Acasalamento - Lua Crescente

Acasalamento - Lua CrescentePT

Jade  Em andamento
goodnovel18goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
14Capítulos
317leituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

A vida impõe normas e regras que as vezes é tomada como "correta" pelo moralidade. Algo como se apaixonar por um sequestrador ou, talvez, uma cristã ter um fogo ardente e insaciável por sexo. Como esconder de seus pais que não é não virgem? Que, na ausência de um namorado, se masturba desde os treze anos? Que explicação dar quando se encontra vibradores escondidos no quarto? O que fazer quando no celular aparece vídeos pornográfico? O julgamento vem por algo tão simples que é o desejo por algo natural da vida: transar. Beatriz entrou cedo no mundo e manteve a farsa de garota apaixonada por fotografia. Seu amor pela natureza não é em vão, mas só pode ser comparável ao do próprio sexo. A nescessidade constante de se satsfazer e chegar ao clímax nas situações e momentos tão inusitados. O que ela não esperava é que o cheiro de seus hormônios lhe colocasse frente a frente com um povo conhecido pela violência, o poder e uma voraz apetite sexual e um desejo incalculável para procriar. E então uma única humana se encontra com uma alcateia de 29 lobos sedentos para acasalar. E assim farão... custe o que custar!

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
14 chapters
PRÓLOGO
      A vida vem, a vida vai. Humanos um dia estão extintos deste mundo. Então eis a pergunta? Haverá alguém para substituí-los? Que irá procurar seus fósseis como eles buscam os dos dinossauros? Encontrará um notebook, irá reconstruir e tentar usar um pendrive contendo fotos e lembranças de milhões de anos?     Haverá alguém para procurar a história dos humanos. Interpretar os símbolos de escrita de um livro? Serão capazes de diferenciar história de estória? O real e o não real?     Afinal, o que é realidade? O que ela esconde?     Lobisomens são produtos da imaginação de alguém nos tempos medievais? Talvez uma mãe querendo colocar medo e
Ler mais
CAPÍTULO 01
      Aquele não era seu destino!     Não era para estar ali… no fim do mundo! No maldito inferno congelado onde um pouco mais de 4 mil almas devem sofrer.     Camilla não estava feliz. Não, não mesmo!     Utqiaġvik, antigamente chamada de Barrow, é uma cidade que não combina em nada com as mensagens de belas paisagens e pontos turístico que sempre lhe foi passado do Alaska. A cidade litorânea é rodeada de gelo e pequenas casas irregulares.    E ao passar por ela, Camilla se via decepcionada com o ambiente. Foi-lhe dito que as casas eram pequenas e rústicas. Bom… não estava errado.    Mas esquecer
Ler mais
CAPÍTULO 02
    O Alaska tem sua beleza, seu favorecimento as brisas de ar que levam tudo para a neve, para montanhas e além.    Fresco, agradável e bom.    Utqiaġvik não é um lugar muito fácil de sobreviver. O frio é constante na maior parte do tempo, — do ano. É um povoado com aproximadamente quatro mil e quinhentos habitantes colados ao litoral americano.    Naquele ano o inverno estava sendo rigoroso com sua população. -35°C deixavam muitos ansiosos para uma viagem de um mês longe da escuridão que se aproxima.    E algo a mais, segundo os mais céticos.    Barrow, como Utqiaġvik era chamada anteriormente, permanece um mês inteiro em completa escuridão. Uma virada de ano jamais foi tão sombria e aterrorizante.  &nb
Ler mais
CAPÍTULO 03
     A temperatura estava paralisada aos -37°C naquela noite. O ambiente escuro tinha apenas uma ou outra luz fosca para complementar a paisagem angustiante. O vento estava forte e o odor não era agradável.    Nunca foi.    E por isso ele — eles — se mantinha distante… até aquele momento.    As estradas estavam cheias de marcas, seja de pneus ou pegadas. Os mais variados tamanhos de calçados vinham e iam na movimentação do dia a dia. Mas quando o sol se punha no horizonte e a escuridão reinava, Barrow estava deserta.    E fria.    E medonha.    Contudo, naquele momento, Barrow ganhou uma nova marca quando pés anormais afundou na neve mais baixo. Branco, sem calçados, com apenas de
Ler mais
CAPÍTULO 04
