Dáverus

DáverusPT

William Morais  concluído
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
24Capítulos
648leituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Dáverus é um deus entre humanos e o livro retrata como ter tamanho poder e que isso não significa, definitivamente, uma vida sem desafios e que os maiores conflitos são os internos. Ter o mundo nas mãos, em extrema evidência, pode ser mais perigoso do que ter a mão, quase imperceptível, no mundo. Se a segunda precisa se esforçar, e muito, para manter uma simples vida no planeta, a primeira pode, num momento de descuido, que pode ser chamado de fraqueza, erradicar facilmente toda a vida nele. Seja como for, Dáverus é sobre alguém que faz as suas escolhas, paga todos os preços e se mantém fiel ao que lhe define, mesmo em meio a extremos poderes e a intensa conexão com o universo. Talvez essa seja a maior prova de sua verdadeira força.

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
24 chapters
Introdução
William MoraisApresenta  Dáverus Todos os direitos reservados e protegidos pela lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998. É proibida a reprodução total ou parcial, por quaisquer meios existentes ou que venham a ser criados no futuro, sem a autorização prévia, por escrito, do autor. Capa: William Morais Nota do autor:Meu primeiro livro, chamado Ônix , sobre a vida do inusitado pirata Pedra-Negra, foi desenvolvido e publicado antes deste segundo livro, sobre a vida do deus Dáverus. Cronologicamente, no entanto, os acontecimentos deste segundo livro ocorrem antes dos acontecimentos relatados no primeiro. Mas, para preservar surpresas, garantidas por uma narrativa não linear, tão evidentes no primeiro livro, a vida de Dáverus só &
Ler mais
Prólogo - Pura imaginação
Prólogo – ImaginaçãoTer o mundo nas mãos, em extrema evidência, pode ser mais perigoso do que ter mãos quase imperceptíveis no mundo. Se na segunda opção é muito difícil manter uma simples vida no planeta; a primeira pode, num breve momento de descuido, erradicar facilmente toda a vida nele. Essa linha de raciocínio atravessou minha mente e foi suficiente para me laçar e me lançar numa jornada interna.  Apaguei as luzes do quarto. Coloquei uma música relaxante para tocar no computador e desliguei a tela. Acendi algumas velas. Sentei com as pernas cruzadas e fechei os olhos. No instante seguinte eu estava tanto no meu quarto, quanto estava longe. Era tudo cinza ao meu redor, em várias tonalidades oscilantes, em todas as direções. Mas havia brilhos aqui e ali, seme
Ler mais
Capítulo I - Nem deus, nem homem
 Não posso contar a história de Dáverus, o deus, sem contar a história de Irelay, o humano. Saber a razão de Irelay ter se tornado Dáverus é tão importante na escolha que você precisa fazer, quanto saber o que Dáverus fez depois de ter se tornado tal deus.Mas para chegar em Irelay, preciso falar brevemente sobre mim, uma vez que fui o seu mestre. Eu nasci há 483 anos atrás. O Novo Tempo era novo, tinha treze anos apenas. Eu não esperava viver tanto como já vivi. Principalmente porque me tornei um homem amargurado, numa guerra entre as máquinas e os humanos. As máquinas eram objetos inteligentes alimentados com fontes de energia variadas, que hoje em dia seriam vistas como formas de magia. Acreditei que morreria naquela guerra que terminou no ano 82. Estava errado, no entanto e graças ao poder de uma deusa
Ler mais
Capítulo II - Fogo
Quando Irelay me pediu para treiná-lo, o avisei que deveria ficar na ilha mística, sem notícias do mundo externo, por um ano.Seriam necessárias as quatro estações para ele compreender os quatro elementos. No final de seu treinamento, ele deveria ser capaz de passar no meu teste. Não seria fácil, mas ele estava determinado, como o verão pedia. Era o ano 197 do Novo Tempo.  Não havia coincidências. Ele havia chegado três dias antes da melhor estação para iniciar um treinamento para alguém como ele, destinado a grandes feitos.  Irelay estava em pé, diante de mim, nas primeiras horas do seu primeiro dia de treino. Estávamos no alto de um monte e ainda estava escuro ao redor dele, tanto quanto em sua mente despreparada. A diferença é que faltava pouco para o amanhecer do dia, mas muito para a luz tomar
Ler mais
Capítulo III - Kamyra
Uma única lágrima escorria pelo rosto moreno emoldurado pelo cabelo negro. Os olhos eram da cor de mel e ela era chamada de Kamyra. E ela disse ao seu amado Irelay:– Você prometeu que não me deixaria.Ele tinha a expressão de angústia profunda estampada no rosto e falou:– Meu amor, o meu reino foi tomado pelo Lord Fell M’og...– Não sou insensível à morte do seu pai, mas o seu reino passou a ser este, quando se casou comigo e veio governá-lo comigo.– Governá-lo apenas enquanto Fell M’og não chega?! – Irelay se exaltou. Olhou as mãos tremendo e se sentou na luxuosa cama. O quarto iluminado apenas por velas.Colocou a mão aberta sobre o peito por um instante. Inspirou profundamente, fechou a mão sobre o peito, como se tivesse arrancado algo invis&ia
