camomilas

camomilasPT

Cristina Ching  En proceso
goodnovel16goodnovel
0.0
Reseñas insuficientes
11Capítulos
22leídos
Leer
Añadido
Denunciar
Resumen
Índice

Sinopsis

Pesimista

uma mulher, um homen, um bebé, madrugada clara, cidade movimentada,lua cheia de ternura, à beira de uma regada, camomila crescida

Leer más
Comentarios Deje su reseña en la aplicación
No hay comentarios
11 chapters
2
- Vai entender. Os fatos explicarão melhor os sentimentos: os fatos são tudo. A melhordefinição do amor não vale um beijo de moça namorada; e, se bem me lembro, um filósofoantigo demonstrou o movimento andando. Vamos aos fatos. Vamos ver como, ao tempo emque a consciência do homem se obliterava, a do alferes tornava-se viva e intensa. As doreshumanas, as alegrias humanas, se eram só isso, mal obtinham de mim uma compaixãoapática ou um sorriso de favor. No fim de três semanas, era outro, totalmente outro. Eraexclusivamente alferes. Ora, um dia recebeu a tia Marcolina uma notícia grave; uma desuas filhas, casada com um lavrador residente dali a cinco léguas, estava mal e à morte.Adeus, sobrinho! adeus, alferes! Era mãe extremosa, armou logo uma viagem, pediu aocunhado que fosse com ela, e a mim que tomasse conta do sí
Leer más
3
- Sim, parece que tinha um pouco de medo.- Oh! fora bom se eu pudesse ter medo! Viveria. Mas o característico daquela situação éque eu nem sequer podia ter medo, isto é, o medo vulgarmente entendido. Tinha umasensação inexplicável. Era como um defunto andando, um sonâmbulo, um bonecomecânico. Dormindo, era outra coisa. O sono dava-me alívio, não pela razão comum de serirmão da morte, mas por outra. Acho que posso explicar assim esse fenômeno: - o sono,eliminando a necessidade de uma alma exterior, deixava atuar a alma interior. Nos sonhos,fardava-me orgulhosamente, no meio da família e dos amigos, que me elogiavam o garbo,que me chamavam alferes; vinha um amigo de nossa casa, e prometia-me o posto detenente, outro o de capitão ou major; e tudo isso fazia-me viver. Mas quando acordava, diaclaro, esvaía-s
Leer más
4
“ESTAS MINHAS memórias que há dias tento começar, são deveras difíceis de executar, pois se imaginarem que a minha secretaria é de pequeno pessoal e pouco nela se passa de notável, bem avaliarão em que apuros me encontro para dar volume àsminhas recordações de velho funcionário. Entretanto, sem recorrer a dificuldade, masladeando-a, irei sem preocupar-me com datas nem tampouco me incomodando com aordem das coisas e fatos, narrando o que me acudir de importante, à proporção deescrevê-las. Ponho-me à obra.Logo no primeiro dia em que funcionei na secretaria, senti bem que todos nós nascemos para empregado público. Foi a reflexão que fiz, ao me julgar tão em mim, quando, após a posse e o compromisso ou juramento, sentei-me perfeitamente à vontade na m
Leer más
5
Os dois outros, porém, são mais modernizados. Um é “charadista”, o homem que o diretor consulta, que dá as informações confidenciais, para o presidente e o ministro promoverem os amanuenses. Este ninguém sabe como entrou para a secretaria; mas logo ganhou a confiança de todos, de todos se fez amigo e, em pouco, subiu três passos na hierarquia e arranjou quatro gratificações mensais ou extraordinárias. Não é má pessoa, ninguém se pode aborrecer com ele: é uma criação do ofício que só amofina os outros, assim mesmo sem nada estes saberem ao certo, quando se trata de promoções. Há casos muito interessantes; mas deixo as proezas dessa inferência burocrática, em que o seu amor primitivo a charadas, ao logogrifo e aos enigma
Leer más
6
Tudo tentara e em tudo mais ou menos falhara. Tentara formar-se, foi reprovado; tentara o funcionalismo, foi sempre preterido por colegas inferiores em tudo a ele,mesmo no burocracismo; fizera literatura e se, de todo, não falhou, foi devido à audácia de que se revestiu, audácia de quem “queimou os seus navios”. Assim mesmo, todas as picuinhas lhe eram feitas. Às vezes, julgavam-no inferior a certo outro, porque não tinha pasta de marroquim; outras vezes tinham-no por inferior e determinado “antologista”,porque semelhante autor havia, quando “encostado” ao consulado do Brasil, em Paris,recebido como presente do rei do Sião, uma bengala de legítimo junco da índia. Poressas e outras, ele se aborreceu e resolveu retirar-se da liça. Com alguma renda, tendo uma pequena casa, num subúrbio afastado, a
