KALUANÃ

KALUANÃPT

Kinna kinelatto  En proceso
goodnovel16goodnovel
0.0
Reseñas insuficientes
13Capítulos
424leídos
Leer
Añadido
Denunciar
Resumen
Índice

Século XVII, a Villa De São Paulo de Piratininga vivia em constante ebulição política e econômica. As Bandeiras enviadas para o sertão, encontravam sérias dificuldades para obter mão de obra escrava, pois havia no coração dos sertões um terrível obstáculo: Kaluanã e os Guaicurus. Lutar contra os “Karaíbas”, libertar os cativos e mantê-los a distância do Grande Rio, era a missão de Kaluanã e seus guerreiros. Acauã, um mestiço da Villa, após se alistar em uma das bandeiras, viu sua vida virar às avessas. Enfrentar uma força tarefa terrivelmente armada, enviada pela coroa, era agora o maior desafio de Kaluanã. Não poderia deixar que atravessassem o Paraguai, se isso acontecesse, todas as tribos a oeste do rio e também as missões jesuítas do Itatim, estariam à mercê dos paulistas. Como enfrentar as armas e a obstinação dos Karaíbas? Como proteger as missões diante de tamanha força militar? Kaluanã buscaria a força da floresta e de seus ancestrais. Uma verdade era certa: Não se renderiam aos seus inimigos!