Ler mais
Capítulo IV - Phemba do fogo
Irelay treinava todos os dias para limpar sua mente e passei nossos combates da aurora para o crepúsculo.Dia após dia ele apanhava. Tinha muita coisa na cabeça.Na última noite de verão comíamos a minha especialidade: batatas negras preparadas numa fogueira. Comemos em silêncio próximos a um riacho raso que cantava para nós. Com a barriga feliz, fui dormir ao som das águas passando pelas pedras.Irelay estava mirando o fogo, tentando entender sua essência. O fogo cresceu e por um instante ele achou que estava obtendo poderes sobre aquele elemento, mas logo viu a silhueta de uma mulher tomar forma nas chamas e de repente ela deu um passo adiante, para espanto do meu pupilo.A mulher estava nua. Seus olhos eram vermelhos, o cabelo também. A pele rosada, a luz da lua era suficiente para Irelay ver o suficiente para precisar prender o fôlego por um instante.Sorrin
Ler mais
Capítulo V - As razões para lutar
Quando parou diante de mim, pela primeira vez, Irelay já carregava há dias o peso do mundo nas costas.– Foi você, então, quem conseguiu encontrar a ilha de Phemba e, há dias, vem subindo essa Montanha Aranha.  – Falei, debaixo de meu chapelão de palha, quando um jovem ofegante parou diante de mim. Sentado estava e sentado fiquei. – Então é você quem perturba minha paz...   – Não vim até aqui para que o senhor perca a sua. Vim para que eu encontre a minha. – Ele respondeu, tentando recuperar o fôlego.– Superou a guardião da montanha – e ele fez uma careta se lembrando do quão difícil foi escapar de uma aranha –, assim como superou todas as minhas armadilhas do caminho; mas somente quando superar as próprias, encontrará a paz que procura – afirmei, antes de morder uma fruta
Ler mais
Capítulo VI - Terra
O verão se foi. Phemba não mais apareceu para Irelay com seu espectro de fogo. Meu discípulo resolveu esquecer. Continuava seu treino.Com a chegada do outono, vinha a segunda parte de seu desafio. Dei a ele o segundo totem, o da serpente, e lhe ensinei a oração a ser entoada como primeiras palavras dos dias dos próximos meses. Ele as decorou e as repetiu sozinho, por algumas vezes:Outono;Sopra teu vento.Leva meu sono,meu lamento.E me mostre como.Que eu veja na perda, um presente.Não mais dono.Livre da minha pele, como a serpente...   Estava no momento de mostrar ao meu discípulo que ele aprenderia não somente comigo. O levei até aquela que seria sua mestra por aquele dia: uma árvore. Diante daquela planta, Irelay inspirou profundamente, não por impaciência. Àquela altura j&
Ler mais
Capítulo VII - O penúltimo reino das planícies
Daigan lutou como pôde, até aquele dia. Era o ano 198 do Novo tempo. Seu amigo, Irelay, havia partido há pouco mais de um ano. Embora pertencesse ao Alto Povo das Florestas, Daigan estava liderando os guerreiros dos reinos das planícies, nos quais tinha muitos amigos. Lord Fell M’og, no entanto, tomava reino após reino.A Espada da Morte, empunhada por ele, era uma arma terrível. Um simples ferimento causado por ela expulsava a alma do corpo atingido. A vontade do portador da arma mágica passava a dominar tal corpo. Assim, o exército de Fell M’og crescia vertiginosamente a cada reino derrotado.Quando Daigan percebia não poder fazer mais nada para salvar um reino, recuava com alguns sobreviventes para se juntarem o exército do próximo reino.  O jovem adulto do povo das florestas era carismático e muito inteligente. Sua liderança garantia seman
Ler mais
Capítulo VIII - Phemba da terra
Um pouco antes do fim do outono, pedi a Irelay cortar uma boa quantidade de lenha, alegando ser um exercício, mas a verdade é que estava cada vez mais frio e eu queria uma fogueira grande quando anoitecesse.  Ele usava um machado e quando fez uma pausa para endireitar as costas, lá estava ela. A mesma mulher nua, embora agora tivesse o cabelo marrom feito terra e colado ao corpo no qual serpenteava e feito serpente ele se moveu quando ela veio em sua direção, sempre colado ao corpo do pescoço à coxa da perna esquerda. O tom da pele era moreno. Ele engoliu em seco, achando que aquele espectro de Phemba estaria irritada com ele, mas reafirmou para si mesmo de que elas estavam separadas e tentou ser casual, ao dizer: – Olá. Ela nada respondeu e continuou a se aproximar e parou a poucos centímetros dele. Ela olhava para os olhos dele e para os lábios alternadamente e isso o intimidou. Parecia que ela iria beijá-lo a qualquer instante ou que pedia por
Ler mais