TRAÇOS DA ESCURIDÃO

TRAÇOS DA ESCURIDÃOPT

TR ALTMER  Em andamento
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
12Capítulos
340leituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Uma arte antiga e sombria é revitalizada em uma graphic novel pelas mãos de um quadrinista fracassado. Seus leitores são dominados por um fascínio obsessivo e enlouquecedor. Mas segredos mais profundos se escondem naqueles traços, segredos que o mundo jamais deveria saber. Quem deterá a propagação dessa arte antes que um mal ganhe proporções incontroláveis?

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
12 chapters
ANTES
Estamos agora na Rodovia Laura Alvim onde um ônibus da linha 237 acaba de ser sequestrado.Pelo que fomos informados até agora, cerca de trinta passageiros estão sob o poder de três indivíduos armados com fuzis e pistolas. A polícia acompanha o veículo, mas até o momento não foi estabelecido nenhum contato... O repórter se cala com um giro no botão do rádio. A campainha toca insistente do lado de fora. O homem em seu apartamento levanta da cadeira, pega meio cigarro do cinzeiro. Ia parar de fumar um dia.  Conseguiu resistir por dois meses até começar o trabalho. Agora também já não importava. Abre a porta sem pressa. Depois das onze da noite ninguém precisa se afobar. A pessoa à sua frente usa o figurino noir -  capote marrom,chapéu preto com abas, sapatos opacos.Não se trata de  um estilo e sim uma resposta à chuva infernal. Silvio Alieri não lembrava se em algum momento de sua vida gostou de chuva. Ele cumprimenta o homem  e entr
Ler mais
ENCONTRADO
O copo estava pela metade quando o chamaram.entendeu como um alerta do destino, conspiração do universo ou qualquer outra denominação mistica para evitar mais um gole daquele café. Não estava ruim e sim algo além do intragável. Quem quer que tenha preparado não poderia se iludir com a ideia de viver daquilo ou morreria de fome. Derramou o copo na pia da cozinha, foi até a sala de estar. Metade das tábuas do chão tinha sido retiradas,as paredes  totalmente lixadas,sacos de cimento e argamassa,pisos de porcelanato se empilhavam pelos cantos. Dentro de alguns dias aquele mausoléu seria transformado em um ambiente pós moderno rabiscado por um garoto de barba estilizada e canudo com cheiro de recém formado que nunca sujou as mãos com rejunte. Tudo muito lindo e caro,muito caro.Bom, não era problema dele,estava sendo pago para seguir o projeto,nada mais.-Patrão, achamos isso aqui escondido no chão.- disse Francisco, um dos pedreiros.-Escondido?Onde?-Num quarto, debaix
Ler mais
TALENTO
Levou algum tempo até Misaki se acostumar com temperos fortes e aromas capazes de reservar uma temporada no banheiro .Ainda  evitava alguns pratos,mas não passava fome nos restaurantes, principalmente no Roda Baiana onde a culinária era uma explosão de sabores intensos.Sentaram em uma mesa próxima a janela com vista para o mar.Eloísa pediu para as duas um  bobó de camarão acompanhado de uma jarra de suco de cupuaçu gelado.Enquanto esperavam,ela estendeu sobre a mesa o caderno de capa verde.-Da só uma olhada nisso.Eloisa não ia falar de suas impressões ou do impacto daquele trabalho,ainda não.Misaki  sorriu,abriu o caderno e passeou pelas primeiras páginas.Suas sobrancelhas finas e escuras se levantaram,tocou rapidamente os lábios com a ponta dos dedos ,fez  movimentos positivos com a cabeça. Eloisa deixou um sorriso deslizar no rosto.-Nossa,é incrível.Uma graphic novel.De quem é? -Misaki perguntou sem tirar os olhos das páginas.Eloísa
Ler mais
LEITURA
Meia noite,um Passat pointer preto 1988 estava parado há tempo demais  em frente ao condomínio Egeu na zona sul da cidade.Al Green cantava Lets Stay Together em volume suave no rádio como se o tempo não existisse. Um aroma adocicado - rosas,mel e baunilha, inundava a cabine.Mãos se tocavam,deslizavam por pernas,costas,  pescoço.Lábios se encontravam, umidos,quentes,famintos espalhavam-se pelo colo,queixo,lóbulos.O calor dos corpos parecia absorver o gelo do ar condicionado,as roupas grudavam-se à pele, goticulas de suor brilhavam nas frontes.Respiração ofegante,gemidos. Uma mão pálida interrompeu tudo com rapidez e delicadeza.-Misaki- suspirou Orlando,o  desapontamento no rosto e no tom.Cílios longos e negros rebateram em resposta como asas de borboleta em câmera lenta. À luz do luar,o rosto de Misaki parecia perolizado.-Preciso ir,amor- ela sussurrou.Orlando acariciou a  coxa dela.-Sem prorrogação hoje?Misaki correspondeu brincando co
Ler mais
QUESTÕES
O problema da autoconfiança excessiva é a ilusão da invulnerabilidade. A pessoa relaxa, expõe sua fraqueza sem perceber.Isso era tudo o que Misaki precisava.Embora fosse rapida e mais forte,sua oponente dominara a luta desde o início usando de uma agilidade e equilíbrio que não esperava. Era como tentar lutar com uma sombra. Por muito pouco,pelo menos duas vezes, Misaki esteve perto de ser massacrada.Primeiro foi atingida por chute na lateral do rosto que a deixou zonza, as pernas fraquejaram,o mundo girou,se contorceu e explodiu no branco sintético da lona.De imediato uma pressão imensa esmagou seu peito: oponente estava encima com os joelhos no chão comprimindo o corpo e prestes a enterrar uma sequência de  socos em seu rosto,mas rapidamente Misaki se esquivou para cima,liberou o tronco, bloqueou com o pé esquerdo o pé direito da oponente,em seguida com a mão  impediu que Maria se apoiasse no braço,levantou os quadris com o apoio do pé direito,girou e empurrou a outra pe
