A Alma no Reflexo da Vida

A Alma no Reflexo da VidaPT

Fernando Gimeno  En proceso
goodnovel16goodnovel
0.0
Reseñas insuficientes
33Capítulos
284leídos
Leer
Añadido
Denunciar
Resumen
Índice

Antônio Viola, o personagem narrador do romance, foi elaborado a partir de um pouco de todos nós; ele exibe defeitos, algumas qualidades, muitos medos, carências, afetos, emoções, influências... e mostra que a sua jornada pela vida é o símbolo da passagem por um estado embrutecido no qual grande parte dos habitante do mundo se encontram, às vezes sem perceber; nessa situação os nossos semelhantes são naturalmente egocêntricos; o romance, sem dúvida fornece uma boa informação para um aprendizado real e cheio de bons exemplos ao alcance de qualquer pessoa que queira melhorar e desbastar a sua pedra bruta em busca de melhores oportunidades. Antônio Viola vence... e supera... e torna-se um homem... Com procuramos mostrar que o mundo não é construído apenas para o nosso ego! Não somos as pessoas mais felizes ou infelizes do nosso planeta! À nossa volta existem outros seres que riem, choram e sentem ânsias e desejos, tal e qual a maioria dos indivíduos que habitam a Terra. Caminhar pela vida nunca foi fácil! Não nos contentamos com a simplicidade e precisamos sempre colocar por nossa conta e risco um obstáculo a mais, uma pitada de estorvos e bastante dificuldades sempre acompanhadas e instaladas por um desejo compulsivo de complicar aquilo que é simples. É oportuno prestarmos a atenção em Guida, a personagem feminina principal, dona de uma personalidade marcante e otimista, sempre pronta a ajudar o seu próximo, encarregando-se de abrilhantar as páginas com suas atitudes de grande relevância social, resgatando Antônio do fundo do poço e renovando sua autoestima. E o mais importante, ela se dedica inteiramente à recuperação dr drogados aos quais vai buscar nas ruas lewvando-os para sua chácara onde os recupera. Leia... você vai gostar.

