Iudicii Signum - A canção eterna

Iudicii Signum - A canção eternaPT

Jéssica Cardoso de Oliveira  Completo
goodnovel16goodnovel
0.0
Reseñas insuficientes
25Capítulos
596leídos
Leer
Añadido
Denunciar
Resumen
Índice

Na Era Medieval, o monarca da França, Felipe IV, o Belo, ouve uma voz misteriosa dentro de sua mente. Após ter contato com as passagens secretas de seu castelo, cujas obras de arte parecem ter vida própria e levá-lo a outras dimensões da realidade, ele teme estar amaldiçoado. Um dia o som o atrai para um lugar desconhecido pela maioria do povoado, repleto de lendas que dão ares de sussurrar enigmas em meio à obscuras árvores, onde poucos tiveram coragem de entrar. Entre experiências oníricas, anseios de vingança e amor, momentos artísticos e festins, artimanhas de guerra e as memórias deixadas por seus antepassados, há algo inacreditável a ocorrer ao ouvir uma simples música. O que será que ela significaria para a essência dos mortais? "Descubra os segredos de uma história inspirada no folclore da Idade Média para quem busca a elevação espiritual. Mantenha-se firme até que a última porta se abra, pois, o fim está próximo. Em breve virá o Sinal".

Leer más

También te gustarán

Comentarios Deje su reseña en la aplicación
No hay comentarios
25 chapters
PRÓLOGO:
PRÓLOGO:   No princípio, Deus criou o Cosmos. Deus deu vida à uma criatura como à sua imagem e semelhança. Ela tinha olhos azuis como cristal da cor dos céus. Seu corpo era branco como uma estátua de mármore. Seus cabelos eram negros como ébano. Ela tinha duas asas gêmeas de pássaro cintilantes em suas costas que reluziam como o brilho do sol. Ela era sublime para servi-lo. Feita para ser imortal, pura e irradiar luz. Ela era o maestro das orquestras celestiais. Seus cânticos eram feitos para agradar o coração do Senhor. Foi um dia que ela se rebelou contra o Altíssimo e ao invés de louvá-lo, exaltá-lo e glorificá-lo, desejou ser mais que o Todo-Poderoso. E aí a História começa.   Que queime em teus lábios um hino, Que purifica o espírito sem fim Pois o homem nasceu para lutar contra as Treva
Leer más
CAPÍTULO 1: FELIPE IV, O BELO
CAPÍTULO 1: FELIPE IV, O BELO   “Sempre quis ouvir uma música que extasiasse meus sentidos e me conduzisse a um lugar encantado.... Imagino que lá as corujas com um par de olhos tão reluzentes quanto as clareiras noturnas cantem, e, criaturas inimagináveis dancem e sussurrem palavras em nossos ouvidos, até alguém ousar pressagiar aquilo que elas querem dizer. Já sonhei com uma que só pode estar pintada em livros raros: ela parecia um animalzinho de corpo magro com uma longa cauda como a de um marsupial; lembrava um pouco um felino, uma espécie de lobo-da-tasmânia, porém com olhos grandes e bem arredondados como os de jaguatirica, mas os dedinhos de suas patas eram mais alongados.... Não sei dizer o que era, só sei que é tão curiosa a sua beleza, que temo que ela não venha a existir mais.” “De repente, a fantasia se torna um pesadelo quando aquele bichinho desconhecido abre um sorriso e sua boca mostra milhares de dentes
Leer más
CAPÍTULO 2: A NOTÍCIA
CAPÍTULO 2: A NOTÍCIA   No palácio do capetiano monarca, estavam alguns servos da corte cantando uma música chamada Olim Sudor Herculis. As melodias eram singelas e quando tocadas, faziam com que o ritmo acelerasse com aquela letra que retratava a mitologia grega. Os compositores queriam agradar as figuras poderosas com suas obras primas. Ela falava da força de Hércules, de como o seu esforço fora estrondoso para enfrentar tantos monstros, - obstáculos que arruinavam o reino e deixavam vidas em desespero - e falava da perseverança que o trono deveria ter para agir da mesma forma, ao inspirar-se no semideus. Ela dizia:   Era uma vez a força de Hércules, Que feriu a cabeça da Hidra temida As pragas invadiram os templos Decepando os mortais.   Os brilhos se resplandecem, Quando ele vence a bat
