A Guardiã

A GuardiãPT

Myshel Rutkosky  concluído
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
31Capítulos
559leituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Sarah Reed está na festa de aniversário da cidade quando seu filho Adam desaparece, ele foi visto pela última vez entrando em um antiquário onde o dono da loja afirma nunca ter visto o garoto. Desesperada Sarah ameaça chamar a polícia, mas o dono da loja apenas insiste que ela pegue um livro com as páginas e a capa em branco, que ela recusa. Na mesma noite, Sarah está em casa aos prantos, quando o livro aparece misteriosamente em sua casa, mas agora estampa na capa o nome de Sarah.

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
31 chapters
Capítulo 1
As vezes não sabemos do que somos capazes, mas somos capazes de saber até onde devemos ir para ter o que queremos. Quando os primeiros raios de sol entram pela janela do quarto de Sarah Reed, indicam que um novo dia começa, e lentamente ela abre os olhos, leva a mão à boca e boceja lentamente, olha para a janela e com um sorriso tímido se espreguiça. Na porta do guarda-roupa ela posiciona o espelho e com feição de desprezo arruma os cabelos loiros e novamente percebe que alguns bons anos de sua vida já se foram, olha para a foto de casamento em cima da estante e se dá conta que se passaram vinte anos desde que se casou, rapidamente relembra os dezenove anos e seu ultimo ano de solteirice, as velhas amigas e o tempo que se foi. Depois dos vinte anos sua vida tornou-se mais amarga, e logo tornou-se mãe, eu quando passou dos quarenta, passou a ser viúva, um acidente automobilístico levou seu marido, suas esperanças, sua juventude e sua alegria de viver, salvo, pelo filh
Ler mais
Capítulo 2
Parada de costas para porta Sarah encara o homem de forma a desafia-lo, com os olhos examina mais uma vez a loja, dá dois passos alcança o balcão mais uma vez, repousa suas mãos sobre ele e o aperta com raiva, retoma o fôlego e pergunta: - Qual seu nome?  - Me chamo Richard – responde em silêncio. Sarah tira de sua bolsa uma tesoura de cerca de quinze centímetros e a leva na altura do rosto com a ponta virada ao homem, fecha os olhos com força e quando abre, brada para Richard: - O senhor tem dois minutos para trazer meu filho aqui ou eu estraçalho sua cara! Eu juro por tudo que não sobrará um pedaço dela! O homem esbugalha os olhos e com as mãos pede calma a Sarah. - Seu filho está seguro! Pode confiar no que estou falando – responde o velho homem. Mal ele termina suas palavras e ouve um grito descontrolado: - Então devolva meu filho! Richard dá um passo para trás e levanta as mãos como estivesse se renden
Ler mais
Capítulo 3
Sarah está muito cansada, seus olhos tendem a se fechar, tem sono, seus pensamentos são confusos, ao sair do antiquário dirigiu até em casa sem sequer saber como chegou em casa, muitos pensamentos passam por sua cabeça, seu filho Adam, os acontecimentos inexplicáveis que aconteceram durante o dia o levaram ao cansaço mental, por alguns momentos acha que tudo foi apenas um sonho ou algo parecido, e que vai abrir a porta e seu filho vai vir correndo abraça-la perguntando onde ela estava esse tempo todo e se trouxe alguma guloseima da rua para ele, mas não será isso que vai acontecer.Estaciona o carro na garagem e caminha pelo pátio da casa cabisbaixa e triste, mal consegue andar de tanta tristeza, se coloca em frente a porta e sequer tem vontade de abrir a porta, a tristeza que se abateu sobre ela não lhe dá sequer vontade de respirar, mas mesmo assim se esforça e busca a chave de
Ler mais
Capítulo 4
Sarah abre os olhos e logo percebe que dormiu no sofá, a luz incomoda seus olhos a ponto de colocar uma almofada na cabeça e tentar dormir mais um pouco, mas é em vão, suas costas doem, dormir no sofá talvez seja pior que não dormir durante a noite, irritada senta-se e arruma os cabelos, um bom bocejo e uma espreguiçada lhe fazem lembrar que a noite foi ruim. Quando seus pensamentos vêm à tona, percebe que teve um sonho ruim, aliás um grande pesadelo, balança a cabeça e faz cara feia, tenta lembrar a última vez que teve um pesadelo tão real, seu filho desaparece, um maluco em uma loja que não existe, um livro que se escreve sozinho, enfim... ainda bem que tudo não passou de um desagradável pesadelo. Ainda sonolenta olha para o corredor e tenta ver se a porta do quarto de Adam está fechada. - Adam, você está aí? Está acordado? – pergunta em voz alta. Sem receber uma resposta, decide ir até o quarto do filho para se certificar que ele está dormindo, se espreguiça mais
Ler mais
Capítulo 5