Leer más
Comentarios Deje su reseña en la aplicación
No hay comentarios
13 chapters
Capitulo I
                                     CAPITULO I         O        forte alarido, vindo dos grandes sinos do pátio do colégio de São Paulo, alertava em alto e bom som, os habitantes da Villa de Piratininga, que algo de grande vulto estava em andamento. Ansiosos em saber o que ocorria, o povo da Villa largou rapidamente o que estava fazendo e saiu apressado para a praça do colégio. Apinhados no pátio, toda a Villa pode vislumbrar ao longe a chegada de uma das Bandeiras, que meses antes, havia se embrenhado pelos sertões. Isso agitou os corações aflitos daqueles que tinham amigos e familiares entre os Paulistas que compunham as tropas. O que viam, porém, não era aquilo que esperavam. Dos mi
Leer más
CAPITULO II
                                    CAPITULO II         A        visão dos combalidos bandeirantes chegando a Villa de Piratininga remeteu a população a se lembrar da chegada de Dom Gabriel meses antes. Eram os mesmos rostos cansados e desiludidos, os mesmos feridos, a mesma baixa estima. Mal chegaram e o povo veio lhes acudir. Padre Nicolau os recebeu fraternalmente e pediu que os feridos e doentes fossem levados à enfermaria do colégio.  João Dias se reuniu com as autoridades da Villa e lhes relatou o ocorrido. Fora surpreendido pelos Guaicurus e não houve como enfrentá-los, tamanha era a ferocidade e força com que os atacaram. Não soube dizer a quantidade de guerreiros de Kaluanã, ma
Leer más
CAPITULO III
                               CAPITULO III         M       uitas léguas dali, uma grande fogueira mantinha a carne de uma “Tapira”[1], assando lentamente, enquanto alguns guerreiros Guaicurus dançavam ao redor dela. Pintados e carregando seus colares no pescoço, entoavam canções nativas enquanto em seus tornozelos, as maracas de pequi soavam numa compassada melodia. A harmonia daquele momento trazia conforto a toda tribo. Alegremente cantavam e dançavam despreocupados com a vida. Kaluanã, sentado a frente da grande fogueira, tinha ao seu lado o cacique Apoema, que placidamente observava feliz, seus aldeões dançando.         Kaluanã lembrou-se dos tempos em que os Panarás fazia
Leer más
CAPITULO IV
                               CAPITULO IV            A       s tropas de Felipe de Santa Cruz já avançavam léguas de São Paulo. A marcha era intensa e a tropa percorria distâncias rapidamente pelas trilhas já abertas pelas bandeiras anteriores. Acauã, agora mais avançado, verificava se a trilha e arredores estavam realmente seguros. Acampavam ao anoitecer e já de madrugada, saíam novamente em marcha. Durante vinte dias percorreram cerca de quase oitenta léguas sertão adentro. O deslocamento da bandeira era vigiado ao longe pelas tribos que habitavam os arredores. Assim que se aproximavam, todos abandonavam as aldeias e se embrenhavam pelas matas, fugindo do que achavam ser uma expedição de apresamento. &n
Leer más
CAPITULO V
                                   CAPITULO V         A       li, as voltas da grande clareira, as sentinelas pareciam estar um pouco perturbadas.  Acauã foi até onde estavam algumas delas e ali permaneceu por algum tempo. O mesmo sentimento de perigo que lhe havia roubado o sono estava da mesma forma permeando a alma daqueles nativos. Alertas aos menores movimentos e sons, pareciam apavorados pelas sombras da noite, que escurecia tudo e não deixava ver além de alguns metros a frente. Estavam apenas orientando-se pelo cheiro e pelo barulho da floresta. Sabiam que as feras estavam por ali e mais do que as feras, temiam a chegada inesperada e mortal de Kaluanã.      De repente,
Leer más
CAPITULO VI
                                  CAPITULO VI         O        vulto do grande guerreiro percorria o arraial onde estavam os Guaicurus. Kaluanã andava solitário em volta do fogo, invocando os espíritos da selva. Por horas ficou ali; Não dormiu e não comeu nada desde o primeiro ataque. Ao perceber as primeiras luzes da manhã, convocou seus guerreiros que se posicionaram a sua volta. Todos retocaram as pinturas e encheram suas aljavas. Em uníssono, soltavam urros clamando pelo espírito da guerra. Kaluanã imóvel observava o céu. — Águas pesadas irão nos castigar durante esta batalha, mas ainda mais aos karaíbas!  Guerreiros Guaicurus é chegado o momento de a grande Floresta nos libertar dos demônios
Leer más
CAPITULO VII
                                    CAPITULO VII         A        distância entre Kaluanã e os homens de Santa Cruz era muito grande para os flecheiros, mas não para as armas dos Karaíbas. Kaluanã precisava atacar os homens de frente e avançar o mais próximo da clareira. Sabia que o seu primeiro ataque desencadearia o furor da artilharia, que estava bem posicionada. Contava, porém com o tempo que perderiam no recarregar as armas e assim aproveitaria para se aproximar e tentar um combate corpo a corpo. Era preciso calcular o tempo e não errar. Os primeiros guerreiros se aproximaram a uma distância onde poderiam lançar as setas. Atrás das árvores se protegiam de um contra ataque dos mosquetes.
Leer más
CAPITULO VIII
                                     CAPITULO VIII         O        combate foi cruel e mortal. Os primeiros Guaicurus sucumbiram, mas dezenas logo apareceram e Acauã avançou contra eles. Seus homens o seguiram e ali se travou uma batalha mortal entre bordunas e adagas. Os Guaicurus eram realmente ferozes e atacavam energicamente os homens de Acauã, que sabia serem mais fortes e ágeis com suas adagas. A quantidade de guerreiros, porém era demasiadamente desproporcional e então alguns deles acabaram sendo mortos rapidamente. Acauã avançava facilmente sobre os Guaicurus, que se assustaram ao encontrar entre os inimigos um mestiço tão forte e grande como ele. Acauã se defendia e atacava co
Leer más
CAPITULO IX
                                         CAPITULO IX          E        assim Acauã e os capitães de Felipe resolveram que ao raiar do dia sairiam e enfrentariam os Guaicurus numa tentativa de buscarem a fuga. Sabiam dos riscos que corriam, mas não havia alternativa senão enfrentar Kaluanã frente a frente. Se tivessem que sucumbir, que fosse enfrentando o inimigo e não morrendo a mingua sob um cerco mortífero e cruel.  As horas que antecipavam as primeiras luzes do dia chegavam trazendo ansiedade e temor a todos na clareira. Era a chance que teriam de tentar uma fuga pelas trilhas e salvarem suas vidas. Porém, teriam que enfrentar Kaluanã e suas hostes e o q
Leer más
CAPITULO X
                      CAPITULO X         O       s Guaicurus atravessaram o grande rio e voltaram para a aldeia carregando seus mortos. A tribo toda se reuniu e pranteou por dias a morte de tantos guerreiros. Terminado os preparativos, os corpos foram enfaixados e colocados sob uma esteira que seria conduzida por um cavalo até o local sagrado. Comidas, e animais mortos eram separados para irem junto. Abriam-se as covas e os corpos eram cuidadosamente depositados. Sob elas uma esteira era colocada e ao seu lado as comidas e jarros de água. Aqueles guerreiros mais importantes tinham seus cavalos sacrificados e enterrados a parte.  Acreditavam que no mundo dos mortos estes guerreiros ainda precisariam deles. Suas armas e um poste com vários utens
Leer más