Leer más
CAPÍTULO 3: O LUTO
CAPÍTULO 3: O LUTO Só de imaginar o sangue do meu pai derramado.... Isso me corrói por dentro.... Isso inunda a minha alma de repúdio e ira - como um leão que ruge de ódio pelo inimigo e só pensa em destroçá-lo com pura vingança.... Esses malfeitores ainda pagarão pelo que fizeram a ele! – dizia Felipe IV encarando a si mesmo, com tanta fúria que quase deixara seu espelho partido em pedaços. Não pode ser que tenham feito mal a meu pai.... Meu querido pai... Ele se fora... Quinze anos após a morte do meu avô... A partir de hoje me vestirei de negro, ficarei de luto, para indicar que não me esqueci do que aconteceu com ele. Farei o possível para vingar a sua morte! Aqueles infelizes ainda terão o que merecem! Bem que minha me mãe dizia para me acalmar, que o pior poderia vir a qualquer momento, que nunca sabemos do futuro. Ela sempre me dizia que em momentos difíceis, não se deve manter a cabeça quente, deve-se respirar fundo e seguir em frente
Leer más
CAPÍTULO 4: JOANA DE NAVARRA
CAPÍTULO 4: JOANA DE NAVARRA   Queria ver aquela donzela de olhos azuis irradiantes de novo. Queria vê-la de perto. Desde que a vi, minha alma ficou tão petrificada, que eu sentia um delicado desejo que eu alimentava de querer conhecê-la. Mesmo que eu a tenha visto de longe, sua beleza parecia sem igual. Ainda lembro do seu olhar meigo, olhando para o horizonte. Havia um semblante que me gerava tanta curiosidade, que eu me sentia atraído só no meu primeiro olhar. Eu imaginava o seu perfume e desde então, sua imagem aparecia em meus sonhos. Eu sentia que queria tocá-la, sentir o seu beijo doce, de mel, mas eu temia que ela pudesse escapar de mim. Eu a via em minhas fantasias com aqueles olhos de cristal da cor dos céus olhando em minha direção: era quase como se ela esperasse por um sinal, que eu fosse conhecê-la, que eu a agradasse com minha amizade sincera. Minhas manhãs já pareciam mais coloridas ao lembrar daq
Leer más
CAPÍTULO 5: O CASAMENTO
CAPÍTULO 5: O CASAMENTO   Era o final do ano de 1284. Joana de Navarra havia recebido a declaração de amor de Felipe IV. Eles pretendiam se casar com todo o requinte e aparatos possíveis, afinal ela era herdeira do trono de Navarra e ele estaria no trono no ano seguinte. A igreja escolhida foi a de Saint-Denis para a cerimônia de casamento. Joana de Navarra vestia um vestido branco de casamento, símbolo de castidade. Suas mangas longas quase se arrastavam pelo chão. Usava sua coroa de ouro e pedras preciosas, joias em torno do pescoço e um véu escuro transparente de seda pura, além de um cinturão decorado com ornamentos em forma de flores de pérolas. Os músicos se amontoavam tocando belas melodias para o grande momento, enquanto havia um burburinho do povo que queria assistir curioso ao evento. A igreja estava repleta de decorações riquíssimas exalando o cheiro suave das jasmins brancas. Felipe, o Belo, vestia-se
Leer más
CAPÍTULO 6: A HERDEIRA
