Boneca de Pano

Boneca de PanoPT

Evandro R Saracino  concluído
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
46Capítulos
570leituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Em um futuro não especificado, os antibióticos perdem a eficácia e a população mundial é praticamente exterminada por uma variante da peste bubônica. No Haiti surge uma pequena esperança para a humanidade. Alterando uma das técnicas de Voodoo, conseguem transferir a alma dos voluntários para bonecos de pano. A técnica se espalha pelo mundo, mas, por motivos diversos, como as crenças religiosas, apenas poucas pessoas aceitam se sujeitar à magia. A história começa pouco depois da erradicação da peste, em um mundo onde a espécie humana foi praticamente dizimada. Dentre os sobreviventes, pouco mais da metade são pessoas que escaparam do contágio ou resistentes à bactéria, o restante é composto por bonecos de pano. A protagonista, Letícia, jovem universitária, que estava afastada da família quando da propagação da peste, descobre que seu irmão adolescente também sobreviveu e inicia sua jornada para casa. Pouco restou da força do Estado para manter a ordem, o preconceito e a intolerância são imensos. Em meio ao caos, Letícia percebe que a viagem é quase impossível de ser feita por uma boneca de pano, mas ela não pode desistir.

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
46 chapters
Prólogo
Em seus vinte e três anos, Letícia tinha passado por um bocado de situações péssimas e, em cada uma delas, vivenciara a certeza de que jamais se recuperaria de tamanha tristeza, mágoa, decepção ou ressentimento.O primeiro ferimento profundo do qual se lembrava, foi a morte de sua avó Lídia. Na época, Letícia tinha doze anos de idade e aquele foi seu primeiro contato com o fato de que a existência é frágil e pode acabar a qualquer momento. Não de maneira ordeira e previsível, mas de maneira imbecil e absurda. Depois da morte da avó Lídia, a neta tinha certeza de que algum dia se deitaria pra dormir e jamais acordaria, de que escorregaria em uma escada qualquer e quebraria o pescoço ou que um carro desgovernado a encontraria na calçada para imprimi-la no muro mais próximo. Tinha medo de morrer. Sentia saudades da avó.Ler mais
1. Boneca de Pano
            Brenda sentia febre. Chegou a ter esperança de ser imune à doença. A probabilidade era baixa, mas existia. Todos no campus já tinham como fato garantido a imunidade de Rogério. Todos os seus colegas de casa tinham sido contaminados, mas ele, apesar de dizer ter se sentido ‘esquisito’ por alguns dias, não desenvolveu nenhum sintoma real. Quando Letícia ficou doente, Brenda teve certeza que logo ficaria também. Não sentiu nada nos primeiros dias. Mas logo agora que ela tinha começado a criar expectativas de que não adoeceria, os sintomas começaram a aparecer.            A estudante entrou no quarto, que dividia com Letícia, e trancou a porta. Ainda não estava preparada para o que viria a seguir. Precisaria de uns dias para se preparar, mas ela pensa
Ler mais
2. O fim da humanidade
            A doença de Brenda ainda estava no estágio inicial e, por alguns dias, ela conseguiria viver normalmente, apesar da dor de cabeça e dos calafrios. Somente quando começassem a surgir os caroços negros nas axilas, pescoço e virilha é que ela deixaria seu corpo e participaria do ritual. Por isso a estudante tinha decidido que não procuraria os artesãos naquele dia. Antes de começar a pensar em seu futuro como boneca de pano, ela ainda precisava terminar algumas coisas com seu corpo humano.            As amigas cursavam jornalismo e, apesar de as aulas terem sido suspensas alguns meses atrás, quando da tardia constatação da gravidade da doença, elas continuavam com a ideia de tentar escrever um artigo sobre os fatores que convergiram em um caos social tão
Ler mais
3. Novo corpo, novas regras
            Nos primeiros meses do surto de contágio da peste, não existia alternativa, a chance de sobrevivência era menor que cinco por cento. Quando a esperança veio, não na forma de um tratamento desenvolvido por cientistas de países ricos, como todos esperavam, mas sendo um ritual de magia elaborado por uma mística haitiana, as crenças religiosas se tornaram fator decisivo na escolha pela vida ou pela morte. A partir do momento em que se adoecia, e como veremos, quase todo mundo adoeceu, havia apenas três opções:passar por todos os estágios da doença, aproveitando os dias de sintomas suaves para buscar redenção, resolver coisas mal acabadas e se despedir de amigos e familiares e nos últimos,  desejar que os analgésicos fossem o suficiente para aliviar a dor excruciante;passar pelos est&aa
Ler mais
4. Emerson e Carlos
