O Ceifador de Anjos - A Última Ceifa

O Ceifador de Anjos - A Última CeifaPT

JulieteVasconcelos  concluído
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
21Capítulos
979leituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Ela queria sua vida de volta, aquela em que não precisava se preocupar em caçar um serial killer, um psicopata. Ela sabia que havia uma nova coleção. Mais uma bizarra coleção de fetos. O Ceifador de Anjos está descontrolado e sedento por vingança. Seu modus operandi mudou e a escolha das vítimas também. Vincent não está mais só, e sua coleção está cada vez maior. Enquanto os detetives Christopher Lang e Ramona Hale arriscam suas vidas se aproximando cada vez mais do inimigo, Donna Dixon busca garantir a segurança da filha, e para isso, ela está disposta a tudo.

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
21 chapters
Capítulo 1
— POW! — Donna viu por trás dos óculos de proteção o terceiro disparo atingir o ombro do alvo humanoide. — POW! — O quarto tiro se alojou ao lado do anterior.Donna já não sentia o recuo após os disparos, os mesmos que a jogaram para trás nas primeiras vezes em que atirou logo que começou as suas aulas de tiros. O estrondo produzido toda vez que ela aperta o gatilho não é ouvido, graças ao abafador em seus ouvidos, deixando-a alheia aos ruídos de fora de seu estande.Após seis meses na clínica de recuperação, ela finalmente conseguiu sua liberdade, pois o juiz analisara as provas apresentadas pelo advogado, as quais não deixavam dúvidas sobre a doença que a havia acometido, visto que a filha fora desejada pela professora e pelo marido. O juiz entendera que o assassinato da menina fora uma consequência
Ler mais
Capítulo 2
— Querido, acho que aqui já está bom — falou Olivia ao parar com a cesta nas mãos vendo o marido se afastar com a pequena Khristin carregada nos ombros, a garotinha usava um conjuntinho branco e rosa, além de um divertido chapéu branco com longas orelhas de coelho.— Não, amor, tem muitas crianças jogando bola nesse ponto do parque, vamos seguir por aqui, paramos num lugar mais tranquilo — disse ao se virar para a esposa, fazendo a garotinha sorrir com o movimento.— Chris, as crianças estão a muitos metros de distância, não tem como acertar a bola... — falou enquanto ajeitava o cinto de seu vestido azul-céu.— Vamos, Olivia, mais um pouco e já vamos nos sentar — incentivou, seguindo em frente.— Está bem, amor, mas você está sendo exagerado em seus cuidados! — declarou dando passos largo
Ler mais
Capítulo 3
— Meu Deus, Chris! — falou Olivia ao assistir ao vivo na TV uma perseguição policial, onde Christopher e Ramona corriam atrás de um suspeito de estupro e assassinato enquanto a polícia organizava um cerco.Levou alguns minutos para findar a reportagem, ela aguardou ansiosa, esperando um momento oportuno para ligar para o marido e comprovar que tudo acabara realmente bem, conforme fora dito na matéria, onde vira apenas o carro da polícia sair levando para a delegacia o suspeito.Sabia que ao chegar à Unidade de Homicídios demoraria algum tempo até ir interrogar o rapaz, considerando que os vinte minutos que se passara fosse suficiente para que tivessem chegado e consequentemente o marido pudesse lhe atender, ligou.— Olivia, tá tudo bem? — perguntou ao atender.— Eu que te pergunto, querido, eu vi a perseguição na TV e...— Est&aac
Ler mais
Capítulo 4
Christopher teve um dia longo e exaustivo, pela primeira vez estava tendo que trabalhar sozinho, pois Ramona recebera férias, que há muito estavam atrasadas, de forma que ela já não podia adiá-las, mesmo não querendo deixar o parceiro na mão. O corte de gastos não permitiu a contratação, mesmo que temporária, de um novo detetive, assim, seus colegas de trabalho quando não estavam ocupados com outros casos o acompanhavam nos seus, mas especialmente hoje, ninguém conseguiu uma pausa na Unidade de Homicídios, todos atarefados em demasia com as monstruosidades típicas de cidades grandes.Não bastasse o dia atribulado, sua filha adoecera, de forma que a madrugada anterior, ele e Olivia passaram parte da noite no hospital, já que a menina demonstrava ter fome, mas não comia, e chorava angustiada pela dor. Não demorou para que fosse atendida e diagnost
Ler mais
Capítulo 5