CAPÍTULO 6: A HERDEIRA   As folhas alaranjadas secas caíam das árvores com o sussurrar tímido do vento. O céu diante do Castelo de Fontainebleau estava levemente cinzento, as nuvens pareciam mais próximas do lugar, deixavam o ar de conto de fadas daquele lugar mais sombrio, parecia que algo se escondia por detrás das árvores. Alguns rumores diziam já terem enxergado até vultos saindo da casa nobre.  Não era de se impressionar que mais um dia daqueles levaria a corte ao seu auge, talvez, como alguns desejavam. O salão nobre aguardava pela presença dos seus reis. Joana Navarra sobe ao trono junto à Felipe, o Belo. Herda o trono de Navarra e o condado de Champagne. Naquele dia um sol suave irradiava pelas vidraças de cristal do Palácio dos novos reis da França. Uma pintura do casal é colocada nas paredes de seu suntuoso quarto, naquelas divisórias decoradas com esculturas de musas que pareciam tão reais que quase as co
Leer más
CAPÍTULO 7: TEMPOS DE GUERRA
CAPÍTULO 7: TEMPOS DE GUERRA   Naquele dia, diante do castelo de Fontainebleau, se reúnem os principais servos da corte e seus cavaleiros para ouvir o discurso de Felipe IV. No céu cantavam apenas duas andorinhas. Parecia que estava tão nublado, que o dia se derramaria em chuvas. O vento soprava um pouco gélido e alguns servos mais pobres até se encolhiam de frio. Outros vinham de longe para ouvir o que o rei tinha a dizer, mas só por curiosidade. Uma pequena serração escondia os corpos do povo mais longínquos da sua entrada. A imagem de Felipe era muito respeitada. Ele se vestia com todo o luxo possível. Usava um medalhão no pescoço herdado do seu pai. Muitos não sabiam que ele tinha pertencido aos árabes muçulmanos e que havia boatos que ele poderia trazer confusão ao reino: mais precisamente tinha ligação com o acordar de bestas que até então povoavam o imaginário das mentes daquela multidão. Ele usava a joia
Leer más
CAPÍTULO 8: LUTA SEM TRÉGUA
CAPÍTULO 8: LUTA SEM TRÉGUA   Felipe acorda no túnel escuro, a lamparina havia apagado. Ele precisava sair dali para não ser descoberto por ninguém. Parece que tinha tido um sonho. Não conseguia se lembrar muito bem do que havia ocorrido. Só pensou que tinha visitado um lugar desconhecido e ao mesmo tempo, familiar. Mas algo ele pressentia: que qualquer coisa inexplicável havia acontecido. O que iriam dizer se eu lhes contasse a verdade? - pensou. Seria cruel se a Igreja lhe apontasse como herege ou algo do tipo. Seria fatal revelar a sua vivência para os demais. Ele tinha que esconder de tudo debaixo de sete chaves e de todos o que havia descoberto. Viu que precisava voltar a abrir a porta falsa do cômodo para sair dali e deixar o porão secreto sempre trancado para que ninguém movido por uma curiosidade atordoante, visitasse aquele lugar, que poderia ter belos tesouros. Sabia que constantemente, voltaria ao lug
Leer más
CAPÍTULO 9: A REBELIÃO
CAPÍTULO 9: A REBELIÃO   Não demora muito e diante da crise, a população fica descontente com o reinado de Felipe. Os impostos estavam muito altos. Havia fome e miséria pelas consequências da guerra. O povo age com sua rebelião e um camponês se levanta no meio da multidão: – O trabalho de nossas mãos nutrem os perversos e os preguiçosos! Os poderosos tiram proveito de nossas árduas conquistas e só nos deixam passar necessidade! Impostores! – ao seu redor estavam muitos outros observando a tudo, se unindo para um protesto na frente do Castelo Fontainebleau. Ouviam-se gritos de insatisfação contra Felipe e seus súditos. Os cavaleiros e escudeiros do rei se posicionam na frente da grande porta do castelo, impedindo a passagem dos revoltosos, que ameaçam atirar pedras naqueles soldados e incendiar objetos. Alguns dos trovadores fazem uma cantiga de maldizer ao rei: – Ah, você, seu rei danado! No inferno será condenado! Se aqu
Leer más