Os Mortos Não Contam Histórias

Os Mortos Não Contam HistóriasPT

Isabelle Santos  Em andamento
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
34Capítulos
1.9Kleituras
Ler
Adicionado
Resumo
Índice

O Cemitério do Hospital de Esperanza para pacientes com doenças mentais é um lugar do qual as crianças querem distância. México, 1962. A pequena cidade de Esperanza recebe Alice Rivera, uma menina de 11 anos que acabou de perder os pais em um trágico acidente de avião. Indo morar com a tia viúva e os primos, a primeira coisa que chama a atenção de Alice é o cemitério no finalzinho da rua quase desabitada. Entre os túmulos negros e pedaços de ossos, Alice acaba fazendo amigos muito peculiares que adoram lhe contar histórias, mais especificamente histórias sobre as suas mortes. Mas estaria Alice sofrendo episódios psicóticos como sugere o psiquiatra da cidade, ou seria apenas uma garotinha com dons especiais?

Ler mais
Os Mortos Não Contam Histórias Download gratuito de Novelas Online em PDF

Último capítulo

Você também vai gostar de

Livros interesantes do mesmo período

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
34 chapters
Prólogo
O dia 15 de julho de 1962 foi o último dia da vida dos passageiros do voo A75064, que partiu da Cidade do México rumo a Boston pouco antes do nascer do sol. Vinte e cinco minutos após a decolagem foi feita uma tentativa de pouso, mas antes de chegar ao solo uma das turbinas da aeronave explodiu, deixando ao todo 88 mortos e nenhum sobrevivente. Muitos corpos foram mutilados, carbonizados e a maioria não foi encontrado ou reconhecido, inclusive os corpos de Fabián e Rossana Rivera, pais de uma garotinha de 11 anos.A guarda de Alice Rivera foi passada para o parente mais próximo. Sua tia de 46 anos que morava no interior do México, na pequena cidade de Esperanza. Viúva, e com dois filhos para criar, tia Rosário n
Ler mais
Capítulo 01 - Mecanismo de defesa
— Por que ela não fala, mãe?— Crianças, precisamos conversar. Quando Alice entrou na nova casa foi bombardeada com perguntas pelo primo mais novo, algumas delas especialmente dolorosas. Sem sentir raiva, tristeza ou qualquer sentimento pelo menino, Alice pegou suas malas e rumou para o novo quarto, arrumando tudo automaticamente e sem prestar atenção nas diferenças daquela pequena casa para o seu lar na capital. Na verdade ela não sentia nada fazia um tempo, apenas um vazio e uma vontade constante de morrer. Nem os primos nem a tia entendiam o que Alice sentia, ou deixava de sentir, especialmente os primos, que enxergavam apenas outra criança para fazer companhia nas brincadeiras. Depois de tudo, por&eacut
Ler mais
Capítulo 02 - O Cemitério
Uma semana após a chegada de Alice havia se passado, as crianças já tinham se acostumado com a presença dela, mas tia Rosário estava perturbada com o fato dela ainda não ter falado nada.Todas as suas tentativas de conversa ou de fazer Alice sair de casa falhavam. Amélia tinha perdido um pouco do medo que sentia pela menina, mas achava desconfortável o fato de ter que dividir o quarto com alguém que mal respirava. — Vamos levar a Alice para conhecer a cidade hoje. Só nos duas.— Ela não vai querer ir.— Falei com um médico sobre ela e ele disse que ela pode estar passando por estresse pós traumático ou alguma
Ler mais
Capítulo 03 - Rosas de papel
Dois dias se passaram desde que Alice falou pela primeira vez. De vez em quando ela dizia uma coisa ou outra, o que já era um grande avanço. Mas ainda passava a maior parte do tempo calada.Amélia tinha parado de se empenhar muito em fazer amizade com ela, visto que tia Rosário estava satisfeita ao ouvir Alice perguntar sobre o jantar. O que incomodava tia Rosário naquele momento era o fato das aulas estarem prestes a começar. Ela tinha protegido bem a sobrinha das fofocas da cidade até o momento, mas na escola seria muito mais difícil.A primeira pessoa com quem Alice tinha falado após todo o trauma que passou fora Amélia, por isso tia Rosário ainda confiava que algo de bom poderia sair da amizade das duas. Ela era professora a mais de quinze anos e sabia que
Ler mais
Capítulo 04 - Não tenha medo dos mortos
Tia Rosário levantou da cama e saiu rapidamente quando Amélia disse que Alice havia sumido. Naturalmente, pensou que ela tinha decidido fugir e rumou para a saída da rua, sem se importar com o lado do cemitério.Alice tinha acabado de pular o muro e voltava tranquilamente para casa, felizmente Amélia a viu a tempo de gritar pela mãe, que correu e abraçou a sobrinha.- Onde você estava?Alice sentiu pelo tom de repreensão da tia que não devia contar a verdade, apesar de não ver problema em ter ido dar um pouco de atenção para aquelas pessoas tão abandonadas.- Estava brincando.- Brincando
Ler mais
Capítulo 05 - Ela está aqui
Compartilhando a raiva que sentiam por Marco, Alice e Amélia se tornaram mais próximas. Como tia Rosário suspeitava, Alice confiava mais na prima para conversar do que em qualquer adulto. O único assunto proibido entre as duas eram os pais de Alice, mas um dia essa conversa aconteceu.— Você sente falta deles; dos seus pais?  — Sim.— Eu também sinto falta do meu pai.— Como ele morreu?— Um acidente no trabalho. Ele era pedreiro. — Meus pais trabalhavam em uma agência de turismo.&m
Ler mais
Capítulo 06 - Voz
Todas as crianças estavam ansiosas para o primeiro dia de aula nas escolinhas de Esperanza. Todas exceto Alice, que não frequentaria a escola naquela ano.Tia Rosário lhe deu mil recomendações, mandou ela ficar em casa lendo e fazendo qualquer coisa até ela e os filhos chegarem na hora do almoço.— A escola não é tão legal assim, queria eu ficar em casa — Mauricio a encorajou quando viu seu rostinho triste.— Tudo bem, é só por algumas horas e ano que vem você vai com a gente — Amélia falou.Alice permaneceu calada enquanto os três saiam, ouviu bem a conversa de tia Rosário e Amélia por trá
Ler mais
Capítulo 07 - Não conte mentiras
Quando tia Rosário chegou mais tarde a primeira coisa que encontrou foi dona Ana de braços cruzados e batendo o pé no chão.— Aconteceu alguma coisa?— Sabe quem eu vi saindo do cemitério?— Alice? Ela foi pra lá?— Foi, mas já voltou. Eu fiquei aqui vigiando a porta como a boa amiga que sou e...Tia Rosário não esperou que ela terminasse de falar e entrou em casa, Alice estava sentada em uma cadeira na sala de estar lendo um livro infantil de Maurício como se nada tivesse acontecido. — Você saiu de casa? 