Ler mais
SOLUÇÕES
-Amiga,você tá com uma cara- disse Eloísa enquanto colocava açúcar no café.Misaki piscou os olhos e os arregalou em seguida. Sua cabeça parecia estar rachada e cada osso do corpo triturado. -Tão mal assim?-Perguntou enquanto revirava a bolsa.-Cara de acabada.Misaki puxou um espelhinho e girou em todos os ângulos do rosto. Manchas arroxeadas se emplastravam sob os olhos inchados e vermelhos, o batom claro que escolhera a deixou com a palidez de um zumbi.-Que horror!- lamentou-É, a festa foi boa.-Que festa o que, Elô!Eloísa riu baixo.-Ei, brigou com o Orlando?Ele tá livre agora?Misaki arremessou uma bolinha de papel.-Não,sua tonta,nada a ver.-Vai ter que me convencer disso.- Já basta o estresse que tive com a Maria,não enche.- Aí,aí, a eterna novela. Não percebe que vocês duas não podem estar no mesmo lugar ao mesmo tempo?Lei da física, querida.-ELA não deveria ocupar o meu espaço seria o mais correto. Qualquer dia vamos
Ler mais
ESTRANHO
O silêncio não o incomodava, podia ficar horas em um ambiente sem ruídos. Tanto em uma biblioteca como em um canto perdido no mato.Passaria tranquilamente o dia sem neuroses. O problema era o silêncio das pessoas quando esperava uma resposta.Desde o primeiro momento em que pediram para esperar, as pernas não pararam de balançar, as mãos não se aquietaram, ora pegando uma revista, ora acariciando a cabeça raspada. Todo esse tempo só para dizer um sim ou não?Quando Anderson disse que a vaga para o food truck no Festival de Música da cidade era certa ,achou que chegaria lá, assinaria uns papéis em dois minutos, não esperar metade do dia.O sistema está lento hoje, foi a desculpa da recepcionista, nem um pouco convincente ou solidária. Seria normal se tivesse um aviso na parede informando que o sistema estava lento, porque todos os dias deveria ser
Ler mais
INTENÇÕES
Algumas pessoas vivem em função de estilos desejando ter e ser sempre o diferencial,seja para chamar a atenção ou por acharem  sem graça o padrão.Misaki não sabia dizer em qual das duas categorias André Salas se encaixava.S eu escritório oscilava entre o bom gosto e o extravagante. Ela adorava a mesa de trabalho com tampo de madeira bruta, mas a estatua da mulher maravilha em tamanho real entalhada em madeira era cafona.Quando Salas soube que ela estava na empresa, abandonou repentinamente uma  reunião sobre o lançamento de um herói com poderes psiquicos ativados por refrigerante.-Hoje é meu dia de sorte!- disse com os braços abertos ao ver Misaki.-Pode ter certeza disso- ela respondeu notando o  blazer branco sobre uma camisa vermelha,o jeans com rasgos e tênis All Star Azuis.-Hum, vejo que sua visita tem algo promissor- ele sorriu.-Muito perspicaz de sua parte.-Ja ofereceram alguma coisa pra você,amor?-Não,nem precisa.-Amor, o pes
Ler mais
REAL
Podia ouvi-la  cada vez mais perto,mas  não tinha ideia de onde. Uma voz ecoava. Uma canção excruciante violentando seu íntimo com medos e aflições. Os pés queimavam, as pernas endureciam como cimento, o coração ricocheteava no peito. Não dava mais. Um gosto azedo,causticante na garganta. Desistir, desistir. Mas a canção maldita, sentia como um hálito do inferno em sua nuca alimentando o desespero. Atravessou um riacho de água negras e lodosas. Por um instante pensou ter visto dedos emergirem e afundarem. Os pelos do corpo encresparam, um gelo transpassou  seu estômago. Eloísa, Eloísa para onde você vai? Ela abafou um grito. A voz parecia ter vindo de dentro de sua cabeça.Precisava escapar,mas sabia que não adiantaria,por mais que seus instintos a impulsionassem a lutar com tudo de si. Não significava que facilitaria as coisas.Árvores de folhas cinzentas se curvavam como bruxas em farrapos. A lua tinha a tonalidade arroxeada com nítidas fendas
Ler mais
REVELAÇÕES
-Tá, legal, coroa. Por que estamos aqui?-perguntou Paola assim que entraram na casa.Luther ficou em silêncio. Andou pela sala, as mãos para trás. Soprou a poeira de uma janela, tocou nas paredes.Eram duas da madrugada e entraram sem problemas na casa que Abílio estava reformando.-Estão mudando tudo- disse.Paola girou os olhos.-Que coisa heim! Você veio aqui pra conferir se estão trabalhando direito? Essa casa é sua?Eu so topei esse trampo porque você garantiu que não seria nada esquisito. E isso tá esquisito.Luther suspirou.-Talvez eu tenha errado nessa parte do esquisito, minha jovem. A tendência é piorar. Pode aguardar um pouco aqui?Paola levantou os ombros.-Eu deveria ganhar mais por isso.-Não seja gananciosa.Já não restava muito da antiga casa. O piso foi todo removido. A parede da cozin
Ler mais