Dois meses havia se passado desde que Donna chegara à Chade, já visitara quase todas as cidades vizinhas da capital, e passara por dezenas de aldeias. Por vezes, Donna sentiu o coração doer ao percorrer aquelas ruas, mais ainda ao adentrar algumas casas para as quais ela e Neila eram gentilmente convidadas. O que mais a impactava eram aquelas crianças, que mesmo marcadas por uma vida regada a misérias, muitas exibiam sempre um sorriso no rosto, mesmo que fossem sorrisos banguelas acompanhados de olhares apagados e tristes.Neila se saiu melhor do que Donna esperava, era sempre solícita e se fazia querida facilmente a cada aldeia visitada, o que em muito ajudava na sua investigação, mas diferente da amiga americana, ela se mostrava indiferente a todo sofrimento que assistia, não era porque não se importava, mas porque estava acostumada. Aquele cenário triste e miserável não era ne
Ler mais
Capítulo 6
— Doutor Hassan? — chamou Neila, ao mesmo tempo em que ele tocava a maçaneta da porta para sair. — Preciso que cuide dela! — insistiu com firmeza.— Já disse que... — Não concluiu ao se deparar com a guia apontando uma pistola para ele. — Que brincadeira é essa? — perguntou assustado.— Não é uma brincadeira, doutor! Você só sai daqui depois que essa mulher estiver a salvo! — avisou séria.— Você está louca? Não temos medicamentos aqui, as condições desse lugar são péssimas, ela vai morrer de qualquer jeito...— Pelo seu bem, ela não pode morrer! — ameaçou.— Está tentando me intimidar, senhorita? — falou dando um passo na direção de Neila.— Na verdade estou te dando um aviso muito claro, se essa mulher
Ler mais
Capítulo 7
Nas últimas horas Khristin se revezava entre a piscina de bolinhas e a cama elástica, mas agora corria estabanada entre os convidados, o vestidinho rosa de princesa não era nenhum impedimento para a pequena brincar, apenas a pequena tiara em forma de coroa há muito ela retirara de sua cabeça, negando-se a usá-la.Olivia se encarregara de registrar cada momento, relembrando os tempos de fotógrafa. Christopher não tirava os olhos delas, mas também não deixava de dar atenção aos seus convidados, aquele era o primeiro aniversário da menina, então organizaram uma bela festa, com direito a convidar toda a família do casal, os amigos mais chegados, os vizinhos e os colegas de trabalho do detetive com suas respectivas famílias, o que garantiu à garotinha dezenas de presentes.A casa estava lotada, para a alegria de Olivia, havia ali umas vinte crianças,
Ler mais
Capítulo 8
— Muito bonito seu apartamento, comprou ele recentemente? — perguntou Giovani apoiado no balcão que separava a pequena cozinha da sala enquanto Donna revirava o armário.— Na verdade não! Eu o comprei antes de me casar com... ele. Nos últimos anos o aluguei — contou colocando sobre a pia a cafeteira, o pote de açúcar e um pacote de pó de café fechado.— Entendi.— É bem pequeno como você pode ver, diferente da casa dele ou da Ade — comentou ela.— Sim, a casa da Ade também era bem grande.— E você? Onde está morando?— Troquei meu apartamento antigo por um novo, você sabe... Mesmo tendo saído da prisão, parece que estão sempre me condenando com o olhar.— Sinto muito, Giovani!— Um dia isso vai ficar realmente pra trás! — disse el
Ler mais
Capítulo 9
— Que merda! — disse Ruby segurando o pequeno teste de gravidez nas mãos. — Qual o problema comigo? — falou em voz alta, jogando o resultado do teste na lixeira. Ruby lavou as mãos e saiu do banheiro, em seguida deitou em sua cama, pensativa.Aquela era a quarta vez que fazia um teste de gravidez desde que começou a ter relações sexuais com Vincent.Ele nunca se prevenira, já que a japonesa garantiu que tomava pílulas e que não tinha qualquer intenção de engravidar, convencendo-o assim. Ruby sabia que o biomédico não tinha qualquer problema de saúde que impossibilitasse sua gravidez, então talvez houvesse algum problema com ela.Quando era mais nova, sem qualquer interesse em ser mãe, sempre se protegera, até mesmo com Kioshi, com quem nunca cogitou ter um filho.Pensou em fazer exames e confirmar se estava tudo certo com
Ler mais
Capítulo 10
Fazia muito tempo que Donna não se vestia na intenção de se sentir bonita, de se sentir bem com ela mesma, mas apesar de todo inferno que enfrentara, agora tinha esperanças de um futuro melhor, acreditava que o material que em breve enviaria para a polícia, ajudaria na captura do Ceifador, de forma que a segurança da filha estava garantida. Podia viver bem próxima de Olivia, que sempre fora uma amiga querida, onde poderia acompanhar o crescimento pleno de sua pequena, mesmo que nunca pudesse dizer que era ela sua mãe biológica. Donna colocou um vestido longo preto, embora fosse justo e delineasse suas curvas, não era apertado, já que não colava em seu corpo. Pôs saltos pretos e fez uma trança na lateral da cabeça, deixando-a caída sobre o ombro. A maquiagem sempre leve realçava seus belos olhos azuis. Giovani chegara exatamente no horário marcado, estava elega
Ler mais