Leer más
7
QUE PODIA ela dizer, após três meses de casada, sobre o casamento?Era bom? Era mau?Não se animava a afirmar nem uma coisa, nem outra. Em essência, “aquilo” lhe parecia resumir-se em uma simples mudança de casa.A que deixara não tinha mais nem menos cômodos do que a que viera habitar; não tinha mais “largueza”; mas a nova possuía um jardinzito minúsculo e uma pia nasala de jantar.Era, no fim de contas, a diminuta diferença que existia entre ambas.Passando da obediência dos pais, para a do marido, o que ela sentia, era o que se sente quando se muda de habitação.No começo, há nos que se mudam, agitação, atividade; puxa-se pela idéia, a fim de adaptar os móveis à casa nova” e, por conseguinte, eles, os seus recentes habitantes 
Leer más
8
DIZER QUE não trabalho mais à noite, no jornal, não é bem verdade. Licencieime por alguns meses, para lá não ir à noite. Quando há desses turumbambas políticos, na cidade, fujo do trabalho noturno. E faço semelhante coisa principalmente quandovejo certos nomes metidos neles.Quem expunha isto era o tipografo Brandão a seu colega Barbalho que tinhaobservado àquele a sua ausência das oficinas do Diário Carioca, naqueles últimos dias.Brandão continuou:– Quando vejo tais nomes fico cheio de pavor, meu ânimo se estiola, não tenho coragem para nada, toda a minha personalidade é atingida de seca. Há dias, a mulher me pediu que fosse reconhecer a firma de um papel necessário a ela, a fim de receber uma pensão. Fui para a oficina, de manhã, hesitei, tive me
Leer más
9
DIZER QUE não trabalho mais à noite, no jornal, não é bem verdade. Licencieime por alguns meses, para lá não ir à noite. Quando há desses turumbambas políticos, na cidade, fujo do trabalho noturno. E faço semelhante coisa principalmente quandovejo certos nomes metidos neles.Quem expunha isto era o tipografo Brandão a seu colega Barbalho que tinhaobservado àquele a sua ausência das oficinas do Diário Carioca, naqueles últimos dias.Brandão continuou:– Quando vejo tais nomes fico cheio de pavor, meu ânimo se estiola, não tenho coragem para nada, toda a minha personalidade é atingida de seca. Há dias, a mulher me pediu que fosse reconhecer a firma de um papel necessário a ela, a fim de receber uma pensão. Fui para a oficina, de manhã, hesitei, tive me
Leer más
10
DIZER QUE não trabalho mais à noite, no jornal, não é bem verdade. Licencieime por alguns meses, para lá não ir à noite. Quando há desses turumbambas políticos, na cidade, fujo do trabalho noturno. E faço semelhante coisa principalmente quandovejo certos nomes metidos neles.Quem expunha isto era o tipografo Brandão a seu colega Barbalho que tinhaobservado àquele a sua ausência das oficinas do Diário Carioca, naqueles últimos dias.Brandão continuou:– Quando vejo tais nomes fico cheio de pavor, meu ânimo se estiola, não tenho coragem para nada, toda a minha personalidade é atingida de seca. Há dias, a mulher me pediu que fosse reconhecer a firma de um papel necessário a ela, a fim de receber uma pensão. Fui para a oficina, de manhã, hesitei, tive me
Leer más
11
DIZER QUE não trabalho mais à noite, no jornal, não é bem verdade. Licencieime por alguns meses, para lá não ir à noite. Quando há desses turumbambas políticos, na cidade, fujo do trabalho noturno. E faço semelhante coisa principalmente quandovejo certos nomes metidos neles.Quem expunha isto era o tipografo Brandão a seu colega Barbalho que tinhaobservado àquele a sua ausência das oficinas do Diário Carioca, naqueles últimos dias.Brandão continuou:– Quando vejo tais nomes fico cheio de pavor, meu ânimo se estiola, não tenho coragem para nada, toda a minha personalidade é atingida de seca. Há dias, a mulher me pediu que fosse reconhecer a firma de um papel necessário a ela, a fim de receber uma pensão. Fui para a oficina, de manhã, hesitei, tive me
Leer más