituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Ela foi desprezada por seu pai. Ela sofreu abusos e precisou se calar. Agora quer se vingar. E usará tudo e todos para conseguir seus objetivos. Quais as consequências de um relacionamento com a doce e inocente Maria das Dores, sonhadora, que se apaixona pelo dono de uma grande empresa, pode trazer? Você vai descobrir que aquilo que foi levado pelas areias do tempo retorna em forma de uma doce e sedutora vingança. Acompanhe a jornada de Noelle em busca de vingança contra todos que fizeram mal a ela e à sua mãe e sua busca pelo que lhe foi negado pelo pai biológico. Uma história chocante, onde o poder, o prazer, a luxúria e a satisfação própria estão acima da própria ética. Atenção: contém cenas de abuso.

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
45 chapters
PRÓLOGO
2021Quando o sol despontou no horizonte naquele dia, ela sabia que teria mais do que simplesmente uma rotina para cumprir. Era a hora de fazer com que cada um daqueles momentos tivesse valido a pena. Ia, finalmente, ter como direito, aquilo que a ela foi destinado antes mesmo de seu nascimento. Era a hora de tomar posse de seus bens, daquilo que seu progenitor lhe deixara de herança e que, por anos, lhe foi tomado. Não, não sofreria mais. Não mais seria consumida por aquele sentimento de vingança que tantos anos precisou conservar e usar como combustível para encontrar a solução daquele enorme quebra-cabeça que sempre fora sua história.Noelle. Era esse seu nome. E tinha muito orgulho dele. Era o nome que lhe foi dado pela sua mãe quando nascera. “Em homenagem à sua bisavó, que era uma bela mulher”, ela dizia. E era o nome que conservava em sua vida,
Ler mais
1
1995 A empresa de segurança Barrier era a mais famosa do Rio de Janeiro no ano de 1995. Essa empresa fora fundada pelo grande visionário Geraldo di Meni, estrangeiro vindo criança para o Brasil. Herdeiro de uma fortuna, ele resolveu investir em sistemas de segurança para empresas e residências. Era um pioneiro, um dos homens que mais influenciou este tipo de mercado.Quando ele faleceu, no início dos anos 90, seu filho recém-formado em administração, Patrick di Meni, assumiu o cargo de presidente da Barrier. Na época desse acontecimento, Patrick tinha apenas vinte e dois anos. Era alto, forte, um rapaz que sempre cuidou de seu corpo fazendo exercícios físicos. Aproveitava de seu condicionamento físico, vida saudável e de condição financeira para sempre esbanjar em festas quando podia.O jovem Patrick estava sempre com a ba
Ler mais
2
Seu nome era Maria das Dores. Nascida no interior do Rio de Janeiro, em uma cidade pequena, era a sexta criança da família. Com cinco irmãos mais velhos, ela sempre ajudou a mãe nas tarefas domésticas, cozinhando e cuidando da casa. Moravam em um pequeno quintal, onde plantavam e criavam galinhas. Não era muito, mas dava para a família se sustentar. Tinham uma vida difícil, principalmente depois que o pai de Maria das Dores morreu. Os irmãos mais velhos trabalhavam fora, sustentando a casa, enquanto elas cuidavam das tarefas domésticas.Mas não era o que ela queria para sua vida. Queria mais. Gostava sim, daquele interior. Mas era longe de tudo. Para chegar na escola, ela, criança, andava por duas horas todos os dias. Estudou até o chamado na época de segundo grau porque uma professora ajudou e insistiu que ela permanecesse. Essa mesma professora sempre dizia para a jovem que ela
Ler mais
3
Patrick não gostava de ser abordado nas ruas. Menos ainda na saída de sua empresa. Ele pedira Jarbas para dispensar todas as mulheres porque sabia que, assim, estaria livre para ir almoçar. Por isso, ao se deparar com aquela jovem o abordando assim, tão diretamente, ele se assustou.Por um instante, pensou que poderia ser um assalto. Afinal, quem iria em busca de emprego com aquelas roupas. Ainda mais em uma empresa como a Barrier. Mas, assim que seus olhos fitaram a jovem, ele percebeu um ar de inocência, algo diferente. Talvez, só talvez, aquela fosse uma jovem que realmente precisasse de um emprego e estava desesperada procurando.Assim foi que aparentou para ele. Abordado por ela, com uma voz afobada de quem estaria correndo desde de manhã. E isso, de alguma forma, chamou a atenção daquele jovem empresário.Jarbas olhou para aquela mulher. Roupas que não condiziam com a entrevista, e
Ler mais
4
– Minha tia, eu consegui! Eu realmente consegui um emprego no primeiro dia nessa cidade!Maria das Dores entrou no apartamento, feliz por sua conquista. Sabia que, assim, poderia pelo menos dar à tia uma parte do valor recebido para cobrir os gastos naquele lugar. Ainda que estivesse tão contente, percebeu que a tia estava sentada no sofá, cabisbaixa. Marta se bastou em responder:– Que bom, minha filha, eu fico muito feliz. Espero que dê tudo certo. – Sua voz era fraca e estava embargada, como se estivesse chorando momentos antes daquele encontro.Percebendo que algo estava errado, Maria das Dores se aproximou da tia, sentando ao lado dela no sofá. A TV estava ligada, passando algum programa que ambas desconheciam. Na verdade, nem lembravam que estava ligada naquele instante.– O que aconteceu, tia Marta? – A pergunta de Maria das Dores trazia um medo em seu rosto da resposta que poderia vir
