Versos Sombrios (Livro II - Trilogia das Cartas)

Versos Sombrios (Livro II - Trilogia das Cartas)PT

Bia Carvalho  En proceso
goodnovel16goodnovel
0.0
Reseñas insuficientes
30Capítulos
264leídos
Leer
Añadido
Denunciar
Resumen
Índice

"O bem e o mal conectados por palavras e um destino" A segunda carta de Lolla Dewitt é revelada, com seu último desejo para Cailey DeWitt. Cailey tem o dom das palavras. Quando escreve, ela consegue transmitir sentimentos, se conectar com a história de qualquer pessoa e até curar corações partidos. Porém, seu dom pode se tornar um pouco mais obscuro que isso. Lolla pede que ela envie uma de suas belas poesias a Jayce Hernandez, um detetive amargurado que perdeu a mulher amada e se afundou em escuridão. Por mais que Cailey não o visse com bons olhos, atendeu ao pedido da avó, e sua mensagem trouxe uma nova esperança para o policial. Contudo, Jayce logo tem a oportunidade de retribuir a ajuda de Cailey, que se vê perseguida por um assassino perigoso, capaz de se comunicar telepaticamente com ela através de seus textos. Tentando se salvar de um homem obcecado, Cailey precisa contar com Jayce para proteger-se. Mas o que ela não contava era que os segredos que iria descobrir poderiam mudar sua vida para sempre.