Ler mais

Capítulo 08 - Não beba o vinho antes da hora
Afinal, dona Ana tinha sido útil. Ela vigiara todos os dias durante uma semana se Alice saia de casa para suas travessuras.Marco, que parecia ter se tornado um residente constante ia satisfeito falar para tia Rosário que dona Ana não tinha visto nada de suspeito aquela manhã, em troca ganhava alguma moeda.Alice sabia desse esquema, Amélia tinha contado a ela. Para não magoar a tia e nem levar outra bronca se limitava a ficar em casa fazendo qualquer coisa para passar o tempo, mas seu coração não tinha se conformado com o fato de não ter descoberto o nome daquele morto.Uma noite chegou aos seus ouvidos que dona Ana estava internada após ter sofrido um acidente na cozinha. Comemorou intimamente esse acontecim
Ler mais
Transtorno obsessivo compulsivo
TOC é um transtorno psiquiátrico de ansiedade que tem como principal característica a presença de crises recorrentes de obsessões e compulsões. Pacientes com este transtorno sofrem com imagens e pensamentos que os invadem insistentemente e, muitas vezes, sem que consiga controlá-los ou bloqueá-los. Para essas pessoas, a única forma de controlar esses pensamentos e aliviar o que eles provocam é por meio de rituais repetitivos, que podem muitas vezes ocupar o dia inteiro e trazer consequências negativas na vida social. Inês Valentina Parrilla - 1891Aos domingos acordamos cedo, as boas fam&iacu
Ler mais