    Camilla não se sentia confortável.    Primeiramente porque não conhecia aquelas pessoas. Dois casais de amigos na casa do namorado, discutindo os detalhes da viagem que ela tinha certeza que faria em casal com o Nicolas.    Os homens eram pálidos pelo frio constante do Alaska. Pareciam irmãos com seus cabelos castanhos e olhos escuros. Um era mais novo e rebelde e o outro, soava um ar mandão e autoritário.    Ela já sabia quem era o macho alfa daquele grupo vendo como Nicolas só faltava se ajoelhar e chupar o pau do cara. Já as meninas eram uma loira e uma morena, amigas. A loira namorada o fodão enquanto a morena encarou Camilla com grandes olhos negros e comentou:— Então foi você quem viu um lobisomem pendurado na janela?    A loira se
Ler mais
CAPÍTULO 05
    Ela estava parada. Quieta. Imóvel. Apenas o vento ondulava seus cabelos.    Aquele intenso vermelho… o fogo na neve, o sangue das vítimas se destacando em todo o branco do ambiente. O azul fosco do mar, as nuvens e o céu acinzentado.    Ela ficou lá… parada depois de correr da casa do namorado.    E não saiu.    A câmera continuava pendurada em seu pescoço, as roupas aparentavam ser bem mais grossas que o normal. Camilla era uma bolota pequena pronta para entrar em ebulição.   E não ouviu os passos atrás de si.   A neve era esmagada com cautela. Nem o vento denunciava sua presença.   Ele atrás.   Ela na frente.&
Ler mais
CAPÍTULO 06
— Quem era aquele homem? — Foi a primeira coisa que Nicolas perguntou quando esteve à frente de Camilla.— Você não conhece todo mundo aqui? — Indagou seca, limpando mais apropriadamente o rosto.    Ela evitava olhá-lo diretamente nos olhos. Mantinha uma certa distância e estava fechada.— Não! Claro que não… O que te faz pensar isso?— Cidade pequena é como uma organização criminosa. Ou todo mundo se odeia, ou todo mundo… se ajuda — e então deu as costas, olhando para o mar congelado e abraçando o próprio corpo.    A brisa soprava em seu cabelo, estava fria e congelou seu rosto o suficiente para querer escondê-lo no cachecol. Por um momento, sentiu falta do Brasil, do calor ardente e o fato de que um moletom já era o suficiente se o frio caísse muito.    Ca
Ler mais
CAPÍTULO 07
    O laboratório estava mais silencioso do que o esperado. Do ambiente aquecido, apenas o odor de álcool predominava, associando a feridos, sangue e doentes.    A única diferença é o fato peculiar de todos estarem feridos por uma única causa. E os mortos, bom… passar um desenho animado em som baixo numa TV de tela plana ajudava a tirar da cabeça as atrocidades que alguns viram.— Bem — Dra. Beatriz liberou o máximo de exaustão possível através de um sopro cansado —, o que temos agora?     Havia um imenso monitor à frente repassando a imagem de modo que toda a sala viesse. Entre a escuridão por tonalidades de cinza pelos equipamentos de última geração, apenas a luz era o centro.— Identificamos um padrão quase migratório nos… nos ataques — informou o um dos especialistas em comportamento animal
Ler mais
CAPÍTULO 08
    O dia amanheceu turbulento. Mais frio e macabro, onde o ambiente cinza dava indícios da grande noite que cairia sobre a cidade por um mês. A cidade estava em pânico.    Camilla dormia como um lindo anjo sonhando com filhotinhos de cachorro quando a notícia chegou até a casa. Nicolas ficou mais branco que a neve.    E não acreditou.    Abandonou Camilla quando disparou para fora da casa.     "Ocorreu um ataque de animal", disseram seus amigos. O tom melancólico não era apenas na voz, não quando a melhor amiga da amante de Nicolas estava aos prantos. "Toda família da Allyna foi… estraçalhada".    Camilla ficou para trás, um tanto surpresa. Ela própria não conseguia acreditar, contudo, bastava olhar para a janela e
Ler mais
CAPÍTULO 09
     Camilla se sentia deslocada completamente naquela situação. Seus sentimentos estavam uma completa bagunça e ela mal sabia exatamente como agir.     Ela estava com frio, inquieta e sentia falta de casa conforme se arrependia completamente da viagem ao Alaska. Nicolas estava em prantos mesmo sob efeito de calmante. Os amigos estavam colados nele mal dando espaço para ela.    E apesar de entender toda a situação deles, Camilla não sabia que queria consolar o cara pela morte da amante. Esse parecia um papel de trouxa em meio a humilhação.     Ela bufou, irritada consigo mesma.    E se Nicolas não quiser mais viajar? Parecia insensível de sua parte. MuitoLer mais