Leer más

También te gustarán

Comentarios Deje su reseña en la aplicación
No hay comentarios
30 chapters
Prólogo
ABRIL - 2010 Lolla acordou sobressaltada, com a respiração ofegante. Estava na hora.Ela vestiu o robe delicado em seu corpo pequeno — porém ainda  rígido  e forte, mesmo próximo da morte —, desceu as escadas de sua casa, com o máximo de pressa que suas pernas cansadas permitiam, e foi para seu escritório. Tentou não fazer barulho, porque era madrugada, e Cailey e Tatianna dormiam.Há uma semana tivera aquele mesmo sentimento,  como  se  o  coração estivesse prestes a saltar pela boca depois de um sonho. Um sonho real, vívido, que ela sabia que acabaria  ultrapassando  as  barreiras  de  sua  mente  e  se materializando na realidade; como já acontecera tantas outras vezes, inclusive com Faith, suas flores, o belo homem no cemitério e todos os segredos que ainda  lhe
Leer más
Capítulo 1
NOVEMBRO - 2010             Ela fechou os olhos bem devagar, absorvendo o momento, pronta para entrar naquele transe que já lhe era conhecido. As palavras apareciam em sua mente como se fossem sussurradas por um anjo, de maneira doce em seus ouvidos. Elas lhe permitiam que se transportasse para um mundo paralelo, completamente dela, onde nada mais importava. Eram como uma melodia constante, com uma letra sempre diferente.            Sentia-se à vontade com suas palavras, assim como Faith se sentia com suas flores.            Era como se suas mãos não mais lhe pertencessem. Era sua alma que escrevia, entorpecida por devaneios íntimos, que na maioria das vezes faziam parte do destino de outras pessoas. &nb
Leer más
Capítulo 2
Jayce sabia que não era nada além de um corpo jogado no chão. O sol entrava por sua janela e atingia seus olhos de maneira dolorosa. Estava de ressaca, como sempre andava nos últimos tempos, e não lembrava sequer o que tinha bebido na noite passada, muito menos como tinha conseguido a garrafa, pois seu dinheiro acabara há algum tempo. Também tinha esquecido qual era a senha de seu cartão de débito, o que era uma bênção, ou nem mesmo suas economias teriam sido poupadas. A barba estava enorme, e o cabelo já não era cortado há vários meses. Além disso tudo, só tomava banho quando estava sóbrio e se lembrava de fazê-lo. Não tinha sequer coragem de se olhar no espelho, pois não queria ver aquele estranho a olhá-lo de volta. Sempre fora um belo homem, com seus genes latinos, herança de família e de seu nascimento em Po
Leer más
Capítulo 3
Jayce acordou no dia seguinte, sentindo-se um outro homem. Ao olhar no espelho, conseguiu enxergar em si a confiança que lhe abandonara naqueles meses de luto e morbidez, e aquela sensação lhe proporcionou um sorriso, enquanto vestia uma jaqueta de couro, aprontando-se para trabalhar, feliz como há muito tempo não se sentia, especialmente por saber seria parceiro de Steve.            Porém, o que encontrou, ao invés de um colegaanimado e uma recepção calorosa, foi um Steve concentrado e preocupado. Ele analisava um arquivo de um caso, com uma expressão que não era das melhores. Jayce já estava imaginando que teria que lidar com algo bem complicado logo em seu primeiro dia, mas estava simplesmente feliz por voltar. Por mais sangrento ou terrível que fosse o trabalho, precisaria pensar que sua vida tinha significado outra vez. Saberi
Leer más
Capítulo 4
Sentindo-se leve como se estivesse caminhando em nuvens, Jayce voltava para casa, depois de seu primeiro dia de trabalho. Apesar do lado negro de sua profissão, ele sentia-se um homem de sorte por poder fazer o que gostava, e mais ainda por poder trabalhar com Steve.Tencionava lentamente recuperar sua antiga situação financeira e retomar sua vida. Não que não apreciasse voltar para casa caminhando, tendo a oportunidade de pensar em seu dia, mas sentia falta da comodidade de um carro, já que vendera o seu para alimentar o vício estúpido que o consumira naqueles meses de negação e luto.Mas, talvez, ir andando para casa não tivessesido apenas uma consequência de não possuir mais um carro. Talvez fosse uma obra do destino.A duas quadras de sua casa, enquanto caminhava despretensiosamente, avistou de longe uma moça sentada na calçada. Mesmo àquela dist&ac
Leer más
Capítulo 5
Jayce estava sonhando. Mas não era um sonho muito diferente daqueles que passara a ter desde que Debra se fora. Nele, estava deitado em uma lindíssima cama de dossel, sobre lençóis muito brancos e macios, segurando uma mulher nos braços. Seus cabelos loiros se espalhavam sobre o travesseiro, não muito rebeldes, pois não eram muito compridos, e ela parecia relaxada, como se pertencesse àquele lugar. Aquele sonho lhe era familiar. Todas as noites, depois de dormir, seu inconsciente o prendia naquele devaneio. E aquela era a hora mais temerosa, quando ele virava a bela mulher para si e a via sangrar até a morte, por uma profunda ferida no pescoço. Então, por já saber que aquele sonho sublime se tornaria um pesadelo, ele mexeu o corpo dela com cuidado.Entretanto, ao tê-la mais perto, viu que não estava morta, que era Cailey, linda e relaxada... completamente viva.Sobressaltado, volto
Leer más
Capítulo 6
Chegar cedo em casa, apesar de amar o que fazia, era uma verdadeira bênção. Por mais que ser um policial fosse sua verdadeira e apaixonada vocação, ele se sentia muito aliviado ao pisar em seu território, em sua casa, seu canto. Era como se apenas ali conseguisse se livrar do peso do mundo inteiro, do peso dos crimes que desvendava, e conseguisse respirar tranquilidade ao invés de tensão. Contudo, naquela tarde, algo estava diferente.            Costumava ser um homem de instintos e confiava neles com sua própria vida, afinal, salvara-se por pouco, em várias ocasiões, por acreditar em um sexto sentido discreto que vivia dentro dele. Nunca fora cético e sabia que todo ser humano guardava um pouco de magia dentro de si. Por isso, quando sentiu que havia algo de estranho em sua casa, não duvidou. Na verdade, ele soube assim que se apro
Leer más
Capítulo 7
— O quê? Você tem certeza?            Aquela foi uma pergunta estúpida, proferida em um momento de desespero. Claro que Jayce tinha certeza; claro que ele não brincaria com algo tão sério. Ela não o conhecia há muito tempo, mas não era difícil julgar sua índole.            — Infelizmente, tenho. Seu corpo foi encontrado em um galpão dias atrás. Ela foi sequestrada e morta depois de algum tempo. — ele preferiu ocultar alguns detalhes para não deixá-la ainda mais nervosa. Além disso, falou com calma, sabendo que a notícia iria abalá-la.             — Meu Deus! — com as mãos na cabeça, desorientada, Cailey sentou-se em sua cama, a
Leer más
Capítulo 8
O entusiasmo de Cailey não poderia ser medido. E levando em consideração que estivera completamente assustada com a história da poesia e do assassinato de Jodie Bridges, sentia-se aliviada. De alguma forma, tudo que conseguia pensar era que proporcionaria alguma alegria à Faith, que a floricultura Jardins e Sentimentos seria finalmente apresentada ao mundo por intermédio dela, mesmo que indiretamente. E, percebendo sua alegria, Tatianna a ouvia com atenção, por mais que, exatamente como uma criança, ela estivesse repetindo o mesmo relato pela terceira vez, embora usasse outras palavras.            Foi interrompida apenas pela campainha, que tocava. Tatianna se prontificou a se levantar para atender, mas a prima se mostrou assustada, colocando a mão em seu braço, fazendo com que esperasse um pouco.       
Leer más
Capítulo 9
Enão foi fácil parar de pensar nela na manhã seguinte, especialmente quando a primeira pessoa que encontrou no estacionamento da delegacia foi Morris. Ao vê-lo, Jayce sentiu-se encher de raiva, pensando que fora ele, um policial, que deixara uma mulher indefesa no meio da rua, sozinha.Ainda tentou conter sua ira, respirar fundo, mas a imagem de Cailey, machucada e chorando assustada, não lhe abandonava. Pelo contrário, conforme observava o colega caminhar, na direção da delegacia, imaginava o que poderia passar pela cabeça de um filho da puta daqueles para cometer tamanha estupidez.Sem nem pensar no que estava fazendo, Jayce apressou o passo até chegar em Morris, tocando em seu ombro e fazendo-o virar para si. A princípio tentou uma abordagem gentil, com a intenção de conversar e saber o que tinha acontecido; embora não tivesse muita esperança que fosse conseguir s
Leer más