QUEBRANDO BARREIRAS

QUEBRANDO BARREIRASPT

Nathalie Rezende  Em andamento
goodnovel16goodnovel
0.0
Avaliações insuficientes
24Capítulos
495leituras
Ler
Adicionado
Denunciar
Resumo
Índice

Inglaterra, 1870. Quando uma epidemia de escarlatina devasta as vilas do interior inglês, nem mesmo os nobres ficam imunes as perdas e famílias são devastadas pelas mortes. Mary, uma jovem dama aristocrata nada convencional e James, um belo plebeu, se encontram em meio ao sofrimento enfrentando suas almas feridas e talvez não se deixem levar pelo amor. James e Mary lutam contra seus fantasmas para que possam ficar juntos. Mesmo após muitos anos de desencontros, uma única fagulha pode fazer com que tudo vá pelos ares. Mas será mesmo que o amor cura tudo e poderá quebrar todas as barreiras?

Ler mais

Você também vai gostar de

Comentários Deixe sua avaliação no aplicativo
Não há comentários
24 chapters
Capítulo 1
York, Inglaterra, 1870. Mary acordou assustada com o som da chuva que caia impiedosamente lá fora. Agarrou sua coberta tentando buscar conforto, mas como sempre, não consegui. Repreendeu-se pois sabia que não deveria ter tanto medo, já tinha 13 anos e prometeu a sua mãe em seu ultimo suspiro que seria corajosa,quando a mesma sucumbira, juntamente com muitas outras pessoas das vilas próximas, a uma epidemia de escarlatina. Tentou dormir novamente, mas os trovões pareciam mais próximos. Fechou os olhos e ouviu um barulho diferente, era alguém que batia fortemente na porta e parecia ter urgencia em ser atendido, mas quem seria naquele temporal? Levantou silenciosamente, colocou seus chinelos que estavam perto da cama, se enrolou em seu xale e foi ver quem era. Aproximou-se da escada le
Ler mais
Capítulo 2
Mary olhou de relance pra o  relógio em cima da lareira e viu que já estava atrasada para sua aula de filosofia com a Srta Hall , e com toda certeza ela não iria gostar do atraso, pensou Mary, mesmo sendo sempre tão gentil e compreenssiva com sua situação.Então se apressou em pegar seu caderno de anotações e alguns livros e saiu rapidamente de  seu quarto. Sem esperar, trombou em alguém bruscamente.A pessoa segurou seu braço de forma firme, não deixando que ela caísse ou sequer se move-se. Ao olhar para cima para ver com quem havia trombado, viu os olhos azuis da noite passada, olhos cheios de fúria e algo mais que ela conhecia bem, a dor. Ele a encarava e o contato só foi quebrado quando Gerald disse:- Isso não são modos milaide, sair correndo dessa maneira não condiz com sua posição.- Sim...Claro, me d
Ler mais
Capítulo 3
James estava desenhando no caderno que ganhara de seu pai a muitos anos atrás e percebeu que as folhas estavam acabando. Esse era seu passatempo favorito e sempre que possível exercitava suas habilidades. "Seu dom pode ser muito útil um dia Jimy", dizia seu pai. "Papai", pensou James, por causa dele estava ali agora, na casa daquele homem que o matou, comendo a comida e vestindo as roupas que ele caridosamente lhe oferecia. Com raiva fechou o caderno e o jogou para o lado e apoiou os braços nas suas pernas pensativo.Seus pais eram apaixonados, mas sua mãe não conseguia se adaptar a Londres, por isso se mudaram para o campo onde seu pai exercia a profissão de médico em troca de galinhas e às vezes algum pagamento.Há três anos sua mãe faleceu ao dar a luz
Ler mais
Capítulo 4
Mary se vestiu apressadamente e pegou um robe azul marinho que estava sobre uma cadeira, não se importaria com trajes agora, estava furiosa com seu pai. Foi para a janela e ficou a observar a paisagem que tanto a acalmava, mas que agora não surtia efeito. Ouviu uma batida na porta, fechou os olhos para se preparar para o que viria e mandou que entrasse. Sem se virar Mary foi dizendo:- Não farei cerimônia Gerald, ouvi dizer que meu pai entrou em contato com...Mary interrompeu sua fala imediatamente ao se virar e se deparar com James ali parado a observando. Ele estava muito bonito com os cabelos desalinhados e as roupas bem passadas. Usava um casaco escuro que realçava seus olhos azuis, só então percebeu o quão inapropriadamente estava vestida.