Leer más
Comentarios Deje su reseña en la aplicación
No hay comentarios
33 chapters
A alma no reflexo da vida
Esclarecimentos ao leitor Quanto mais eu tento entender a natureza humana mais eu sinto que estou longe de conhecê-la!  E quem pode se gabar de possuir tal sabedoria? Reconheço que não tenho essa capacidade! Também pudera... sou dono apenas da experiência de minha vida! O que aprendi com outras pessoas e tomei para mim, foram as experiências delas, as quais uso, mas não as vivenciei.Muitas vezes olho para o céu e vendo passar um avião me indago: “Quem são aqueles que ali vão?” E me respondo: “São seres humanos que levam ou trazem alegrias, decepções, uma nova vida, uma desilusão, voando em busca de um amor, ou para esquecer alguém, novos empregos, novos cursos, mudanças...” todavia, cada qual com a sua experiência particular.O fato é que as reações individuais
Leer más
Prólogo
Meu nome é Antônio Viola. A história extraordinária que vou relatar aconteceu comigo e modificou totalmente minha existência.  Confesso que às vezes sinto tudo isso como se fosse um sonho, acontecimentos desencadeados por uma série de efemérides sob as quais não tive controle, trazendo uma sucessão de fatos tais que até hoje me surpreendem.Talvez, por este motivo eu tenha resolvido escrever! De alguma forma era preciso compartilhar! A palavra falada tem apenas efeito efêmero, imediato... ela voa e se desfaz com o tempo, a não ser que marque o ouvinte com algo que mexa profundamente com sentimentos extremos, sejam de amor, sejam de mágoa, sejam de ódio...Mas antes deixa eu tentar situar-me no âmbito do leitor: quem sou eu? Como vim parar aqui? Então vejamos:Durante boa parte de minha vida fui uma pessoa de temperamento difícil, com um
Leer más
1
O velório arrastou-se por toda a noite:  melancólico, patético, triste... é claro que velório sempre é angustiante, principalmente para a família e os mais próximos, um ritual que não evoluiu através do tempo e mantém a tradição do temor da morte. Já amanhecia o dia e o enterro estava marcado para as nove horas. Sobre o catafalco repousava o esquife onde o corpo encontrava-se aguardando o sepultamento. Dona Margarida, a viúva inconsolável, meu irmão Junior e eu recebíamos os pêsames em um canto do salão, olhos vermelhos... rostos pálidos... Amélia, esposa de Junior e o resto do séquito familiar também faziam parte do roteiro das condolências; cada um dos que chegavam passava pelo féretro e dirigiam-se à fila para dizer as palavras de praxe tentando transmitir consolo à fam&i
Leer más
2
Depois do enterro fomos todos para o espaçoso apartamento da família. Junior morava em um anexo do duplex, praticamente independente do corpo principal da residência, com a mulher e o casal de filhos; eu e minha mãe residíamos no apartamento que agora pertencia a ela.Estávamos reunidos na ampla sala de estar; as devidas ordens foram dadas à empregada para servir um café. A consternação era geral e os olhos inchados e vermelhos atestavam o sofrimento a que estivemos expostos.Junior, em pé com as mãos para trás, examinava uma estante repleta de bibelôs de biscuit; Amélia, sentada em uma poltrona, ajeitava o aplique de Vilma, a filha caçula, enquanto Marquinhos, o mais velho, olhava o mar pela varanda da sala; eu estava sentado à mesa com a testa apoiada nas mãos enquanto minha mãe jazia largada no sofá com os olhos
Leer más
3
Havia mais de seis meses que eu me mudara para o pequeno apartamento do subúrbio. Enquanto fazia a limpeza e arrumava a mobília, pintura e outros afazeres, minha mente permanecera ocupada; depois, quando precisei entregar-me ao embalo da vida real, a dureza da minha decisão aparecia com a força devastadora das necessidades prementes. Eu precisava comer... no início comia na rua, mas o dinheiro ia se acabando e não havia reposição. Arrumar a casa e lavar a roupa tornou-se também um martírio que, somado à obrigação de procurar um emprego mudou totalmente a minha vida. Num piscar de olhos passei de moço rico e acostumado a mordomias, a ter que cuidar de mim mesmo com todas as implicações decorrentes de tal tarefa. E como eram difíceis essas tarefas ...Ainda não arranjara o que fazer e isso, sem dúvida, constituía-se em uma grande tortura pa
Leer más
4
O resto da semana passou e procurei esquecer o assunto. Voltei à rotina de marcar anúncios e procurar emprego. As decepções continuaram e o processo depressivo persistiu instalando-se com força plena.Algumas vezes era-me insuportável pensar ou até mesmo respirar, e sentia uma angústia asfixiante que me apertava o peito embolando a garganta... e aí eu sentia desejos de morrer. E o pior é que a vontade aumentava dia a dia dando-me ímpetos de cometer o ato derradeiro. Nessa hora a única coisa que me vinha à mente era o rosto de Junior sorrindo satisfeito com a minha derrota... e então fazia das tripas coração e chorava para desabafar minha tristeza.Não pensei na conversa com a velha mulher cujo nome eu nem sabia. Com certeza teria problemas mentais e nada do que dissera faria sentido. Mas com a aproximação do domingo deu-me vontade de volt
Leer más
5
Bela foi ao estábulo e em poucos minutos voltou com a charrete; subi e fomos a trote pelo caminho que levava à vilazinha. Durante o trajeto eu não abri a boca, apesar de sentir vontade de conversar com a moça, mas fiquei observando seu semblante de esguelha, disfarçadamente. Ela não era uma beleza clássica, mas tinha traços bem regulares: cabelos castanhos aloirados ligeiramente ondulados, mas sem serem crespos, nariz bem feito, um pouquinho arrebitado, lábios nem muito finos e nem muito grossos, de uma cor natural tendendo ao coral, não era alta, contudo, devido ao corpo esguio dava impressão de ser de uma estatura maior. O conjunto era bem agradável à minha vista, e não pude conter um ligeiro tremor por estar tão perto de seu corpo, na boleia da charrete.Ao chegarmos à praça onde eu pegaria a condução saltei e ela disse:― Tia Guida fa
Leer más
6
Saí bem cedinho de casa... cheguei à praça da vila pouco depois das nove e Bela já estava me esperando. Quando a avistei ela fez sinal para que eu subisse à boleia e explicou:― Tia Guida quer que eu passe na feira para entregar algumas verduras e frutas. É aqui pertinho.Entrou por algumas ruas até desembocar em uma que estava fechada e onde acontecia a feira. Bela apeou da charrete e perguntou se eu queria acompanhá-la; aceitei o convite e saltando fui com ela até uma barraca. Ela conversou com o dono que, após um instante, mandou um garoto até a charrete de onde ele voltou com dois grandes sacos cheios de verduras e legumes. Havia alface, couve, cenoura, quiabo, feijão verde, ovos, mel e vários outros produtos da roça. O dono da barraca conferiu tudo, contou o dinheiro correspondente e pagou a Bela pelo produto. A moça sorriu e falou:― Obrigado seu Borges
Leer más
7
No meu primeiro dia de trabalho acordei cedo. Aliás, foi difícil pegar no sono, pois a ansiedade martelava-me o espírito trazendo secura à boca e ardor nos olhos, mas às seis e meia em ponto estava na mesa para o café, de banho tomado, barba feita e roupa limpa. Após o café seguimos para a secretaria afim de verificar nosso plano de aula; eu e Bela passáramos a tarde anterior bolando o assunto que apresentaríamos. Fiquei revendo meus apontamentos e, confesso, estava extremamente nervoso; tinha dúvidas se conseguiria emitir um som sequer, na hora H.Pouco depois das sete e meia rumamos para o pavilhão onde os hóspedes nos aguardavam. Guida foi comigo para fazer a minha apresentação formal aos hóspedes e Bela ficou na secretaria fazendo o trabalho burocrático.Doze hóspedes nos aguardavam no salão principal. Guida passou os olhos pela turma
Leer más
8
Deixei o alojamento e caminhei em direção à casa. Guida me aguardava na secretaria e ao ver minha fisionomia um tanto transtornada arriscou um comentário:― Você está com cara de que viu o que nunca tinha visto...― E você tem razão ― disse eu.E contei tudo que havia presenciado, ouvido e dito.― Não disse que quando você tentasse ensinar iria aprender? Você pode estudar exaustivamente um assunto, porém o verdadeiro entendimento só acontecerá quando você procurar nos escaninhos de sua mente as palavras, os conceitos, os exemplos, as notações e as ideias necessárias para explicar ou manter seu ponto de vista para alguém. Como dizia o refrão daquela música “... aprendendo e ensinando uma nova lição...”― Mas porque a vida é cruel para alguns enquanto para outros oferec
Leer más