Após conversar com Timothy, Sarah fica parada na calçada, apenas observa o movimento, analisa as pessoas caminhando e se põe a pensar em como vai saber quando uma pessoa vai morrer ou como vai descobrir que pessoa morta é a que deve ser aprisionada no livro, mas sem sucesso resolve ir para o carro, talvez uma volta na cidade para arejar seus pensamentos possa trazer alguma resposta para toda essa maluquice que está acontecendo em sua vida.Enquanto se aproxima do carro se dá conta que um passeio a pé pode ser mais proveitoso, abre rapidamente o livro, e uma olhada em volta para se certificar que está tudo bem, e finalmente novas palavras aparecem no livro.Vá encontrar Joe Flame no cemitério.Sarah fecha o livro rapidamente e desiste de caminhar, entra no carro e dirige até o cemitério na cidade, enquanto dirige seu nervosismo começa a aumentar, começa a pe
Ler mais
Capítulo 6
Elizabeth Sholer sempre foi uma pessoa rica, seus pais acumularam riquezas com uma empresa de estocagem de arroz, tinham silos em todas as partes do país, em Elbor ficava a sede de sua empresa a Rice Garner Co., ainda muito jovem seus pais morreram e deixaram uma fortuna para Elizabeth, que com o passar dos anos multiplicou a fortuna. Desde criança sempre foi chamada de Liz, incorporou o apelido como seu nome, raramente não era chamada assim, e um pouco depois dos trinta anos noivou com um fotógrafo famoso, viajava o mundo tirando fotos de eventos esportivos, um homem ligado as artes, o contrário de Liz que vivia apenas para si mesma, Peter, seu noivo era apenas um acessório, muitas vezes era até tratado mal na frente dos outros, no fundo Liz era acima de tudo uma pessoa muito diferente das outras.Quando chegava no seu escritório sequer dava bom dia aos funcionários, sentava em sua mesa e os gritos já come
Ler mais
Capítulo 7
Mais um dia amanhece, Sarah senta-se na cama, abre a janela e admira o dia de sol, esfrega os olhos, troca de roupa, e depois de um café da manhã rápido dirige pela cidade, tudo está normal, as pessoas caminhando para o trabalho, estudantes indo para escola, as lojas abrindo as portas e o vem e vai dos carros pelas ruas, tudo está acontecendo como sempre. Ao passar pela escola de Adam, dá uma olhada rápida e logo desvia olhar, por um momento sente-se triste, mas tem a esperança que seu filho logo voltará, vira uma esquina e estaciona o carro no estacionamento, mais um dia de trabalho está para começar. Ainda com vontade de se espreguiçar caminha até a sua mesa, sem vontade nenhuma senta-se e apática começa a verificar as coisas que precisa fazer, trabalhar no escritório de apólices e seguros da cidade é algo um tanto chato, rotineiro e maçante que Sara
Ler mais
Capítulo 8
Sarah caminha pela rua exausta, os últimos dias para ela foram duros, pensa em tudo que está acontecendo em sua vida, pensa em Adam e tenta controlar a saudade. Caminha em passos preguiçosos enquanto olha em volta, pensa que um passeio pode trazer a ela um pouco de ânimo e lhe fazer esquecer o que está acontecendo, sua vida não tinha muita graça antes de Adam desaparecer e toda essa loucura tomar conta de sua vida.As vezes chega a sentir que não existe, as pessoas passam por ela sem sequer nota-la, como não tem muitos amigos e dedicou sua vida a seu filho, sua vida social se tornou praticamente nula depois que seu marido foi embora naquele acidente automobilístico, o mundo tornou-se vazio e sem graça, a única coisa que a fazia seguir em frente era Adam, que agora não está mais ao seu lado.Os pensamentos ficam cada vez mais confusos e intensos, começa a suar frio e
Ler mais
Capítulo 9
Sarah chega em casa e desaba no sofá, é inevitável pensar no que aconteceu, apoia os pés na mesa de centro, liga a televisão e abre uma cerveja, nem sempre tem o costume de beber, mas aquela lata de cerveja perdida na geladeira veio bem a calhar em contrapartida ao dia agitado. Bebe um longo gole e com a lata a frente do rosto a analisa enquanto saboreia o amargo descendo pela garganta, jamais pensou que uma lata de cerveja seria uma companhia tão boa, mexe os dedos dos pés e recosta a cabeça no sofá, na televisão não há nada de interessante, mas nada que a faça desistir de apenas ficar no sofá e esperar o tempo passar, as imagens sequer chamam sua atenção e seus pensamentos estão longe, as vezes chegar a cochilar.A cerveja acaba, era a única que tinha, massageia a nuca e percebe que está cansada e um banho seria uma boa ideia, mas, ficar no so
Ler mais
Capítulo 10
Sarah senta-se a mesa para tomar seu café da manhã quando olha pela janela e comtempla o dia ensolarado, então resolve ligar para Susan para convida-la para um passeio, apenas para jogar conversa fora e ver o dia passar. Com o telefone apoiado no ombro se divide em cortar um pedaço de pão e falar com a amiga, é uma conversa rápida apenas para marcar a hora e lugar que vão se encontrar e logo Sarah vai ao lugar combinado e lá está Susan a esperando sentada em um banco do parque, Susan até sentada é alta, e assim Sarah a percebe de longe, as duas se cumprimentam e resolvem comprar um refrigerante e caminhar em volta do lago do parque da cidade.É uma caminhada preguiçosa, as duas querem apenas curtir o dia e conversar, deixar os problemas de lado, observar os pássaros e até jogar umas migalhas de pão para os pombos. Mas parece que Sarah não tem tempo seq
Ler mais