Ler mais

Capítulo 5
Henry Conway, 8° Marquês de Hertford ficou observando sua filha sair. Realmente ela era muito parecida com a mãe, dolorosamente parecida, mas na verdade isso deveria ser um consolo, já que assim poderia se lembrar sempre dela.Balançou a cabeça para afastar os pensamentos dolorosos que lutava por três meses tentando controlar, Já havia se escondido tempo demais. Pessoas dependiam dele e da sua posição, então levantou-se e foi procurar Gerald para conversar sobre James Ward.- Conte-me Gerald, pediu o Marquês, o garoto James como se comportou?- Se me permite dizer senhor, o garoto é muito educado. No início mostrou-se arredio, mas logo se acostumou com todos da casa Hetford. Frequenta as aulas c
Ler mais
Capítulo 6
Ela se parecia muito mesmo com sua mãe, isso estava claro como o dia. A falecida Marquesa era conhecida por todos por sua beleza, e James agora entendi o motivo, assim como Mary, ela mais parecia um daqueles personagens mitológicos saidos das florestas de tão surreal.- Ela era linda não é mesmo? Disse Henry interrompendo os pensamentos de James parando ao seu lado e observando o quadro também com ar de pesar e saudade.- Sim, muito linda mesmo. Lady Mary se parece muito com ela. O senhor é um homem de sorte.-  Sim, ela é linda também.- Não, não quis dizer ...tentou dizer James envergonhado por ter dito tal coisa.

Ler mais

Capítulo 7
O tempo foi passando assim como os anos. James era presença constante nas viagens do Marquês e em qualquer momento na vida de Mary. Mostrou-se muito talentoso na área de engenharia, por isso sua opinião nas construções de seus arrendatários e em melhorias na vila era decisiva. Mary também não ficava para trás. Seus projetos, pricipalmente em relação a irrigação e novas formas de plantio e agricultura, eram sempre colocados em prática por seu pai, e sempre com muito sucesso.Além de muito inteligente e perspicaz, Mary se tornara uma jovem belissima, como todos já esperavam, e cada dia mais se parecia com a falecida marquesa.Três anos haviam se passado desde que se conheceram. James tinha agora dezoito anos e o aniv
Ler mais
Capítulo 8
Os dias que se passaram foram um inferno para James. Mary e Stephan eram inseparáveis e estava claro que o maldito ja estava apaixonado por ela. O filho mais velho de um conde rico era tudo que ela merecia, mas seu coração se recusava a aceitar, por isso decidiu manter seu plano e afasta-la.Sempre que Mary tentava se aproximar James a repelia com grosserias ou indiferença na maioria das vezes. Ele estava irreconhecivel, e a única coisa que conseguia pensar era se teria feito algo para chatea-lo. Porém, pensando melhor, não encontrava motivo algum que justificasse esse comportmento, pelo contrário, sempre fora a mesma com ele.Em uma tarde, quando sentiu-se sufocada por tantas pessoas ao seu redor organizando tudo para o baile que aconteceria em alguns dias, decidiu fugiu para est&
Ler mais
Capítulo 9
James estava quase enlouquecendo em seu quarto. Não conseguia se concentrar em nada por isso foi espairecer e desenhar. Estava sentado encostado no velho carvalho preferido de Mary observando a paisagem a sua frente, onde o sol se misturava com as novens escuras de chuva quando ouviu a risada de Mary e instantaneamente sorriu também, sempre foi assim, a alegria dela era contagiante, mas ao ouvir a voz de Stephan, seu sorriso desapareceu.Silenciosamente se levantou e foi espiar através de uma fresta no carvalho. Quase perdeu a cabeça quando viu Stephan a segurando pela cintura ao ajuda-la descer de sua égua, mas respirou fundo e decidiu esperar.Ouviu Mary pedindo um tipo de bebida para ele como prêmio por terem empatado na corrida. Ela era tão linda, seus olhos brilhavam na expectativa de
Ler mais
Capítulo 10
Se James tinha algum controle perdeu naquele instante. Em um único passo chegou até Mary e a beijou. E foi exatamente como imaginou. Seus lábios eram tão doces e quentes quanto seu cheiro e sua pele mais macia que qualquer seda que já tocou na vida. Ela o agarrou pela nuca para que não se afastasse, mas ele só queria prova-la mais. Fez um caminho de beijou por seu pescoço enquanto sussurrava em seu ouvido.- Ninguém me tirará isso, esse momento. Seu primeiro beijo é meu e você nunca se esquecerá disso.Mary não sabia o que fazer, só queria aproxima-lo mais e mais e não deixa-lo nunca se afastar. O queria dentro de seu coração, junto com sua alma.Suas forç
Ler mais