Ler mais
5
Maria das Dores saiu sorridente pelo caminho que Patrick indicara para ela. Que homem bom era aquele que conhecera. Não era apenas o dono da empresa, era alguém que demonstrava interesse por aqueles que trabalhavam com ele. Pelo menos era assim que ela o via depois desses breves encontros ao acaso. E tinha algo a mais. Um brilho naquele olhar, algo diferente, que fazia dele um homem especial.“Rico e bonito, será que é isso que minha tia Marta estava falando ontem?”Deu uma risadinha sozinha pelas ruas. Jamais imaginaria que um homem como aquele olhasse para ela. Ela era a empregada, a pessoa da limpeza. E só.Aquela manhã foi bem tranquila na vida da jovem Maria das Dores. Ela chegou à empresa médica, fez seu exame, pegou o resultado e voltou para a Barrier. Era o momento de começar. – Senhor Patrick, sei que fui contratada ontem, mas me permite um coment&aacut
Ler mais
6
O primeiro mês de trabalho de Maria das Dores foi na antiga sede da Barrier. Ali, ela conheceu toda a equipe e começou a desenvolver seu trabalho, que consistia em apenas deixar todos os lugares sempre bem limpos. Andaria por todos os lados com vassouras, esfregões e tudo mais que tivesse para garantir que a empresa inteira estivesse brilhando para receber os clientes que sempre iam àquele lugar.Assim como Mariana, a chefe da limpeza não gostou de Maria das Dores. Ela dizia para as outras funcionárias que também eram daquele setor:– Como alguém pode ser assim? Trabalhando limpando chão e dizendo que está feliz. Nem sei como que ela conseguiu o emprego, mas parece que é uma pobre coitada que tem uma mentalidade bem pequena.Elas riam. Certamente que a vida não seria fácil para a jovem naquele lugar. Os piores serviços eram destinados a ela em todos os momentos
Ler mais
7
Mariana estava feliz. Havia almoçado em um bom restaurante próximo. Tinha resolvido todas as pendências que o patrão lhe ordenara e, então, esperava apenas os elogios por parte dele para continuar seu dia perfeito. O que poderia dar errado? Logo com ela, uma secretária extremamente eficiente e que estava disposta a tudo para fazer a empresa crescer e ela própria se desenvolver na empresa.Então, sorridente, passou pela porta do escritório, seguindo para a sala pessoal de Patrick, onde ela considerava o seu refúgio, o lugar onde ela trabalhava sem a interferência de outras pessoas e sem ter contato com os empregados mais baixos.Ela escutou uma movimentação na sala. Não imaginava que Patrick estivesse ali. Foi devagar e, ao abrir a porta, se surpreendeu ao encontrar Maria dentro da sala com Patrick, ambos almoçando. Sem que tivesse tempo, Patrick disse diretamente:
Ler mais
8
Depois dos dois dias fora, Maria das Dores retornou ao trabalho e se surpreendeu ao ser promovida a chefe da equipe de limpeza. Trabalharia mais, teria maiores responsabilidades, mas, acima disso, teria não só um bônus maior em seu salário como também uma certa flexibilidade caso precisasse de horários livres.Ainda que houvesse uma certa resistência quanto àquela promoção, a verdade era que a jovem se destacava na empresa e isso poderia ser bom para ela. Procurava fazer sempre seu melhor no emprego, mantendo sempre a equipe nova unida e bem organizada em todos os setores.Então, numa bela manhã, ela foi chamada para uma reunião. Nela, estavam Patrick, a secretária Mariana e Jarbas além de Maria das Dores. O dono da empresa logo disse:– Maria, a partir da semana que vem precisaremos da sua equipe em pleno funcionamento. A nova sede está praticamen
Ler mais
9
Maria terminou de limpar os andares superiores. Desceu, chegando no andar privativo de Patrick. Limparia aquele andar inteiro e depois seguiria para o espaço onde a festa acontecera, seria o lugar onde teria mais trabalho.Ela colocou o esfregão e a vassoura apoiados na parede. Passou a mão na testa, secando o suor de um dia inteiro de trabalho que se estendia até a parte noturna. Sabia que seria cansativo, mas não esperava que tanto. Mas não achava justo manter outras da sua equipe naquele lugar.Enquanto limpava o corredor, surpreendentemente viu o elevador parando naquele andar. Quem estaria ali naquela hora? A porta se abriu e desceu Patrick, que tirava a gravata borboleta do pescoço, deixando a blusa branca meio aberta e o terno um pouco bagunçado.– Maria? O que está fazendo aqui a essa hora? – ele questionou, realmente preocupado em ver uma funcionária trabalhando tão
Ler mais