A Detetive

A DetetivePT

Sandra Lymah  concluído
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
63Capítulos
2.2Kleituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

#HOT# HOT# HOT# HOT# Amalie Sanders se apaixona por quem não deveria, e não sabe lidar com seus sentimentos. Não sabendo o que fazer, ela procura ajuda, para tentar se entender.

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
63 chapters
Capítulo Um
"Mostro meu eu interior, mas muitos não entendem. Peço, por favor, que me ajude com meus sentimentos. E eu sei que vou te amar. Que não seja imoral, posto que é uma chama acesa no infinito. Eu vivo hoje, na certeza de que amanhã será mais libertador... porém, quando amanhã chegar, saberei que o hoje já passou. Continuemos a viver!"   Ale, estava perto da parede dos fundos do apartamento, seu corpo extremamente dolorido do treino. intenso..  Alguém passa do lado de fora da porta, eu levanto meus olhos da televisão e falo para meu parceiro de treino, e também marido.  - Charles, alguém está espiando... - falo num sussurro. Ele estreita os olhos para ver melhor.
Ler mais
Capítulo Dois
Dirigindo meu carro de volta ao cinema, fico pensando nas palavras de Jonh... "Quem é você e o que você fez com a Thalia Mandes?"... meu telefone toca me trazendo de volta de meus pensamentos.  - Detetive Svorski. - atendo com cautela, já que não reconheci o número.  - Olá, detetive... - fala a mulher, meio hesitante e insegura. - a senhora disse pra eu ligar se eu não tivesse pra onde ir... - percebo que ela está muito tímida.  - Zilce?  - S-sim...  - Você consegue chegar à delegacia? Eu só vou te ajudar, não te prender!  - Acho que consigo um dinheiro emprestado para um Uber... ou taxi...Ler mais
Capítulo Três
O dia começa intenso! Dois patrocínios logo na parte da manhã. Recebemos o chamado pouco depois de eu chegar e registrar a minha entrada. Um dos patrocínios, envolve ovinhos e crenças. Tomo uma lata de energético antes de pegar a viatura. Flávio se senta calado no banco do passageiro, ao meu lado.  - O que se passa atrás desses lindos olhos verdes? - pergunto depois de um tempo, ao notar que ainda está calado.  - O que se passa na cabeça de um infeliz para matar crianças e mulheres? Já é bem ruim quando são homens! Mas crianças, Valéria?  - Eu sei... parece que o mundo regride a cada dia, não é mesmo? - suspiro. Chegamos ao primeiro local, não há muito o que fazer, o legista e sua grande equipe já está no local. Ler mais
Capítulo Quatro
Depois que ela se vai com seu filho, Alberto me entrega alguns de seus cadernos de escrita, explicando que trabalha em pró-labore e várias outras caridades. Registro minha filha e vou para casa. " - Preciso de um olho..." - entro no meu banheiro assim que me levanto, na manhã seguinte. - "Ontem foi um dia cansativo... muitos corpos de crianças..." - começo a encher a banheira no banheiro do meu quarto, enquanto pego alguns sais especiais no armário, lembro de Loren e seu olhar amendoado.  - Fica na sua, Andreta! - falo baixinho pra mim mesma. - Você não pode causar outro acidente! Um lampejo do que aconteceu no passado, corre por minha memória, não me deixando esquecer que não posso me apaixonar. " - Mas... o que é essa formiga que amamento?" Ler mais
Capítulo Cinco
O olhar dele está em chamas, eu já vi isso antes e, não acabou bem! Balanço ela pergunta, ao sentir onde firmou os pés. a cabeça bem devagar para afastar o efeito hipnótico que ele está tentando fazer. " - Talvez eu ela pergunta, ao sentir onde firmou os pés. Levanto a mão direita, disfarçadamente, e giro dois dedos rápido, ele desvia o olhar. " - Ótimo!" - dou um meio sorriso, com plena satisfação. Ele não parece satisfeito com isso, mas não consegue olhar nos meus olhos.  - Por você fez isso? - ele pergunta frustrado.  - Já disse! ela pergunta, ao
Ler mais
Capítulo Seis
Abro a boca para contestar, mas fecho imediatamente sob seu olhar severo. Pego meu celular e disco o número particular do cartão de Gis. Ele atende no primeiro toque.   — Boa tarde. Aqui é...   — Pensei realmente, que não fosse ligar hoje! A que dev...   — Preciso que você venha à minha casa agora! - eu o corto, seca.   — Então você já quebrou o encanto do seu parceiro? - ele transmite sua admiração, por sua voz.   — Estou cuidando disso... você tem meia hora! Vou passar o endereço por mensagem.   — Mal posso esperar, querida! - e desliga. Faço uma cara de nojo, involuntariamente. Ler mais
Capítulo Sete
Abro a boca para contestar, mas fecho imediatamente sob seu olhar severo. Pego meu celular e disco o número particular do cartão de Gis. Ele atende no primeiro toque.   — Boa tarde é...   — Pensei realmente, que. A que dev...   — Preciso que você venha à minha casa agora! - eu o corto, seca.   — Então você já quebrou o encanto do seu parceiro? - ele transmite sua admiração, por sua voz.   — Estou cuidando disso... você tem meia hora! Vou passar o endereço por mensagem.   — Mal posso esperar, querida! - e desliga. Faço uma cara de nojo, involuntariamente. e senta no sofá e faz u
Ler mais
Capítulo Oito
Às sete horas da manhã, já estou de pé. Revigorada depois de duas horas de sono, banho tomado e pronta para ir trabalhar. Sinto um arrepio agradável percorrer meu corpo... uma sensação de paz ao lembrar as palavras de Chegamos ao local. Que já é o quinto local de hoje, desde às treze horas e trinta, e ainda são quinze horas e cinquenta minutos! Abro a boca para contestar, mas fecho imediatamente sob seu olhar severo. Pego meu celular e disco o número particular do cartão de Gis. Ele atende no primeiro toque.   — Boa tarde é...   — Pensei realmente, que. A que dev...   — Preciso que você venha à minha casa agora! - eu o corto, seca.  Ler mais
Capítulo Nove
Às sete horas da manhã, já estou de pé. Revigorada depois de duas horas de sono, banho tomado e pronta para ir trabalhar. Sinto um arrepio agradável percorrer meu corpo... uma sensação de paz ao lembrar as palavras de Chegamos ao local. Que já é o quinto local de hoje, desde às treze horas e trinta, e ainda são quinze horas e cinquenta minutos! Abro a boca para contestar, mas fecho imediatamente sob seu olhar severo. Pego meu celular e disco o número particular do cartão de Gis. Ele atende no primeiro toque.   — Boa tarde é...   — Pensei realmente, que. A que dev...   — Preciso que você venha à minha casa agora! - eu o corto, seca.  Ler mais
Capítulo Dez
Quando o horário de visita está quase acabando, Mac pede para falar a sós comigo. Seus pais e Vlad se despedem dele e me dizem que estarão me esperando no saguão do hospital. Assim que eles saem, Mac pega minha mão que está perto da dele e me puxa suavemente para perto dele. Eu sei que ele ainda está fraco, então me abaixo e encosto minha testa na dele. - Sim, Mac?  - Pra você é tão difícil assim me chamar de Julius? - ele acaricia minha mão na sua.Ler mais