            Por ser um ambiente frequentado por pessoas com acesso amplo à informação e com capacidade intelectual para proceder de acordo com todas as exigências sanitárias, no início da propagação da superpeste, o ambiente acadêmico manteve-se em funcionamento. Quando a disseminação da doença se mostrou incontrolável, a universidade decidiu interromper as funções, mas era tarde demais para exigir que os estudantes abrigados nas moradias universitárias retornassem para a casa de seus familiares.           Nem toda a arrogância e sentimento de superioridade do mundo acadêmico foram o suficiente para impedir que a peste passasse a frequentar a universidade. As medidas profiláticas se tornaram mais rígidas e o controle de zoonose começou a visitar residência
Ler mais
5. O que será de nós?
 Emerson caminhava sem pressa pelos corredores da universidade. Chegaria atrasado á reunião, mas isso não era um problema, o papel dos bonecos de pano na atribuição de atividades era tão insignificante que, mesmo as ideias dele ainda sendo muito consideradas por todas as pessoas, a reunião ocorreria tranquilamente sem ele. Para o historiador, o mais importante era aproveitar cada instante de caminhada para aumentar o controle sobre seu corpo.Quando dobrou o corredor e ouviu o barulho suave e ritmado atrás de si, soube que outro boneco de pano se esforçava para andar rápido e que, provavelmente, não teria coordenação motora para parar antes da colisão. No mesmo instante que virou o corpo para ver se conhecia o boneco, seus corpos se chocaram com maciez e ele foi lançado ao chão, quicando duas vezes antes de parar. ‘Pelo menos o chão est
Ler mais
6. O ritual
Brenda abriu os olhos e, instantaneamente, sentiu a têmpora esquerda latejar em uma dor nauseante. Tentou chamar Letícia para pedir algum conforto, mas as dores constantes e a febre diária tinham minado pouco a pouco todo o seu ânimo e força de vontade. O que conseguiu fazer foi encolher o corpo, abraçando os joelhos e chorar em silêncio, solitária no quarto escuro.Na sala de confecção dos bonecos, Letícia conversava com Jotapê, um dos artesãos, enquanto admirava o futuro corpo de Brenda e sugeria pequenas alterações e reparos.Quando as confecções começaram, quinze pessoas trabalhavam incansavelmente naquela sala preparando bonecos em larga escala, mas ao mesmo tempo, personalizados. Altura, volume dos enchimentos e detalhamento, tudo feito de forma a atender de maneira precisa a exigência dos solicitantes. Cada artesão tinha plena co
Ler mais
7. A gente não morreu
 O ritmo de cada palavra pronunciada por Jamille, em perfeita harmonia com os batuques e com a dança frenética, hipnotizava Margarida. Quando tudo ficou em silêncio e o que restou foi apenas um barulho de apito dentro de sua cabeça, ela demorou alguns instantes para sair do transe. Letícia estava do seu lado e cobria a boca de mentira com a mão. Emerson corria pelo gramado, levantando uma nuvem branca de fubá e cal enquanto atropelava os símbolos no chão. Rogério sentara no gramado, abraçando os joelhos e olhando para o nada.A cabeça da psicóloga tentava assimilar os fatos, mas o absurdo da situação e a brutalidade com que ocorrera dificultava seu entendimento. Humanos e bonecos acudiam Jamille e os dançarinos. Emerson sumira. Letícia não estava mais do seu lado, mas caminhava em direção corpo inerte de sua amiga Brenda. Rog&
Ler mais
8. Desolação
Letícia não conseguia entender direito o que tinha acontecido. Lembrava-se que, em algum momento a música tinha parado e todos tinham caído no chão. Viu Emerson sair correndo e imaginou que ele pretendia acudir Jamille, mas o historiador ignorou o corpo jogado no chão e continuou correndo. Rogério também estava caído e ela tentou lembrar se ele também fazia parte do ritual, sua cabeça estava confusa. Ela só queria saber se aquilo tinha acabado e se ela e Brenda já poderiam ir para casa, mas tudo estava tão confuso... ‘meu ritual também foi assim?‘O que ela estava fazendo ajoelhada com a cabeça de Brenda apoiada em seus joelhos? Como Brenda conseguia estar dormindo depois de toda aquela confusão? ‘Ela está dormindo, né?’ Tinha que estar, os dois corpos, o de carne e o de pano, estavam imóveis. Alg
Ler mais
9. O inimigo mora em casa
O incidente dentro dos muros da cidade universitária, envolvendo a agressão à professora de antropologia e o assassinato de Brenda, foi capaz de mobilizar a todos e a movimentação começou logo na manhã seguinte. Conforme a notícia se espalhava, ninguém conseguia permanecer neutro.A maioria esmagadora da população acadêmica ficava chocada com a notícia, não querendo acreditar que alguém entre eles tinha sido capaz de cometer uma atrocidade daquela magnitude, no entanto, foram capazes de perceber que, mesmo que fossem apenas poucas pessoas, algumas concordavam com o posicionamento do agressor. Nem a universidade era um local seguro para os bonecos.            Reunidos na praça, estavam Emerson, Letícia, Margarida, Raul, Rogério e Jotapê. O braço e o peito de Emerson tinham sido p
Ler mais